Maio escava. Maio interrompe. Por Romério Rômulo

-mães e noivas nem sabem e interrompem, fatais, alegorias.

Portinari

Maio escava. Maio interrompe.

por Romério Rômulo

Maio escava. Maio interrompe.
Ocupa com um beijo e uma trava
onde o amor é pálido e corrompe.

Sempre foi maio o mês das agonias
-mães e noivas nem sabem 
e interrompem, fatais, alegorias.

Quando o mundo se rompe num desmaio
espera por dezembro, em dura ânsia.
Abril já desatou. E entrou maio.

Romério Rômulo (poeta prosador) nasceu em Felixlândia, Minas Gerais, e mora em Ouro Preto, onde é professor de Economia Política da UFOP e um dos fundadores do Instituto Cultural Carlos Scliar – Rio de Janeiro RJ.

Leia também:

Minha faca em decassílabo fortuito, por Romério Rômulo

Serei pólvora, Kafka, inseto?, por Romério Rômulo

Fiz pactos de amores, os mais loucos, por Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador