Brasil não é prioridade para o Facebook contra fake news

Em entrevista, cientista de dados diz que o trabalho contra a interferência é menor do que o registrado nos Estados Unidos

Pixabay

O Brasil não é prioridade para o Facebook quando o assunto é combater operações coordenadas de fake news eleitorais, segundo a ex-funcionária da plataforma, a cientista de dados Frances Haugen.

“Eu garanto que há muito menos proteção no Brasil contra tentativas de interferir nas eleições do que nos Estados Unidos”, disse Frances em entrevista à Patrícia Campos Mello, da Folha de São Paulo.

Segundo a cientista de dados, o mecanismo desenvolvido pela empresa para detecção de conteúdo eleitoral desinformativo é muito ineficiente – no máximo 5% do conteúdo contém etiquetas que levam a links do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Frances Haugen ressalta que moderação de conteúdo só é levada a sério para os países onde a empresa pode ser alvo de regulação, como Estados Unidos e a Alemanha.

Para que as fake news possam ser combatidas na plataforma, Frances sugeriu a adoção de ajustes que o próprio Facebook sabe que é fácil de ser adotado, como reduzir o número de convites para grupos que podem ser enviados por dia.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente

Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Leia Também

STF suspende lei que flexibilizava restrições de gastos com publicidade institucional

Braga Netto liga voto auditável à realização das eleições

“Gritaria dos descontentes” não vai impedir posse dos eleitos em outubro, diz Alexandre de Moraes

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José de Almeida Bispo

- 2022-07-03 19:32:31

Colônia de quinta, né? Terra de ninguém; território de piratas e corsários.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador