Centrais sindicais realizam atos e protestos contra a reforma da previdência em 126 cidades

Capitais São Paulo, Belo Horizonte, Porto Velho, Florianópolis e Brasília realizam protestos em massa a partir das 17h desta sexta-feira. O objetivo é "mostrar para a sociedade os prejuízos causados pela Reforma", dizem manifestantes.

Foto: Tiago Moura

Jornal GGN – Acontece nesta sexta-feira (22) uma série de protestos promovidos pelas principais centrais sindicais contra a reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro. O evento está sendo chamado de Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência e, segundo informações da Central Única dos Trabalhadores, acontecem atos em mais de 126 cidades do país.

Em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, metalúrgicos e metalúrgicas da Ford e da Mercedes-Benz realizaram assembleias, às 6h30, e aprovaram a participação na greve geral. Os grevistas conseguiram paralisar ônibus por algumas horas da manhã nas capitais São Paulo, Salvador e Natal, e também na cidade de Guarulhos (grande São Paulo).

Leia também:
Reforma da Previdência prevê 40 anos de contribuição para receber benefício integral
A capitalização da Previdência como o primeiro passo rumo à privatização

Em Goiânia e cidades do interior do estado de Goiás, escolas foram fechadas e manifestantes fecharam uma das pistas da BR-153, no km 500, em Goiânia, por volta das 7h. Em seguida, o grupo, de cerca de 200 pessoas, seguiu para a sede da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) onde, de acordo com os organizadores, se reuniram cerca de mil pessoas.

Em entrevista ao G1, a presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) em Goiás, Ailma Maria pontuou que o objetivo do ato é “mostrar para a sociedade os prejuízos causados pela Reforma”.

Na Região Metropolitana de Recife, os ônibus pararam de circular por volta das 15h. Na capital de Pernambuco, os grevista esperam reunir apoio das categorias de metalúrgicos, bancários, professores, metroviários, servidores públicos federais, municipais e estaduais, na Praça do Derby, no centro da cidade.

Em Fortaleza, Ceará, mais de 30 mil homens e mulheres tomaram as ruas contra a reforma. Um dos motes do protesto foi “Não mexam nas nossas aposentadorias”.


Voltando ao estado de São Paulo, em Campinas, imagens compartilhadas pelo jornal Brasil de Fato mostraram milhares reunidos em defesa da aposentadoria. Em Osasco e Região, o Sindicato dos Bancários de São Paulo realizaram uma série de atividades lúdicas para criticar a reforma.


As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo agendaram um protesto na capital paulista. O início da concentração está marcado às 17h na avenida Paulista, em frente ao Masp.

Leia também: Entenda porque a prisão de Temer pode atrapalhar reforma da Previdência

Também às 17h, estão marcados protestos em outras capitais, entre elas Belo Horizonte, Porto Velho, Florianópolis e Brasília. Veja a seguir a lista divulgada pelas centrais sindicais onde acontecem os atos em todo o país.

2 comentários

  1. Essa reforma é puramente para favorecer os bancos. No Chile a reforma implantada por ele e os chicago boys, já levaram muitos idosos e aposentados ao suicidio. Se a previdência é deficitária, como diz, qual a justificativa da DRU. A DRU foi criada pelo FHC para tirar dinheiro da previdência para pagamento dos juros da divida. Se não há dinheiro a tirar, qual o motivo de mante-la? acessem e leiam ” auditoria cidadã ” de Maria Lúcia Fattorelli, auditora aposentada, e tirem suas conclusões…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome