Eleições 2018, retrato de momento: Lula, o candidato antissistema

Tenho dito em conversas que o capitalismo liberal (mesmo que sob a alcunha de neo) parece ter uma única solução na manga para as crises que ele próprio engendra: o fascismo. Falo isso sem acreditar em qualquer previsibilidade ou lei histórica, de que o futuro seria predizível, ou que a história acontece primeiro como tragédia e se repete como farsa: cem anos depois da experiência fascista, a resposta ao desalento neoliberal e à crise de 2008 segue pela mesma senda, Europa, EUA, nestes Tristes Trópicos e alhures. Precisa ser assim? Não, mas é a solução mais fácil ao capitalismo. Outra pergunta: quem são os personagens políticos (individuais, coletivos e coletivos “encarnados” em uma figura) capazes de fazer frente a esse zeitgeist do capitalismo de exceção ancorado no Estado totalitário? O que seria fazer frente a esse capitalismo de exceção e seus ferrenhos defensores? Mais liberalismo, como defendem os que ainda acham que a ascensão da extrema direita é apenas um lapso?
Em 2015, durante as prévias para a eleição presidencial do império decadente, enquanto no partido Republicado Bush era tido por moderado e varrido de cara por pré-candidatos de verve mais radical, e o azarão Trump já despontava como futuro candidato, com fortes chances de vitória, li análises que apontavam que o partido Democrata precisava escolher entre uma trabalhosa possível vitória da candidata do establishment e uma vitória quase certa de Bernie Sanders. Optou por Clinton, e Trump pôs fim a quase três décadas de revezamento entre duas famílias nos principais cargos do país. Seu discurso era antipolítico e antissistema, o extremo oposto de Clinton, imersa no fazer político estadunidense (que não deixa de ser antipolítico, a depender de como se encare o termo) e abertamente comprometida com o sistema. Sanders, por seu turno, pode ser visto como um meio termo: assumia o comprometimento político, ao mesmo tempo que era antissistema – inclusive ao propôr um aprofundamento político, com seus comitês que permaneceram ativos mesmo depois da campanha. Há algo muito de errado no mundo, e os resultados das eleições ao redor do globo sinalizam isso. Que saída escolher?
O Brasil não tem prévias ao estilo estadunidense: aqui o debate público entre pré-candidatos é substituído por balões de ensaio lançados na mídia e postos à prova em pesquisas de opinião. O que tem se visto em tais pesquisas, desde que ficou claro, para parte da população que de boa fé seguiu o pato golpista, de que Lula é um perseguido político por parte do sistema, são posições consolidadas. Lula disparado, Bolsonaro firme, Marina, Ciro e eventual outsider da vez com razoável percentual, Alckmin e demais candidatos do establishment passando vergonha.
Falei acima do zeitgeist, o espírito do tempo atual, e creio que ele ajuda a explicar tais posições. Ainda que não caiba simplesmente transferir a situação dos EUA para o Brasil, guardada as distâncias, há pontos em comum no contexto de ambas as eleições, e o discurso dos candidatos mais bem posicionados aqui acaba, sem querer, mimetizando muito do espírito de Trump e Sanders – Alckmin poderia ser visto como a versão tupiniquim de Clinton. Se lá se discutia a decadência do império, aqui se discute o que fazer diante da terra arrasada após o golpe, a perda da qualidade de vida ganha nos anos dourados do PT no Planalto. Lá, Wall Street vista como vilã, comprando políticos para favorecer sempre os mesmos; aqui, ainda que o vilão não seja dito por interdição da mídia – que tenta imputar aos políticos e à esquerda -, parece ficar cada dia mais forte a sensação de instituições sequestradas por uma elite financeira e burocrática que tem como interesse apenas a si própria – políticos são a face mais visível do descrédito, mas o judiciário corre para fazer companhia, como apontou Marcos Lisboa em sua coluna desta semana na Carta Capital. Se parte da população ainda crê em juízes e procuradores – a ponto de se falar em bancada da Lava Jato – parte também ainda crê em políticos. A disputa é pelos corações, almas e votos dos que perderam a crença – mas terão que comparecer às eleições, por força da lei.
Bolsonaro, apesar de político profissional e bem inserido no sistema, se apresenta como o candidato anti: antipolítico e antissistema. Se de fato nada tem fora do sistema dominante, peitar o que foi definido pela direita xucra como politicamente correto, sem medo da justiça, bancando o macho valentão basta para cativar muitos dos que estão “cansados de tudo o que está aí” – e vemos não apenas a falha de politização da população quando o PT esteve no poder federal, como um completo fracasso educacional, incapaz de formar pessoas que enxerguem o óbvio. Sua movimentação política é claramente inspirada em Trump – e para esse tipo de argumentação não me parece que o esquerdismo esclarecido e bem intencionado de um Duvivier tenha qualquer apelo, é convencer as paredes do quarto para dormir tranquilo. Seus eleitores não se pautam em argumentos racionais: o voto em Bolsonaro é um voto feito com as entranhas – com o fígado, com o cu do machão que coça diante de outro homem -, são contra não sabem o que, mas são contra, e não querem pensar – Bolsomito, que também não pensa, fala por mim. Três são os desafios do homem que se afirma detentor do maior pau do certame: manter a pose e reforçar a ideia de alguém que não foge à luta, ao mesmo tempo que não se expõe, não fala, não tem tempo de propaganda para falas cuidadosamente calculadas. Pretendia fugir dos debates e sabatinadas, mas teve que recuar, ao menos diz que irá aos debates, justo porque isso arranha seu principal “capital político”, o de valentão; resta saber se a imprensa vai aceitar as regras que ele impuser, ou vai colocar limites à verborragia de ódio do capitão-terrorista – se ele puder falar o que quiser, pode até se sair bem nos debates, se for bem enquadrado, acaba no segundo debate. Ademais terá que aguentar ataque contínuo de todos os adversário, à esquerda, por razões óbvias, e à direita, por estar na mesma raia que PSDB e afins.
Alckmin, como disse, pode ser visto como a Clinton: alguém completamente inserido e aceito pelo sistema – político, econômico, judiciário. A exemplo do que houve em 2002, esta eleição dá sinais de que discurso de mudança, ruptura – e ordem – terá apelo. Um candidato “do bem” não apresenta as credenciais que os eleitores querem – eu não me surpreenderia se numa pesquisa qualitativa Alckmin fosse muito bem avaliado: suas qualidades não são as demandadas pelo momento. Possivelmente vai abusar no discurso da ordem e do apoio irrestrito da mídia. Curiosamente, soa quase um azarão para esta eleição.
Ciro e Marina tentam equilibrar seu discurso entre palatável ao sistema e antissistema ao mesmo tempo – Marina também tenta se pôr como antipolítica. Podem, sem querer, achar um ponto que os catapulte para o segundo turno – algum ponto do fígado dos eleitores desiludidos com Bolsonaro. Marina, correndo como outsider de centro-direita, deve ter menos apelo que Ciro – que corre como semi-outsider de centro-esquerda – entre eventuais desertores de Bolsonaro. Como dito de maneira um tanto infeliz por Ciro, Marina carece da pose de valentão que o momento pede – além de outros preconceitos que tiram votos seus entre os que ela flerta, o fato de ser mulher, negra, do norte. Ciro, é sabido, tem como grande adversário sua própria língua – mas o tom de coronel do sertão que muitas vezes adquire pode ser encarado como valor positivo neste momento. Conforme Luis Nassif, Ciro seria, caso Lula seja deveras alijado da disputa, o nome mais à esquerda capaz de governar.
A presença de Boulos e Manuela tende a elevar o nível dos debates e dar um mínimo alento de política ao pleito, são candidatos antissistema porém políticos – a questão é como desfazer em quarenta dias os anos de doutrinação ideológica (para usar termo que a direita tanto adora) da mídia satanizando movimentos sociais e de minorias. Suas candidaturas devem servir antes para pôr suas bandeiras em evidência, sem chances de vitória – salvo se forem ungidos por Lula -, por mais que sejam bem articulados e devam crescer. Inclusive, penso que uma vitória deles, por mais que sejam bem preparados e qualificados, seria uma vitória de Pirro: dada as correlações de forças atuais e das expectativas que engendrariam, não durariam um ano no Planalto.
E Lula, enfim, a peça em torno do qual se move todo o tabuleiro político, eleitoral, midiático, judiciário, golpista – ele pode ser visto como agnus dei de direitos sociais e um projeto de nação independente. Costuma-se dizer que a diferença entre o veneno e o remédio é a dose. As elites brasileiras, ao que tudo indica, tem se envenenado bastante – e não apenas de agrotóxicos que ela bebe no almoço. Não há como negar o caráter político de Lula – mesmo que durante seu governo tenha sido usado, conforme acusam muitos, para despolitizar a população. Seu tom conciliador – esse que despolitizou a população durante seu governo – tampouco pode ser encarado como antissistema. Ou poderia. Quando se tem uma percepção geral – da esquerda à direita, dos alienados aos ilustrados – de falência das instituições, do sistema, e uma busca de alguém que rompa “com tudo o que está aí”, se possível mantendo as partes boas, positivas, pode-se preparar um discurso de “eu sou contra”, como Bolsonaro, ou pode ser apresentado em atos, sem necessidades de palavras, como esse pária do sistema – é o que tem sido feito com Lula. Lula é o cara contra tudo o que está aí,  não porque ele afirme sê-lo, mas porque as instituições o dizem, diariamente, em atos. Com uma vantagem: se “sabe”, por conta de seus oito anos à frente da nação (quando o Brasil ainda era algo como uma nação e não mera pátria de chuteiras e enxadas high-tech), que ele também traz ganhos. Daí ver muitas pessoas na internet (sem formação específica nem capacidade de compreensão da realidade, mesmo de si própria) defendendo uma chapa Lula-Bolsonaro [http://bit.ly/2uFJxXe]. A implacável perseguição ao líder petista, aliado à narrativa da mídia e aos resultados do golpe perpetrado por mídia, judiciário, endinheirados e políticos têm feito Lula falar dia sim, outro também, mesmo preso, incomunicável: Lula se torna cada dia mais a afirmação da política contra o sistema de privilégios – o que era para ser veneno ao petista se torna remédio, cura até as lembranças das debilidades do seu governo. (Parênteses: se os partidos de direita definham por errarem na dose do antipetismo, a esquerda e forças progressistas precisam estar atentos para ganhar a batalha narrativa, e conseguir enquadrar a mídia, esse quarto poder sem freios ou contrapesos). Para minha surpresa, parece que foi acertado seu se entregar à polícia, apesar do julgamento injusto – e isso não apenas num plano de “a história me absolverá”, mas de eleições 2018 -, assim como é forçar sua candidatura até o judiciário assumir mais uma vez seu lado, o golpe, e o ônus à sua imagem. Se deixarem o homem concorrer, sua vitória não apenas parece líquida e certa, como tende a ser acachapante – o que lhe daria mais poder de pressão para reformas profundas (finalmente!) assim que assumisse o poder, desarticulando as forças golpistas. Força que seria ainda maior caso tivesse sido dado a devida atenção às eleições legislativas – esquecidas pela esquerda, como sempre.
A questão agora é quem seria seu vice/plano B, para caso sua candidatura seja registrada e depois cassada. Há três nomes principais sendo alentados: Fernando Haddad, Jacques Wagner e Celso Amorim. Quão inserido no sistema deve aparentar seu vice? Ainda cabe esse tipo de avaliação, ou esse vice seria apenas o cavalo de Tróia do projeto lulopetista de volta ao poder e desarticulação do golpe? Haddad me parece o nome mais “Clinton” e Amorim o mais “Sanders”, por dar a impressão de estar não apenas fora dos conchavos do poder, mas acima deles – uma espécie de Eduardo Suplicy sem filhos chatos e ex-mulher traidora. De qualquer modo, independente de quem seja o vice-alçado a cabeça de chapa, será acusado de “petismo” e de ser de “esquerda” – nossa mídia já mostrou incapacidade de reflexão, para notar que essa tática não funciona para além dos 30% que não votarão no PT ou na esquerda de forma alguma -, com fortes chances de vencer.
É por essa sinuca de bico que, creio, Bolsonaro não será cassado: acreditava nessa possibilidade – até o chamava de “boi de piranha” – por ser um candidato que não agrada ao sistema, com pendências na justiça, e a cassação de sua candidatura permitiria não apenas tirar do jogo alguém que está na frente do Alckmin como tentar passar a imagem de judiciário isento, imparcial: cassou um candidato da esquerda como cassou um da direita. Questão que muitos brasileiros não compreendem o que é esquerda e direita, e vão ver apenas como mais um arbítrio contra alguém que é contra o sistema – e esses votos não devem ir para o PSDB, MDB ou partidos desse espectro.
Para encerrar esta análise de momento, duas observações gerais: da consumação do golpe até abril eu tinha seríssimas dúvidas sobre a realização das eleições. A derrota quase certa dos golpistas e o (des)arranjo institucional me faziam crer no seu adiamento – com qualquer desculpa esfarrapada por conta da intervenção militar no Rio de Janeiro -, ou na mudança do regime para semi-presidencialismo ou qualquer gambiarra mal feita. Creio ser graças a Donald Trump que nossas eleições devem ocorrer – a se conferir se sem grandes fraudes, se de repente Alckmin não dispara sem motivo nas pesquisas de opinião de institutos enviesados e acaba por vencer até mesmo o Lula: ao recusar a entrada do Brasil na OCDE, por falta de respaldo democrático, deixou claro que tipo de relação o Brasil teria caso insistisse na senda golpista (orquestrada pelos democratas ligados a Clinton e ao establishment estadunidense?), e acabou com qualquer clima para uma nova etapa no golpe, ao menos tão descarada.
Estamos aqui, desde sempre, discutindo eleições executivas, tratando as legislativas como perfumaria. O golpe parece não ter nos ensinado da importância de deputados e senadores – que seja das suas funções negativas. É urgente começar campanha de rua, de internet, de Fakebook, boca a boca, whatsapp a whatsapp, para candidatos progressistas ao congresso nacional, senado federal e assembleias estaduais. Se for eleito um congresso como o atual, e se o próximo presidente for do campo progressista, dificilmente conseguirá fazer muita coisa – que seja desfazer as absurdidades golpistas. Vai depender de ser um líder carismático com forte apoio popular, alguém com prática em negociações espúrias para compactuar com as raposas legislativas, ou vai ser derrubado em pouco tempo – na falta de crime de responsabilidade vale até acusação de não ter dado a descarga, é só pro-forma mesmo. Penso que a campanha para legislativo não deva ser uma semana, dois dias antes das eleições postar uma foto e declarar voto, mas desde o início, todos os dias, anunciar candidatos ao qual cabe conhecer melhor e votar.
Por fim, ainda me soa absurdo estar escrevendo isso como se estivéssemos numa democracia minimamente séria. Mas é preciso forçar: ou uma reforma que permita uma democracia de fato, ou mídia, judiciário, donos da grana, políticos, militares assumem de vez o golpe e o escancaram para o mundo.

Leia também:  O jazz com influência mineira de Antonio Loureiro no Sesc Belenzinho, em São Paulo

17 de julho de 2018

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome