IPCA termina 2020 no maior patamar dos últimos quatro anos

Inflação oficial contabiliza 4,52% em 12 meses, puxada pelo aumento dos preços dos alimentos; óleo de soja (103,79%) e do arroz (76,01%) dispararam

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A inflação oficial medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) encerrou o ano de 2020 em alta de 4,52%, o maior resultado desde o registrado em 2016 (6,29%), segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Com isso, o índice ficou acima do centro da meta de 4% definida pelo Conselho Monetário Nacional, mas dentro da margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Em 2019, a inflação foi de 4,31%.

A alta de 14,09% nos preços de alimentos e bebidas pesou no bolso dos brasileiros e, segundo o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, explica que o avanço contabilizado pelo grupo (o maior desde 2002), foi provocado, entre outros fatores, pela demanda por esses produtos, a alta do dólar e dos preços das commodities no mercado internacional.

Os preços do óleo de soja (103,79%) e do arroz (76,01%) dispararam no acumulado do ano passado, e outros itens importantes na cesta das famílias também tiveram altas expressivas, como o leite longa vida (26,93%), as frutas (25,40%), as carnes (17,97%), a batata-inglesa (67,27%) e o tomate (52,76%).

Segundo Kislanov, a inflação também foi puxada pela habitação (5,25%), cuja alta foi influenciada pelo aumento da energia elétrica (9,14%). Os artigos de residência também pesaram mais, por conta do efeito dólar sobre os preços dos eletrodomésticos, equipamentos e artigos de TV, som e informática. Em conjunto, alimentação e bebidas, habitação e artigos de residência responderam por quase 84% da inflação de 2020.

Leia também:  Irmão de Michelle Bolsonaro ganhou R$ 102 mil desde nomeação no ministério da Defesa

Já o grupo transportes, segundo maior peso na composição do indicador, fechou o ano com alta de 1,03%, afetado pelo preço da gasolina, que terminou o ano em queda de -0,19%, enquanto as passagens aéreas tiveram uma queda de 17,15% no acumulado anual.

O único grupo a apresentar variação negativa foi vestuário (-1,13%) – segundo Kislanov, o isolamento social pode ter diminuído a demanda por roupas. “Tivemos quedas em roupas femininas (-4,09%) e masculinas (-0,25%) e infantis (-0,13%), calçados e acessórios (-2,14%). A única exceção foram joias e bijuterias (15,48%), por causa da alta do ouro”, explica.

Na análise por capitais, a alta dos preços foi generalizada em todas as 16 localidades pesquisadas pelo IBGE em 2020. O município de Campo Grande (6,85%) teve a maior variação do ano, por conta das carnes e da gasolina. Em seguida, foi Rio Branco (6,12%), Fortaleza (5,74%), São Luís (5,71%), Recife (5,66%), Vitória (5,15%), Belo Horizonte (4,99%) e Belém (4,63%), todas acima da média nacional (4,52%). Já o menor índice ficou com Brasília (3,40%).

 

 

Leia Também
População carente perde R$ 32 bi com fim do auxílio emergencial
Todos os trabalhadores perderam renda em novembro, segundo IPEA
Fim do auxílio emergencial joga mais de 10 milhões de brasileiros na miséria
Salário mínimo chega a R$ 1.100 a partir de janeiro
Auxílio emergencial injetou mais dinheiro na economia do que arrecadação tributária

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome