Gestão de Salles pode ter ‘consequências trágicas’, diz MPF

Pedido de afastamento do ministro do Meio Ambiente ganha força; procuradora aponta risco de que Amazônia chegue ao ponto de ‘não retorno’

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. Foto: Reprodução/Lula Marques

Jornal GGN – O Ministério Público Federal (MPF) pediu à Justiça Federal o afastamento do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Esta é a segunda vez que o MPF pede que o ministro seja afastado do posto.

Segundo o jornal O Globo, o pedido foi feito dentro de uma ação por improbidade administrativa contra o ministro por conta da condução da política de proteção ambiental da sua gestão.

A ação contra Salles havia sido iniciada em Brasília, mas depois foi encaminhada para a Justiça Federal de Santa Catarina. Contudo, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) decidiu manter o caso em Brasília.

De acordo com a procuradora Márcia Zollinger, a permanência de Salles no comando do ministério pode levar a Amazônia a um ponto de “não retorno”, ressaltando que o ministro é responsável pelo “desmonte das estruturas de Estado de proteção ao meio ambiente” e a permanência dele no cargo estaria trazendo “consequências trágicas” à proteção ambiental, especialmente em relação ao aumento do desmatamento na Amazônia.

 

Leia Também
Governo Bolsonaro usa dados de governo petista para rebater críticas francesas
Meio ambiente domina debates na primeira sessão plenária desde o começo da pandemia
Noruega acaba com brincadeira de satélite da Defesa e da Polícia Federal.
Novo delírio de Bolsonaro na ONU envergonha o Brasil e embala fuga de investidores

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Bolsonaro diz que acabou com ‘pacotes de maldades’ contra agronegócio

3 comentários

  1. Hoje, são necessários dias ou mesmo meses para que alguém tome as medidas cabíveis, quando ocorre algum fato inteiramente absurdo. O STF foi achincalhado de todas as maneiras pelo boçal e sua turma de vampiros, tendo sido necessário um foguetório naquele prédio, para que um daqueles onze resolvesse tomar as providências que se impunham.
    O caso deste ministro RSalles, que não consegue explicar o crescimento do próprio patrimônio, pode ser considerado dramático, tal a dimensão da destruição provocada por sua política de “passa boi, passa boiada”, e lá se vão meses de notícias, fotos, vídeos e relatos de fiscais e moradores da região a respeito da significativa destruição, tendo a barbárie o apoio até mesmo dos militares instalados no governo federal.
    Olha que eu detesto tudo o que ocorreu no período da ditadura, mas não posso negar que os milicos daquela época gostavam do país, sempre tiveram em mente a integração daquela região, atitude afirmativa.

  2. Tem que ser afastado mesmo e já…
    tudo indica que ficou encarregado da reconfiguração completa da estrutura de proteção

    aliás, chega-se ao ponto de “não retorno” quando se tem em mente apenas a eficiência econômica do que se quer proteger, ou seja, se para tanto for preciso destruir uma grande parte ainda protegida, destruirá

    e ele mesmo já mostrou o que quer realmente da região, e não apenas ele

  3. Os incêndios florestais são provocados de propósito para abrir espaço para pastagens.

    $alles afirmou que iam aproveitar a crise mundial para passar a boiada. A flora e a Fauna é que não vão passar.
    Esse rato merece uma projétil ( de festim ) no ânus

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome