newsletter

Conhecendo o Método Marxista

O Professor José Paulo Netto ministrou, em 2002, o Curso O Método em Marx na pós-graduação em Serviço Social da UFPE. O Curso foi gravado originalmente em Fitas VHS. A versão para DVD, dos 5 dias de aula (manhã e tarde), resultou em 2 DVDs por aula, num total de 10 DVDs.
retirado do site: http://www.cristinapaniago.com/jos%C3%A9_p_netto_-_curso_o_m%C3%A9todo_em_marx_-

Vídeos

Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Veja o vídeo
Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+19 comentários

Download alternativo, via torrent

http://thepiratebay.se/torrent/7400737

 

Muito bom! Obrigada, A.Ateu. Um 'SENHOR' professor...Parabéns!

 

O velho Marx ainda vivo despertando interesse de novas geraçoes. Que legal a exploração do homem pelo homem ainda traz indignação 

 

É mesmo, muita coisa antiga desperta interesse de novas gerações, Shakespeare nunca vendeu tanto, assim como Charles Dieckens, contemporaneo de Marx. E a Inglaterra que hospedou com toda cortesia Marx e Friedrich von Hayek, continua sendo o pais mais civilizado do mundo, Marx escreveu Das Kapital na Biblioteca do Museu Britanico, cum uma liberdade que jamais teria na Russia, pais laboratorio de seu experimento. Londres já era o que é hoje, com o mesmo Parlamento, a mesma Familia Real e o mesmo chá das cinco.

 

Era uma maravilha!

Os trabalhadores e os pobres nao votavam:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cartismo

"Naquele documento percebem-se as seguintes exigências:

  • Sufrágio universal masculino(o direito de todos os homens ao voto);
  • Voto secreto através da cédula;
  • Eleição anual;
  • Igualdade entre os direitos eleitorais;
  • Participação de representantes da classe operária no parlamento;
  • E que os parlamentos fossem remunerados."

Não fosse a luta dos trabalhadores, jamais teriam arrancado o voto universal masculino da burguesia e da nobreza inglesa. Ainda assim, alguns privilégios da nobreza permaneceram. A Câmara alta do Parlamento, a Câmara dos Lordes, não é composta, até hoje, pelos votos dos cidadãos, mas reservada aos nobres, inclusive representantes da igreja oficial:

http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A2mara_dos_Lordes

Não me admira que André CIAraújo admire tal sistema, que excluía a "gafieira", a "várzea", a "favela", o "botequim", como ele gosta de dizer.

Mas é verdade que, no século XIX, era um lugar bem menos deletério para os rebeldes do que as monarquias feudais dos Habsburgos, Hohenzollerns e Romanovs.

Há um outro motivo para a preferência de Marx: a proximidade com um dos mais organizados movimentos operários da época (o socialismo francês era mais ativo; por isso Marx, primeiramente, foi para Paris, mas, com Luís Napoleão, a coisa ficou feia). E não podemos esquecer que era a oportunidade de estudar "in loco" o capitalismo mais avançado da época.

 

André, os puristas do comunismo (e, por que não dizer, do liberalismo, do keynesianismo, de todos os ismos, enfim) costumam se safar das criticas às experiências reais comunistas com essa de que nunca houve um comunismo (ou liberalismo, ou keynesismo, ou qualquer outro ismo) perfeito. Pior. Querem participar do debate politico, sendo levados a sério, contrapondo suas utopias (que funcionam às mil maravilhas, mas so no mundo das idéias) com experiëncias reais.

 

O comunismo, na verdade, existe entre diversos povos do mundo (no Xingu, por exemplo). Como sociedade tecnologicamente avançada, jamais existiu, porquanto pressupõe o fim do Estado.

Qualquer um que leia uma orelha de livros marxistas sabe que o que temos tido, historicamente, foram sociedades socialistas. Nenhum socialista jamais denominou os países socialistas de comunistas. Isso é linguagem dos capitalistas.

Dito isto, mesmo as experiências imperfeitas do socialismo avançaram muito em relação às sociedades capitalistas. Esta é a opinião de muitos que viveram a experiência do socialismo e, agora, experimentam o capitalismo:

http://iglusubversivo.wordpress.com/2011/08/15/alemaes-orientais-prefere...

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,alemaes-do-leste-sentem-saud...

http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/2006/12/24/ult1808u82352.jhtm

http://www.balkanalysis.com/romania/2011/12/27/in-romania-opinion-polls-...

"The most incredible result was registered in a July 2010 IRES (Romanian Institute for Evaluation and Strategy) poll, according to which 41% of the respondents would have voted for Ceausescu, had he run for the position of president. And 63% of the survey participants said their life was better during communism, while only 23% attested that their life was worse then. Some 68% declared that communism was a good idea, just one that had been poorly applied.[1]"

Até mesmo o Petkovic tem saudades da Iugoslávia socialista:

 

Pois zé, Seu André: Buda, Moisés, Jesus e Maomé são mais antigos ainda do que eles, e despertam muito interesse, assim como Aristóteles, Platão, Euclides, os Césares e outros construtores da civilização presente, da história e do pensamento humano. Não é o fato de ser antigo que torna uma idéia superada; veja a geometria, a democracia e a ética, elas estão aí lançadas há milênios e continuam válidas.

É impossível compreender o capitalismo sem a crítica de Marx; seu diagnóstico é imprescindível, mesmo para quem não aceite seu receituário. Ele dividiu a história no breve e intensíssimo século XX. Não se pode contar a história desse período sem fazer referência ao 'Cara'; e agora na crise de abertura do século XXI, o camarada Marx ressurge com todo vigor, seu diagnóstico fica ainda mais preciso, pois quanto mais velho fica o capitalismo, mais ele comprova a atualidade de Marx. Estão aí, nas bolhas financeiras, nos Bernard Madoffs, nas ENRONs e OGX da vida as tentações de realizar o ciclo dinheiro gerar dinheiro, D-D', previsto pelo genial barbudo. O capitalismo se afoga na sua cobiça, está paralisado nas suas ilusões fetichistas.

 

Almeida

>>>> É impossível compreender o capitalismo sem a crítica de Marx (...)

So se você for marxista, ai sim. Mas isso é tautologico.

 

Um exemplo dessa impossibilidade de compreender o capitalismo é a completa surpresa com que os economistas ortodoxos foram pegos pela crise capitalista. Ou a crença estúpida de alguém tão conceituado quanto o presidente do Federal Reserve, Alan Greenspan, na abolição das crises e no surgimento de uma Nova Economia de crescimento contínuo, crença que se tornou hegemônica, nos anos 90, mas foi enterrada com o estouro da bolha da economia "dot.com". Ainda assim, a crença foi renovada durante a nova bolha dos anos 2000.

Ainda agora, os economistas ortodoxos continuam insistindo nos velhos "remédios", completamente cegos para as origens mais profundas da crise.

A revista Monthly Review do mês de maio tem um excelente artigo sobre a crise, as análises marxistas e a cegueira ideologicamente provocada pela economia vulgar burguesa:

http://monthlyreview.org/2012/05/01/the-endless-crisis

Mas, melhor que eles persistam em sua estupidez. Como dizia Sun Tzu, "nunca impeça um inimigo de cometer um erro."

 

como é que é andré?!

a rússia como laboratório de experimento de Marx?!

você está brincando, hein?

andré, tu sabes quando marx morreu?

a frança e a inglaterra nada tinham a ver com as obras de marx e engels?!

tu sabes a data da revolução russa, esta a qual você parece se referir?

ah, andré, menos, hein?

a quem você quer enganar?! ah, você não sabe destas coisas, mas, ainda assim, gosta de cutucar! que feio!

 

luz

A questão, Luzete, é se ele leu, ouviu falar, somente, ou apenas está acertando contas com a época de DCE?

Não é raro o caso daquele que não leu, ouviu todas as vulgatas de manifesto, etc., e está, até hoje, querendo se desforrar do bate-boca de DCE.

E só enxerga isso pela frente.

Até hoje.

Quantas vezes não vemos Stalin ser lembrado, por exemplo?

Bobos.

Os maiores críticos de Stalin foram aqueles (marxistas, sim, ora pois não?) que MORRERAM  no ambiente social e na época de Stalin!

Terá sido o relatório Krushev, por exemplo, obra de algum "traidor de classe"?

O FATO é que, há muito tempo que (pasmem aqueles do CCC e congêneres) tanto nas discusões teóricas (Habermas, Offe, etc.), quanto as decisões práticas, lse discute outra coisa (lembremos que o PT, por exemplo, desde a década de setenta, quando COMEÇOU a ser fundado, JAMAIS foi um partido revolucionário).

Diga-se de passagem, uma das maiores BURRICES do pessoal que odeia o aumento de salário, os sindicatos, os Direitos sociais, etc., é tratar o PT como se partido revolucionário fosse.

O  FATO é que a disputa pela renda do trabalho, há muito, ultrapassou o ambiente da fábrica. A disputa é pelos orçamentos (fundos públicos).

Na política fiscal isso é mais visível.

Na política monetária é que a coisa fica um pouco mais enfeitiçada. Para financiar BANCOS os juros são da ordem de 1%; para financiar ESTADOS os juros são da ordem de, sei lá, 100%...

Haha, é ou não o tal "Comitê Executivo da Classe Dominante"?, Luzete?

 

 A Revolução Sovietica foi em Outubro de 1917, liderada por Lenin e Trotsky que eram marxistas, se doutrinaram em O Capital, qual a duvida? Em que outro pais se implantou o comunismo em 1917?

 

Tente mudar para o Chrome.Firefox tem se  comportado estranhamente.Talvez pelas infindáveis atualizações.Tenho  saudades   das primeiras : eram estáveis e  satisfaziam à navegação.

 

Antonio Ateu,

Gostaria muito de ver os vídeos sobre o Método Marxista porém, não consegui abrir nenhum deles. Pode verificar o que houve e postar de novo, por favor?

 

Zilda , experimente atualizar o Flash Player.

 

olh ai é so clicar. abraços

http://www.youtube.com/user/laquejv

acerca da liberdade de imprensa - Karl Marx

http://pt.scribd.com/doc/53016296/MARX-Karl-Liberdade-de-Imprensa

 

acerca da liberdade de imprensa - Karl Marx

http://pt.scribd.com/doc/53016296/MARX-Karl-Liberdade-de-Imprensa

 

outro link

http://www.4shared.com/get/MOdKm7VI/MARX_Karl_Liberdade_de_Imprens.html