Senadores do PT se articulam contra PEC dos Precatórios

Ideia é apoiar emenda à Constituição que venha a evitar calote e garantir caráter permanente para programa de renda familiar

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A bancada do PT no Senado Federal já se articula para apoiar uma proposta de emenda à Constituição em resposta à PEC dos Precatórios, de forma a evitar o calote e garantir o caráter permanente ao programa de renda básica familiar.

A proposta aprovada pela Câmara dos Deputados viabiliza o calote nas dívidas judiciais para viabilizar o pagamento do Auxílio Brasil durante o ano de 2022, depois de o governo Bolsonaro acabar com o programa Bolsa Família.

“Desmontar o Bolsa Família era um ideal do Bolsonaro, que ignora a fome. A PEC dos Precatórios estrangula as perspectivas do Brasil para financiar um auxílio eleitoreiro”, afirma o senador Rogério Carvalho (PT-SE).

“Bolsonaro patrocina a compra de votos para a aprovação e esquece que foi assim que ele criminalizou a política”, afirmou Carvalho.

O PT não só vai votar contra a PEC como pretende apoiar a PEC da Renda Básica, elaborada por Carvalho e que complementa a que foi aprovada nesta semana pelo Senado (PEC 29/2020), que insere na Constituição Federal a previsão de renda básica a famílias em situação de vulnerabilidade.

Direito constitucional à renda

Além de acrescentar na Constituição as condições de saúde e educação (como previa no Bolsa Família) para dar acesso à renda básica, a PEC de Rogério Carvalho prevê a destinação de R$ 50 bilhões, em 2022 e 2023, fora do teto de gastos, da meta de superávit primário e da regra de ouro, para garantir o direito constitucional à renda.

“Nossa proposta é superior à PEC do governo porque prevê a garantia constitucional ao direito à renda, não circunscreve a transferência de renda a 2022, não prevê calote dos precatórios e abre, de forma transparente, espaço fiscal em 2022 e 2023 para a transferência de renda e a recomposição dos benefícios do INSS”, justifica o senador.

A emenda prevê ainda que os pagamentos dos precatórios relativos ao Fundef (Fundo de Desenvolvimento da Educação Fundamental) não sejam contabilizados no teto de gastos, abrindo um espaço fiscal de R$ 16 bilhões que ajudaria na recomposição dos benefícios do INSS, subdimensionados no projeto de lei do Orçamento de 2022.

Leia Também

Dois anos de Reforma da Previdência destaca desigualdades

Auxílio Brasil escancara intenções eleitoreiras de Bolsonaro

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador