Presidente do BNDES compra mansão no mesmo bairro de Flávio Bolsonaro

Embora sede do banco público fique no Rio de Janeiro, Gustavo Montezano gastou R$ 4 milhões para se instalar em Brasília

Gustavo Montezano, presidente do BNDES. Foto: Wikipedia

Jornal GGN – O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, finalizou a compra de uma mansão em área nobre de Brasília pelo valor de R$ 4,1 milhões.

Documentos obtidos pelo jornal Correio Braziliense mostram que a mansão foi comprada cerca de cinco meses antes do senador Flávio Bolsonaro (PL) registrar outra mansão na mesma região em que Montezano irá se instalar.

Montezano morou no mesmo condomínio da família Bolsonaro no Rio de Janeiro, e ficou amigo de Flávio e do deputado federal Eduardo Bolsonaro.

Embora o BNDES afirme que Montezano more em Brasília com sua família desde antes de assumir o comando do banco, documentos mostram que o único imóvel registrado no nome dele no DF é a mansão comprada recentemente.

Além disso, o registro de certidão do imóvel mostra que a compra foi feita sem condições, um indicativo de que Montezano pode ter pagado o valor da mansão à vista.

O que não deixa de ser curioso, uma vez que o salário mensal de Montezano é de R$ 82,7 mil, o que lhe garante uma renda anual aproximada de R$ 1 milhão.

Filho de Roberto Montezano, que trabalhou com o ministro da Economia Paulo Guedes por muitos anos, Gustavo Montezano foi sócio-diretor do banco BTG antes de ingressar no BNDES no lugar de Joaquim Levy.

Leia Também

Como o amigo dos Bolsonaro fez o BNDES deixar de ganhar R$ 4,7 bilhões

As discussões sobre o auxílio aos bancos e os riscos de crise sistêmica

Bolsonarismo paralisa ajuda do BNDES ao combate à coronavirus

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Antonio Uchoa Neto

- 2021-12-12 14:18:59

Por onde anda a outrora tão conspícua 'cognição sumária' do ex-juiz Moro? Agora que ele é "inimigo" figadal dos Bolsonaro, bem que ele podia ressuscitá-la, e alardeá-la por aí. Mas, provavelmente, não vem ao caso. Apesar - ou por isso mesmo - de suas recentes declarações sobre seu "não enriquecimento", como juiz, ministro, ou consultor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador