Em Goiás, MST organiza feira da reforma agrária

 
fa219f42-f2eb-445d-85fc-a87d71329045.jpg
 
Fotos: Mídia Ninja
 
Jornal GGN – Teve início na última sexta-feira (7) a segunda etapa do I Circuito de Feiras e Mostras Culturais da Reforma Agrária do Distrito Federal e Entorno, na cidade de Formosa, Goiás. 
 
Organizado pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), o evento terá comercialização de alimentos, seminários, cineclube, shows musicais, teatro e debates.Na abertura do evento, um ato político ressaltou a importância da luta pela reforma agrária.

 
“Pretendemos reafirmar o compromisso com a produção saudável, sem venenos, e com a cultura camponesa popular, que aproxima o sentimento de identidade dos trabalhadores e trabalhadoras com a terra. É essencial, também, lembrar que a Feira serve como espaço de formação política dos trabalhadores e trabalhadoras presentes e como meio de popularizar os temas abordados pelo Movimento”, afirmou Marco Baratto, dirigente nacional do MST do Distrito Federal e Entorno.
 
7bb02a18-4f5d-400c-b43b-2a5003c2e070.jpg
 
Leia mais abaixo:
 
Do MST
 
 
O circuito, que teve sua primeira etapa em Planaltina, no Distrito Federal, agora ocupa o Goiás trazendo diálogo entre os Sem Terra e moradores da região.

Já na noite de quinta-feira (06) caminhões lotados de mercadorias e ônibus trazendo acampados e assentados do Distrito Federal e Entorno começaram a chegar em Formosa, no Goiás. Os ônibus saíram das três regionais do MST DF/Entorno de madrugada trazendo famílias que prepararam, por meses, suas colheitas sem venenos e outros produtos para comercialização, e que trouxeram, também, a vontade e o espírito de militância de dialogar com a população sobre o MST.

A feira é a 2ª etapa do I Circuito de Feiras e Mostras Culturais da Reforma Agrária do Distrito Federal e Entorno e vai realizar seminários, cineclube, shows musicais e teatrais, artesanatos, comercialização de alimentos saudáveis, debates e muito mais, nos dias 7, 8 e 9 de abril. A 1ª etapa aconteceu em Planaltina, no Distrito Federal, em 6, 7 e 8 de dezembro do ano passado. 

Seu Benedito, que é assentado há três anos no Dom Tomás, em Formosa, veio pela primeira vez em uma feira do Movimento. Na sua barraca, com os produtos já expostos, entre algumas vendas e clientes curiosos, Seu Benedito conseguiu nos conceder uma entrevista e disse todo feliz: “toda essa produção aqui preparei para a feira diretamente da minha terra, tudo sem veneno, os mamões, abóboras, feijão, pimenta, batata. É muito bom criar um diálogo com a população que, muitas vezes, tem medo da gente. Eu espero que essas feiras tenham continuidade para continuarmos a oferecer para o povo alimentos sem veneno”.

Ao todo, aproximadamente 30 assentamentos e acampamentos estão participando da feira. Eles vêm do Distrito Federal, do Noroeste mineiro e do Nordeste de Goiás, que caracterizam o Entorno. Da própria região de Formosa participam, aproximadamente, oito assentamentos, como é o caso do Vale da Esperança, do Água Fria, Água Viva, Morrinhos, São Francisco, Piratininga, Dom Tomás e Fartura. 

De acordo com Augusto Targino, dirigente estadual do MST no DFE e assentado no Vale da Esperança em Formosa, “a feira é importante pois aproxima das pessoas a realidade da Reforma Agrária e mostra para a sociedade que o MST é o oposto do que a grande mídia coloca. Afirmam que os assentados não produzem e que a Reforma Agrária não dá certo pois não há produção. A feira está aqui para mostrar o contrário!”

Ainda segundo Augusto, 85% do alimento consumido na cidade de Formosa, que tem 115 mil habitantes, vem da pequena agricultura e dos assentamentos.

Ana Carolina, de 17 anos, moradora de Vila Verde em Formosa chegou cedo para não perder nenhuma atividade da feira e trouxe com ela sua filha de colo e seu irmão, José Inácio de 12 anos. “Minha vó disse que a praça está cheia de atividades e nós viemos aqui ver o que está acontecendo. Nós viemos cedo para ficar o dia todo! Chegamos às sete da manhã e só vamos embora oito da noite! É bom ver movimento na cidade!”

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora