GGN Covid: 17 estados registram aumento de casos, 12 de forma intensa

Em 7 dias são 8 estados em alta de óbitos e em 14 dias, 6 estados. A média é 3,6% maior que há 14 dias e 11% maior que há 7 dias.

Agência Brasil

O quadro brasileiro não pára de complicar. Houve uma redução irrelevante na média de casos de ontem para hoje, de 16.469 para 16.421. Mas, em 7 dias, 17 estados registraram alta, 9 de forma intensa e 5 de forma forte. Em 14 dias, são 15 estados em alta, 12 de forma intensa.

Pegando um prazo maior, o crescimento dos casos fica mais nítido.

Por regiões, Sudeste e Sul continuam puxando os casos.

Um exemplo das curvas de casos em 4 estados: Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Minas Gerais.

Relatório de óbitos

Há uma estabilidade em um plano maior, com a média em 106 casos. Em 7 dias são 8 estados em alta de óbitos e em 14 dias, 6 estados. A média é 3,6% maior que há 14 dias e 11% maior que há 7 dias.

Sudeste puxando vigorosamente a média de óbitos.

Entre estados maiores, Rio de Janeiro e São Paulo puxando os óbitos.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Hélder

- 2022-05-13 11:35:39

Isso é típico da acomodação das autoridades sanitárias no trato das medidas preventivas básicas. O aumento dos óbitos deve estar ocorrendo nos estados q tiveram cobertura vacinal i satisfatória.

José Cláudio dos Santos

- 2022-05-13 05:33:54

Nassif, por favor, se possível, gostaria de uma análise específica com crianças e possíveis relações de aumento da covid com o retorno às aulas presenciais. Obrigado.

foo

- 2022-05-13 03:37:17

Nassif, Esta sequência de artigos não está ajudando muito a entender o momento atual. Estes números são altos ou baixos? Não dá para saber sem uma base de comparação. Eu recomendo que você inclua as seguintes métricas em suas análises: 1) Número de casos no mesmo período de 2020, para que a gente possa comparar o período atual com o auge da pandemia; 2) Número de mortes no mesmo período de 2020; 3) Taxa de ocupação das UTIs (em 2020 e agora). Estas metricas seriam muito mais informativas do que comparações com 7 ou 14 dias atrás.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador