A covardia humana e o assassinato de Santiago

Por O Escritor

Poucas imagens há que sejam mais simbólicas da covardia humana do que esta.

O black bloc acende o artefato e coloca-o estrategicamente direcionado para uma pessoa situada no máximo a 5 metros de distância. 

Reparem que ele poderia ter direcionado a pontaria para a esquerda ou para a direita, nos mais variados graus de afastamento em relação ao repórter cinematográfico da Band.

Mas não: ele escolheu a direção exata da pessoa à frente. Um ato consciente.

Detalhe: o cinegrafista está de costas.

Como se sabe, os covardes são covardes justamente porque têm medo de enfrentar outras pessoas, Fazem as coisas furtivamente. Usam máscaras, Buscam a proteção do grupo. Misturam-se em manifestações pacíficas. Dissimulam: fingem não ser (um grupo) o que são (“somos uma tática”). Tremem e falam desarticuladamente quando são pegos. Têm fantasias de vingança (“perseguição”, “tortura”) se caírem nas mãos de suas vítimas.

Atacam de surpresa, sem dar direito à defesa.

Preparado o ataque, o black bloc… foge. Como bom covarde, sai em disparada para não ter que assumir as consequências de seu ato criminoso. 

A foto desmonta a farsa da versão. Houve a intenção patente de atingir uma pessoa com um artefato potencialmente mortal, quando disparado de tão perto, em alta velocidade.

Essa foto, tristemente famosa, merecia o Prêmio Esso. Não só por ter-se tornado um símbolo da covardia humana, mas por ter ajudado a desnudar a própria essência de um movimento criminoso tantas vezes defendido por intelectuais e jornalistas precipitados.

Leia também:  Chile terá plebiscito sobre nova Constituição

Um essência que já havia sido pressentida por muitos na iniciativa de incendiar o fusca da família do serralheiro Itamar Santos, em que viajavam duas mulheres e uma criança, no dia 25 de janeiro último. Ela mesmo: a covardia assassina.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

86 comentários

  1. Já escrevi essa frase mil

    Já escrevi essa frase mil vezes e escreverei outras mil até que todos acreditem: “A verdade é uma força da natureza como o vento ou a chuva”

    Penei muito por dizer tudo que está no texto acima. Em junho ou julho do ano passado, dizer coisas assim me valeu acusações de “fascismo”, fui chamado de “reaça” e outros mimos.

    Nunca titubeei, nunca. A convicção de estar agindo de acordo com os valores mais elevados da Cidadania me moveram e continuarão me movendo.

    É duro um simples cidadão que nem jornalista é contrapor suas opiniões a de intelectualoides prontos a traçar teses complicadas para fatos simples, mas a verdade é irrefreável. Tentar contê-la é como tentar reter água entre as mãos…

    A estúpida morte de Santiago, porém, poderia ter sido evitada. Bem como muitas outras desgraças. Muitos avisram no que tudo isso ia dar.

    Agora só falta enterrar a tese malandra de que as “jornadas de junho” seriam uma coisa e os black blocs, outra. 

    Os black blocs surgiram com as jornadas de junho (ao menos no Brasil) e os tais “manifestantes” pacíficos contam com eles para tornarem suas manifestações impossíveis de ignorar.

    Ponto

     

     

  2. Ou o Governo trata de

    Ou o Governo trata de enquadrar esse grupo e outros com o mesmo objetivo ou terá muitos problemas pela frente, tanto na copa do mundo, quanto nas eleições. A Dilma ainda está tímida. Poderia ter ido para a tv pressionar o congresso para aprovar a lei contra esse pessoal. Se não agir, depois não poderá reclamar.

    • Mas por que colocar na conta da Dilma?

      E os governadores e prefeitos? Tem muitos lugares no Brasil que não teve ainda esse negócio de bleque bloques.

      E o judiciário? E os ministros do STF, que gostam tanto de vir a público dizer o que está certo e o que está errado, onde estão? E os pré-candidatos, já vieram a público dizer o que pretendem fazer para evitar coisas assim em seus governos? Ou estão ocupados demais criticando o governo atual?

      • É evidente que todos têm

        É evidente que todos têm responsabilidade.

        Mas advinha para quem a conta vai ficar ? Quem tem mais visibilidade ?

        Lembra das pesquisas de popularidade de junho ? Quem se deu pior ?

        Nâo adianta cobrar dos outros e jogar o problema para os outros.

        Cobro da Dilma, porque apesar de tudo, apoio o Governo dela e quero que ela melhore e tome boas atitudes para se reeleger.

    • Ela é tímida em tudo

           Em síntese, em final de governo ela é tímida com um assunto tão grave quanto esse. Ainda bem que em relação à economia, à política… Pensando bem, ela é tímida em tudo.

    • Meu caro Daniel, não precisa

      Meu caro Daniel, não precisa de mais leis e nem de Dilma. A responsabilidade pela desordem nas ruas é dos Governadores, especialmente Alkmin e Sergio Cabral, que não tiveram a coragem de exercer o comando de suas Policias e responder por elas em qualquer circunstancia. Quando ocorreram as primeiras manifestações de junho de 2013 a PM paulista agiu com força , machucou menos de meia duzia e o Governador puxou a escada da Policia, desautorizando-a e deixando o comandante da tropa a descoberto. Nunca poderia ter feito isso. Nenhuma força armada atua sem total respaldo do comando. Erros devem ser discutidos reservadamente e nunca se pode colocar a Policia sob execração publica. Não falo isso hoje, escrevi aqui no blog no mesmo dia em que o Governador condenou a ação da Policia e disse o que iria acontecer por causa disso, está registrado.

       A midia caiu em cima da Policia e o Governador não sustentou sua tropa. O que aconteceu?

      Dai em diante as policias, não só a paulista mas tambem de outros Estados ficaram imobilizadas, os manifestantes violentos começaram a agir, a midia dando toda cobertura aos manifestantes, o tal de Ninja foi entrevistado no Roda Viva com todas as honras e tapete vermelho, isso deu gás para os blac blocs que entraram em cena MASCARADOS e

      nunca foram importunados, quebraram tudo pela frente e a Policia assistindo impassivel, CONSEQUENCIA DA FALTA DE RESPALDO DO GOVERNADOR na primeira manifestação de junho.

      Dai em diante os BB se sentiram a vontade, o rojão que matou o jornalista é resultado dessa ausencia de Policia.

      Parte da culpa é da propria midia que vem batendo numa tecla absurda: MANIFESTAÇÕES SÃO DEMOCRATICAS.

      Não são democraticas, nunca foram. MANIFESTAÇÃO DEMOCRATICA É DENTRO DAS REGRAS DA DEMOCRACIA e não fora delas. Ninguem numa democracia pode fechar avenidas e estradas , o direito de protestar NÃO É MAIOR QUE O DIREITO DOS OUTROS DE IR E VIR.

      Voce pode ir ao Hyde Park e falar mal da Rainha da Inglaterra, COM LOCAL DEFINIDO PELA POLICIA, HORA MARCADA PARA COMEÇAR E TERMINAR.

      Voce pode falar muito mal do Presidente dos EUA na frente do jardim da Casa Branca, COM LOCAL DEFINIDO PELA POLICIA COM HORA MARCADA PARA COMEÇAR E TERMINAR.

      Assim é a manifestação democratica em todo o mundo civilizado. NINGUEM PODE FECHAR RUAS EM GRANDES CIDADES A SEU BEL PRAZER E FAZER MANIFESTAÇÃO. Nem em Paris, nem em Berlim, nem em Nova York.

      Se aparecer um mascarado, um só, em Dallas, não dura na calçada mais de tres minutos, VAI EM CANA PORQUE ESTA MASCARADO, o que lá denota a intenção de cometer crime.

      As manifestações brasileiras são pura baderna e agora estão virando guerrilha. Manifestações de rua com mortos e feridos é GUERRILHA. Os Govrnadores são responsaveis, não é a Dilma e nem precisa de lei nova.

      As Tropas de Choque das PM de São Paulo e do Rio de Janeiro são PERFEITAMENTE CAPAZES, TEM OTIMO TREINAMENTO para acabar com qualquer manifestação de rua em minutos, DESDE QUE O GOVERNO GARANTA A TROPA. O General Patton avançou pela Europa adentro em altissima velocidade com sua tropa porque andava na frente dela e os soldados o idolatravam. Tropa só funciona com comando que vem de cima a baixo.

      Os Governadores que não garantem a ordem legal nas ruas pensam que com isso ganham votos. MUITO AO CONTRARIO. Vão perder muitos votos porque se mostraram tíbios, hesitantes, sem firmeza. A grande sociedade é conservadora e não quer as ruas intransitaveis por causa de manifestantes, se a Tropa de Choque agisse com a força que a lei lhe permite a maioria esmagadora da população ficaria ao lado da Policia e não dos “”intelectuais”” que vociferam pela midia.

      E a MIDIA é vitima hoje do que plantou ontem. Deram total respaldo à manisfestações do Passe Livre, que nunca foram democraticas, agora colhem a morte de um profissional PORQUE DERAM RESPALDO Á UMA FALSA DEMONSTRAÇÃO DE DEMOCRACIA, essas manifestações são anti-democraticas e agora viraram guerrilha, numa escalada que pretensamente começou pafifica mas nunca foi e desagua numa incrivel violencia que não se viu em em 1964 nas grandes demonstrações de rua daquela época.

      O mundo inteiro está vendo o que acontece no Brasil e coloca na conta de seu Governo o caos e a violencia nas ruas.

      O Brasil já está pagando alto preço na sua imagem internacional por essa FALTA DE GOVERNO, não é culpa da Dilma.

       

       

      • Concordo com sua posição.
        É

        Concordo com sua posição.

        É impressionante a incompetênci e falta de noção que o Alckmin e o Cabral demonstraram ao comandar a ação policial.

        Não adianta cobrar do governo federal o que é de responsabilidade dos governos estaduais.

      • Concordo em partes.
        Voce tem

        Concordo em partes.

        Voce tem razão quanto a não ser culpa legal dela. Mas a imagem que fica para o País é essa, e ela é a chefe de Governo.

        Mesmo eleitoralmente aposto que quem mais vai perder será a Dilma, se as coisas vierem a piorar.

         

      • Direito individual X coletivo

        Como sempre o Capitão América e seus posicionamentos pérfidos.

        “direito de protestar NÃO É MAIOR QUE O DIREITO DOS OUTROS DE IR E VIR.”

        Ora, o direito coletivo de protestar excede, sim, o direito individual de ir e vir. Até porque, talvez o Capitão América não saiba, mas quando se para no sinal de trânsito, por exemplo, seu direito individual de ir e vir cede ante o direito coletivo de se racionalizar o trânsito.

        Sobre o “garanta a tropa”, o “ótimo treinamento” e que tais, de fato, com os índices de criminalidade que o Brasil ostenta, só pode dizer uma insanidade destas quem mora longe e tem a cabeça mais longe ainda. 

        • O exemplo não é bom.
          Não é

          O exemplo não é bom.

          Não é direito individual de ir e vir.

          É direito coletivo de ir e vir.

          Ademais, as leis de transito possuem regras bem definidas e previamente conhecidas. É justamente isso que se pede com relação ás manifestações.

          É só deixar de má vontade e usar de bom senso.

          Muito mais gente transita – ou usa o direito coletivo de ir e vir pela paulista – do que quem quer protestar e parar a avenida.

          Até concordo que é um tema subjetivo, podem sim haver outras interpretações, mas se formos considerar a sua premissa como verdadeira, estariam as portas abertas para o País virar um verdadeiro caos.

          Qualquer grupo mais ou menos organizado de 100, 200 pessoas, poderia, a hora que bem entender parar ruas, avenidas, eventos variados etc…O que, é óbvio, prejudicaria milhares de pessoas. Isso, sem contar que no meio de todas as manifestações, tem-se infiltrado baderneiros, verdadeiros bandidos, depredadores de patrimonio público.

          Quem organiza a manifestação tem que ter responsabilidade. Voce não pode botar 100, 200 ou 2000 pessoas na rua e ficar por isso mesmo. Por isso que deve ser hora e local previamente marcados e ainda, motivo para se manifestar.

          Quando o MST ou a marcha da maconha manifesta, podemos ser contra ou a favor, mas eles tem algum foco definido.

          Essa tal turma de junho virou uma zona. São mal intecionados contra o Governo e contra o Estado, apenas isso. Têm que ser combatidos, não se pode tergiversar com relação a isso.

           

        • E que tal lhe parece o

          E que tal lhe parece o Direito coletivo de ir e vir x Direito individual de protestar? Analisar o Direito de ir e vir à luz da legisdlação de trânsito é de doer…Está inovando? qual a fonte filosófica e jurídica de tão sábia assertiva? 

  3. Eu quero saber qual vai ser a

    Eu quero saber qual vai ser a cobrança em cima do empregador do Santiago. Tem Cipa na Tv Brandeirantes. Qual o treinamento e os equipamentos que ele recebeu para cobrir manifestações públicas. Até agora as associações da imprensa só cobraram o governo.  E eles?

    Cadê o Sindicato dos Jornalistas para cobrar segurança no trabalho para sua classe?

    • Jornalistas que cobrem

      Jornalistas que cobrem conflitos em todos os tempos estão sujeitos a risco. Incontaveis jornalistas morreram nas guerras mundiais, nas guerras de descolonização, na Guerra do Vietnam um famoso jornalista brasileiro perdeu a perna, na atual Guerra Civil da Siria já morreram mais de dez jornalistas, Churchill foi jornalista na Guerra da Independencia de Cuba em 1898 e não morreu por um centimetro da bala que passou zumbindo na sua cabeça.

      Não é por esse lado anti-capitalista que a esquerda adora que se vai debater o tema.

      • Ora, ora. Se Santiago

        Ora, ora. Se Santiago estivesse com capacete será que teria sido ferido com tal gravidade. Não é porque jornalistas morrem em guerras que tem que continuar a morrer. E você falou guerras. Aqui havia um protesto. É preciso que as empresas jornalistas ofereçam segurança no trabalho e treinamento com profissionais de segurança sim. 

         

        • Você deve ser louca. Que tal

          Você deve ser louca. Que tal os jornalistas sairem das redações para cobrir as manifestações “pacíficas” dentro dos Urutus, caveirões ou outros blindados? atende a sua expectativa? EPI de jornalista: carro blindado. Cada uma que aparece…    

          • Eu não sou louca mas  com


            Eu não sou louca mas  com certeza você é mal educado. Veja lá na uol os proprios companheiros de Santiago dizendo que se ele tivesse um assistente de camera poderia ser avisado do ataque.

            Bobão, em toda profissão existem normas de segurança e com cinegrafista não há de ser diferente.

          • Realmente comentário digno de

            Realmente comentário digno de uma pessoa extremamente boçal. Você deve ter a mentalidade dos captalistas industriais da inglaterra do século XVIII. Ninguem falou em carro blindado e nem caveirão, mas assim como qualquer trabalhador exposto a  risco, por menor que seja,  os jornalistas também devem usar os EPI’s apropriados. Reporteres e cameras deveriam, nesse tipo de cobertura, usar mascaras, capacetes e coletes, além de estarem sempre com auxiliares. O problema advém também, da mentalidade paparazzi, sensacionalista, carniceira  imposta e assumida pelos profissionais da área…  talvez achando que o direito de imprensa irá salva-los de qualquer mal. Se o Santiago estivesse usando capacete estaria vivo!

      • O comentário que você está

        O comentário que você está respondendo não fala nada de esuerda nem de anti-capitalismo.

        Isso é FANATISMO da sua parte, que não consegue abordar nenhum assunto sem colocar dentro da disputa direita X esquerda.

        As empresas tem responsabilidades trabalhistas SIM. Você é um defensor do capitalismo selvagem como era praticado na Inglaterra vitoriana e por certo acha um absurdo que se cobre das empresas medidas de segurança para seus empregados. Sabemos que por você não haveria nem assitência médica ao funcionário vitimado, na sua visão se ele pode pagar o tratamento tudo bem, se não puder pode ser sacrificado feito um animal.

        Mas é flagrante o modo ridículo com o qual você coloca disputa ideológica em tudo que discute.

        O comentário que você respondeu de forma absolutamente imprópria é referente à legislação vigente e a cobrança de medidas de segurança para reduzir os riscos que as equipes de jornalismo correm na rua. E você responde dizendo que jornalista morre mesmo e que isso é normal. Tudo motivado pelo FANATISMO de quem vê a menor preocupação com o trabalhador como uma ofensa ao sacrossanto lucro dos empresários.

        É impressionante o desprezo pela vida humana que você demonstrou agora, uma atitude verdadeiramente odiosa.

      • Respondendo ainda a este seu

        Respondendo ainda a este seu pensamento tacanho e desumano te informo que os proprios companheiros do cinegrafista estão revoltados (conforme noticia da uol) por que se ele estivesse trabalhando com um assistente de câmera poderia ter sido avisado do ataque covarde de que foi vítima.

    • “Eu quero saber qual vai ser

      “Eu quero saber qual vai ser a cobrança em cima do empregador do Santiago”:

      Nao eh fato policial.  O fato policial na cobertura ate agora foi a rede golpe revelar o nome da fonte que identificou o “manifestante” responsavel pela morte de Santiago.

  4. Bora, Marina

    Daniel, quem tá calada é a Marina. Antes tava tão falante, incitando o povo. Agora sumiu. Logo ela, que é tão chegada à mídia. Estou sentindo muita falta.

    Quanto à Dilma, eu já desisti. Vai fazer naa não.

     

    • Conduta da Osmarina!

      Claro que agora está caladinha. Conclamou os jovens às ruas, mesmo sabendo que no final de todas as manifestações a baderna e o terrorismo se instalam!  Realmente poucos são os plíticos íntegros e de bom senso!  É lamentável! 

  5. ?

    Belo texto, se utilizando da atitude de um indivíduo para generalizar todo um movimento e finalizando com a distorção dos fatos no caso do colchão em chamas que ficou preso sob a lataria do fusca, novamente com o objetivo de criminalizar o mesmo movimento.

    Não há nada além de desinformação aqui.

    • Desculpe, mas não se trata de

      Desculpe, mas não se trata de criminalizar o que já é em sí um crime… explodir coisas, destruir patrimônio alheio, seja público ou privado são condutas tipificadas no Código Penal há muito tempo. A cereja do bolo é a enorme covarida dessa gente que frauda e atenta contra os valores da democracia. solução? A velha e eficiente repressão que todos, mais dia menos dia, vão exigir.      

      • Todo homem possui o direito

        Todo homem possui o direito natural à rebelião, tal direito se sobrepõe à legislação do estado, ainda mais se este for falho.

        Essa é, em tese, a visão anarquista em que o Black Bloc se fundamenta. Na vertente brasileira do Black Bloc, muitos dos envolvidos não possuem esse direcionamento ideológico, mas nem por isso, o sentimento de revolta deixa de ser menos real e válido.

        Diante do princípio de que a democracia atual já é fraudada e ilsória, tais atos de “terrorismo” e “vandalismo” nada mais são que uma reação natural à tal falha estrutural. Reprimir ainda mais tais movimentos apenas os alimentaria, pois estes movimentos tem sua origem justamente na opressão em que a sociedade é submetida todos os dias.

        • Isso já era uma rua sem saída no seculo 19

          Não sei como a constatação de que a democracia é imperfeita e falha pode levar a conclusão de que a serlvageria é justificada.

          Não é contra o estado que esse cara agiu. Foi contra um cidadão.

          E o maior equivoco de posições como a sua é a de que a opressão que você percebe é a mesma que a “sociedade” em nome de quem você pretende falar percebe.

           

          De mais a mais, sua posição “pura e radical” parece vir de alguém com 15 anos de idade. Incapaz de perceber as consequências reais da violência sobre um indivíduo. Posso estar errrado, mas um pouco mais de vida real – a angústia de tocar o dia a dia, e a percepçao de nossa  de nossa fragilidade e limitação frente à dureza de sobreviver no mundo – ajudariam você a descer do caixote e rfletir sobre esse seu discurso.

           

          Mas o que sei eu que já passei dos 40.

    • Exato! Triste é ver um monte

      Exato! Triste é ver um monte de besteiras sendo reproduzida aqui.

      Primeiro: é óbvio que a intenção não era acertar o cinegrafista. Claro que o ato foi totalmente irresponsável. E se eu estivess ena manifestação poderia ter sido eu a ter morrido.

      Segundo. Só um alucinado vê um “bloco preto” ali.

      Terceiro. Só um alucinado pode crer que alguém vai em manifestação para colocar fogo numa família num fusca.

       

      Fala-se muio do PIG mas age-se como ele. Inclusive os ditos “progressistas” estão em uníssono com a Globo para criminalizar movimento social.

      • 1) Soltar uma bomba letal no

        1) Soltar uma bomba letal no meio de uma multidão não é apenas um ato irresponsável. Quem faz isso sabe que pode matar lguém e ssume esse risco, portanto há sim dolo na ação. Foi um homicídio doloso. A intensão pode não ter sido mtar alguém, mas o risco era conhecido e mesmo assim o sujeito cometeu o ato.

        2) É engraçado ver essa turma que defende os protofascitas, na hora que lhes interessa eles falam como se fosse um grupo coeso. Marcam data e hora para se reunirem, ameaçam e atacam em grupo. Mas na hora em que são cobrados de suas responsabilidades eles fingem que não é com eles. Dizem que aquelas pessoas reunidas no local e hora que eles marcaram, portando máscaras, porretes, estiligues com bolas de gude (que tem umm impacto mais forte que um tiro de calibre 22), produtos inflamáveis e bombas, conforme eles incitaram na convocação, não são black blocs.

        Isso é MOLECAGEM, coisa de gente sem caráter.

        3) Só um alucinado diria que uma pessoa que põe fogo objetos no meio da rua e depois ainda os chuta em direção aos automóveis que passam, não imagina que pode incendiar um veículo ou uma pessoa. Se eu tocar fogo em um monte de entulhos empapados de gasolina ao lado de sua casa você vai achar que estou colocando sua família em risco de incêndio.

        Deixe de ser moleque, mostre a cara e faça suas reivindicações e protestos de forma democrática e sem violência.

      • Deixe de ser tapado, ô

        Deixe de ser tapado, ô garoto.

        Em Direito existe uma coisa chamada dolo eventual, que é quando a pessoa faz uma coisa sem necessariamente querer um resultado finalístico, mas assume o risco de que ele ocorra. Exemplo: não quero matar ninguém, mas acelero meu Camaro a 200km/h em plena Av. Paulista. Perco o controle, subo na calçada, atropelo e mato duas pessoas. Não queria matá-las, só queria fazer graça, mas, ao dirigir de tal maneira, assumi o risco de causar prejuízo a terceiro.

        Ora, colocar fogo em via pública, soltar bombas em meio à multidão, é exatamente a mesma coisa: ainda que não se queira matar ninguém, está se assumindo o risco de que tal ocorra (como de fato ocorreu).

        Portanto, cadeia neles.

         

      • O nível aqui é elevado…

        Portanto, os comentaristas do blog têm argumentos legítimos para refutar estas bobagens que você escreve.

        Acredite, não há defesa para a tática black bloc. É tática de colocar em risco a vida de outras pessoas, independente se você quer ou não atingir alguém.

        Há black blocs visíveis na foto. Se o que está fugindo não está paramentado de acordo, não quer dizer que ele não seja black bloc.

        • Argumento ilegítimo

          E o que poderia ser interpretado como “argumentos legítimos”? Inferir algo que não é possível comprovar?

          Ora,ora, meu caro, é evidente que não houve intenção consciente do tal manifestante vestido de preto, ou cinza, ou rosa, de atingir e, pior, matar o dito cinegrafista, que poderia ser um policial dotado de capacete e escudo, ou uma criancinha cheiradora de cola que estivesse passando por acaso no local.

          Até um idiota sabe que um rojão deixado livre no chão não possui trajetória preconcebida. Logo, se atingiu quem atingiu, foi de forma aleatória. E, se após ser internado, veio a falecer, isso não pode ser encarado como homicídio. Quando muito, trata-se lesão corporal seguida de morte.

          • Até João Alexandre sabe

            Até João Alexandre sabe que

             “que um rojão deixado livre no chão não possui trajetória preconcebida”.

            Então que tal, João Alexandre, você nos dar seu endereço para que lá soltemos alguns rojões para comprovar isso que até você já sabe?

          • Sem argumentos? Ataque o interlocutor…

            Fatos notórios ou evidentes independem de prova, eis que notórios ou evidentes… E não foram lançados rojões, mas sim um único rojão.

          • Você lê todos os comentários?
            Porque o comentário abaixo deixa claro justamente o que eu quis dizer com argumentos legítimos EMBASADOS NO DIREITO, NAS LEIS e não no “achismo”.

            Não é a quantidade de rojões que vai determinar a gravidade do crime cometido. É A INTENÇÃO. Elabore quantas alternativas você desejar, mas a intenção foi justamente de que o rojão acertasse alguém: foi posicionado direcionado para o cinegrafista, ou ainda que não fosse ele, para as pessoas que ele filmava.

          • E a intenção, quem define?

            Meu caro, em nenhum momento eu disse que o rapaz não cometeu um crime. Só que a meu ver, não foi doloso, mas sim culposo. Afirmar categoricamente que o jovem teve intenção deliberada de matar o cinegrafista ou assumiu o risco de fazê-lo (dolo eventual) não me parece ser um argumento juridicamente legítimo e, se for, não será menos legítimo do que a tese daqueles que afirmam, com base nas mesmas evidências, que se tratou de um crime culposo de lesão corporal seguida de morte (imprudência ou negligência).

      • Voce já respondeu

        Só alucinados vão a manifestações (ou outas aglomerações humanas) para lançar rojões e tocagr fogo em veículo com gente dentro.

         

        Lembrei de duas outras ocasiões em que estas “táticas” são usadas: ações e traficantesde droga que incendeiam onibus com gente dentro para vingar mortes dos seus e de torcidas organizadas.

         

        Allás, tá aí uma boa linha de investigação sociologica: os pontos em comum entre quem se junta a este tipo de ação e de quem se junta “as torcidas organizadas.

    • Você só pode estar brincando

      A ação do indivíduo  foi a extensão do que é proposto pelo “movimento” , que defende a  “violência teatral” . Taí o resultado do teatro: começou como farsa e acabou em tragédia.

      Você pode dizer que o indivíduo não representa o movimento, mas até agora todos os indivíduos identificados desde o ano passado tem a mesma cara: pouquíssima conciência política, muito entusiasmo pela violência gratuita.

       

      Se estes não representam o movimento, quem representa este movimento anônimo? Só temos estes exemplos para avaliar.

  6. Já há alguns anos virou

    Já há alguns anos virou “moda” entre os bandidos tocar fogo em ônibus (com pessoas dentro, inclusive). 

    Agora, essa de soltar bombas letais em local de grande aglomeração (momentos antes uma bomba idêntica havia sido detonada dentro da Central do Brasil – por sorte não atingiu ninguém).

    Além disso, manifestantes de preto andam em aglomeração tocando o terror por onde passam, depredando lojas, incendiando concessionárias de veículos etc.

    Ora, se colocar bombas e tocar fogo na cidade não é terrorismo, não sei mais o que é.

    Existe um projeto de lei tipificando (criminalizando) atos de terrorismo parado há anos no legislativo.

    Tá na hora de fazer andar, não é? Ou vamos esperar tocarem fogo no Congresso?

     

  7. > Detalhe: o cinegrafista

    > Detalhe: o cinegrafista está de costas.

    Detalhe, que a foto revela: o objetivo era atingir O cinegrafista. Um profissional de imprensa. Um trabalhador.

  8. Isso foi claramente um

    Isso foi claramente um acidente. Mas vocês só pensam na classe de vocês, né? Como é bom ter os meios para transformar um ato infeliz em uma tragédia interminável e ignorar o resto do país.

    • Acidente teria sido se

      Acidente teria sido se Santiago tivesse escorregado em uma casca de banana atirada por um manifestante.

      Isso foi HOMICÍDIO. Soltar bomba com potencial letal em lugar de aglomeração de pessoas é DOLO EVENTUAL.

      Os moleques babaquinhas que fizeram isso, achando-se grandes anarquistas, vão sim para A CADEIA.

      Pode chorar à vontade. E cuidado para não ir fazer companhia a eles.

       

    • Primeiro, sua classe qual,

      Primeiro, classe de vocês quem, cara pálida?

       

      Segundo, é você que fala em nome do resto do país? Quem nomeou você representante do resto do país?

    • Foi o mesmo comentário dos

      Foi o mesmo comentário dos algozes do WLADIMIR HERZOG: foi um acidente, não imaginavam que o elemento não resistisse à tortura…

    • Acidente????

      Olhe bem a foto do Post. Ele direciona o rojão justamente para o local onde se encontrava o cinegrafista. Sabia o que estava fazendo, pois imediatamente se pôs a correr!  Foi crime, e com um agravante:  Sua vítima estava de costas. Muitos anos na cadeia é pouco para os dois criminosos!!! Seria acidente caso a vítima fosse seu filho ou pai??? Quanta insensibilidade!

    • MANIPULAÇÃO !!!

      É impossível,  pela imagem postada,  inferir que o tal manifestante “mirou concientemente” no cinegrafista. Que absurdo!

      E ainda tem aqueles aqui que são enganados por esse tipo de manipulação grosseira sem sequer prestar atenção na imagem, que aliás, NADA REVELA. 

       

  9. Como assim “o black bloc”

    Como assim “o black bloc” acende o artefato?

    Não há nem bloco e nem roupa preta, nada que caracterize um “black bloc”.

    Impressionante a irracionalidade, para não dizer má fé nessas horas.

    Black bloc agora é o bode expiatório dos males do mundo, mesmo quando as próprias imagens mostram que ele nem está presente.

    O triste é ver pessoas sensatas embarcando nessa.

    Que se critique o black bloc. Mas critique-se pelo que ele é. daqui a pouco vão dizer que os black blocs que derrubaram as torres gêmeas.

    Isso só mostra o conservadorismo arraigado até na dita “esquerda”.

    • Como nada que caracterize?

      Leo, você está em todos os blogs (já li suas respostas no Azenha e agora aqui) defendendo os black blocs.

      Não há defesa pelo que fizeram.

      Os grupos de black blocs são os que fazem os estragos. Já disseram que não existe black bloc e sim tática black bloc.

      Nem todos do grupo vão paramentados com roupa preta, máscara preta. Muitos cobrem o rosto com a própria camisa. Alguns não cobrem o rosto.

      Levar bombas de coquetel molotov, artefatos explosivos, pedras, paus e outros tipos de armamentos é tática black bloc. O artefato é do grupo black bloc. Responsabilidade deles.

    • Muita calma

      Olha, este post tem muito diz que me diz. Se algo for provado é claro que é sério.

      E não tenho nenhuma simpatia pelo BB.

       

      Mas este post me deixou muito incomodado com o Eduardo Guimarães. Alegações sem muita substância (aguém disee que ouviu de alguém…) contra pessoa que até prova em contrário são sérias e comprometidas com valores positivos.

      Um partidarismo meio raso da parte do autor. Não vejo como esta postura colabora para o avanço de qq coisa.

    • Um vulgar oportunista de

      Um vulgar oportunista de todas as ondas, geleia ideologica, quer sempre estar na midia, parecer “”aggiornato”, moderninho, engajado, a proibição de biografias é o ato mais ANTIDEMOCRATICO que um individuo pode patrocinar mas ele sempre quer aparecer como “ligadão” no “miderno”, um horror de ser humano.

      Prefiro outros baianos, a gentil, doce e séria familia Caymmi, que não entra em ondas.

  10. Será que agora passaram a

    Será que agora passaram a tratar estes sujeitos como bandidos e terroristas, que é o que eles são?

  11. Só para lembrar, semana passada (antes do homicídio que vitimou Santiago), houve um post aqui nesse blog acusando a PM de SP de ter “fuzilado” um “estudante”.

    O tal “estudante” fugia da polícia, portava um estilete, atacou um policial, e andava em dupla com outro sujeito que carregava uma mochila com duas bombas.

    Na ocasião, fui dos poucos aqui a criticar os “manifestantes” e defender a atuação da polícia como legítima. Policial não tem que tomar tiro ou facada para só então reagir.

    Viram no que dá defender essa gente? Espero que tenham aprendido a lição.

    • No episódio que você

      No episódio que você relembra, a atuação da polícia foi desastrada e desastrosa, para não dizer criminosa.

      A morte do cinegrafista não pode servir de pretexto para a polícia agir de forma criminosa ou arbitrária, caso contrário logo estaremos lamentando outra morte só que desta vez  vítima de policiais, aliás vítimas inocentes da polícia fazem parte de nosso cotidiano.

      É preciso ter calma nas avaliações neste momento de ânimos exacerbados.

      Esses idiotas que se intitulam black blocs já foram usados pela direita para forjar a sensação de caos num país que ostenta pleno emprego e indicadores sociais melhorando ano a ano, agora serão usados para tentar criminalizar movimentos sociais, precisamos ser lúcidos e reagir com inteligência.

      • Verdade.

        No episódio de SP, um dos “estudantes”, que portava o estilete, correu da polícia; depois, correu na direção de um PM, e o derrubou no chão, memso estando cercado por outros dois PMs;

        O outro dos “estudantes”, portava uma mochila com duas bombas, que evidentemente seriam utilizadas para uma “manifestação pacífica”.

        Creio que a PM somente poderia ter reagido caso o portador do estilete tivesse cortado a jugular de ao menos um dos policiais, ou ainda, caso o portador das bombas tivesse matado ao menos um cinegrafista, não é mesmo?

        • Você está argumentando como

          Você está argumentando como aqueles apresentadores de programas sanguinários da TV, é preciso ter muita cautela em relação à polícia que temos, sabemos muito bem que são despreparados, desequilibrados e abitrários, a polícia não deve usar arma de fogo diante de estilete, há outros instrumentos de contenção.

          O que de pior pode acontecer neste momento é a polícia achar-se respaldada pela sociedade para cometer arbitrariedades.

  12. Comentário.

    Espera aí. Quero fazer um contraponto à comoção geral.

    Informados ou desinformados como eu, hipotéticos e opinativos, sairão textos e mais textos sobre a morte de um cinegrafista. Não foi um jornalista de estúdio, nem de um âncora, nem de uma Sherazade.

    Já que em outro post foi dito sobre a violência na tevê, vamos lá. Alguém já assistiu um daqueles programas de polícia, nem que seja por “motivo sociológico”, em que o cinegrafista foi junto? Quem coloca tal programa no ar e põe o cinegrafista no meio do tiroteio? Rapaz, tem chefe! E o cinegrafista vai lá, tem que ir. Enquanto isso, o apresentador dá uma de John Wayne, fala de uma morte entre uma piada ou outra.

    O cinegrafista está enfrentando todo o tipo de problema, corre o risco de morrer. Eu vou lembrar os senhores desta notícia: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/cinegrafista-da-band-e-baleado-e-morre-em-operacao-policial-no-rio/n1597355700271.html. Tomou um tiro no peito. E qual foi a reação? Vejam em: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/rj/sindicato-dos-jornalistas-responsabiliza-band-pela-morte-de-cinegrafista/n1597355903795.html. Vão para a linha de fogo sem proteção adequada.

    Além disso, morreu uma pessoa, clara e diretamente. Mas os jornais, com seus jornalistas a soldo, tem matado reputações, matado pessoas aos poucos. É só olhar o caso da Escola Base, o próprio Gushiken! Mas também temos vítimas do jornalismo, como Herzog e Baumgarten. Ver o último caso, por exemplo, em: http://www.istoe.com.br/reportagens/27939_COMO&.

    Lembremos das ocupações recentes à reitoria da USP. Os alunos não queriam falar com  os jornalistas. Ver, por exemplo, em http://educacao.uol.com.br/noticias/2011/11/08/estudantes-da-usp-entram-em-confronto-com-imprensa-durante-assembleia.htm.

    Existe, sim, um caldo de cultura contra a imprensa. Até Caco Barcellos sofreu na mão. E por qual motivo? Pelos motivos pisados e repisados em torno da imprensa em blogs como este! É o PIG, meus caros, não é mesmo?

    Tinha que morrer um cinegrafista para limpar a consciência de todos os jornalistas, embora um cinegrafista não seja jornalista necessariamente, mas está no âmbito da imprensa, de modo geral?

    Mas me digam: não é melhor perguntar se o patrão que mandou ele ir pro meio da multidão não estava errado? Com isso, ele joga o seu funcionário contra o manifestante. E prevalece a lógica da casa-grande.

    O erro, ao meu ver, é repisar e pisar apenas e exclusivamente a morte em si apenas com o intuito de não tratar de outros assuntos, como a concentração dos meios de comunicação; os impedimentos do efetivo exercício da liberdade de expressão por empresas de jornalismo que sufocam juridicamente seus oponentes; a glamourização do trabalho jornalístico; de técnicas de video, baseadas na ação sem contexto ou discussão mais apurada; da substituição da análise jornalística pelos artigos de opinião, que cristalizam preconceitos; de chamar o patrão de colega.

    Digo que estou olhando um outro lado do problema, sem necessidade de fechamento, mas sim, para a discussão.

    • Então tá. O culpado foi o

      Então tá. O culpado foi o camera da band. Tá tentando dar nó em pingo d’água pra justificar o crime. Isto é que dá ter uma juventude despolitizada e disposta a se tornar massa de manobra em função de interesses velados de sujeitos ocultos ou nem tão ocultos, não é Marina?

      • Comentário.

        Blip, blip, acusado um agente provocador! Leia o meu comentário direito antes de acusar. Mas eu vou te explicar, mais por mim do que por você, apenas pra deixar claro, assim como disse Foucault, que existe um fascismozinho cotidiano sempre te obrigando a “confessar”. Eu estou colocando a responsabilidade no patrão dele, além de dizer que a discussão tem um viés muito estreito. Além disso, eu não disse em nenhum momento que estava certo, estou abrindo a discussão por outro enfoque. Mas não, seria mais fácil apontar o dedo na cara para deixar a discussão no viés “oficial”, que não avança um milímetro sequer. Sinal de “fraqueza”. Melhor uma ditadura. Da próxima vez, eu consulto o Senhor (com “S”) para dizer como eu devo pensar. Afinal, toda essa mistificação em torno das “jornadas de junho” e seus efeitos, na sua maioria, são piores que barriga de jornal. Mas eu te amo.

        • Ok, culpemos, então, Johnny

          Ok, culpemos, então, Johnny Saad. Se o Foucaul fosse atropelado por um motorista bêbado, coloquem a culpa em… sei lá, nele mesmo. Quem mandou inventar de atravessar a rua? 

          • Comentário.

            Aahhahahahahhah!  Agora, falando sério… Sinceramente, você poderia respeitar mais a memória do falecido e auxiliar no debate?

  13. O acontecimento foi uma

    O acontecimento foi uma sandice que se transformou em um crime pelo resultado.

    Daí a dizer que os dois rapazes praticaram um crime de homicídio doloso vai uma distância enorme provocada, principalmente, pela natural disposição da imprensa em ver um dos seus atingido e morto e pela  antipatia da esquerda governista pelos que realizaram e realizam manifestações que são, sobretudo, contra os resultados de um governo incapaz.

    Esses rojões, como o utilizado, se fossem bombas de uso terrorista, não seriam vendidos de forma aberta, livre e autorizada.

    A autuação por crimes de “explosão”(?) e homicídio doloso é exagerada.

    • O cinegrafista foi atingido
      O cinegrafista foi atingido pelas costas por um sujeito que mirou um explosivo em sua direção. Se isso não for homicídio doloso, é o que? Suicídio doloso?

      O que mais me irrita é a hipocrisia de quem defende o direito às manifestações de rua mas se recusa ao dever de se resposponsabilizar por seus atos.

    • ato doloso.

      Uldorico esta a defender assassinos partindo de premissas erradas. O artefato utilizado por mais que tivesse alguma semelhança com um rojão de vara onde se retita a vara era outra coisa. Trata-se de dispositvo manufaturado deliberadamente para conseguir o efeito obtido, A carga de projeção foi deliberadamente reduzida para atender um percurso muito mais curto aré a explosão. A carga explosiva foi significativamente aumentada e misturada a componentes de chama luminosa o que aumentou em muito o seu poder incendiário. E foi cuidadosamente deixado a ponto de atnigir seu alvocom extrema precisão. como não atentar para o dolo destes criminosos.

      • Quem ganhou com esta morte

        Vamos aos fatos passo a passo

        1 Dois jovens sob uma chuva de bombas da policia acendem um rojão.

        2 Lembrando não são phd em bombas

        3 Não são terrorista

        4 A pessoa (reporter ) a sua frente não era seu inimigo sendo assim eles não teriam motivo algum para alveja-lo.

        5 Não existe nenhum dispositivo para controlar a direção do rojão que após ser acendido foi deixado para seguir seu curso.

        6 Houve uma irresponsabilidade seguida de uma fatalidade.

        Agora vejo emissoras de tv e governantes utilizando-se desta fatalidade para desencorajar a luta do povo porque os Vandalos Black Blocs ou seja coimo são chamados eram minoria.

        O FATO

        A passagem aumentou o governador virou santo e manifestação é coisa de assassino.

        O delegado deu show de falta de ética e crime de abuso de autoridade.

        A solução é lutarmso para que os jovens sejam sim levados a julgamentos pelo crime de homiciido culposo pois a intenção era assustar policiais e não matar o reporter.

        Lembrando que, so teriam assumido o risco de matar alguem se houver uma comprovação de que eles compraram o rojão com esta intenção, que na caixa do rojão exista citação da lei que condena o uso em manisfestações, assim eles teriam sido advertidos sobre o risco da utilização e ainda houvesse impressa na caixa a lei sobre crime de exposão

        Como sabemos que nao existe nada disto com um bom advogado a absolvição é certa.

        E o delegado deu show de falta de ética e crime de abuso de autoridade.

        E mesmo triste com a morte do jovem Santiago Ilídio Andrade, tenho que apoiar que seja feita uma justiça de forma justa pois poderiam ser nossos filhois sendo acuados pela mão forte da imprensa e do governo.

        Não quero desrespeitar niguem deste topico e tambem nao quero ser desrepeitado estou apenas postando minha opinião

         

         

         

         

    • Não vou repetir aqui o

      Não vou repetir aqui o conceito de dolo eventual, já está explicado abaixo. Se nós aceitarmos que os “rapazes” (dois baita marmajões, maiores de idade e cientes das consequências de seus atos) não cometeram um crime com dolo, é melhor tirar a figura de dolo eventual d legislaçõ, pois se ele não se enquadra nesse caso não vai se enquadrar em caso nenhum.

      Aí eu posso por fogo na sua casa e dizer que a intenção era só protestar, se sua família morreu queimada, como você mesmo definiu, só foi crime pelo resultado (o que quer que seja que isso queira dizer).

      Eu olhei o vídeo e não me pareceu que fosse um rojão normal, mas vmos dizer que fosse. É óbvio que trata-se de uma bomba letal. É um artefato cheio de pólvora que explode, então é uma bomba e matou uma pessoa, portanto é letal. Se o objeto é vendido como rojão, isso não diminui sua letalidade.

      Uma faca é vendida livremente, mas se eu atirar uma faca em direção a uma multidão estarei usando-a como arma letal, se atingir alguém (e é provável que o faça) não poderei fugir da minha culpa, incluindo o dolo eventual por eu saber que uma faca atirada contra um aglomerado de pessoas pode matar uma pessoa.

      Exagerada é a atitude de ascender um artefato explosivo, mesmo que seja um rojão, no meio de uma multidão. O resto é  consequência lógica dessa atitude.

  14. Pessoas estão comendo

    Pessoas estão comendo bola.

    Nem todo mundo que está em manifestação é Black Bloc, mesmo pq eles mesmo se dizem que não tem líderes e nem um grupo ‘formal’ é.

    Para se caracterizar Black Bloc, tem que estar de preto.

    Óbvio que muitos acessam a página deles no FB e vão às manifestações por causa deles, mas não quer dizer que são.

    Essa é a grande merda de dizer que não são um grupo e sim uma “estética”. PQP, que porra é essa ?

    Não existe isso de movimento horizontal.

    Tem que ter líderes, que sejam democráticos, que não formem grupinhos fechados, que debatam, que façam votações, mas que tb respondam pelos atos e pelos direcionamentos do grupo.

     

  15. Falamos tanto do PIG e, neste

    Falamos tanto do PIG e, neste momento, estamos fazendo a mesma coisa que eles. Já acusamos uma pessoa, já julgamos e estamos esperando que ela cumpra pena da forma mais sórdida possível. Este blog já foi mais equilibrado em certos assuntos.

  16. Já estamos acostumados com

    Já estamos acostumados com nossa justiciaria: se o bandido não for pobre, não é responsabilizado, não há dolo NUNCA. País que não tem justiça digna, nunca chegará a ser independente. Nossa justiciaria e a  obssesão de seus membros de tornarem-se atores de tv e protetores de mafiosos, impossibilita a liberdade ao povo. Temos duas categorias na nossa justiciaria; os corruptos justiceiros ou covardes juiizes (com raras exceções). Acho que só o paraguai permite juízes tão linguarudos diante de câmeras de tv (e, agora, o Brasil, através da corrupta máfia midiática). Isso dói, gente, dói muito nos sentirmos impotentes de tanto poder televisivo (seja da justiciaria ou da máfia midiática).

  17. Encara BB

    [video:http://www.youtube.com/watch?v=5KORQoASUfs%5D

    resumo de mais uma demonstração de covardia dos brigadô de rua

    depois de uma breve assembléia do grupinho as duas meninas vão encher o saco dos câmeras, os marmanjos ficam de longe, cada um de um lado da rua, no fim da discussão um “valentão” ameaça os câmeras de longe, por detrás de um carro, um dos câmeras arrodeia o carro e vai tomar satisfação, o “valente” caminha apressado e faz que não ouve, o cinegrafista o ataca com a câmera ele se vira e faz pose de lutador, só que quando o câmera se aproxima ele sai correndo e de novo se esconde atrás de um carro, quando o cara o alcança de novo se esconde atrás de duas mulheres, o outro valentão fica indignado com a fuga do colega mas também leva um dedo na cara do câmera e fica quietinho ouvindo que eles só são valentes em grupo.

     

    ps. tu também tá muito confortável né marcelo resende ?

    • Em que mundo é justificável a

      Em que mundo é justificável a agressão do câmera? E ainda tem coragem de chamar os 3 (que estão em número muito menor e são muito menores) de covardes, aplaudindo quem atacou com um objeto pesado, por trás.

      Condenáveis também são a ameaça e a calúnia de ambas as partes.

      Virou briguinha de turma, com um adendo que o câmera é profissional, não deveria bater boca com o grupinho. Os responsáveis pela morte estão presos, não precisa fazer justiciamento, menos ainda contra terceiros.

      • Você já foi ameaçado de morte ? o câmera foi

          Briguinha de turma ? Um morto mais ameaça de morte, receber ameaça é dever profissional dele ?

           Eu não sei como reagiria numa situação dessa portanto não vou julgá-lo, parece que ha a denúncia tanto por agressão como por ameaça(outro crime portanto). a covardia está explícita no vídeo então nem preciso falar, só um está preso, outro foragido, outro agora responde por ameaça.

        •  
          O outro responde por ameaça

           

          O outro responde por ameaça assim como o cinegrafista responde por agressão, e poderiam responder por calúnia todos os que chamaram os 3 de assassinos.

           

          Com todo respeito e repúdio que a morte do cinegrafista merece, isso não pode ser usado por pessoas que são da mesma área para se permitir um justiciamento.

          A briguinha refere-se exclusivamente aos grupos se xingando na frente da delegacia. Longe de qualquer manifestação, longe de qualquer coisa, contra pessoas que não estão envolvidas no crime (mesmo se estivessem…).

          Os repórters e câmeras não deveriam ficar xingando ninguém por ali. São profissionais, se não conseguem se controlar, é melhor pedir para não ir.

  18. Pior texto, de longe, que já

    Pior texto, de longe, que já vi comentando sobre o caso do cinegrafista morto por um rojão.  E começou até. Concordo inteiramente com a questão da covardia de quem fez isto – ao que parece, a julgar pela foto, de maneira totalmente consciente. Contudo, a partir daí, condenar TODOS os blac blocs? Ridículo. Não é mentira, meu caro, os black blocks NÃO SÂO um grupo, muito menos organizado. Claro que podem haver amigos black blocks que formem um grupinho restrito de conhecidos, mas esse tipo de grupo certamente não define o que seja o bloco preto e muito menos pode responder por todos. O bloco preto é uma TÁTICA e, originariamente, defensiva. Não culpe a tática ou outras pessoas que a seguem simplesmente porque um covarde qualquer – que nem de preto estava, quer dizer, uma das poucas coisas absolutamente simbólicas que “unem” os black blocks – resolveu agir de maneira criminosa.

  19. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome