Kassio Nunes é visto em “festa ostentação” de advogado que está na mira da CPI

Além do ministro do STF, a festa ostentação - com direito a vinhos de 45 mil reais e show de dupla sertaneja famosa - contou com a presença de Flávio Bolsonaro, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, entre outras autoridades

FOTO: MARCOS CORRÊA/PR

Jornal GGN – O ministro do Supremo Tribunal Federal, Kassio Nunes Marques, indicado para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, foi flagrado pela equipe do site Metrópoles em uma “festa ostentação” promovida por ocasião do aniversário do advogado Willer Tomaz, que já esteve às voltas com a Lava Jato e hoje está na mira da CPI da Covid.

Nesta semana, Kassio Nunes surpreendeu a CPI a tomar uma decisão que contraria a jurisprudência da Corte: ele permitiu, por meio de um habeas corpus, que o motoboy Ivanildo Gonçalves, da VTClog, pudesse faltar à oitiva marcada para o dia 31 de agosto.

Segundo relatos do Metrópoles, além do ministro do STF, a festa ostentação – com direito a vinhos de 45 mil reais e show de dupla sertaneja famosa – contou com a presença de Flávio Bolsonaro, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, entre outras autoridades dos três Poderes da República.

Ao Metrópoles, o relator da CPI, Renan Calheiros, disse que está apurando o possível envolvimento de Willer, Flávio Bolsonaro e Frederick Wassef, advogado da família presidencial, no esquema Covaxin.

Alvo da Lava Jato, Willer chegou a ser preso em 2017, acusado de intermediar propinas a um procurador que supostamente repassou informações aos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS. O TRF-1 rejeiou a denúncia contra Willer e os demais investigados em junho passado.

Em junho deste ano, a Corte Especial do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) decidiu rejeitar a denúncia contra Willer e os outros investigados.

LEIA TAMBÉM:

+ Xadrez das saídas possíveis para Bolsonaro, por Luis Nassif

+ Prefeito do PSL é suspeito de financiar atos anti-democráticos de 7 de setembro com dinheiro vivo

+ MPF de Mossoró processa União pelos abusos da Lava Jato de Curitiba

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora