Procuradores de Curitiba teriam pedido para delator citar Toffoli

Menção a Toffoli seria uma maneira da Lava Jato criar constrangimento para o Supremo e fazer a Corte recuar de julgamentos que desagradam o Ministério Público, como a revisão da prisão a partir de condenação em segunda instância

Jornal GGN – O jornalista Severino Motta publicou no BuzzFeed News uma reportagem especial informando que a defesa de Marcelo Odebrecht fez chegar a ministros do Supremo Tribunal Federal a informação de que o nome de Dias Toffoli foi incluído em delação premiada a pedido dos procuradores da Lava Jato em Curitiba.

Segundo a matéria, “ministros ouvidos pelo BuzzFeed News” souberam que “houve pressão de procuradores para que ele [Marcelo Odebrecht] apresentasse o nome de Toffoli em sua delação – mesmo sem envolvê-lo em crime.”

De acordo com a apuração, a menção a Toffoli seria uma maneira da Lava Jato criar constrangimento para o Supremo e fazer a Corte recuar de julgamentos que desagradam o Ministério Público, como a revisão da prisão a partir de condenação em segunda instância.

Os ministros ainda disseram que a postura da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, reforça ainda mais as suspeitas sobre os procuradores de Curitiba. Dodge tentou trancar, por conta própria, o inquérito instaurado pelo STF a pedido de Toffoli para apurar ataques e disseminação de fake news contra membros da Corte. Sob relatoria de Alexandre de Moraes, a investigação também incluiria a reportagem de Crusoé que cita a delação de Odebrecht sobre Toffoli.

Ministros disseram ao BuzzFeed “que o pedido de Dodge tem como pano de fundo o temor de que a suposta pressão para Odebrecht citar o nome de Toffoli e a posterior entrega do material à Crusoé poderia levar à responsabilização – ou, nas palavras de um ministro, a até mesmo à prisão – de procuradores da Lava Jato em Curitiba, no âmbito do inquérito que investiga fake news e ofensas ao STF.”

Leia também:  Para não atrapalhar impeachment, Lava Jato escondeu delação contra Temer

Em nota, os procuradores de Curitiba negaram participação na delação de Marcelo Odebrecht que cita Toffoli. “Os procuradores da República que compõem a força-tarefa Lava Jato em Curitiba negam peremptoriamente ter tratado desse assunto com o sr. Marcelo Odebrecht ou com seus advogados, sendo que o conhecimento sobre a manifestação do colaborador ocorreu posteriormente à publicação da matéria.”

A delação, contudo, foi anexada em processo que tramita na 13ª Vara Federal de Curitiba. Na quarta (17), o Juízo removeu o trecho que cita Toffoli do inquérito em primeira instância e enviou para a Procuradoria Geral da República.

Leia mais no BuzzFeed.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. Novidade???
    Com STF e tudo para o golpe extrapolando os limites da Lei q nem precisava ser advogado p ver os excessos de AUSENCIA DE PROVAS, baseados num fake powerpoint!
    AGORA????

  2. Tá ficando bom!
    Como deus escreve torto por linhas tortas que é pra manter a estética, os nobre magistrados agora experimentam as consequências de sua permissividade.

  3. O ministro Dias Toffoli está sendo vítima do mesmo modus operandi a que foi submetido Lula e sua família.
    Inocentemente, os progressistas estão dando apoio aos criminosos da LavaJato ao defenderem o princípio da “Liberdade de Imprensa”. Não se trata de defender a “Liberdade de Imprensa” (essa é uma cortina de fumaça). Trata-se de enfrentar uma organização criminosa que está destruindo o Brasil.

  4. Como está investigando, STF bem que podia (pode?) romper todo este esquema de delações com uso da mesma estratégia, legalmente fazer com que o delator delate a sua delação.

    caminho mais fácil para confirmar se foram condicionadas ou não, partindo do princípio de que ninguém é dono do delator, só da delação

  5. O inferno está em polvorosa! Enquanto isso, na sala da justiça, os algozes não conseguem executar o indicado para morrer. Salvem-se quem puder.

  6. Os que aqui vicejam desde os tempos das “estrelinhas”,sabem o que penso do Ministro Zé Toffoli,vamos combinar.Agora essa historia “o amigo do amigo do meu Pai’,é uma armação descarada,capadócia,sem vergonha,ainda mais quando capitaneada pela Anta Veneziana e um tal Mario Cachoeira,ancorada pela Vênus Latrinada e a milicia judiciaria.Ia me esquecendo de uma coisa importante:Esse Zé Toffoli é um cabra corajoso,e mais uma vez “A Lei do Cipó de Aroeira”,que tarda mais não falha,como gosta o senhos Editor,se faz presente.Alea jacta est,ou guerra no topo da máfia.Talvez uma das poucas coisas que a ex Presidente Dilma tenha deblaterado para a humanidade.”Quando a barragem romper,não ficará pedra sobre pedra”.O rompimento da barragem de Mariana é uma grande bobagem para o que ainda está porvir.

  7. Desconfio sempre de quem adjetiva o adjetivo: no caso da nota (nota? desde quando procuradores pessoalmente ou em equipe fazem nota?) dos desprocuradores, há uma negação peremptória: fosse verdade, seria apenas NEGO. O peremptório demonstra a negação da negação, ou seja, a confirmação de que se enredaram, como sempre, em golpes e golpistas.

  8. Nenhuma novidade. Talvez apenas uma; a ousadia dos meninos da Lava Jato diante de inúmeras contrariedades.
    Escancarou de vez.
    Muito bom para o Estado de Direito e para a democracia que o STF sinta na pele a força dos abusos que, há bem pouco tempo, se nega a enxergar.
    Excesso de poder com nenhum controle leva a esse estado de coisas.

  9. Nassif: isso tá uma ZonaFranca. E não de Manaus. O Çupremu, que desde o Morcegão (que é a marca de Caim) vinha botando no fiofó da Nação, de repente (“nunca mais que de repente” – Vinicius) provou do próprio veneno. Os estrangeiros que estavam (e continuam) por trás do VerdugoMor da Corte dos Pinhas e dos Gogoboys (comandados pelo avivado de PatoBranco e do Bras) querem, com aquele fundão surrupíado do Petróleo, botar fogo na lona do circo. E a Querência de CruzAlta, fonte intelectual dos terroristas VerdeSauvas, tão só esperando o “salve” da IV Armada para ocuparem a Nação. E têm prática disso. Começaram em 15 de novembro de 1889 e de lá prá cá, viromexeu, tão sovando a povalha, ora por vontade própria (por não terem outra ocupação) ora a pedido das eleites e dos canalhas sociais. Desta vez, a mando dos donos do quintal, para agilizar a ocupação da amazônia e ocuparem o PreSal e Alcântara.

    Dizem que o sabujos do Principe de Paris insistiram que aquele da fachadinha falasse o nome “Francisco”, para os Gogoboys indiciarem o Papa e toda Cúria romana. EliottNesseTupiniquim tava com o mandado de prisão prontinho.

    Agricultor que não ouve o alerta de Saint_Hilaire, sobe as Saúvas, acaba comendo grama pela raiz…

  10. Na verdade, estes bandidos estão acostumados a prender, torturar até que o preso fale o que eles querem ouvir, mas e a verdade? A verdade não interessa!

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome