Testes em massa em Brasília revelam alta sub-notificação do Covid-19 no país

Por dia, havia 28 casos do novo coronavírus no Distrito Federal. Mas somente a primeira amostragem já revelou quase o dobro destes números

Trabalhador de saúde mostra testes rápidos para a COVID-19 no estacionamento do estádio Mané Garrincha em Brasília, 21 de abril de 2020 - Foto AFP

Jornal GGN – Brasília começou a realizar o primeiro teste em massa do Brasil para diagnosticar o novo coronavírus, nesta terça-feira (21). Nos próximos três dias, devem ser realizados um total de 100 mil testes na capital. E os resultados do primeiro dia de testagem já alertaram para o grande número de sub-notificação do país.

Nesta terça, foram testadas 3.196 pessoas. Destas, 46 deram resultados positivos para o Covid-19. Para se ter uma ideia, por dia, havia 28 casos do novo coronavírus no Distrito Federal. Mas somente a primeira amostragem já revelou quase o dobro destes números.

O resultado deste primeiro dia de análise aumenta o número total de casos na capital, que agora passa a 903 confirmações do novo coronavírus.

Para o colunista Reinaldo Azevedo, caso a média brasileira fosse de 31,13 casos por 100 mil habitantes, que é a média até o momento de Brasília, sem que a amostragem tenha sido concluída, o total de casos de Covid-19 no Brasil seria de mais de 65 mil habitantes, e não 40.581 como é informado pelo Ministério da Saúde.

“Ocorre, reitero, que uma simples testagem num grupo de 3.196 pessoas detectou 46 casos — 64,28% maior do que a média conhecida”, acrescentou Azevedo, em sua coluna para o Uol, nesta quarta.

Os números de Brasília devem dar conta não somente do que ocorre, efetivamente, no Brasil, como também ampliar os dados oficiais até o momento. O teste em massa será feito até esta sexta (24) em cinco pontos diferentes da capital.

O número total de testes equivalerá 3,3% da população do Distrito Federal. Nesta terça (21), primeiro dia de amostragem, centenas de pessoas foram em seus veículos ao estacionamento do estádio de futebol Mané Garrincha, aonde foram disponibilizados 5 mil testes rápidos.

O médico que coordena o projeto piloto do teste em massa em Brasília, Marcos Limera, afirmou que os números devem auxiliar nas políticas a serem tomadas. “Acho que o prognóstico é muito bom na cidade. Estamos conseguindo conter os casos da COVID-19 e agora vamos saber mais com esses exames”, manifestou.

O procedimento foi realizado sem que as pessoas saíssem de seus carros, com uma picada no dedo para coletar uma amostra de sangue. As pessoas que informavam ter sintomas eram também submetidas à medição de temperatura.

De acordo com o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, o teste em massa é mais uma etapa importante para combater o coronavírus. “Temos que ter mais de 70% de isolamento social, conseguimos achatar nossa curva de crescimento do vírus e agora chega outra etapa muito importante, que são os testes em massa”, disse.

O Brasil já superou os 40 mil casos e 2.500 mortes e espera-se que a fase mais difícil do contágio seja em maio.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora