EUA enviam bombas ‘destruidoras de bunkers’ a Israel para a guerra em Gaza, diz relatório

Além de munições que penetram no solo, os EUA também forneceram a Israel vários outros tipos de bombas e projéteis de artilharia.

Abed Rahim Khatib/Anadolu

da Al Jazeera

EUA enviam bombas ‘destruidoras de bunkers’ a Israel para a guerra em Gaza, diz relatório

Os Estados Unidos forneceram as chamadas bombas “destruidoras de bunkers” e uma série de outras munições a Israel para a sua guerra em Gaza, de acordo com um relatório do The Wall Street Journal.

Washington transferiu 100 bombas BLU-109 para Israel, destinadas a penetrar estruturas reforçadas antes de explodir, disse o relatório, citando autoridades norte-americanas não identificadas.

A bomba carrega uma ogiva que pesa mais de 900 quilogramas (19,80 libras) e já foi usada pelos EUA em conflitos, incluindo a guerra no Afeganistão.

Não é o único tipo de munição fornecido pelos EUA a Israel para a guerra no enclave sitiado, que até agora matou mais de 15 mil palestinianos, incluindo pelo menos 6.150 crianças. O ataque do Hamas a Israel, em 7 de Outubro, que deu início à guerra, matou 1.200 pessoas.

Ao contrário das atualizações regulares sobre armas feitas pelos EUA sobre a guerra na Ucrânia, o Pentágono manteve-se em grande parte silencioso sobre o seu nível de apoio armamentista a Israel, no meio da condenação internacional das operações militares israelitas em Gaza.

O relatório do WSJ disse que uma onda de armas dos EUA para Israel desde o início da guerra incluiu 15.000 bombas e 57.000 projéteis de artilharia de 155 mm que foram transportados principalmente em aviões militares de carga C-17.

Washington também enviou mais de 5.000 bombas não guiadas Mk82, mais de 5.400 bombas Mk84, cerca de 1.000 bombas GBU-39 de pequeno diâmetro e aproximadamente 3.000 JDAMs, um kit de orientação que transforma bombas não guiadas em munições guiadas com precisão, disse.

Isto soma-se aos milhares de milhões de dólares que Israel recebe todos os anos em apoio financeiro dos EUA para as suas operações militares.

De acordo com o WSJ, grandes bombas fabricadas pelos EUA foram utilizadas em alguns dos ataques israelitas mais mortíferos na Faixa de Gaza, incluindo um ataque que destruiu um bloco de apartamentos no campo de refugiados de Jabalia , matando mais de 100 pessoas. Israel disse que o ataque foi justificado porque matou um líder do Hamas.

O intenso bombardeio aéreo de Israel em Gaza recomeçou logo após o fim de uma trégua de uma semana na sexta-feira, que viu dezenas de prisioneiros detidos em Gaza serem trocados por palestinos detidos em prisões israelenses. Muitas dezenas de palestinos já foram mortos menos de 24 horas após o reinício dos ataques.

O exército israelita, que tem dito repetidamente aos palestinianos para evacuarem o norte de Gaza no meio das suas operações terrestres, disse no sábado que partes do sul de Gaza também são agora uma zona de batalha. As pessoas no terreno e os grupos de direitos humanos têm afirmado repetidamente que não existe lugar seguro em Gaza.

‘Questionamento no Congresso’

Heidi Zhou-Castro, da Al Jazeera, disse que o relatório sobre a entrega de bombas de penetração pesadas a Israel levantou novas questões sobre as contínuas transferências de armas dos EUA para o país.

“Estas são grandes bombas que os EUA usaram no passado nas suas guerras no Afeganistão, Iraque e Síria, mas principalmente em áreas abertas… Agora Israel está a usar estas bombas num ambiente muito diferente em Gaza, numa área densamente povoada por população civil, ”, disse Zhou-Castro.

“Muitas pessoas questionam agora no Congresso se continuar a fornecer estas ‘bombas de bunker’ é uma boa ideia e também apelam a mais transparência”, disse ela.

As bombas de penetração poderiam, teoricamente, ser usadas para atingir os túneis que o Hamas utiliza para movimentar pessoal e munições. No entanto, os túneis estão localizados sob uma área urbana densamente povoada, o que significaria que o uso das bombas causaria muito mais vítimas civis.

Os EUA apoiaram totalmente os esforços de guerra israelitas face à crescente pressão internacional para um cessar-fogo total. Washington disse repetidamente que pediu a Israel que tentasse limitar as vítimas civis, ao mesmo tempo que sitiava os principais hospitais de Gaza .

FONTE : AL JAZEERA E AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Redação

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. As pessoas que tem um pouco de conhecimento, sabem que o grande negócio dos EUA, é a guerra. Ao contrário da China que precisa da paz para prosseguir na sua ascenção econômica, os EUA precisam da guerra para continuarem, em vão, o seu anseio de dominarem o mundo indefinidamente e para tal contam com esbirros como o nazisionista Netanihorror.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador