Revista GGN

Assine

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Jarirí pulô o muro cum facilididadi, éra alto, maisi tinha adondi colocá os pé. Viu qui tinha um corredô largo i comprido ao lado da casa, qui dava acésso às jinélas dos quarto. A premera jinéla tava iscura, a segunda i a tércera tumém, só a quarta tinha luz. Indaí, eile se aproximô cum tudo cuidado i viu qui, além di tê luz, a jinéla tava meia-abérta. Agachou-se i levantô a cabeça divagarim, só u bastanti pá oiá dentru. I foi cuandu ficô gelado, viu Tuxo amarradu numa cadera i cum o rosto insanguentadu i inchado. No canto óposto, viu qui tinha trêis homi sentadu jóganu baraio. Éra o bastanti pá eile saber naqueli mómento. Entoncis foi vortanu pá avisá Nicanor i pensá no qui fazê. Anssim qui pulô u muro di vólta, Nicanor já foi priguntanu:

-  Achô eile? Eile tá aí?

- Sim, Nicanor. Tá lá dentru, in péssimu estado. Todo machucadu. 

- I agóra? O qui nósis vamo fazê?

- Ieu ãinda num seio, nósis temos di pensá in cumu résgatá eile.

-

-

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.