Barroso manda governo Tarcísio explicar “liga e desliga” das câmeras corporais da PM

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

Presidente do STF deu 72 horas para que o governo de SP se manifeste. Especialista comenta o caso na TVGGN; assista

Imagem: Reprodução

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou que o governo de São Paulo se manifeste em até 72 horas sobre o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia Militar (PM), lançado na semana passada pela gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos). 

A decisão, desta terça-feira (28), atende pedido da Defensoria Pública de São Paulo, que acionou o STF contra pontos do edital de contratação das câmeras, com licitação prevista para o dia 10 de junho.

Um dos principais pontos do edital diz que gravação de vídeos, a partir de câmeras corporais, devem ser feita de forma intencional, ou seja, sendo o agente de segurança o responsável pelo acionamento da câmera.

Segundo Barroso, o governo deve explicações exatamente sobre o sistema “liga e desliga” das câmeras e aconselha que Tarcísio inclua no edital “a necessidade de que as gravações sejam feitas de forma ininterrupta, com a guarda das imagens de maneira íntegra, independentemente de acionamento pelo policial ou pelo gestor”.

O ministro também pede que a gestão paulista esclareça a “redução dos prazos de armazenamento das imagens em relação aos anteriormente praticados” e a “existência de política pública que priorize a alocação das câmaras corporais para as unidades da Polícia Militar que realizam operações“.

Por fim, o governo de Tarcísio deverá informar ainda se o edital está de acordo com as diretrizes propostas, ontem, pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública sobre o tema.  

Barroso também solicitou manifestação, em até 72 horas, da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) sobre o caso.

AS CÂMERAS CORPORAIS E O GENOCÍDIO EM SP

O pesquisador do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Leonardo Carvalho, falou justamente sobre esse tema em entrevista ao jornalista Luís Nassif, o programa TV GGN 20 horas, exibido na noite de ontem no Youtube.

O edital que foi lançado na semana passada [pelo governo de São Paulo] faz alterações significativas no programa de câmeras corporais e acaba com a capacidade característica da própria câmera de filmar ininterruptamente todo turno“, explicou.

Segundo o especilista, a ação “pode afetar diretamente a questão da transparência e da melhoria até da atividade policial“, uma vez que esses vídeos são usados para diversos fatores como: “acompanhamento de ocorrência, verificação de procedimentos, investigações de controle externo da atividade policial e até para o aperfeiçoamento dos protocolos da própria polícia”, completou.

Assista a partir dos 34 minutos:

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Resposta :

    Tem um botào, pra cima liga, pra baixo desliga, ligado grava, desligado não grava.
    Se tiver bateria e espaço na memória grava.

    Dúvidas ?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador