Pastor que confessou corrupção no RJ está desaparecido

Relator do processo de impeachment de Witzel quer que o tribunal acione o sistema nacional de informação para localizar Edson Torres

Pastor e empresário Edson Torres. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O empresário e pastor Edson Torres não foi encontrado para depor ao tribunal que analisa o impeachment de Wilson Witzel, governador afastado do Rio de Janeiro, embora ele tenha procurado o Ministério Público Federal (MPF) em setembro para 2020 para confessar sua participação no esquema de desvio de recursos da Saúde.

De acordo com o jornal O Globo, Torres foi apontado como operador do Pastor Everaldo e, na ocasião, explicou como funcionava o esquema de corrupção, em depoimento que embasou uma das denúncias contra Witzel no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Na ocasião, Torres explicou que o grupo ligado ao Pastor Everaldo montou uma “caixinha da propina”, que teria arrecadado cerca de R$ 50 milhões em espécie em vantagens indevidas entre janeiro de 2019 e julho de 2020. O relator do impeachment, deputado Waldeck Carneiro (PT), considera Torres testemunha chave do processo e deveria ter sido ouvido em 17 de dezembro, mas desde então ele não foi encontrado.

Após três tentativas de intimação do pastor, Carneiro solicitou nesta quinta-feira (07/12) que o tribunal acione os sistemas de informações eleitorais, do Judiciário e de integração de informações em segurança para que Torres seja localizado para depor.

 

 

Leia Também
Depoimento de Witzel em processo de impeachment é suspenso por Moraes
Investigações sobre Witzel indicam esquema de propina no Judiciário no RJ
STJ confirma afastamento de Wilson Witzel do governo do RJ
Cláudio Castro pode escolher novo procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora