Partidos copiam atas e levam suspeitas sobre divisão de recursos

Registro de reunião feita pelo PSL é semelhante à do PL; disputa eleitoral começa sob suspeita por conta do fundo eleitoral, que vai distribuir R$ 2,035 bi

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A disputa da eleição municipal começa com a suspeita de partidos simularem reuniões para estabelecer os critérios de divisão do fundo eleitoral, a maior fonte de recursos para quem vai disputar os cargos de prefeito e vereador.

Levantamento elaborado pelo jornal Folha de São Paulo aponta que pelo menos quatro partidos encaminharam documentos semelhantes ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o que indica a suspeita de que partidos tenham burlado exigências legais.

Um exemplo citado é o do PSL, que apresentou uma ata com trechos semelhantes ao de uma reunião do PL, realizada quase um mês antes – inclusive em erros de português. O partido presidido por Luciano Bivar terá a maior parte dos recursos neste ano, quase R$ 200 milhões, por conta da votação que elegeu Jair Bolsonaro como presidente da República.

Para que cada partido receba os recursos do fundo eleitoral, é necessário reunir os dirigentes e que seja aprovada uma resolução com os critérios a serem usados para o repasse das verbas. Toda a documentação deverá ser enviada ao TSE, e divulgada nos canais de comunicação. A eleição irá dividir R$ 2,035 bilhões em verbas públicas aos partidos.

 

 

Leia Também
Eleições municipais e a construção da democracia de raiz, por Francisco Celso Calmon
Brasil precisa urgentemente de alfabetização midiática, diz Eliara Santana
Os limites dos gastos públicos, por Antonio Corrêa de Lacerda

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora