A selvageria do direito penal do inimigo

Se eu gostaria de ver Gilmar Mendes abatido por uma denúncia fundamentada? Gostaria, admito. O mesmo com Dias Toffoli, depois de sua conspiração pelo terceiro turno no Tribunal Superior Eleitoral, colocando interesses e suscetibilidades pessoais acima da responsabilidade para com o país e as instituições.

Assim como me satisfaria, como brasileiro, que a Lava Jato e a Procuradoria Geral da República conduzissem investigações corajosas e isentas contra Aécio Neves e José Serra, apenas para que presunção da isonomia devolvesse um mínimo de segurança jurídica, de isenção às investigações. No seu caso, seriam reconhecidos direitos, permitindo ao sistema jurídico ser apresentado novamente a princípios como presunção de inocência, direito à imagem e outros direitos fundamentais banalizados nesses tempos de escuridão.

Acusações sem provas, escândalos baseados em indícios, a prevalência do direito penal do inimigo, até contra inimigos, significam a abolição de qualquer princípio de direito individual, a erradicação de direitos que começaram a ser plantadas no país apenas após a Constituição de 1988. E a celebração da barbárie.

Nem contra Gilmar poderá ser aceito, o mesmo Gilmar que passou a vida no STF fabricando escândalos midiáticos para fins políticos. Aceitar o mesmo jogo contra eles, significaria, mais do que tudo, fazer o seu próprio jogo. Ao se exigir que a Zelotes praticasse as mesmas arbitrariedades que a Lava Jato, críticos da Lava Jato ajudaram a alimentar dois monstros ao invés de um.

A falta de pulso do STF (Supremo Tribunal Federal) abriu a jaula e deixou à solta uma legião de monstros, os que recorrem a chantagens e assassinatos de reputação para se prevalecer. São sem-leis, sem-Justiça, sem-dignidade e praticam seus crimes à luz do dia e à luz das manchetes de uma imprensa deletéria..

Em países civilizados, criaram-se leis para retê-los em suas jaulas. É só analisar a expressão do diretor da SEC no Roda Viva, quando indagado como os Estados Unidos analisam vazamentos de informações de inquéritos sigilosos. Ele olhou com ar incrédulo o entrevistador. É uma situação tão improvável de ocorrer nos EUA, que ele não perde tempo analisando consequências.

A leniência do Supremo promoveu o vale-tudo que se volta contra seus próprios membros. Conheço pelo menos dois Ministros do Supremo assustados com possibilidades de chantagem. São pessoas tidas como corretas. O que seria a chantagem? Algum caso extraconjugal, alguma pendência fiscal, uma ação mal resolvida, qualquer motivo poderia ser invocado para que sejam fuzilados no tribunal da mídia. Sua defesa seria o discernimento das leis, a capacidade da estrutura jurídica entender o que é crime e o que não é, o que é fato relevante ou irrelevante, o que é escândalo e o que é irrelevância. Mas cadê o discernimento? A besta solta das manchetes irresponsáveis produziu uma subversão total dos fatos, das interpretações, do discernimento.

Por Patricia Ramos

Em abril se descobriu uma escuta clandestina no gabinete do ministro do STF meritissimo Barroso…

Agora se descobriu que a Delegada chefe da inteligencia da PF em Curitiba colocava escuta clandestina no corredor da PF Curitiba para espionar servidores testemunhas das ilegalidades da lava Jato…

O Delegado Igor Romario e o superintendente da PF Curitiba colocaram escuta clandestina na cela de Alberto Youssef para subornar sua delacao…

No dia da votacao do impeachment na camara, surgem audios do Lula com a presidente Dilma vazados na imprensa para causar revolta popular contra o governo…

Agora a lava jato vaza essa historia ridicula do Ministro Tofolli para pressionar o STF…

A pergunta que eu faco, qual o limite legal da Lava Jato, de seus delegados, dos procuradores e do juiz Moro?

58 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Li de Brusque

- 2016-08-22 16:34:57

  Apenas resolvi fazer um

 

Apenas resolvi fazer um contraponto ä Selvageria do Direito Penal do Inimigo, com O Carinhoso Direito Penal dos Amigos.

 

Lionel Rupaud

- 2016-08-22 14:08:35

Moro você aqui, que honra!

ou você mandou um dos seus sócios da PF ou do MPF fazer o serviço sujo, e escrever este texto carregado de subentendidos para fazer coro com as suas chantagens.

Eduardo.

- 2016-08-22 12:07:07

a conclusão

Quando as pessoas, das comuns as "ilustradas", não podem mais confiar na justiça e os juízes nao inspiram qualquer respeito e já nao causam medo e sim revoltas, ha sinais que algo vai mudar, sem o controle dos ilustrados, finalmente.

CB

- 2016-08-22 11:08:22

http://www.tijolaco.com.br/bl

http://www.tijolaco.com.br/blog/dinheiro-fez-de-juizes-uma-casta-que-tem-horror-ao-povo/

Miguel A. E. Corgosinho

- 2016-08-22 02:33:59

Sem querer ofender os

Sem querer ofender os animais, eles precisam aprender com Serra que beija até cachorro.

 

Hmagalhaes

- 2016-08-22 02:03:20

Não há duvida: eles são NZISTAS! O globo é NAZISTA

Nassif e companheiros, NEM A ALEMANHA NAZISTA MAIS FEROZ COSEGUIU APAGAR FATOS DO PASSADO RECENTE COMO A MIDIA COMANDADA PELA GLOBO FEZ COM A DILMA E O LULA NA OLIMPÍADA RIO 2016.

GLOBO NAZISTA.

NAZISTAS!

Ruben

- 2016-08-21 21:57:14

A espionagem a serviço da chantagem

Nestes tempos, a ação de espionagem é em grande parte feita através da invasão de computadores, que veio a se somar a já tradicional escuta por meio de arapongas. A presidente Dilma e ministro de STF Teori Zavascki são exemplos conhecidos dos dois casos, sendo que se sabe que pelo menos no caso da Presidente a ação foi perpetrada pela NSA americana. Fica muito fácil usar os conhecimentos adquiridos desta forma, não apenas na espionagem industrial, como também para intervir na política interna dos países. Parte das informações obtidas na Lava Jato parece ter sido fornecida a partir da colaboração recebida da agência americana.

Mesmo se usada em inquéritos conduzidos com respeito aos direitos democráticos, são condenáveis estes métodos de obtenção de informações, sem autorização prévia da corte de justiça competente do país onde ocorreu a espionagem. Quando inquéritos são conduzidos com desrespeito às garantias individuais, como forma de se obter confissões e delações, então o futuro a frente torna-se no mínimo preocupante. Fica muito fácil o exercício da chantagem contra pessoas que tem o poder de decidir em vários campos de atuação, quando se tem acesso ao conteúdo de HDs e conversas telefônicas. Nem mesmo juízes do STF estão livres de serem espionados e, com isto, de serem coagidos a tomar decisões que contrariem suas convicções, ou mesmo de silenciarem quando  quando não deveriam.

Em casos de chantagem, três são as opções possíveis: a. ceder, carregando a frustração para sempre (isto se o chantageado não se satisfizer com um prêmio de consolação); b. não ceder, botar a boca no trombone e assumir com altivez as conseqüências; c. renunciar ao cargo, e com isto, deixar de ser objeto de interesse dos chantagistas.

Quando se olha agora, em retrospectiva, para os tempos do Macartismo nos Estados Unidos, fica difícil se entender como foi possível que aquela nação vigorosa tivesse consentido com o clima de perseguições e delações. Um dia iremos aqui também questionar como toleramos que a democracia alcançada a duras penas após 1964, fosse sendo esgarçada até que...............(Preencha você o espaço vazio: 1. sucumbimos ao totalitarismo. Ou 2. finalmente reagimos.)

O momento atual no país me faz lembrar da chamada Reação Termidoriana, golpe de estado que veio restaurar o poder da burguesia comercial e financeira na França, em oposição à esquerdização (e excessos) da Revolução de 1789, quando a participação popular era intensa e muitas cabeças rolaram. E pensar que Fukuyama teve seu período de fama ao decretar o fim da história com o colapso do império soviético.

jcordeiro

- 2016-08-21 20:35:50

A Fábula do Óleo e da Água

Nassif: o Judiciário brasileiro segue agora seu bordão mestre ---"aos amigos a Justiça, na plenitude e até as últimas consequências. Aos inimigos a Lei, de preferência lenta e corrupta!".

Não é de hoje o brado.

Antes, ecoava em 2ª linha, logo depois de uma quartelada. Agora que, salvo as exceções alinhadas com o governo Temer, a Farda recolheu-se à caserna, a Toga assumiu o posto, tendo por coadjuvantes as históricas hienas, as tradicionais oligarquias e os ladrões contumazes nas elites.

E sendo estes os donos dos meios financeiros e de comunicação o chafurdo está completo.

Bobo foram as esquerdas, quando imaginaram uma convivência "pacifica" entre o Lobo e o Cordeiro. Entre o Povo e a Serpente. Como se instituições distintas pudesem ser, pacificamente, misturadas.

Água e óleo, quando agitados, como em 2003/2005, parece que vão se fundir. Mas quando as coisas se acalmam e os ladrões que normalmente habitam o óleo descobrem que suas chances de retomar a gatunagem está prejudicada nada melhor que arrajar outro governo, nos moldes daquele que tinham antes no Pais. E com a ausência do coturno, os punhos de seda substituiram à altura.

E volta-se as origens ---o ladrão comprovado dando uma de moralista e ético; os safados puxando terço junto ao altar e os crápulas jurando inocência.

Parece que no Brasil a reinvenção da Fábula é uma constante. Pena que só muda a mosca...

 

 

Li de Brusque

- 2016-08-21 20:29:29

Contra as versões, não há

Contra as versões, não há fatos.

Aprenda Ana, se os fatos não batem com as versões, pior pros fatos.

 

 

Li de Brusque

- 2016-08-21 16:12:53

A decisão do Ministro

A decisão do Ministro Tóffoli, de acolher um Habeas Corpus endereçada ao Supremo Tribunal Federal, pela soltura imediata de Paulo Bernardo, ex-ministro da Dilma, decretada por um Juiz federal de 1a. Instância foi um dos capítulos mais vergonhosos do Judiciário Brasileiro.

Iso porque é basilar no direito nacional que qualquer recurso sera endereçada a um juiz competente, e no caso do Paulo Bernardo, deveria ter sido endereçada ao TRF, ou Tribunal Federal de Recursos.

A questão central não é o pedido do Ministro para o Mega-empresário indicar uma empresa capaz de fazer um conserto no telhado de sua mansão, mas sim o de se descobrir o grau de intimidade entre o Ministro e o Mega-empresário, que permite esse tipo de pergunta entre os dois.

 

Palhaço Goiabada

- 2016-08-21 15:04:17

Os ministros do STF estão acuados pela R.Globo e R. de Curitiba

UM AMIGO ME ENVIOU O SEGUINTE COMENTÁRIO, DEPOIS DE LER ALGUMAS MATÉRIAS NOS BLOGS “SUJOS”, PRINCIPALMENTE NO BLOG DO NASSIF:

Comecemos com o papo entre um ministro do STF e o Jornalista Luiz Nassif publicado aqui: https://jornalggn.com.br/noticia/a-vinganca-torpe-da-lava-jato-contra-dias-toffoli e que reproduzo abaixo:

Nassif diz: Antes do impeachment, conversei com um MInistro do STF intimidado com os ataques feitos à sua esposa. Procurei acalmá-lo mostrando que nenhuma pessoa com discernimento acreditaria nos factoides divulgados. E ele:

– E as pessoas sem discernimento?

Quem é o ministro cuja esposa sofreu ataques? É o juiz Luis Roberto Barroso, do STF. E o ataque em forma de manchete foi o seguinte: “Esposa do Ministro do STF Luis Roberto Barroso abre Offshore com nome de solteira”. Leia a matéria completa aqui:http://vetorm.com/?p=558

A partir de então, você acha que o ministro Barroso tem condição de julgar com isenção qualquer delação/acusação que seja do interesse da Globo? Principalmente aquelas feitas CONTRA PTistas? Pela pergunta que o ministro fez ao Nassif (- E as pessoas sem discernimento?) ele está completamente apavorado.

Entenderam agora como se arma um ASSASSINATO DE REPUTAÇÂO? Primeiro vem a intimidação e, se o juiz não recuar, vem o assassinato de reputação propriamente dito com a consequente desmoralização do magistrado

Agora, a bola da vez é o ministro Dias Toffoli. Mas eles (os golpistas) vão arranjar um jeito de desmoralizar também o ministro Marco Aurélio Mello. Veja este vídeo e entenda porque eu estou dizendo isto:http://www.conversaafiada.com.br/politica/marco-aurelio-e-golpe

Lembram o que disse o Ministro Levandowiski quando da condenação do Zé Dirceu no processo do mensalão do PT? Lewandowski afirmou que o STF votou o mensalão com a faca no pescoço. Veja aqui: http://www.conjur.com.br/2007-ago-30/lewandowski_afirma_stf_votou_faca_pescoco .

E quem foi que colocou a faca no pescoço dos ministros da Suprema Corte? A mídia, de uma maneira geral, com destaque para a Rede Globo de Televisão em particular.

E os fascistas estão ganhando o jogo de 7 x 1. Portanto, o Brasil está perdendo feio e o Brasil somos nós. Nada pode ser feito?

PS: Nassif, cada vez mais eu lhe admiro.

 

 

 

Palhaço Goiabada

- 2016-08-21 14:57:36

E o Moro ganha apena 77 mil reais mensais para destruir o Brasil

O custo (absurdo) da Justiça do Brasil!

É maior do que o custo dos paÍses desenvolvidos, da OCDE! Publicado 21/08/2016 no Conversa AfiadaVERGONHA.jpg

O Conversa Afiada reproduz a introdução de um pioneiro trabalho sobre o absurdo custo da Justiça do Brasil.

O autor é Luciano Ros, pós graduado em Ciências Jurídicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Ciência Politica pela University of Illlinois, Chicago.

A pesquisa é desenvolvida em parceria com Matthew Taylor, da American University.

Luciano e Matthew estão traduzindo para o português uma versão mais completa do trabalho, que apresentaram em um congresso nos Estados Unidos no início do ano.

Em paralelo, aguardam a divulgação do "Justiça em Números" deste ano (prevista para setembro) para atualizar os dados a respeito do Brasil.

O custo da Justiça no Brasil: uma análise comparativa exploratória Luciano Da Ros (ifch/ufrgs)*

Resumo: O texto realiza uma análise exploratória a respeito das despesas das instituições do sistema de justiça brasileiro – i.e., Poder Judiciário, Ministério Público, Defensorias Públicas e Advocacia Pública – comparando-as às de outros países, europeus e americanos, com base em fontes secundárias (relatórios oficiais e estudos). Os resultados demonstram que a despesa brasileira com estas instituições é, comparativamente, bastante elevada, em valores proporcionais ou absolutos, sugerindo a necessidade de se discutir sua eficiência e impacto econômico.

Introdução

O objetivo desta newsletter é discutir brevemente algumas características das despesas do sistema de justiça brasileiro em perspectiva comparada, sintentizando achados de uma pesquisa em andamento.1

Priorizamos, portanto, a análise da prestação jurisdicional como uma política pública em si mesma, que pode e deve ser examinada de acordo com sua eficiência e efetividade.2 Neste sentido, retornamos a uma literatura que esteve na base das discussões sobre a reforma do Poder Judiciário brasileiro há cerca de uma década (e.g., Dakolias 1999, Pinheiro 2000, 2003, Sadek 2004, Hammergren 2007, Cunha 2008) e que se afasta da tendência atual da academia brasileira em relação a este objeto, que enfatiza a análise dos efeitos de decisões judiciais e de ações de integrantes do sistema de justiça sobre a elaboração de outras políticas públicas, como a provisão de medicamentos, as privatizações ou a macroeconomia (e.g., Oliveira 2005, Taylor 2008, Taylor e Da Ros 2008, Kapiszewski 2012, Wang et al. 2014).

O Poder Judiciário

Quanto custa, portanto, o conjunto das instituições do sistema de justiça para a sociedade brasileira? A resposta curta é: muito caro. Começando pelo Poder Judiciário propriamente dito, ao considerarmos todos os diferentes “ramos” da justiça – i.e., estadual, federal, trabalhista, militar e eleitoral – e todos seus níveis hierárquicos – i.e., da primeira instância ao Supremo Tribunal Federal (STF), incluindo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – o orçamento global deste Poder do Estado brasileiro totalizou R$ 62,3 bilhões em 2013, último ano para o qual há dados disponíveis (CNJ 2014, 38).3

Comparável ao orçamento anual do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, esta quantia é também maior do que o Produto Interno Bruto (PIB) de doze estados brasileiros considerados individualmente.4

Como explica o Justiça em Números, relatório anual do CNJ que não inclui os dados orçamentários do STF e do próprio CNJ, esta “despesa é equivalente a 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, 2,7% do total gasto pela União, pelos estados e pelos municípios no ano de 2013 e a R$ 306,35 por habitante” (ibid, 32).

Antes de serem singulares do ano em que foram coletados, estes dados representam a tendência geral em relação ao orçamento do Poder Judiciário no Brasil. Entre 2009 e 2012, esta despesa oscilou entre o equivalente a 1,35% e 1,48% do total de riquezas produzidas no pais (ibid).

Quão alto ou quão baixo é este percentual em comparação ao de outros países?

O Gráfico 1, a seguir, apresenta dados neste sentido e demonstra que o Poder Judiciário brasileiro é claramente um caso desviante em relação aos demais, sendo sua despesa proporcionalmente muito mais elevada que a de outras nações5 .

 

 

Matéria Completa: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/o-custo-absurdo-da-justica-do-brasil

J.marcelo

- 2016-08-21 14:08:14

Cada vez mais este País se
Cada vez mais este País se aproxima do fascismo/nazismo! Vejam a atual proposta de dez leis anticorrupção e a época "pré-nazista" o Decreto de fogo do Reichstag assinado por Hindenburg q suspendia direitos civis e liberdade das pessoas são situações bem parecidas que nos norteiam no que pode vir a acontecer no Brasil,se não PRENDEREM OS MONSTROS!!

Allex

- 2016-08-21 13:43:13

Ó, oráculo magnânimo, faltou

Ó, oráculo magnânimo, faltou explicar por que Bahia se escreve com "agá". Ah, e o Cascão? Ele finalmente tomará banho?

Eduardo Outro

- 2016-08-21 12:50:44

Prezada Patrícia, até alguns

Prezada Patrícia, até alguns dias atrás seus questionamentos eram os meus, e eu aguardava ansiosamente respostas que me esclarecessem, e que não vinham. Hoje as coisas estão claras, não tenho mais quaisquer dúvidas. Recebi uma luz parecida àquela que atingiu Paulo de Tarso, apóstolo. Permita-me compartilhar consigo: Antes de eu receber a luz acreditava num determinado Estado de Direito, que, data venia , você ainda acredita. Hoje, está claro que o limite legal por você questionado vem de uma nova ordem jurídica, não escrita,  implantada (off the record?) justamente com a ajuda dos quais você questiona qual seria o limite. E essa nova ordem não prevê qualquer limite. E andei pesquisando e lendo  sobre o que dizem as pessoas que entendem um pouco dessa tal de "ordem", tanto patrícios quanto estrangeiros, e eles falam que essa nova ordem se chama golpe, onde não há limite para nada.

Idiro

- 2016-08-21 12:05:07

"Aceitar o mesmo jogo contra

"Aceitar o mesmo jogo contra eles, significaria, mais do que tudo, fazer o seu próprio jogo"

Acho que essa frase deixa claro o que o Nassif tenta explicar no post. 

Mesmo assim, acho que magistrado nenhum merece esse tipo de defesa. Passou no concurso pra juiz, em minha opinião, já deixa de merecer isso. Esse pessoal manda e desmanda neste País, e não se sentem responsáveis por nada, nem por problemas econômicos, nem pelo aumento da criminalidade, por nada. É a autoridade sem responsabilidade. Defendem-se num seleto clube, e quando um deles faz uma coisa errada ou comete um crime, seus pares sempre estarão lá pra defendê-lo ou amenizar seus crimes. A punição máxima para esses indivíduos quando cometem crimes é a aposentadoria com um polpudo salário. Dentro dos tribunais exigem ser chamados de "doutor" e "senhor", enquanto chamam todo mundo de "você", colocam parentes em cargos comissionados através de triangulações, criam Leis que beneficiam a si próprios, se dão mordomias e regalias com o dinheiro público. Pra mim, com raras exceções (se é que existem) não merecem defesa.

 

 

Franklin Caetano de Freitas

- 2016-08-21 11:22:23

Régua do Universo.
Quem sou eu para ser a régua do universo. Agora o sujeito foi indicado para o STF e aceitou, muitos deles até campanha fizeram para entrar com amigos próximos ao poder. E por pressão da mídia não cumprem seu papel que é de ser o guardião da constituição. O que pode se dizer de gente assim? Que são covardes? Que são fracos? Toda uma nação deve pagar por suas pequenas e ridículas transgressões?

Li de Brusque

- 2016-08-21 08:17:55

E o que se dizer do Direito

E o que se dizer do Direito penal dos amigos?

Dias Tóffoli, contrariando jurisprudência formada por anos e anos no STF, deu uma liminar de soltura ao ex-ministro Paulo Bernardo sem que as instâncias intermediárias fosse sequer acionadas.

Foi uma decisão frontalmente contra a jurisprudencia da corte que sequer dá conhecimento a habeas corpus, sem que esse seja transite pelas instancias corretas antes de chegar ao Supremo. Essa decisão deixou a comunidade jurídica estarrecida, atônita e perplexa.

Se existe o direito penal do Inimigo, é certo que também existe direito não tão penal para os amigos.

Mas de tudo, muito salutrar que se começe a abrir a caixa de pandora do Judiciário.

Se a corrupção do executivo e legislativo foi desnudada, é chegada a hora do judiciário se despir aos olhos do povo tal qual a rainha Cersei, em Game of Thrones.

 

 

junior50

- 2016-08-21 05:26:16

O limite

    A "Republica de Curitiba" + setores da PF + midia de massa, definitivamente extravasaram, contra todos os entes politicos eles podem agir, sem o minimo medo ou freio, para a "esquerda" estão no sistema de "solução final", quanto as demais forças politicas, incluindo o governo interino , o que resta do Congresso, tribunais superiores, bastam ameaças, algumas veladas, outras mais diretas

     Quem hj. controla e decide sobre o País, não é Temer et caterva, é o "esquema lava - jato ", um sistema de Estado policialesco, que assumiu o poder de fato, faz o que bem entende, quando e como quer, todos estão sendo vigiados, todos podemos ser alvos, grandes e médias empresas a caminho da quebra, bancos tendo que provisionar bilhões, a eles pouco importa na sanha de "sanarem" o País, pois a estes seres embasbacados de Poder, todas as estruturas politicas estão podres, nossas empresas e até bancos foram subvertidos, em suma : nada presta, e eles como novos evangelhizadores, puros d' alma, não estão destruindo o País, mas o salvando, claro que não sobrará nada, mas isto não é problemas deles, pois a providência juridica & divina, capitaneada por Sérgio Moro, nos proverá.

      Mas parece que nossos bravos vestais, não conhecem história, pois "esquemas policialescos" se esvaem, ou por suas contradições internas ( luta pelo poder dentro da corporação ), ou são sustados por "forças superiores" organizadas, ditaduras juridico - policiais jamais prosperaram.

       A Lava - Jato, não compreendeu que é apenas uma acessória ao golpe, consumado este, ela perde a validade, ou caso queira continuar para "mares" não navegados, será contida, pode-se esperar um "golpe" dentro do "golpe".

ana s.

- 2016-08-21 04:57:20

datas

"No dia da votacao do impeachment na camara, surgem audios do Lula com a presidente Dilma vazados na imprensa para causar revolta popular contra o governo..."

Como assim? O vazamento se deu no dia da nomeação de Lula para o cargo de Ministro da Casa Civil, véspera de sua posse. Um mês antes da votação do "impeachment" na Câmara. Não foi não?

João M. Pimentel

- 2016-08-21 03:40:57

Barbárie.

Muito bom o texto do Nassif.

Cesar Cardoso

- 2016-08-21 02:40:58

"Cría cuervos y te sacarán los ojos"

O STF criou os corvos para suas próprias conveniências políticas. Agora vai ser atacado por eles. E é irônico que seja o Dias Toffoli, que por conveniências pessoais virou praticamente um funcionário do Gilmar Mendes.

Do resto? Sugiro que leiam este texto em espanhol, Turquia e o vertignoso e inquietante avanço das democracias iliberais. A formalidade democrática (eleições, mandatos limitados etc) não garante as liberdades individuais (e muito os direitos sociais), e temo que a camarilha que se aboletou do governo comece a achar uma boa ideia - se isso os garantir com o poder eterno.

João Vergílio Gallerani Cuter

- 2016-08-21 01:50:07

Erro de leitura

Acho que está ocorrendo um erro fundamental na leitura da reportagem de capa da revista Veja envolvendo o ministro Dias Toffoli. Em Curitiba, Leo Pinheiro cita uma obra que teria sido feita em propriedade do ministro. Fato. A informação é vazada para a revista Veja. Fato. A revista Veja opta por dar ao vazamento a dimensão de um escândalo, trazendo-o à primeira página. Também é um fato.

Mas não se conclui daí que os operadores da Lava Jato tenham feito o vazamento tendo em vista uma "vingança" contra o ministro, nem que a revista Veja tenha se deixado instrumentalizar por esses operadores porque faz parte de seu DNA, digamos assim, "destruir reputações". Convenhamos, a revista é altamente seletiva quando se trata de eleger suas vítimas, e trabalha em estreita sintonia com o ministro Gilmar Mendes há mais de uma década. A revista não "destrõi reputações". destrói determinadas reputações, e não outras. Toffoli não foi para a primeira página porque tomou esta ou aquela decisão que desagradou os operadores da Lava Jato. Há um plano em gestação para enterrar a operação assim que o impeachment se consumar. Essa capa é parte desse plano. A lógica é a seguinte. 

Se houver algo contra Toffoli, ele vai pagar caro. Condená-lo por aceitar "favores" de um empreiteiro dará legitimidade a uma condenação exatamente simétrica no caso de Lula. Se tiver aceitado esses favores, é bem possível que Toffoli esteja começando a perceber a fria em que se meteu quando se curvou diante de Gilmar Mendes e passou a atuar como seu ajudante de ordens. Como bem notou um companheiro aqui do blog, não é de se descartar a hipótese de que Toffoli seja impedido, e Moro seja nomeado por Temer para o seu lugar. Seria o crime perfeito. A Lava Jato acaba, Temer posa de herói, e Gilmar Mendes troca um aliado sem convicção nem competência por um par ideológico com formação nitidamente superior à de Dias Toffoli.

Se não houver nada contra Toffoli, ele sairá ileso, é claro, portando consigo um atestado de idoneidade. Se for este o caso, é bem possível que já saiba que a história terá um final feliz, e que tudo o que tem a fazer é se defender com tranquilidade. A condenação de Lula, por outro lado, ganhará o seguinte discurso justificador: "Dias Toffoli era inocente, e por isso não foi impedido. Fosse culpado, o STF teria cortado na própria carne. Lula, por outro lado, é acusado exatamente das mesmas coisas, e contra ele TEMOS provas. Portanto, nada mais justo do que agir neste caso como o próprio STF teria agido contra um de seus ministros". Será o subtexto de Moro quando tornar Lula inelegível em 2018.

Não tem nada a ver com "vingança", nem com "assassinato de reputações". A revista Veja jamais assassinaria a reputação de Gilmar Mendes. Estão ligados por laços que vão muito além da mera afinidade ideológica. O caso do grampo sem áudio é apenas um exemplo típico, entre outros. A capa da Veja tem a ver com a consolidação do Governo Temer, cujo núcleo está envovlido até o pescoço na Lava Jato. A investigação tem que chegar até Lula, e não pode ir além desse ponto. Eduardo Cunha, se sofrer algum dano, deverá ser convencido de que é o menos dano possível, e que qualquer outra alternativa seria mais indigesta. E ficar calado. É esse resultado que se está buscando garantir. 

Gilson AS

- 2016-08-21 01:44:30

O limite será quando houver

O limite será quando houver uma grande desgraça no pais envolvendo atores importantes da nação.

Talvez assim alguém ou um grupo se levanta e dá um basta em tudo que está acontecendo.

SILOÉ-RJ

- 2016-08-21 01:32:21

REPÚBLICA DO PARANÁ X STF

Agora que essa briga vai ficar boa!!!

REPÚBLICA DO PARANÁ X STF.

Moro deu um tiro no pé ao tentar atingir o pupilo de Gilmar.

BRIGA DE CACHORRO GRANDE.

Assistindo de camarote, na varanda do tripex sem dono em área de preservação ambiental na praia de PARATY.

 

 

Marcio Brasileiro

- 2016-08-21 01:18:08

Nassif, vivemos mesmo um

Nassif, vivemos mesmo um momento surreal. Hoje o único poder que não foi eleito pelo povo,o judiciário,é oque tem mais influencia na vida politica do pais. Ou seja,a população esta a margem de todas as decisões importantes.Até nossa impressa manipuladora tem mais voz que o povo.Sinceramente,ja nem sei aonde isso vai chegar.

Maria Silva

- 2016-08-21 00:28:58

AVaza Jato e o Supremo se merecem ...

E aquele senhora toda impoluta, irmão gêmea de Beto Carneiro, debochando por ser chamada de "presidenta" ??? Enquanto isso a "força tarefa" da Vaza Jato abate o ultimo fiapo de dignidade que ainda restava naquela triste instituição que um dia foi uma Suprema Corte. Como dizia Hemingway, "quem esta na tricheira ao seu lado? E isso importa? Mais do que a propria guerra". A Vaza jato e o Supremo se merecem. 

Renato Lazzari

- 2016-08-21 00:27:42

Bem colocado, Nassif! Precisa

Bem colocado, Nassif!

Precisa coragem para cortar na própria carne. É que o STF é elite, tanto quanto as oligarquias e fidalguias hereditárias que vêm dividindo entre si o poder no Brasil. Isso me lembra as empresas de engenharia combinando o rodízio da vitória nas licitações públicas. A elite é um clube, dirigido mais do que por um presidente, por um comitê, com grande influência de eminências pardas. Uma ideia central - e não uma pessoa - move o "clube": é preciso manter uma aristocracia com aparência de democracia.

Julgar contra firmas como a Globo, que tantas medalhas e honrarias dedica aos ministros do STF e a juízes como Sérgio Moro, ou contra Aécio Neves, que tem praticado troca generosíssima de favores com membros daquele tribunal e daquela firma de comunicação,exige coragem, patriotismo, desprendimento de vaidades e sentimentos profundamente democráticos. Seria interessante também a consciência dos ministros de que seus atos transcedem seus vidas pessoais, vão para os anais da História, para o destino de uma nação que vai durar muito mais do que suas - e nossas - pessoalidades. Será que seria exigir demais?

Marcos Antônio

- 2016-08-21 00:13:40

São farinhas do mesmo saco,

São farinhas do mesmo saco, buscando sair em vantagem no "NOVO(?)"  ciclo que se aproxima...

O interino será dúbio...

Criará bondades para empresários, que assim sustentarão a CACETADA QUE SERÁ DADA NOS TRABALHADORES...

Quando esse momento chegar, rapidinho eles criarão a coesão...

Para que o golpe tenha sucesso, é preciso que não haja justiça...

Foi uma canelada no judiciário, foi um aviso...

Judiciário é obstáculo...

Para eles, é preciso que saibamos!

Isso ai é PRENÚNCIO DE AI5!

Não será como o outro, assim como esse golpe não é como o golpe de 64...

Mas não haverá 2018 e se houver - serão cartas marcadas...

Mas, saibam os brasileiros, que esse pesadelo só acaba, se todos nós despertarmos juntos...

Vai durar o tempo que levará para a gente acordar...

ze sergio

- 2016-08-21 00:08:13

Nassif....

A incompetência deveria ter uma nova conotação depois dos governos de centro esquerda do Brasil, neste último quarto de século. Principalmente depois dos "aloprados" do pt. Vejam bem, o adjetivo foi dado pela maior figura do partido. Por aí você imagina o nível?! O Brasil refém de um juiz de 1.a Instância? Que depois de ter suas sentenças sabatinadas e revistas por instâncias superiores, estarão sujeitas ao Supremo Tribunal Federal desta nação, cujos Ministros quase na sua maioria foram escolhidos pelo atual governo ( a ser deposto), e todos escolhidos por governos de centro esquerda e sua clara afinidade com esta linha politica. Dez Ministros reféns de um? Gilmar tem mais poder que outro, que tem mais poder que o colegiado? Os argumentos estão sendo rasos, limitados, medíocres. Assim como é fantástico ver um governo se desmanchando sem sólidos argumentos, mais fantástico é ver que temos um Estado baseado em factóides que podem ser desmanchados como um castelo de areia. Encima do que construímos nossa República? A única certeza compreensível nesta estória toda é a exigência de apuração de fatos criminosos de outros politicos, que não são investigados como Serra ou Aécio, ou outro qualquer. Mas até nisto não é possível entender a situação do atual governo. Por que tais fatos já não foram apurados até agora?

Sergio Lamarca

- 2016-08-20 23:58:55

O feitiço pode virar contra o

O feitiço pode virar contra o feiticeiro. Ganharam uma batalha contra o povo brasileiro. Na próxima vez que a esquerda chegar ao poder, não tem essa de fazer como fez o Lula. Tem que ir atrás deles todos.

CBarros

- 2016-08-20 23:56:44

E não para por ai. Já vão

E não para por ai. Já vão soltar o bandido corrupto Duque com mais uma delação enlameada para acusar Lula e Dilma. Quem vai parar esses caras? Como incriminar um presidente e uma presidente honestos acreditando na palavra de um bandido?

Bonobo de Oliveira, Severino

- 2016-08-20 22:51:21

Bem observado.

Das autoridades protegidas por garantias e salvaguardas especialíssimas, estabilidade, vitaliciedade, vantagens e privilegios funcionais até abusivos, garantidos em leis e na CF, não se exige coragem. Especialmente das excelências do STF que estão obrigadas pelo requisito de "...ilibada reputação e notório saber juridico...". Portanto, se têm rabo a esconder, como é sabido que muitos têm, como o pusilânime Ayres Britto e Joaquim Barbosa, por exemplo, estariam obrigados a recusar a designação para um cargo com tais requisitos. Logo, o que lhes é exigido é simplesmente condutas coerentes com os princípios basilares de ética e moral, exigíveis de qualquer cidadão comum, e o apego ao estrito cumprimento da LEI.

Quem tem que ter coragem é quem está descoberto de qualquer garantia legal, eleito como inimigo público pelo consórcio espúrio estabelecido entre agentes PÚBLICOS corruptos e criminosos, com agentes PRIVADOS controladores de empresas de comunicação, organizadas em forma de cartel em todo o território nacional, que dependem, para sobreviver da higidez da própria imagem, submetida ao escrutínio das urnas periodicamente, em conformidade com a LEI vigente. Ai sim há que ter muita coragem, tanto o cidadão, como seus familiares, caçados, caluniados, perseguidos e linchados publicamente em sistemática campanha permanente promovoda e incensada pela ação do referido consórcio espúrio, abjeto e criminoso.

Junior Sertanejo

- 2016-08-20 22:39:14

Atento ao comentario de

Atento ao comentario de Patricia Ramos,20/08/2016 as16:26.Minha cara,sua pergunta so tem um unico destinatario,o Supremo Tribunal Federal.Nao crie ilusoes a toa.Duvido que respondam.Entraram na roda,e nao foi d'agora.

Celso - sp

- 2016-08-20 22:28:51

Celso, Repito suas

Celso,

Repito suas afirmações.

Obrigado por escrever por nós.

Quem sabe seja um inicio de resistência de fato.

Pobre STF, talvez de rapo preso com a Globo.

 

 

 

 

 

Celso - sp

- 2016-08-20 22:28:49

Celso, Repito suas

Celso,

Repito suas afirmações.

Obrigado por escrever por nós.

Quem sabe seja um inicio de resistência de fato.

Pobre STF, talvez de rapo preso com a Globo.

 

 

 

 

 

josé de floripa

- 2016-08-20 22:09:11

STF não se importa com o

STF não se importa com o Brasil e agora quem se importa com o STF? ninguém, virem-se! Nós temos uns aos outros e eles tem o golpe nas mãos!

João de Paiva

- 2016-08-20 21:43:16

Esse post é uma preciosidade

Ao Luís Nassif e à Patricia Ramos meus cumprimentos efusivos. Os criminosos que estão associados na ORCRIM da Farsa a Jato não merecem tartamento cerimonioso e devem ser chamados pelo que são: criminosos institucionais, criminosos de Estado. 

É preciso ser objetivo, certeiro e contundente nas críticas. Vale a pena citar um trechoo exemplar escritopelo Nassif.

 

"A falta de pulso do STF (Supremo Tribunal Federal) abriu a jaula e deixou à solta uma legião de monstros, os que recorrem a chantagens e assassinatos de reputação para se prevalecer. São sem-leis, sem-Justiça, sem-dignidade e praticam seus crimes à luz do dia e à luz das manchetes de uma imprensa deletéria."

Celso Paulo da Silva

- 2016-08-20 21:36:32

Nassif, faço minhas cada

Nassif, faço minhas cada palavra sua deste texto resumo do nosso absurdo tempo atual. Tenho certeza absoluta que muita, mas muita gente pensa igualzinho a você. Obrigado por escrever por nós!!!

Edivaldo Dias Oliveira

- 2016-08-20 21:32:51

29/08/2016   O dia em que nos

29/08/2016

 

O dia em que nos tornaram Foras da Lei.

 

Por Edivaldo Dias de Oliveira

 

A segunda feira do dia vinte e nove de agosto de dois mil e dezesseis poderá se tornar uma data histórica e infame para a sociedade brasileira. Nesse dia, um punhado de senadores e senadoras da república legitimamente eleitos por essa sociedade, composta por mais de 110 milhões de eleitoras e eleitores e cuja população ultrapassa os 240 milhões de habitantes, não mais estarão amparados pelas leis que até então servia para unir essa sociedade. Pelo menos ninguém deve se sentir obrigado a obedecer a tais leis, após o que se espera desse dia.

A partir de então o que prevalecerá é a lei do mais forte e poderoso, o estado de natureza, tão bem descritos por vários filósofos, como Lucke e Rosseau. O estado Democrático e de Direitos terá sucumbido a sanha daqueles que se julgam acima da lei, do bem e do mal.

Ora, que pessoa minimamente politizada - e elas não são poucas, embora não seja a maioria – pode se sentir obrigado a obedecer a leis de verdugos, quando seu mais precioso bem lhe foi tomado a força, ao arrepio da lei. Esse bem, o direito ao sufrágio universal e secreto lhe foi tomado e mutilado, não apenas àqueles que votaram na pessoa que se encaminha para a degola, para o cadafalso. Foi também tomado dos que se encaminharam a urna acreditando que a sua vontade seria respeitada, acreditando antes de tudo na democracia, ganhando ou perdendo.

Essas pessoas, lesadas em seus direitos, podem se sentir à vontade para se organizar em outros grupamentos sociais para resgatar os direitos cassados por essa Associação Criminosa, composta por gentes do Poder Legislativo, Judiciário e Midiático. A forma como essa associação vai se dar pode não ser do agrado dos terroristas que agora nos governam e não se deve afastar a hipótese de que eles venha a imputar a tais organizações a denominação que lhes cai tão bem; TERRORISTAS. Pois não foi outra a tática adotada para inviabilizar um governo eleito legitimamente.

Nosso voto, a partir dessa data, deverá passar pelo crivo da quadrilha que usurpou o poder, antes de ser considerado válido. Para frente não só o nosso voto, como outros direitos também, arduamente conquistados.

Como é possível ao povo, de forma coletiva ou individualmente, submeter às vontades de um grupo que não respeita a vontade soberana do povo? Que sinais essa  quadrilha transmite a esse povo se não o da desobediência civil, não importando como essa desobediência se dê?       

Andre Araujo

- 2016-08-20 21:14:10

E porque não? Qual a

E porque não? Qual a barreira?

 

De l´audace, encore de l´audace, et  toujours de l´audace,   dit par

GOERGES JACQUES DANTON, revolucionario francês, Ministro da Justiça da Revolução, guilhotinado em 1794.

Quem barra a audacia é so outro audacioso, onde está em Brasilia?

Junior Sertanejo

- 2016-08-20 20:48:38

Relembrando Joel."Ciranda

Relembrando Joel."Ciranda cirandinha,vamos todos cirandar!Vamos dar a meia volta.Meia volta vamos dar."O plenario do STF entupido de gente.Onze ministros do STF de maos dadas cantando,Moro regendo e a Globo transmitindo para todo Brasil.Para algum incauto,trata-se da Danca da Roda.

Rpv

- 2016-08-20 20:37:03

"qual o limite legal da Lava

"qual o limite legal da Lava Jato, de seus delegados, dos procuradores e do juiz Moro [e da Grande Mídia]?"

Limite legal?

Isso já foi ultrapassado faz tempo.

Eles estão rumando ao Poder Central. Tipo: o Estado sou eu! Minha vontade é lei. 

E quem não acredita é só ir dando corda...

Milton Murilo

- 2016-08-20 20:29:59

A selvageria do direito penal do inimigo

Reação do STF ?

O que interessa por ali é a pipoca, a legalidade do uso da palavra golpe, a lingua e seus linguajares e linguanças, e, claro, o polpudo contracheque no final do mês.

Há exceções para confirmar a regra.

Quanto à reação lembro de imagem da infância: quando o sargento Garcia prender o Zorro.

Lucinei

- 2016-08-20 20:26:53

Há! "Limites"...

Há! "Limites"...

O "limite" é a tomada do poder, ora, ora... e, depois, a aniquilação dos desafetos.

Mas não adianta ficar só falando da "leniência do STF". Todos que dormiam o profundo sono da crença de que a lava jato era algo distinto de uma operação política com o claro objetivo de interferir na disputa pelo poder também devem fazer uma "autocritica" (já que está na moda).

Ora, uma operação em conluio com a mídia, com a mídia se dizer de "combate à corrupção"?! Só pra trouxinha mesmo.

"Investigação" só à partitir de 2002 mesmo tendo os funcionários (que foram demitidos em 2012) afirmado mais de uma vez que embolsavam grana desde 96 se dizer de "combate à corrupção"?! Só pra trouxinha mesmo.

Mobilização do Eduardo Cunha no primeiro dia do recesso parlamentar se dizer de "combate à corrupção"?! Só pra trouxinha mesmo.

... E muito mais...

Tudo isso com um clima de "todos contra o PT" instalado em todas as rodas desde 2012..."combate à corrupção"?! Só pra trouxinha mesmo.

Junior Sertanejo

- 2016-08-20 20:26:12

Tiro curto.Ate onde entendo

Tiro curto.Ate onde entendo poquer,e a primeira vez que tenho conhecimento de jogadores nao pagar pagar para ver,e viram.

Edoar

- 2016-08-20 20:23:27

  "aos inimigos, a lei"  Se

 

"aos inimigos, a lei"  Se você assim já estaria BOM demais!

 

Genaro

- 2016-08-20 20:19:14

Nassif; O povo brasileiro

Nassif;

O povo brasileiro paga muito caro para ser injustiçado.

A quem iremos nós???

Só nos restará uma saída, uma única saída.

Genaro

Bruno Cabral

- 2016-08-20 19:56:59

"A pergunta que eu faco, qual
"A pergunta que eu faco, qual o limite legal da Lava Jato, de seus delegados, dos procuradores e do juiz Moro?" Os limites são claros: Globo, PSDB, Gilmar Dantas (segundo Noblat). Legais? Aos amigos, tudo, aos inimigos, a Lei.

Antonio Uchoa Neto a

- 2016-08-20 19:51:09

República Judiciária do Brasil

Creio que o ministro Barroso, não muito tempo atrás, declarou que não se importava com microfones em seu gabinete, pois os arapongas nada colheriam contra ele...é preciso avisar ao ministro Barroso, e aos outros "cadáveres ilustres", que, para a república morista de Curitiba, nem sequer é preciso que "algo" seja verdade, para que seja divulgado...verdade ou mentira, à grande mídia depravada desse país basta divulgar, que os efeitos desejados já são alcançados.

chris

- 2016-08-20 19:44:26

Nassif, nem precisamos ser

Nassif, nem precisamos ser médiuns para prever a hecatombe que virá. A presidente, independentemente de seus defeitos, está sendo afastada por um crime inexistente. Uma ilegalidade com aval institucional. Percebe que este precedente gravíssimo levará a uma perda de controle generalizada? Cobra comendo cobra, acordos que não irão se sustentar porque eles não são uma máfia coesa. O PT caindo, cai a necessidade de união para desbancar o inimigo em comum. Teremos o canibalismo atroz na luta pelo poder. Porque? Porque o céu é o limite para um judiciário que é o dono da lei para usá-la como e quando lhe convém. Porque os políticos com seus rabos presos, dossiês e gravações não vão deixar barato. Porque estão pouco se lixando em falar mentiras deslavadas, se estão convencendo ou não alguém, isso não importa porque não vai sair na globo. Aécio, Serra, Jucá, Cunha, Temer .... mesmo com crimes nas costas, quem irá prendê-los? O justiceiro Moro que não consegue achar Claudia Cruz na zona sul carioca?

Jus Ad Rem

- 2016-08-20 19:31:23

É verdade. A essas alturas já

É verdade.

A essas alturas já nem importa mais se o STF tem ou não tem alguma autoridade...

Jus Ad Rem

- 2016-08-20 19:26:17

Excelente leitura,

Excelente leitura, Nassif.

Discordo quando você usa o termo “investigação corajosa”.

As autoridades têm todas as garantias para proceder qualquer investigação sem qualquer temor, receio ou preocupações.

O que se exige deles não é coragem e sim a dignidade que deveria ser característica de todo servidor público. É o mínimo que se espera deles.

Patricia Ramos

- 2016-08-20 19:26:01

Moro vai prender os ministros do STF???
Em abril se descobriu uma escuta clandestina no gabinete do ministro do STF meritissimo Barroso... Agora se descobriu que a Delegada chefe da inteligencia da PF em Curitiba colocava escuta clandestina no corredor da PF Curitiba para espionar servidores testemunhas das ilegalidades da lava Jato... O Delegado Igor Romario e o superintendente da PF Curitiba colocaram escuta clandestina na cela de Alberto Youssef para subornar sua delacao... No dia da votacao do impeachment na camara, surgem audios do Lula com a presidente Dilma vazados na imprensa para causar revolta popular contra o governo... Agora a lava jato vaza essa historia ridicula do Ministro Tofolli para pressionar o STF... A pergunta que eu faco, qual o limite legal da Lava Jato, de seus delegados, dos procuradores e do juiz Moro?

peregrino

- 2016-08-20 19:18:15

deve ser porque conhecem...

e muita mais que nós, gente comum

enfim, conhecem o poder destrutivo de uma capa indumentária de uma Veja, por exemplo

se querem culpar alguém, não se esqueçam de que parte da sociedade vem a aprovação desse tipo de sujeira

é parte deles também

mas inimigo que tudo suja e estraga, mídia, deveria ser de todos. E não podemos deixar de cobrar isso deles. Nunca

pensem comigo: mensalão e lava jato, o direito e o avesso

ou seja, chegou a vez deles se protegerem com os que já usaram e agora passam a ver como roupa usada que se troca

peregrino

- 2016-08-20 19:00:43

aplaudindo de pé aqui...

tem tudo de importante e necessário, talento, inteligência, beleza e visão realista, de futuro

só mesmo Nassif para abrilhantar a análise de uma situação tão preocupante, tão triste, por destruidora. para nossas instituições ou para o que entendemos e esperamos de nossa Constituição como liberdade cidadã ou de qualquer dos nossos(as) representantes

há tempos o jurisdicional segue sob a influência da mídia, das famílias dominantes, e isso não é nada bom,

pois a todos prejudica

jose carlos vieira filho

- 2016-08-20 18:55:32

gosto

Estão provando o gosto da tempestade que desencadearam.

Nós já estamos lascados. Eles que se lasquem.

Dandara

- 2016-08-20 18:37:51

Como fazem falta os heróis...

... capazes de enfrentar o arbítrio e a estupidez das turbas manipuladas pela mídia.

Nosso STF não é composto desse tipo de gente.

Covardes, vendidos, isso é o que eles são, com uma ou duas exceções talvez.

Cães de guarda dos poderosos, vassalos da mídia, viciados nos privilégios da casta.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador