STF condena deputado que manipulou vídeo de Jean Wyllys

Delegado Éder Mauro (PSD-PA) foi responsável pela alteração de um discurso em vídeo do ex-deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ) e divulgação posterior em suas redes sociais

Foto: Agência Brasil

da ConJur 

Deputado que manipulou vídeo de discurso de Jean Wyllys é condenado pelo STF

por Fernanda Valente

A divulgação do conteúdo fraudado, que inverte a ordem e seu sentido com foco na difamação, caracteriza etapa da execução do crime, e estabelece a autoria criminosa do divulgador. Com esse entendimento, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal condenou nesta terça-feira (18/8) o deputado federal Delegado Éder Mauro (PSD-PA) pelo crime de difamação agravada.

Mauro foi responsável pela alteração de um discurso em vídeo do ex-deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ) e divulgação posterior em suas redes sociais. Na edição, foi retirado trecho do discurso em que o psolista criticava o imaginário das forças de segurança em relação à população negra e pobre. Com isso, passou a circular como sendo a fala de Jean Wyllys: “Uma pessoa negra e pobre é potencialmente perigosa. É mais perigosa do que uma pessoa branca de classe média. Essa é a realidade!”

Os ministros concordaram integralmente com o relator, ministro Luiz Fux, sobre a gravidade da conduta. Fux considerou que foi usada de inteligência digital para tirar do contexto frases que levaram para o ex-parlamentar “uma característica que, efetivamente, não era dele”. Segundo o ministro, a origem de Jean não permitiria esse tipo de manifestação.

Preocupado com esse tipo de fraude e seu consequente alcance, Fux disse que “a divulgação do conteúdo fraudado, invertendo-lhe o sentido com a finalidade de difamar o autor, constitui etapa da execução do crime, estabelecendo a autoria criminosa do divulgador”. Ainda segundo o ministro, isso não exclui a responsabilidade do programador visual ou do editor responsável pela execução material da fraude.

Os ministros também afastaram o pedido de imunidade parlamentar. “A veiculação dolosa de vídeo com conteúdo fraudulento para fins difamatórios, conferido ampla divulgação pela rede social de conteúdo sabidamente falso, não encontra abrigo na nobre garantia constitucional prevista no artigo 53”, afirmou o ministro, citando precedentes da corte.

Leia também:  Pazuello contrata assessor 'master coach' e está à espera de uma 'avalanche' de vacinas

Por maioria, os ministros substituíram a pena privativa de liberdade por prestação pecuniária de 30 salários mínimos. Vencido neste ponto, o ministro Marco Aurélio afirmou que só é o caso de acionar o artigo 44, do Código Penal, quando a pena restritiva de direitos for “suficiente a reprimenda da conduta”. Para o ministro, no caso, a substituição não seria possível.

O Ministério Público Federal relembrou que o vídeo só foi retirado do ar depois de decisão judicial. A manifestação do órgão foi pela condenação, ressaltando que o vídeo teve objetivo específico de atingir a integridade moral e honra do ex-deputado, motivo pelo qual “não guarda relação com atividade parlamentar e, portanto, não está acobertada pela imunidade parlamentar”.

Jean Wyllys é representado pelo advogado Antonio Rodrigo Machado de Sousa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Fico imaginando como era a conduta desse deputado quando era delegado de polícia. Deve ter feito coisas do arco da velha. Muitos devem ter sofrido o que não mereciam, devido ao caráter dele.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome