Queiroz e esposa foragida conseguem prisão domiciliar no STJ

Noronha concedeu o habeas corpus em decisão de caráter liminar, no plantão do STJ. O ministro relator do caso é Felix Fischer

Jornal GGN – O presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, concedeu nesta quinta (8) habeas corpus a pedido pela defesa de Fabrício Queiroz e de sua mulher, Márcia Aguiar, que está foragida desde o dia 18 de junho, quando Queiroz foi preso na casa de Frederick Wassef, o ex-advogado de Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro.

Com a decisão de Noronha, Queiroz e Márcia podem ir para a prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. O casal é investigado pelo esquema das “rachadinha” no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. De acordo com o Ministério Público do Rio, Flávio era o líder da organização criminosa e Queiroz, seu operador financeiro.

O novo advogado de Queiroz, Paulo Emílio Catta Preta, argumentou que o ex-assessor tem câncer de cólon e corria riscos de saúde devido à pandemia da Covid-19. Queiroz estava preso em Bangu 8 desde que foi encontrado na casa de Wassef, em Atibaia (SP).

Noronha concedeu o habeas corpus em decisão de caráter liminar, no plantão do STJ. O ministro relator do caso é Felix Fischer.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Queiroz depositou 21 cheques para Michelle Bolsonaro, no total de R$ 72 mil

6 comentários

  1. É inacreditável.
    Melhor ter deixado o cara na casa do Wassef. Coloca uns guardas lá e já era. Mais econômico e menos cênico.
    Se ele tem câncer, como foi o tratamento dele até agora?

  2. Se entendi, o Noronha nomeou a fugitiva Marcia cuidadora ad hoc do enfermo oncológico Queiroz, por causa de situação de susceptibilidade a uma gripezinha no ambiente carcerário. Só falta a Marcia descumprir a decisão do juiz. Égua!

  3. O STJ praticou uma fraude processual para manter a condenação injusta de Lula (adversário inocente de Jair Bolsonaro) e soltou o sócio criminoso do presidente para evitar uma delação indesejada. Direito Penal do Inimigo num caso, Direito Inimigo da Pena no outro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome