Moro autoriza MPF a entregar parte do processo contra Duran à Espanha

Jornal GGN – O juiz Sergio Moro autorizou o envio para a Espanha de parte do processo contra Rodrigo Tacla Duran por lavagem de dinheiro. Em despacho assinado no dia 11 de março, Moro esclarece que a decisão acolhe pedido dos procuradores de Curitiba.
 
“Considerando a utilização de empresa constituída na Espanha para a prática dos crimes, a previsão do tratado, o compromisso assumido pelas autoridades espanholas e que elas terão melhores condições de processar os fatos envolvendo as operações de lavagem da Vivosant, defiro o requerido pelo MPF para o fim de autorizar a transferência da ação penal e das provas pertinente para que Rodrigo Tacla Duran responda, quanto às operações de lavagem, fraudes e outros crimes envolvendo a Vivosant, perante a autoridades espanholas”, decidiu o juiz.
 
Na prática, o Ministério Público Federal deve remeter às autoridades espanholas a parte da ação penal que trata do suposto recebimento de recursos da Odebrecht no exterior.
 
“Em síntese desse ponto da denúncia, entre 14/09/2010 e 28/10/2010, foram identificadas nove transferências, totalizando USD 12.00.000,00, da conta em nome da off-shore Constructora Internacional Del Sur, que era controlada por prestador de serviços da Odebrecht, para a conta em nome da off-shore Vivosant Corporation SA, mantida no Banco Pictet & Cilt, agência de Singapura, que era controlada por Rodrigo Tacla Duran. Esses valores tinham por finalidade ocultar e dissimular o repasse desses mesmos valores a agentes públicos no Brasil, em operação do tipo dólar cabo. A sede da empresa Vivosant Corporation S/A seria situada na Espanha”, escreveu Moro.
 
O juiz ainda explicou que não há “maiores prejuízos” para a separação da denúncia. 
 
“Enquanto as operações de lavagem de dinheiro envolvendo a UTC ocorreram exclusivamente no Brasil, com contas, empresas e contratos fraudulentos no Brasil, as operações de lavagem envolvendo a Odebrecht envolveram transferências entre conta em instituição financeira mantida no Panamá e controlada pelo Grupo Odebrecht para conta controlada por Rodrigo Tacla Duran em Singapura. Embora as transações havidas no exterior tenham sido planejadas no Brasil e a partir daqui executadas, onde operavam tanto o Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht como Rodirigo Tacla Duran, as condutas delitivas envolvendo a Odebrecht ocorreram parcialmente no exterior. A Vivosant Corporation, titular da conta utilizada para lavagem de dinheiro, foi constituída e está sediada na Espanha”, apontou Moro.
 
COOPERAÇÃO PARA OUVIR DURAN
 
Em Curitiba, portanto, ficará a parte da imputação sobre pagamentos envolvendo a UTC. Para dar continuidade a isso, o “MPF pleiteou o aditamento do pedido de cooperação para citação do acusado.” Moro, então, determinou que a citação de Tacla Duran seja refeita, com as diligências necessárias para encontrá-lo, caso o endereço informado se mostre novamente insuficiente.
 
“(…) solicitando a continuidade do pedido de cooperação para citação e intimação de Rodrigo Tacla Duran em relação ao restante da denúncia, informando o seguinte endereço, Rúa Río Umia-A CAIEIRA, nº 22, apartamento 6 B, Poio, Pontevedra, Espanha, e que caso ele não seja encontrado que as autoridades espanholas diligenciem por seu endereço, já que ele foi submetido a processo de extradição na Espanha.”
 
Os procuradores de Curitiba já tentaram ouvir Duran pelo menos duas vezes na Espanha. Numa das tentativas, a intimação não chegou às mãos do ex-advogado da Odebrecht porque o endereço estava incompleto – por isso, agora, Moro tenta refazer a citação. Em outra oportunidade, a turma de Deltan Dallagnol simplesmente não compareceu à audiência. Procurada pelo GGN, a Lava Jato se recusou a explicar o motivo.
 
Leia a decisão, na íntegra, abaixo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Ex-presidente Lula volta a virar réu na Lava Jato do Paraná

1 comentário

  1. a lavarapido.
    Esses procuradores e o juiz sergio moro, estam tentando sensibilizar a justiça espanhola, com relação a lavagem de dinheiro. Supoem ser o réu um ignorante jurídico.Acreditam que sendo ele advogado da odebrech não tomou medidas protetivas para não se enrolar no processo. Estam blefando, vão se ferrar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome