Revista GGN

Assine

A polêmica dos filtros da internet

Por Lucas Seco

Nassif,acho que vale a pena você dar destaque para esse vídeo bem legal, com legenda, sobre os filtros da internet: http://dotsub.com/view/5c4da436-b65e-48b9-b575-37d6eb2cd2e5

Eu tenho falado sobre isso: existem mecanismos da Internet que têm se tornado tão importantes para a possibilidade de vida democrática, que precisam de uma gestão mais transparente e pública.  E, diferentemente do palestrante, acho que não podemos depender da boa vontade das corporações para isso!  

 Para oferecerem os serviços que oferecem e captarem os dados que captam, Google, Facebook, Agências de Notícias e outros serviços de Internet usam infraestrutura pública de diversas nações. Deveriam então ser regulados, por exemplo, pela ONU, que já declarou, em Junho desse ano, o acesso à Internet como direito Universal

 Por exemplo, os algoritmos que usam para flitrar conteúdo devem se tornar públicos e abertos.  Se não, que moral eles terão para criticar os filtros de conteúdo do governo Chinês se fazem o mesmo em escala global?  Uma democracia global (como intenção e não como coisa pronta) só faz sentido com transparência global (também como intenção e não como coisa pronta).

Sem votos
8 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+8 comentários

Ivan, Lucas Seco pra mim no Google

 

Re: A polêmica dos filtros da internet
 

Muitissimo obrigado, Fabio!  Fabuloso.  So demonstra que seu historico de clics previo te deu isso e nao aquilo.  Levando em consideracao a diferenca de paises tambem, mesmo assim nao ahco que houve malicia nem programatica nem intencional dos algoritmos.  Isso seria lunaticidade!  Eu nao vou esperar uma lunaticidade dessas de um algoritmo.

Nao que o aviso do palestrante nao seja valido, repito, pois eh sim (e eu teria que pensar em outras linhas do que esotu pensando agora).  Eh que na hora de achar o que eu quero eu sempre acho o que quero sem problema --eh rarissimo o caso de eu nao achar nada relevante, e diria que voce tem a mesma impressao do google.

Tem um unicoa caso de malicia-e-nao-malicia previo e documentado mas nao sei aonde ele se encontra:  a mais inteligente pessoa do mundo, uma mulher chamada Marilyn vos Savant, se encontrou com a pergunta do que deveria fazer um concorrente em um show de premios se o apresentador fosse e nao fosse malicioso, e o resultado era chocantemente diferente.  Nao vai dar pra explicar e vai sair tudo errado porque eu nao tenho a literatura aa qual me referir ainda, mas o ponto eh que a literatura quanto aa malicia e nao-malicia eh real, pre-existente, e o fato eh real.

Malicia --nesse caso especifico-- foi matematizada.  Ainda nao ha prova suficiente --exceto pela espionagem legalizada-- que os resultados de um google a respeito de "the" estao alterados ideologicamente, ou mesmo baseados em malicia ou nao.

Muitissimo obrigado, cara!

 

(Marilyn vos Savant eh o nome, se tiver uma chance volto ao assunto dela no fim dos anos 80)

 

Bastante interessante mesmo o vídeo.

Nao estou ainda convencido que isso seja bom ou ruim.

Por um lado aparece nas buscas aquilo com que a gente está mais sintonizado, por outro lado, o que o Ivan comentou é relevante também. O google ( e nao só o google ) tem o histórico do que a gente busca, do que a gente gosta, por onde vamos e por onde nao vamos. 

 

O problema é que os algoritmos de filtragem de conteúdo são quase sempre segredo comercial de empresas como o Google, e por boas razões. E outra boa razão para manter como eles funcionam exatamente em segredo é que se alguém sabe exatamente como eles funcionam, no dia seguinte aparecem desonestos abusando da forma como funciona o algoritmo para entupir o usuário com resultados indesejados (um caso é você colocar "review" em uma pesquisa, ao invés de achar sites dando opinião - review - sobre um produto, você é inundado com sites de "COMPRE!! COMPRE!!" que não têm review algum, porquê os sites em questão entopem as suas páginas com a palavra "review" por mais que eles não tenham review de verdade algum).

E têm que se tomar cuidado para não cair na questão dos filtros que censuram  conteúdo, um caso corrente e bastante comum é usar a nobre desculpa de "proteger as crianças da pedofilia" para instalar filtros de censura que bloqueiam qualquer coisa indesejada para o governo em questão.

 

O problema dessa questão é que o que garante a qualidade do serviço do Google, por exemplo, é o fato do algoritmo ser em boa parte não conhecido.

Caso o algoritmo de busca se torne 100% público, seria facilmente explorado. O que permitiria a colocação de sites que representam risco para os usuários no topo da busca com maior facilidade, só para citar um dos problemas que ocorreriam.

E uma coisa é filtrar ou censurar conteúdos, que é o caso chinês, outra completamente diferente é destacar conteúdos ou deixar de fazer esse destaque, que é essencialmente o que ocorre num serviço de busca. Quem conheça a área, sabe que caso um site se utilize de critérios questionáveis para tentar melhorar sua posição na busca do Google, o site em questão pode ser penalizado, podendo até desaparecer temporariamente (e quem sabe, em caráter definitivo) dos resultados de busca.

Ainda assim, acho que é preciso estudar e ponderar como lidar (inclusive legalmente) com a questão das buscas, pois se tornou um serviço praticamente imprescindível na internet. E que pode determinar o sucesso ou insucesso de empreendimentos na seara virtual.

 

So de curiosidade generica, entrei "lucas seco" em aspas no google mas podia ser qualquer outro nome mesmo, so testando o que ele disse no video.  Alguem poderia postar outra foto de tela com os resultados, por favor?

Tou achando a historia esquizita.  Longe de serem maliciosos, filtros algoritmicos sao especificos porem neutros.  Nao eh por serem filtros especificos que deixam de ser neutros.  Talvez eu ache a coisa mais normal do mundo por estar acostumado a ter uma resposta prontinha na cabeca e nao saber --de fato nem sequer reconhecer-- a pergunta, e portanto ser impossibilitado de oferecer uma resposta.  Nao eh exatamente dizer que resposta minha "muda de preco de acordo com a cara do cliente", claro, eu nunca sei quem esta perguntando, quem eh o "cliente".

O aviso do palestrante eh excelente, e a palestra em si melhor ainda.  Mas nao tou pronto ainda pra lutar contra filtros especificos-porem-neutros porque eu ja me vi nessa situacao.  Quando os filtros se tornarem maliciosos a coisa vai modificar mas por enquanto eu nao preciso de minha filha pesquisar "brasil" no computador dela e terminar com um monte de fotos de assassinatos e favelas --evidentemente que nao.

Acho que essa eh a diferenca entre os filtros chineses, que sao maliciosos porque tem comportamento ditado por ideologia, e os filtros das companias americanas em geral --o incidente das cartas censuradas por causa de #occupywallstreet intencionalmente deixado de lado por um segundo, eh rarissimo e acaba com a reputacao da compania.

Enquanto os filtros forem especificos pra minha "personalidade" eu assumirei como meus todos os meus clicks previos, claro.  Por isso nao clico em qualquer link.

EU TAMBEM tenho filtros, tecnicos e nao maliciosos.  Um dos sites que eu abandonei permanentemente foi o da falha de SP --nao preciso de jornalismo deles e nao quero ser responsavel por ler aquilo.  O NYTimes eu abandonei quase tudo exceto pela primeira pagina e dali raramente entro.

 

Falando em filtro, eh insuportavel o roubo de historico de pesquisa que o google esta fazendo.  Isso eh muito pior!  Ninguem esta notando ainda mas se voce vai pro google e entra qualquer coisa os resultados saem automaticamente antes de voce apertar "enter".  O que isso quer dizer eh que o google tem seu historico de pesquisa e voce nao tem.  Isso me preocupa muitissimo mais pela assimetria de colecionamento de informacao;  eles tem a informacao que voce procurou e voce nao tem.  Ta na cara que eh problema futuro (nao vou especificar).  Nao deixem de apertar "enter".

 

Perdao, a foto nao foi e so vi agora:

Re: A polêmica dos filtros da internet
 

Concordo com a necessidade dessa regulação, mas a ONU, no formato atual, não tem condições mínimas de liderar um processo como esse...

Se, depois de todas as estripulias do setor financeiro, até agora nenhum órgão multilateral conseguiu implantar nenhum aumento da regulação dos fluxos financeiros internacionais, quanto mais um órgão multilateral para garantir o acesso às informações...

Infelizmente, falta ainda muito, MUITO, para termos algo perto de uma democracia global...