Incêndios na Amazônia atingem maior volume para junho em 15 anos

Foram 2.562 focos de queimadas na região, segundo Inpe; no cerrado, fogo tem pior marca desde 2010 para o mês

José Cruz – Agência Brasil

O ritmo de queimadas na Amazônia atingiu níveis recordes no mês de junho, com um total de 2.562 focos de incêndio ao longo do mês.

Segundo dados do programa Queimadas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), este é o maior número de queimadas para o mês nos últimos 15 anos – em 2007, foram contabilizados 3.519 pontos de incêndio.

Os números das queimadas passaram a subir com a chegada da temporada seca. Na comparação com maio, os focos de junho aumentaram 11%.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente

Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Ao longo do governo de Jair Bolsonaro (PL), todos os meses de junho registraram aumento no ritmo de queimadas, oscilando de 1.880 focos em 2019 a 2.305 em 2021. O recorde para o mês foi registrado em 2004, com 9.179 focos.

No último dia 23, Bolsonaro baixou um decreto proibindo o uso do fogo pelo país durante 120 dias, suspendendo a concessão de autorizações para práticas agrícolas.

Vale lembrar que as queimadas também são usadas por grileiros para consolidar a ocupação ilegal de território.

Com informações da Folha de São Paulo

Leia Também

O cidadão não pode arcar com o peso da sustentabilidade, por Mariana Nascimento

Estudo aponta níveis de risco de surgimento de epidemia ou pandemia a partir do Brasil

Pacote do Veneno é retrocesso em legislação já permissiva para agrotóxicos, diz relator da ONU

Contra o que diz diretor do INPE e Bolsonaro, monitoramento de biomas brasileiros está em risco

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador