Moro tenta abafar polêmica do “compromisso” com Bolsonaro para assumir STF

Moro disse que "não estabeleceu nenhuma condição", mas tampouco negou a tratativa em período pós eleições

Foto: Reprodução / RPC

Jornal GGN – O ex-juiz da Lava Jato e ministro da Justiça, Sérgio Moro, tentou diminuir a polêmica de que o atual presidente Jair Bolsonar firmou um compromisso para o indicar a uma vaga o Supremo Tribunal Federal (STF). Após o próprio mandatário admitir que fechou esse acordo com ele antes de tomar posse, Moro disse que “não estabeleceu nenhuma condição”. Mas tampouco negou a tratativa em período pós eleitoral.

Neste domingo (12), Bolsonaro declarou que “tem um compromisso” com o hoje ministro da Justiça de que, se ele quiser, irá ser nominado ao Supremo. “A primeira vaga que tiver, eu tenho esse compromisso com o Moro e, se Deus quiser, cumpriremos esse compromisso”, disse Bolsonaro, durante uma entrevista à Rádio Bandeirantes.

A polêmica repercutiu e o ex-juiz tentou tirar o peso da informação: “Ele [Bolsonaro] foi eleito, fez o convite publicamente [para Moro ser ministro da Justiça], fui até a casa dele no Rio de Janeiro. Nós conversamos e eu não estabeleci nenhuma condição. Não vou receber convite para ser ministro [da Justiça] e estabelecer condições sobre circunstâncias do futuro que não se pode controlar”.

Mas tampouco negou que tenha tratado com Bolsonaro do interesse do então juiz de primeira instância por assumir a Corte Suprema do país. A declaração de Moro foi feita após participar de uma palestra em Curitiba, na manhã de hoje (13).

Leia mais: A barganha em que Bolsonaro prometeu o mesmo cargo no STF a Moro e a Gebran, por Luis Nassif

A pergunta feita por jornalistas era se Moro havia negociado uma vaga no STF com o então candidato que venceu as eleições. Disse que estaria honrado, mas que “é algo que tem que ser discutido no futuro”. A fala ocorre porque ainda não há vagas disponíveis no Supremo.

Leia também:  Candidato a PGR, Paulo Bueno diz que Lava Jato não perdeu pulso e defende combate ao crime

Um posto na Corte maior do país deve abrir em novembro de 2020, quando o decano do STF, ministro Celso de Mello, irá se aposentar aos 75 anos. “Quando surgir a vaga lá na frente o presidente vai avaliar se ele vai realizar o convite para mim. Se ele formular o convite aí eu vou avaliar se eu vou aceitar”, continuou Moro, tentando esquivar-se de admitir o compromisso fechado antes de ser ministro da Justiça.

12 comentários

  1. Mentir e enganar a população é com ele mesmo! Boa Morinho! Se você por acaso não conseguir uma vaga no STF vá pra Hollywood ser ator que sua vida tá garantida! Vai ganhar muitos oscars seu cara de pau!

  2. FATO – MORO esta em suspeição com seu “trabalho” à frente do ministério da Justiça e PF prejudicado

    pede pra sair B-4 !!!!

  3. VERGONHA MUNDIAL ESCANCARA A BANDIDAGEM,TEMOS DE DERRUBAR ESSES CANALHAS!

    Financial Times: “Bolsonaro nomeia juiz que ajudou a prender Lula”

    The Times: “Bolsonaro promete emprego sênior para o juiz que prendeu o seu rival”

    Le Monde: “Será que foi por ter prendido o líder da esquerda brasileira que o magistrado será recompensado por Jair Bolsonaro?”

    Le Figaro: “O juiz que derrubou Lula será o ministro da Justiça de Bolsonaro”

    New York Times: “Grandes riscos em o juiz Moro tornando-se ministro da justiça”

    The Guardian: “Moro foi responsável pela prisão do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que segundo pesquisas teria batido Bolsonaro à presidência.”

    The Economist: “Agora a prisão de Lula parece um ato político”

  4. artigo 317 do Código Penal: ” Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem”.

  5. Bolsonaro é tão ruim, mas tão ruim, que até com quem ele quer agradar, ele dá furo. Foi assim com os israelenses e agora com o mourinho, deixando-o numa saia justa para negar o que já estava na cara de todos! Haja hipocrisia! Só engana os toupeiras verde-amarelo, que, ironicamente, chamam de fanáticos os que idolatram Lula.
    Bolsonaro é a direita perfeita que uma esquerda com um pouquinho mais de tutano adoraria para “crescer” encima.

  6. Nassif: nesse dissenãodisse a verdade fica fatiada. O Presidente falou e disse. O ministro falou e desmentiu. Ou o Presidente é mentiroso, que não seria novidade (e tera de arrumar uma desculpa, como a do Queiroz ou do seu amigo que mandou executar Marielle) ou Savonarola dos Pinhais, aos poucos vai se desnudando.

    Há, também, a possibilidade de ambos mentirem. Não seria a primeira vez. Mas, vamos além.

    O compromisso dito pelo Presidente explica o porquê daquela intromissão repentina, inexplicável e meteórica na soltura do SapoBarbudo, chegando às raias da ilegalidade e imoralidade jurídica.

    Eu desconfiava só dos VerdeSauvas, que não estão isentos ou afastados do cenário. Mas parece que o buraco era mais em baixo. Já tinha ouvido uns buchichos que a recomendação teria vindo de Washington e das companhias petrolíferas, evidentemente com uma ligação direta do Príncipe de Paris, que por sinal estava em Paris, naquele seu palacete da Av. Foch.

    Mas essa revelação e tão estonteante que chego até isentar o Mordomo de Filme de Terror de qualquer participação. A história faz sentido.

    Montando um caso hipotético, um juizeco de terceira, sabe Deus por que cargasdágua guinado a tão importante caso, o maior, desde aquele em que o Morcegão se deu bem. Bem preparado, esse hipotético Verdugo, poderia até “estagiar” com RosinhaMinhaCanoa, lá no Çupremu, e labutar “dicursos” transloucados, tipo “condeno porque a Lei me permite”. Carreira curta, como voo dos galináceos. Derepente o estrelato. Outra dessa só noutra vida. Então, poderia dar-se uma negociata, unindo o útil ao agradável. Você leva isto e eu aquilo. Selado o hipotético acordo, a custa de um MelianteOperárioNordestino, a primeira parte estaria cumprida, uma nomeação importante ou um favor irrecusável, como um fundo bilionário, oferecido disfarçadamente a Gogoboys avivados. Mas que seria apenas um trampolim, para alcançar os píncaros do Judiciário e de lá, junto com alguns do grupo, acabar a obra que lhe incumbiu aquele governo estrangeiro. Como dito, está é uma hipótese. Apenas, pequeno rolo de fumaça no submundo da bandidagem políticajudicial.

    Pode essa hipótese ter acontecido diferente, com outros atores coadjuvantes e paisagens diversas. Mas que tem caroço nesse angu, isso tem…

    Até porque, tatu não sobe em árvore!

  7. O que me indigna, é a desfasatez do juiz Sérgio Moro, em declarar que não impôs, nehuma condição para assumir o ministéio da justiça e ainda tem a declaração da juíza Gabriela Hardt, declarou se fosse presidente indicaria também Sérgio Moro, já está se preparando para o futuro, é de um cinismo asqueroso, aí se vê bem a condenação de Lula, não sou partidário de nenhuma sigla, mas está bem claro esta condenção, tudo combinado, vergonha para a justiça do Brasil.

  8. Alguém tinha dúvida sobre o “arranjo”? O desMoronado abriria mão do “poder-prender” apenas para ser capacho dos bolsonadas? Seria ingênuo de acreditar em fadinhasadamarestísticas-e-lésbicas? Ora, ora e ora, sabem as antas e os engravatados-com-lencinhos que ambos (e todos) são farinhas aventadas do mesmo saco-de-gatos-e-gatunos-em-geral. Diria o miliciano sobre o rescaldo do prédio-que-caiu: tá tudo dominado!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome