Senado deve votar PEC da reforma da Previdência em primeiro turno nesta terça

Davi Alcolumbre afirma que Senado tem folga "razoável", entre 60 a 63 senadores, para aprovar a reforma, quando o necessário é o apoio de 49 parlamentares

Foto Fábio Pozzebom - Agência Brasil

Jornal GGN – O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), estabeleceu a reforma da Previdência como único item em pauta para ser discutido no Plenário da Casa nesta terça-feira (1º).

A previsão é que a votação comece à noite, logo após a validação do pacote na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que deveria ter votado a reforma no dia 24 de setembro.

A votação na CCJ acabou sendo adiada para esta terça-feira em razão de uma sessão do Congresso Nacional para apreciar os vetos impostos pelo presidente Jair Bolsonaro no Projeto de Lei 7596/17, sobre abuso de autoridade.

Para jornalistas no Rio de Janeiro, Alcolumbre estimou que o segundo turno de votação no Plenário irá ocorrer entre terça e quarta-feira da semana que vem. Ele garantiu ainda que a Casa tem folga “razoável” para aprovação do texto, entre 60 a 63 senadores, quando o necessário é o apoio de 2/3, ou 49 parlamentares.

Antes de ser votado no Plenário, a CCJ irá validar o relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), com a análise das 77 emendas apresentadas.

Para entregar logo os trabalhos, Tasso acatou apenas uma emenda supressiva, avaliando que, na análise das demais emendas “não se identificaram novos temas em relação ao deliberado anteriormente na CCJ, e em relação às conclusões de seu parecer anterior”.

Mesmo assim, alguns senadores, entre eles Paulo Paim (PT-RS) e Eliziane Gama (Cidadania-MA), disseram que vão tentar aprovar destaques ao texto durante a discussão no Plenário.

Leia também:  Em SP, farmácias e mercados venderão álcool em gel a preço de custo

Entre os pontos que podem sofrer destaques estão as restrições ao abono salarial, benefício pago a quem ganha menos de dois salários mínimos (R$ 1.996) e tem pelo menos 5 anos de cadastro no PIS/Pasep. O texto da reforma assegura o direito apenas a quem tiver renda mensal igual ou menor que R$ 1.364,43.

*Com informações da Reuters e da Agência Senado

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Aproveitando esta suruba governamental, vai o povo sendo banhado pelo esperma destes infames.
    A custa de muito sofrimento e infelicidade (claro que dos pobres) talvez seja possivel reverter este crime, mas isto só ocorrerá com um governo e com um congresso honrados e comprometidos com o povo (brasileiro, não americano). Levará tempo mas a escória que lidera esta orgia será julgada e punida como traidores da pátria. Inclusos ai:
    ° empresários sedentos de lucro, com forte presenca na CNI, FIESP, etc;
    ° lideres infames (e seus asseclas) destas seitas neopentecostais (malacheia, bigMac, etc);
    ° os falsos patriotas vendilhões da pátria, covardemente escondidos entre membros de valor do judiciário das FAs e das polícias;
    ° a falsa mídia (tipo globo, veja, etc), cuja única informação disseminada é aquela que a beneficia e que protege aos seus cúmplices.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome