Queiroga critica alta nos planos de saúde

Segundo ele, “são necessárias mudanças estruturais no setor privado, como maior transparência, mais eficiência e ampliação da concorrência”

Ministro da Saúde Marcelo Queiroga
Foto: Agência Pública

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criticou nesta sexta-feira (27) o reajuste de 15,5% dos planos individuais e familiares e decidiu convocar uma reunião extraordinária do Conselho Nacional de Saúde Suplementar (Consu) para discutir a decisão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS),

Segundo Queiroga, “são necessárias mudanças estruturais no setor privado, como maior transparência, mais eficiência e ampliação da concorrência”, escreveu em seu perfil no Twitter. 

O aumento, divulgado ontem (26) pela ANS, é o maior percentual de reajuste anual desde 2000, ano de início da série histórica, e irá afetar oito milhões de beneficiários, ou seja 16,3% dos consumidores de planos de saúde.

O reajuste se refere ao período de maio de 2022 a abril de 2023 e só poderá ser aplicado no mês de aniversário do contrato.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Para mediar a situação, Queiroga ainda sugeriu a implementação do “open health”, que seria inspirado no “open banking” do Banco Central. O mecanismo disponibilizaria dados de pacientes com as empresas de planos de saúde para melhor experiência do usuário.

“Enquanto medidas como a mudança no modelo de cuidado e o Open Health não forem implementadas, os brasileiros continuarão reféns dessa ineficiência”, disse. 

“O Ministério da Saúde não se ocupa apenas da saúde pública. Por isso, no ano passado convocamos o Conselho Nacional de Saúde Suplementar [Consu] e, pela primeira vez, aprovamos uma política pública dirigida para o setor. Convocarei novamente o conselho para avaliar os resultados”, completou Queiroga.

Leia também:

Dinheiro do SUS é usado para beneficiar aliados do governo

Governo descumpre lei que aumentaria oferta de remédios contra Covid

Varíola dos macacos avança e 16 países já confirmam casos

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador