Auxílio emergencial injetou mais dinheiro na economia do que arrecadação tributária

Estudo mostra que queda de 2,2% no pagamento de impostos foi compensada pelo aumento de 13,4% nas receitas apuradas com transferências

Jornal GGN – O valor injetado na economia de 4.403 cidades brasileiras (ou 79% dos municípios brasileiros) com o pagamento do auxílio emergencial durante a pandemia de covid-19 ultrapassou a arrecadação com encargos municipais, como ISS (serviços) e o IPTU (propriedade urbana).

Estudo divulgado pela Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite) aponta uma redução de 2,2% nas receitas tributárias dos municípios, que foi compensada pelo aumento de 13,4% nas receitas de transferências, como o socorro federal.

Desta forma, a receita geral apresentou um aumento de 6,7%, considerando um total de 4.681 dos 5.570 municípios do País que repassam seus dados ao Tesouro Nacional.

O levantamento também aponta o efeito heterogêneo da covid-19 nas cidades, muito por conta do desempenho do setor de serviços – cidades onde a prestação de serviços às famílias tem maior participação nas receitas tendem a ter um efeito negativo no valor tributário arrecadado em outras cidades onde a predominância econômica se dá em serviços que tiveram uma recuperação melhor no curto prazo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

 

 

Leia Também
Coronavírus colocou em xeque o neoliberalismo da América Latina
Abertura de vagas de trabalho não é suficiente para cobrir perdas
Novo programa habitacional exclui pelo menos 42% das famílias
Guedes admite que beneficiários do Bolsa-Família podem não receber 13º
Congresso aprova proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2021

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome