Serei pólvora, Kafka, inseto?, por Romério Rômulo

na tua mão amarrada em sodalício?

Ilustração do site Aeon

Serei pólvora, Kafka, inseto?

por Romério Rômulo

Serei eu, magnânimo abjeto
que se cala no grau de algum ofício?
Serei torres, escala, num trajeto

na tua mão amarrada em sodalício?

Serei puro extrato de objeto
de palavras, do casto meretrício
que carrega o corpo insurreto
estragado no vão do precipício?

Serei pólvora, Kafka, inseto?

Romério Rômulo (poeta prosador) nasceu em Felixlândia, Minas Gerais, e mora em Ouro Preto, onde é professor de Economia Política da UFOP e um dos fundadores do Instituto Cultural Carlos Scliar – Rio de Janeiro RJ.

Leia também:

Minha faca em decassílabo fortuito, por Romério Rômulo

Poema (útil) da mulher enluarada, por Romério Rômulo

Fiz pactos de amores, os mais loucos, por Romério Rômulo

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador