Inquérito contra Moro no STF abre caminho para depoimento de Youssef

Cintia Alves
Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.
[email protected]

PGR vê paralelo entre métodos usados contra Tony Garcia e o doleiro Alberto Youssef, um dos primeiros delatores da Lava Jato

Ao demandar do Supremo Tribunal Federal a abertura de um inquérito para investigar o senador e ex-juiz federal Sergio Moro e aliados pelo crime de fraude em delação, organização criminosa e outros, a Procuradoria-Geral da República abriu caminho para ouvir o depoimento do doleiro Alberto Youssef sobre o grampo ilegal que supostamente foi instalado em sua cela, na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, enquanto ele esteve preso em virtude da Lava Jato.

O pedido da PGR para investigar Sergio Moro, Rosangela Moro, Deltan Dallagnol, Carlos Zucolotto, Januário Paludo e Carlos Fernando dos Santos Lima em função das denúncias feitas pelo ex-delator Tony Garcia foi acolhido pelo ministro Dias Toffoli em meados de dezembro de 2023, mas só veio a público nesta segunda (15).

No ofício, a PGR usa a investigação da Polícia Federal para traçar um paralelo entre o caso Tony Garcia – que foi supostamente usado como espião informal de Moro e dos procuradores de Curitiba – e o de Youssef, cuja defesa alega que havia um grampo em sua cela, a mando da Lava Jato, captando informações de maneira ilegal.

“Por fim, a autoridade policial pontuou que os fatos narrados por Tony Garcia é consonante com o narrado por Alberto Youssef, que envolveu a alocação de uma escuta ambiental clandestina na cela que ocupava na Superintendência da Polícia Federal do Paraná, ao que tudo indica para gravá-lo em conversas com seus advogados.”

“Nesse contexto, dada a semelhança com os fatos objeto desta petição, entende como uma oportunidade investigativa importante a oitiva de Alberto Youssef, como forma de se entender melhor o funcionamento de um mecanismo investigativo clandestino operado pelos gestores, de fato e de direito, da Operação Lava Jato.”

Segundo a PGR, contra Tony Garcia, Moro e os procuradores de Curitiba lançaram mão de medidas invasivas, cooptação de delatores pré-selecionados, negociações espúrias visando à homologação dos acordos e chantagens, coações, ameaças e constrangimentos para manter a delação, sendo que esses mesmos métodos foram usados posteriormente na Lava Jato.

Leia mais:

Cintia Alves

Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador