Câmara e Senado decidem substituir Bolsonaro com ações para aquecer a economia

Deputados anunciaram apresentação de um projeto de reforma da Reforma da Previdência sem a assinatura do governo Bolsonaro

Dhavid Normando/CBIC

Jornal GGN – A reforma da Previdência deve ser aprovada até julho, mas não com a assinatura do governo Bolsonaro. É o que anunciou o deputado e presidente da Comissão Especial que analisa o assunto, Marcelo Ramos (PR-AM), nesta sexta (17).

Segundo Ramos, o relacionamento do governo Bolsonaro com a Câmara está desgastado porque a Presidência trata o Parlamento com desdém. Segundo o deputado, colegas de Casa não darão votos suficientes para a proposta de Paulo Guedes e, por isso, um substitutivo deve ser apresentado.

O novo projeto seria de autoria do Samuel Moreira (PSDB-SP), “que é o relator do projeto na Comissão Especial da Previdência. E afirmou que a substituição do projeto não significa que a tramitação teria de recomeçar. Ou seja, todos os prazos seriam mantidos”, informa a Agência Câmara.

Além dos prazos, as diretrizes do projeto de Bolsonaro devem ser mantidas, mas com alterações demandas pelos parlamentares. O presidente da Casa, Rodrigo Maia, é contra um novo projeto que não tenha em vista a “economia” de R$ 1 trilhão prometida por Guedes.

Maia também anunciou nesta sexta que a Câmara e o Senado, sob presidência de Davi Alcolumbre, irão apresentar nas próximas semanas “uma agenda voltada para a reestruturação do Estado brasileiro e medidas de curto prazo para estimular o aquecimento da economia”, anotou o Estadão.

Maia disse que a economia está parada e o mercado já reduziu as projeções de crescimento, o que é preocupante, mas não tem relação com a Previdência. O problema estaria na falta de outros planos para aquecer o a economia.

“As projeções caíram por outras questões. Isso que me preocupa. Estou preocupado com o curto prazo. Estamos caminhando para o aumento do desemprego e o aumento da pobreza”, afirmou.

Leia também:  Os 9 pontos da Lei de Abuso de Autoridade que Moro pediu para Bolsonaro vetar

Maia defendeu a apresentação de uma reforma administrativa, “para melhorar a eficiência dos gastos públicos”. Um estudo estaria em desenvolvimento. “Não quero tirar um real daqueles que fizeram concurso e tem os seus diretos, mas daqui para frente vamos reconstruir as carreiras”, concluiu.

Nesta sexta (17), o Financial Times publicou reportagem dizendo que Bolsonaro é um “pária internacional” que precisa atrair investimentos estrangeiros, mas não consegue sequer ser recebido na cidade de Nova York.

Em Dallas com o presidente, Guedes prometeu aos americanos privatizações, reforma na Previdência e abertura do mercado, com a quebra de monopólios da Petrobras.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. O projeto da Lava-jato é destruir o país. É um instrumento de guerra híbrida, e representa interesses puramente americanos. Bolsonaro representa apenas as milícias. Quer destruir o Estado para abrir espaço para o Estado paralelo das milícias. Os militares e os empresários brasileiros, ao contrário, não querem destruir o país nem o Estado. Exercem sua autoridade através do Estado. O verdadeiro conflito é entre a Lava-jato e o empresariado brasileiro. Bolsonaro não tem vez nessa luta. Por isso vai ser expelido agora. O problema é o que vem depois…

  2. Se o novo projeto da Reforma da Previdência é de parlamentar do PSDB já dar p saber que é p ferrar c o trabalhador. Nunca projeto nenhum q venha desse partido ser bom os assalariados.

  3. Tenho vergonha deste congresso, independente de quem é o presidente se da para economizar 1 trilhão vamos la então ao que é melhor para Brasil pensem na economia investimentos bando de urubu

  4. Não votei e não quero Rodrigo Maia, um bandido, fazendo as leis no meu país. Votei em Bolsonaro e pretendo que este cidadão , o bandido, seja imediatamente preso porque ele está cometendo um crime. O trabalho dele é a calendarização das leis proposta pelo executivo.

  5. O brasil com o governo atual está com a oportunidade de uma mudança positiva para todos, porém esbarra no sistema político partidário nocivo, que se mantém entrincheirado em suas plataformas eleitorais há muito tempo no nosso país. Esse sistema usa como massa de manobra as camadas mais vulneráveis e dependentes de assistência do Estado os quais continuam reféns de governos passados que pensaram mais em si e em sua própria classe ” política” e, aos interesses dos mandatários eleitorais, latifundiários e banqueiros.

  6. Está difícil um consenso para deixar nos trilhos a contabilidade federal. As ideias são boas mas na prática muitos entraves políticos. De um lado o governo regulamentando os gastos com saúde segurança e educação e do outro lado o povo querendo manter as benesses e condições pra continuar faturando a qualquer custo sem apertar o cinto. Até quando o funcionário público vai ter mais vantagens que o da iniciativa privada ?

  7. Cidadãos brasileiros de boa vontade e cristão de todas as confissões, leiam e se inteirem por seu interesse, de sua comunidade, de seu município, de seu Estado e de seu país, as Constituições Federal e Estaduais e a Lei Orgânica de seu Município como bem adverte a CNBB, nessa matéria. Não esqueçam: “Sereis libertos pelo direito e pela justiça. (Is. 1,27).
    Quando quiserem reclamar, cobrar e avaliarem governantes e governos, parlamentares (Vereadores, Dep. Estaduais, Dep. Federais e Senadores), por infidelidade e desrespeito ao povo, que é o dono do Poder ( Parágrafo Único do Art. 1º da CF ); por mal comportamento; por falta de ética; por má gestão dos recursos públicos e/ou omissão de das instituições de Fiscalização e Controle Interno e Externo, criadas para garantirem a correta e conforme implementação das Políticas Públicas e, qualidade de seus resultados, de relevantes e essencial interesse constitucional, do povo e da nação.
    Nos envergonha, o fato de vermos pessoas se dizerem cristãos e, de termos que confiar em Poderes e Instituições constitucionais, cujos dirigentes, foram investidos com poder e autoridade pelo povo, conforme o disposto no Parágrafo Único do Art. 1° da CF, que diz: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Constituição essa, como prova seu Preâmbulo, “promulgada sob a Proteção de Deus” e, que essas pessoas investidas em poder e autoridade popular, juraram por ela e prometeram: cumpri-la, protegê-la e a defendê-la, para e somente para, propugnarem e promoverem o direito, a justiça, o bem-estar e a paz social dos cidadãos brasileiros, da nação e do Brasil.
    Pois bem, àqueles que são religiosos e, que deveriam está dando bons exemplos de vida religiosa e produzindo boas obras para o bem dos seus semelhantes e do Brasil e, não estão, além de estarem de serem infiés e desrespeitarem aos cidadãos e ao CF, incorrendo em crimes constitucionais estão também, cometendo pecado mortal contra Deus, por ser Ele o protetor da CF da República Federativa do Brasil.
    Por isso e à luz do parágrafo anterior, é que solicitamos protagonismo responsável do Congresso Nacional, para que, nos termos do Art. 70 da CF, com desdobramento de sua decisão e orientação nos órgãos de Fiscalização e Controle Interno e Externo do DF, dos Estados e dos Municípios, para que sejam efetivos e zelosos na solução desses tipos de ocorrências aéticas e criminosas. Sejam também, vigilantes, ágeis nas investigações e apurações dos crimes, responsáveis e proativos, justos e imparciais e, nas tomadas de decisões éticas e corretas, para a punição exemplar e justa dos responsáveis por tais atos e crimes, assegurando-se aos acusados, a ampla defesa nos termos da lei específica, vigente no país.
    Que tudo isso, sejam feitos com foco nos 07 primeiros Artigos da CF, principalmente e, amparando-se e comparando-se o interesse do povo e da nação, como por exemplo, no que diz e recomenda, o Artigo 3° da Constituição Federal.
    Diz ele: ”Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:
    I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;
    II – garantir o desenvolvimento nacional;
    III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
    IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, e quaisquer outras formas de discriminação.
    Boa leitura e aprendizado e boas práticas de cidadania pelo bem do Brasil. É essa a nossa contribuição à minimização do analfabetismo político e cidadã, de quem interesse aprender conhecendo os fatos e atos de nossa história, certo, para mudar o seu comportamento e, ajudar a mudar seus semelhantes com a verdade e de forma responsável, o Brasil, para o bem de todos os brasileiros, igualmente. Por isso, Jesus ensina que “Se a vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos Céus” ( Mt. 5,20 ).
    Para os que não conhecem, apresento-lhes, o Artigo 6º da CF e o que ele representa e diz: “Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 90, de 2015)”.

    link abaixo, a seguir, uma ajuda resumida, para que se conheça a evolução de nossa história republica e, o porque dessas coisas ruins repetitivas, que impede sempre, o povo do Brasil, desenvolver-se livre e plenamente, como nação e país civilizado. Essa, é a nossa contribuição ao começo da consciência cidadã autóctone e própria, dos brasileiros de boa vontade que, devem explorar essas informações de domínio público da Internet, de mente aberta em sequência e, com o coração livre de preconceito mas, eivado de imparcialidade, para capacitá-lo a melhor compreender, o significado desse retrospecto resumido de nossa história política e administrativa, de 1894 a 2018.
    https://jornalggn.com.br/brasil/links-para-a-historia-do-brasil-de-1894-a-2018/
    Sebastião Farias
    Um brasileiro nordestinamazônida

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome