Marco Aurélio não quer herdar inquérito sobre Bolsonaro

Ministro defendeu que a investigação sobre interferência de Bolsonaro na PF seja distribuída por sorteio após a aposentadoria do relator Celso de Mello

Jornal GGN – O ministro Marco Aurélio Mello defendeu que o inquérito sobre a interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal seja distribuído por sorteio após a aposentadoria do hoje relator, Celso de Mello.

Segundo o Estadão desta segunda (21), Marco Aurélio é o herdeiro natural das ações do decano, que deve se aposentar do Supremo em novembro. Mas Marco Aurélio rejeita receber como herança o inquérito que atinge o presidente da República.

“Ante a urgência de todo e qualquer inquérito, de todo e qualquer processo-crime, há de ser distribuído (a outro ministro). Não aceito simplesmente herdar”, disse Marco Aurélio Mello.

“Sou substituto do ministro Celso de Mello, não pelo patronímico Mello, mas por antiguidade, enquanto ele integrar o tribunal. E não aceito designação a dedo. Mas, como os tempos são estranhos, tudo é possível”, acrescentou.

Celso de Mello está de licença médica até o dia 26 de setembro. Enquanto segue afastado, Bolsonaro tenta emplacar no STF que seu depoimento no inquérito seja por escrito, e não pessoalmente, como defendeu o decano em decisão recente.

Marco Aurélio decidiu suspender o inquérito até que Celso de Mello retorne.

Leia mais:

Por ser investigado, Bolsonaro deve depor pessoalmente, decide Celso de Mello

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora