que tua mão à noite me apagasse, por romério rômulo

e quando o teu olhar me percorreu / na linha breve que contém o corpo / eu te entreguei o pouco que é meu.

Paul Cézanne

que tua mão à noite me apagasse

 por romério rômulo

 

que a tua mão à noite me apagasse

e chegasse em mim quando eu nascesse

pelos vagos da morte me entregasse

e se fizesse em pranto se eu morresse

 

deixo à vida infiel o duro canto

destes olhos bastardos, desatados

na crueza abissal do meu espanto

em armas e barões assinalados.

 

2.

e quando o teu olhar me percorreu

na linha breve que contém o corpo

eu te entreguei o pouco que é meu.

 

romério rômulo

 

Leia também:  Hoje: Lançamento da biografia de Walther Moreira Salles, obra de Luis Nassif, na Casa do Saber

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome