Bolsonaro quer transformar coronavírus no Brasil em caixa-preta

Além de atrasar o boletim diário sobre coronavírus, omitindo informação sobre total de infectados, governo Bolsonaro avisa que vai rever o número de mortes

Atualizada às 17h30

Jornal GGN – Na semana em que o coronavírus fez o Brasil bater recorde em número de mortos, o presidente Jair Bolsonaro decidiu agir para transformar os dados da crise sanitária numa verdadeira caixa-preta. A sonegação de dados provocou reação no âmbito internacional, com a Universidade Johns Hopkins, referência no monitoramento da pandemia, retirando o Brasil do mapa na tarde deste sábado (6).

Na sexta (5), Bolsonaro avançou um primeiro degrau na escalada anti-transparência ao determinar o atraso na publicação dos boletins diários sobre o coronavírus no Brasil. O objetivo era o de evitar matérias em telejornais de horário nobre, como o Jornal Nacional, que precisou chamar um “plantão da Globo”, por volta das 21h45, para transmitir ao público os números das últimas 24 horas.

 

Neste sábado (6), repercutiu na imprensa uma entrevista do novo secretário do Ministério da Saúde, Carlos Wizard, anunciando que o governo pretende recontar ou criar uma nota metodologia para registrar os mortos por covid-19. Segundo ele, os dados repassados pelas secretarias estaduais são “fantasiosos” e “manipulados”.

Wizard disse ao jornal O Globo que “muita gente [está] morrendo por outras causas e os gestores públicos, puramente por interesse de ter um orçamento maior nos seus municípios, nos seus estados, colocavam todo mundo como covid. Estamos revendo esses óbitos.”

Em meio à maquiagem estatística, o Ministério da Saúde retirou do ar o site que consolidava os dados sobre coronavírus desde o início da pandemia. O portal voltou ao ar na tarde de sábado, mas informando apenas o número de pacientes recuperados, as mortes e os novos casos registrados nas últimas 24 horas. Não é mais possível saber o total de casos e óbitos desde o começo da crise.

Leia também:  Financial Times trata Bolsonaro como extravagantemente irresponsável

Em nota, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde repudiaram a investida do governo contra os dados oficiais do coronavírus. Eles afirmaram que Bolsonaro quer “invisibilizar” as vítimas fatais da pandemia.

O Tribunal de Contas da União e a Câmara Federal aguardam que o governo federal retome a regularidade dos boletins diários. Caso contrário, segundo o presidente da Casa, Rodrigo Maia, a Câmara poderá criar, em conjunto com os estados, um sistema paralelo de informação e transparência dos dados.

Leia mais:

General Pazuello esconde do mundo dados da Covid-19 no Brasil

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Ah, agora entendi. Logística então é a ciência de omitir dados, um experto em logística e aquele que atende à lógica do poderoso do momento.
    Se não for isso, então eu poderia dizer que o general Pasuello não faz a menor questão de honrar as calças que veste. Um verdadeiro lika culo.

  2. Isso por si só já deveria ser motivo para impeachment desse governo genocida……. …se houvesse congressistas com um pingo de vergonha na cara……
    E por que ainda não denunciaram o genocídio do povo brasileiro aos organismos internacionais?

    12
    • Um (des)presidente e seus fiéis e obedientes sinistros (ou antiministros, contraministros…) que, assumidamente prevaricam CENSURANDO dados e informações públicas (de governo e de Estado), de pleno interesse público, estão cometendo crime seja lá comum, seja lá de responsabilidade ou ambos.
      Pior, fazem isso publica, autoritária e escancaradamente, à luz do dia!
      Ou desta já longa e obscura noite…

  3. Nada mais cretino do que esconder as informações. Nada mais calhorda do que culpar os outros pela sua omissão. Nada mais criminoso do que tentar transformar a epidemia que grassa a vida dos brasileiros em mera discussão ideológica.
    Nada mais fascista.
    Nada mais nazista.
    Nada mais autoritário.
    Existisse o inferno…

  4. Nassif: o TenenteJair disse desde a campanha a que vinha. Não tem culpa se você não soube captar a mensagem. Já era apoiado pelas Milícias civis e militares, por vínculos de todos os naipes. Protegido e incentivado (e, dizem, financiado) pelos sionistas de Bibi e pelo dono do Quintal onde moramos. Uma carreira no Congresso onde sempre pregou violência e falta de escrúpulos como bandeira de suas repetidas reeleições. Filho dileto das AgulhasNegras, da QuerênciaDeCruzAlta e da PraiaVermelha. Apoiado, incondicionalmente, pelos pobres de direita e pelas hordas “celestiais” de CaifásDoBras. Com todo esse cacife, você queria que desse o quê? Ta na Bíblia, não se pode esperar frutas de espinheiros.

  5. Bolsonaro testando pra ver se pode pintar e bordar como se o pais fosse uma propriedade sua : o pior é que pode : como esse pais, não existe igual no mundo : tem que ser estudado pela Nasa : um presidente eleito pelo voto, não respeita os principios republicanos…coisa de loko

    ah sim, e não foi falta de aviso- o Nassif não parou de avisar e até de demonstrar de forma clara cada etapa do plano diabolico do Bozo Nazi

  6. Se o governo Bolsonaro não der os números globais, o que pode acontecer é cada governador e/ ou prefeito dar os números.
    Neste caso, ocorre aquilo que Bolsonaro quer: descolar-se da pandemia e de sua responsabilidade.
    Muito me impressiona que não exista uma voz mais incisiva e direta, mais crua, pra apontar o dedo. Não falo de análise ou de retórica política. Nem de movimentos. Soaria risível: uma fala de boteco com argumentação irresistível e irrefutável.

  7. Bolsonaro venceu a primeira batalha, e não nos resta outra alternativa.
    Temos que invadir as ruas em uma ação que vai lembrar os Camicazes(Kamikaze) da segunda guerra mundial, uma ação de de ataque suicida. mas não nos reta outra alternativa.

    Antes das mortes de consumarem e o SARS-CoV-2 se espalhar, a quarentena era a resposta aos ataques do governo eleito em 2018.

    Mas agora, que o SARS-CoV-2 se instalou no Brasil, a a economia cada vez afunda mais não nos resta outra alternativa, temos que ir para o confronto e invadir as ruas para exigir o fim do governo eleito em 2018.

    Muito provavelmente o SARS-CoV-2 vai se espalhar mais rapidamente trazendo mais mortes, mas deixar o governo eleito continuar vai ser infinitamente muito pior.

    Mais do que nunca a periferia precisa invadir os grandes centros, e morro precisa descer e demonstrar a força dos mais pobre nas ruas e derrubar o governo leito em 2018.

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome