Produtores rurais rejeitam estatuto para proteger Pantanal

Projeto de lei com novas regras deve ser apresentado em dezembro; incêndio neste ano já destruiu 26,7% da área do Pantanal

Foto: Chico Ribeiro/Governo do Mato Grosso

Jornal GGN – Produtores rurais de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul criticaram a possibilidade de aprovação de um estatuto para proteção do Pantanal durante audiência pública no Senado Federal, organizada pela comissão externa que acompanha o combate aos incêndios na região.

Segundo a Agência Senado, um projeto de lei com novas regras para a proteção do bioma deve ser apresentado em dezembro pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS), relator da comissão. Os incêndios no Pantanal destruíram 26,7% da área apenas neste ano.

“Chega de legislação restritiva. Vamos fazer uma lei para bonificar os bons e criar cadeias produtivas sustentáveis. Precisamos de política pública, incentivo fiscal e divulgação de produtos e serviços do Pantanal. A gente só enxerga dessa forma o futuro. Isso é moderno. Isso é o novo”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Produtores Orgânicos (ABPO), Leonardo Leite de Barros.

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Maurício Koji Saito, o debate sobre uma nova legislação ocorre “em um ambiente que não é favorável para se mudar o que já existe”. O presidente da Sociedade de Defesa do Pantanal (Sodepan), Marcelo Rondon de Barros, também criticou a aprovação de novas normas para regular a atividade econômica no Pantanal, por considerar que os incêndios deste ano foram provocados por uma situação climática atípica.

“O cenário de destruição não pode voltar a se registrar na mesma dimensão. O verde que agora volta não pode apagar as cinzas, nem as imagens da vegetação queimada e dos animais mortos. A demora nas ações de prevenção não pode voltar acontecer, e estaremos atentos. Não temos visto nenhum órgão oficial fazendo um inventário dos estragos causados pelo fogo. Sabemos que temos organizações não-governamentais fazendo esse trabalho. E é assim que vai ficar?”, questionou o presidente da comissão externa, senador Wellington Fagundes (PL-MT).

Leia também:  Argentina aprova taxação de grandes fortunas

Para a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), a opinião dos produtores rurais representa “uma insurgência contra o texto do relatório”. Ela avalia que o segmento “já está amarrado” pelo Código Florestal, que resultou de uma discussão “exagerada e cansativa” no Congresso Nacional.

 

Leia Também
Fogo no Pantanal teria começado em 4 fazendas para abrir área de pastagem
Fogo no Pantanal tem origem na ação humana, mostra perícia
Biodiversidade do Pantanal queima junto com fazendas. ‘O desgoverno está grandíssimo’
Criminoso, incêndio no Pantanal repercute na imprensa internacional

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Título ambíguo. Quando se lê a chamada poderia haver outra interpretaçao: a de que o acordo fosse lesivo ao Pantanal e que produtores rurais o estivessem rejeitando por isso… Claro, no Brasil a gente imagina logo que nao deve ser isso, mas manchetes nao deveriam ser ambíguas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome