Vice-governador do RJ é descrito como ‘cria’ da Alerj

Cláudio Castro tem boa relação com família Bolsonaro, mas desconfia de fogo amigo; ele assume caso Witzel sofra impeachment

Cláudio Castro, vice-governador do Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/Wikipedia

Jornal GGN – O processo de impeachment contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, colocou o nome do vice Cláudio Castro nos holofotes. Há quatro anos, ele era chefe de gabinete do deputado estadual Márcio Pacheco (PSC), com quem trabalhou na Casa por 11 anos. Eleito vereador em 2016, ele teve sua trajetória interrompida para formar chapa  com o então ex-juiz federal.

Segundo informações do jornal O Globo, Castro já se queixou a aliados sobre o fato de estar na linha de sucessão ser uma faca de dois gumes: ele virou alvo do próprio Palácio Guanabara, que estaria elaborando um levantamento para enfraquecê-lo, uma vez que o vice assumiu a articulação política de Witzel depois da saída de André Moura da Secretaria da Casa Civil.

No entanto, Witzel também é criticado por sua postura soberba por outras autoridades, enquanto Castro é mais acessível e conhecido dos deputados a ponto de ser chamado de ‘cria’ da Alerj – e tal proximidade facilitaria a barganha de cargos.

Outro ponto que conta a favor de Castro é o relacionamento com a família Bolsonaro: o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) disse a interlocutores que tem uma relação cordial com Castro, embora não converse com ele desde o agravamento dos atritos com Witzel, em setembro de 2019. E Cláudio Castro tem dito que vai procurar Jair Bolsonaro para “pacificar a relação” entre os poderes.

 

Leia Também
Aprovado processo de impeachment de Wilson Witzel
Alerj decide abrir processo de impeachment contra Wilson Witzel
A vida pregressa de Sergio Moro: saiba como ajudar o projeto do GGN

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Michelle Bolsonaro cada vez mais implicada nas investigações de Flávio, diz jornal português

3 comentários

  1. Que cuide pelo menos da saúde, neste RJ que decai desde os tempos de imperadores e imperatrizes. O maior símbolo do estado, cidade e dos maiores do Brasil, Copacabana, a que já foi princesinha do mar, é atualmente a região de principal transmissão do coronavírus. E com Bolsonaro, pior ficará a região.

    Copacabana é o bairro do Rio com o maior número de mortes e casos da Covid-19
    Com grande concentração de idosos o bairro registrou 443 casos e 88 mortes pela doença até quinta-feira (14/5).
    https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/05/15/copacabana-e-o-bairro-carioca-com-o-maior-numero-de-casos-e-obitos-em-decorrencia-da-covid-19.ghtml

    ‘AQUI JAZ COPACABANA’: REPORTAGEM DO LE MONDE MOSTRA DECADÊNCIA DO BAIRRO CARIOCA COMO METONÍMIA DO BRASIL
    Le Monde fala sobre empobrecimento, explosão das desigualdades, extrema direita e coronavírus no bairro
    https://epoca.globo.com/guilherme-amado/aqui-jaz-copacabana-reportagem-do-le-monde-mostra-decadencia-do-bairro-carioca-como-metonimia-do-brasil-24476392

  2. Parece que esse sujeito já entra com um histórico de nepotismo com dois irmãos nomeados em cargos do governo do estado, um,inclusive, morando em Dubai.
    De qualquer forma,o problema do estado do Rio de Janeiro parece ser uma corrupção endêmica.
    Seria necessário uma auditoria externa com absoluta transparência para que essa história comece a mudar,caso contrário, somente mudarão as moscas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome