newsletter

Pular para o conteúdo principal

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+44 comentários

Da série de fatos inacreditáveis que não param de jorrar da cachoeira...

'Chanceler' Cachoeira mediou para Berlusconi receber Demóstenes na Itália

 

 

Demóstenes Torres deveria  pedir desculpas "em nome do povo brasileiro", no encontro, pela não extradição de Cesare Battisti.

 


O bicheiro Carlinhos Cachoeira também atuou como uma espécie de "Chanceler" informal do DEM (ministro informal das relações exteriores para o senador Demóstenes Torres).

Em junho de 2011, através de uma conhecida, o bicheiro articulou um convite do então primeiro-ministro Silvio Berlusconi para receber Demóstenes Torres (ex-DEM) na Itália

O deferência teria uma contrapartida imprópria para a soberania nacional: Demóstenes se abaixaria" diante de Berlusconi para pedir desculpas "em nome do povo brasileiro", pela não extradição de Cesare Battisti. O senador concordou e disse: "Faço isso com o maior prazer".

O plano de Cachoeira previa avisar a velha imprensa brasileira, para ampla cobertura:

Poucos dias antes deste telefonema, Demóstenes havia feito um discurso na tribuna do Senado bajulando Berlusconi:  Pediu desculpas à nação italiana pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de não extraditar Cesare Battisti.

 

Bravo Nassif,

Eis o novo e muito aguardado ministro do trabalho de Dilma. Notícias alvissareiras, pois é o titular do blog sujíssimo Tijolaço e com ótima reputação.

 

30/04/201213h00

Brizola Neto (PDT-RJ) é o novo ministro do Trabalho do governo DilmaComente

Maurício Savarese
Do UOL, em Brasília

 

  • Beto Oliveira/Agência Câmara

    Brizola Neto é o mais novo entre todos os ministros

    Brizola Neto é o mais novo entre todos os ministros

O deputado federal Brizola Neto (PDT-RJ) é o novo titular do Ministério do Trabalho, anunciou nesta segunda-feira (30) a Presidência da República, em nota oficial. A posse deve ser na quinta-feira, às 11h.

"A presidenta manifestou confiança de que Brizola Neto, ex-secretário de Trabalho e Renda do Rio de Janeiro, ex-vereador e deputado federal pelo PDT, prestará grande contribuição ao país", diz o texto oficial.

Brizola Neto é o mais novo entre todos os ministros: aos 33 anos, assume o cargo deixado pelo presidente de seu partido, Carlos Lupi, afastado após uma série de denúncias de corrupção na pasta. A decisão foi tomada na véspera do 1º de maio, para resolver um impasse que se estendia desde o fim do ano passado. Antes de convidar Brizola Neto, Dilma conversou com o Lupi e acertou a nomeação.

O novo ministro foi convidado pela presidente Dilma apesar de resistências dentro de sua própria legenda, além da Força Sindical e da CUT (Central Única dos Trabalhadores). Até mesmo o antecessor no cargo, Paulo Roberto dos Santos Pinto, cogitava não aceitar retornar ao posto de secretário-executivo do Ministério sob o comando do neto de Leonel Brizola (1922-2004).

Apesar de ter sido eleito pelo Rio de Janeiro, ele é mais um membro da ampla cota gaúcha no governo. É o oitavo nascido no Rio Grande do Sul entre 41 integrantes com status de ministro. São Paulo, mesmo incluindo ministros com carreira fora do Estado, como Paulo Bernardo (Comunicações) e Ideli Salvatti (Relações Institucionais), tem sete no primeiro escalão.

Brizola Neto está em seu segundo mandato de deputado federal e ganhou a atenção da presidente por sua capacidade de mobilização com os jovens – em especial graças a seu blog “Tijolaço”.  Depois de trabalhar como secretário do avô, conseguiu seu primeiro mandato em 2004, como vereador no Rio de Janeiro.

Entre seus hobbies, está o surfe. Quando adolescente, fez amizade com jovens das favelas cariocas na praia.

 

Fogão 3X1 Vasco, Botafogo campeão invicto da Taça Rio. Mas o destaque foi a gandula Fernada Maia, a menina jogou um bolão. É a mais recente celebridade instantânea do pedaço.

http://odia.ig.com.br/portal/ataque/botafogo/gandula-do-fog%C3%A3o-j%C3%A1-fez-ensaio-sensual-1.435681

 

Nada como um pouco de Geometria para relativizar o papel do Homem no Universo.

The Platonic Solids Image of the Taijitu Yin-Yang Symbol

                                                                                         By R. Russell Kinter

                                                                                                     

Introduction: I will show how the famous yin-yang symbol the taijitu (shown above) exists explicitly in the construction of both the icosahedron and dodecahedron regular solids. In the simplest terms, the taijitu symbolizes that opposites contain their contraries -the white teardrop contains an element (the black disk) of the black teardrop and visa-versa to create interdependence. Expressions or interpretations of the yin-yang concept tend to be of an intuitive and subjective nature. Instead what is going to be presented here is an objective geometric model, while I will not claim this demonstration is as simple as the black and white of the taijitu, it is certainly here in red, blue and green as the reader will see shortly! This Wikipedia article gives a more in depth explanation on yin-yang with links to the taijitu article as well: Wikipediaon yin-yang

Some caveats:

1. The web page is at a disadvantage when it tries to convey three-dimensional information using two-dimensional images. Consequently as many relevant images as possible have been included to try to make the presentation clearer, however a willingness to concentrate is required make the leap from two dimensions to three!

2. Also I am not a professional mathematician, so I have invented my own names for some of the geometric shapes that are explored.

3. I have included some very brief digressions on how alchemical ideas and the tarot might tie into the constructions.

The icosahedron relationship to the taijitsu will be shown first because it is a little simpler and therefore easier to visualize. The internet is rife with information on the icosahedron and the Platonic solids in general so a description of the icosahedron itself will be brief. The icosahedronis a three-dimensional solid constructed of twenty equilateral triangles for faces, thirty edges of equal length, and twelve vertexes.  Because all its faces are equal it is known mathematically as a regular solid:

Front View of an Icosahedron  See-through Front-perspective View of an Icosahedron  Top and Side View of an Icosahedron

                     Icosahedron Front View                                   See-through Perspective View                            Icosahedron Top and Side View

It is also known as a “Platonic solid”, because it was one of five regular solids described in Plato’s Timaeous dialogue and Plato associated it with the element water.  The five regular solids –tetrahedron, octahedron, hexahedron or cube, dodecahedron and icosahedron- are all intimately connected. The descriptions of tetrahedron, octahedron, cube and dodecahedron and their relationships will be described afterward. Everything applied to the icosahedron can be equally applied to the dodecahedron, but the dodecahedron’s relationship to the taijutsu will come later as well.

Step 1: The three-dimensional taijitu model starts out by connecting the icosahedron’s twenty faces so the connecting lines (in red) return to the starting face with each face only being crossed once. The resulting configuration will be termed a “Winding”:

                                Front View                                                              Side View                                                                Top View 
 

                                                                                

                                                                                    A Slightly Downward Front Perspective View

Given both its serpentine nature and its return to its beginning, the Winding can also be understood as an Ouroborus  –the self-engulfing serpent of alchemy- with the icosahedron as the alchemical flask. The flask has traditionally been said to be constructed from the serpent and visa-versa.

The Winding (and consequently the icosahedron as well) can be flattened-out in two dimensions:

                                         

Step 2: This Winding has a complementary mirror-opposite construction. The polarity symbols “+” and “-” will prefix and designate the opposite Windings.  The Winding described and pictured above in step one will be the “+ Winding”, while “- Winding” will be shown below:

                                                                                       

                                                                                                        -Winding Front Angle View

                    

                                 -Winding Front View                                         -Winding Side View                                           -Winding Top View

                                      

                                                                                                           -Winding Flattened-out

 

                                                                           

A view of the two opposing Windings with +Winding in original red and -Winding now colored black for clarity. The icosahedron has been removed as well.

Our ouroborus has now been intertwined with its opposite to make a spherical version of Hermes’ caduceus:

It is important to end step two by emphasizing that the creation of either a + or – Winding automatically brings about the creation of its opposite. For example, if +Winding is viewed as a line connecting the faces in time like an animation sequence, then its very first face-to-face step demands the possibility of a movement in the opposite direction. This in itself could be interpreted as the incorporation of yin-yang opposites; however this chapter is going to demonstrate something more explicit.

The red +Winding and black -Winding flattened-out:

    

Digressing a bit, the combined face crossings of the + and – Windings over the icosahedron is forty. Forty is the number of small cards (as separate from the court cards) of the tarot deck’s minor arcana, so the Windings also act as a literal “Royal Road” carrying two suites of ace through ten cards for each Winding to designate the traversed faces.

Step 3: The +Winding will be divided into four equally shaped parts termed as "Quarters". These Quarters are labeled I through IV. Each of the five triangle faces constituting a Quarter will acquire a label of A through E. Starting with "Quarter I":

                                                                             

                                        
                                The mirrored Windings flattened out. - Winding reciprocates the A through E Facial labeling for its Quarters.

  Quarter II, because of the relation of the three-dimensional model to the viewer the Quarter appears to be the mirror of its flattened-out image:         

                                                    

                                                                                                                                          

Quarter III, again, because of the relation of the three-dimensional model to the viewer the Quarter appears to be the mirror of its flattened-out image: 

                                                                

                                                                                              

                                                                                       Returning to the beginning with Quarter IV:

 

                                                 


                                                    

Step 4: Each Winding configurations crosses over the twenty icosahedron faces using only one of three possible paths. The goal now is to “rebuild” the a “complete” icosahedron is by utilizing all three possible crossings for each face so that each of the sixty total crossings will be used just once. These crossings will be termed here as “Crossing-paths”.

                                                                    

The most efficient way to accomplish this is to use three Windings of the same polarity in such a way that each Winding is aligned and identified with one of the X, Y and Z Cartesian coordinate axis that define the respective side, front and top views:

  


                                                                           

This naturally and simply results with the three Windings becoming perpendicular to one another. The example here will use the +Winding. The other two +Windings will be colored blue and green.

The original red +Winding constructed back in step one will be identified with the front-to-back Y axis, so hence a front view:

  


                                                                                

The second and blue +Winding will be identified with the side-to-side or left-right X axis and the side view:   

  


                                                                          

The third and green +Winding will be identified with the top-to-bottom Z axis and the top view:

  


So it’s really a just a matter of switching to front, side and top views for the respective red, blue and green Windings.

Here are perspective shots of the blue and green + and –Windings with the -Windings changed to black for clarity:

                                    

 

                                     

 

Front, side and top Views of the + (top row) and – (bottom row) blue Windings:                                                                                                                                                                                                                


Front, side and top views of the + (top row) and – (bottom row) green Windings:                                                                                                                                                                                                                 

All three “–Windings” together in front, side and top views:

All three “+Windings” together in front, side and top views:

A potential spherical version of the famous interlocked Borromean rings  may be easily be seen in these images: Wikipedia- Borromean_rings.

Context is all important, so the three +Windings’ front, side and top views again, but this time in the context of exaggerated edges of the icosahedron in gold: 

Below is a series of shots from a perspective view of the three +Windings in various combinations. Using the front, side and top shots above in conjunction with those below notice how none of the Windings overlap one another. Observe too how all sixty possible Crossing-paths are utilized with each Crossing-path used only once by just one color.

                            

                            

 Below on the left is a perspective view of the icosahedron with X, Y and Z axes. On the right using the same perspective with the three +Windings now added, the icosahedron’s faces have been removed and its edges have been exaggerated and changed to gold.   

                           

Step 5:  The B and D Faces of the four Quarters play a central and a seeming controlling role for the Windings, because the three red, blue, and green +Windings all share or overlap the same physical icosahedron faces for their respective B and D faces:

        

Neither of the A, C and E faces have this feature. A, C and E faces are arranged just like that: A, C, and E. For example: red A face will be overlapped by a blue C face and a green E face.

Also the –Winding’s (purple letters) B faces share same icosahedron face as the +Winding’s D faces and visa-versa:

                                              

 

Step 6: The Crossing-paths for the blue and green Windings are now shown on the flattened red + and -Windings:   

   

The Quarter I of both + and -Windings are extracted and their faces labeled again A through E:

                                                    

Quarters I are disassembled for clarity and using face D as a reference, faces A, B, C, and E are rotated so the vertex opposite the red Winding line is upper most and matches face D:

The Finish: Using a clockwise perspective, the image of the taijitu is to be found in the color ordering of the Crossing-paths.
The disassembled “+ Winding” Quarter on the left has a Crossing-path order of red, blue and green for faces A, C, D and E, while face B has a reversed order of red, green, and then blue. On the right, the -Winding Quarter has a Crossing-path order of red, green and blue for faces A, C, D and E and then a reversal of red, blue and then green for its face B. This holds true for all four Quarters.

Compare below the clockwise color order of +Winding face C on the left with the clockwise color order of -Winding face B on the right and visa-versa:

                                                          

The clockwise rotation predominate order of red, blue and green for the +Winding represents the white teardrop of the taijitu:

                                                                  

While the minority order of red, green and blue of +Winding’s face B is the taijitu’s black disk:  

That “black disk” minority becomes the majority color order for the –Winding, which in turn represents the black teardrop:

                                                                    

-Winding’s Face B then is the white disk for the new minority order of red, blue and green:-which is the return to the original majority color order of the +Winding and the white tear-drop.

Consequently, the three red, green and blue Windings of a given polarity incorporate the color order rotation of the opposite polarity Windings directly into their resulting configuration! So the taijitu is incorporated explicitly into the structure of the icosahedron.


Next, images and descriptions of the other three regular/Platonic solids with their relationships to the B and D faces of the icosahedron and a semi–regular solid the cuboctahedron, then a description of the dodecahedron and its relationship to the taijitu.

1.      The first member of the regular solid family is the hexahedron or cube, which as can be easily seen is the simple box with six equal square faces, twelve edges and eight vertexes and signified the element earth in the Timaeus. These eight vertexes of a cube are the center points of the eight icosahedron faces which are the B and D of the four Quarters:

                                       

 

2.      The second regular solid is the tetrahedron. It is the simplest of the five solids with four equal equilateral triangles for faces, six equal length edges, and four vertexes and signified the element fire in the Timaeus. The four vertexes of a tetrahedron are the center points of the four B faces (white) of the +Windings and for the four D faces (purple) of the –Windings.

                                      

Now the tetrahedron is in what is called a “dual relationship” with itself. This means that if a tetrahedron is copied (blue) and inverted its vertexes will now be the center points of the (green) original’s faces:

                                       

        The new inverted “dual” tetrahedron’s vertexes are now the center points for the four B faces (purple) of the -Windings and for D faces (white) of the +Windings:

                                      

Since one of the tetrahedrons has an alignment with a set of B faces from Windings of one polarity along with an alignment with the D faces of Windings of the opposite polarity and since those B and D faces will have the same color-order rotation, then that tetrahedron can be identified with the polarity of the set of Windings where that color-order rotation is the majority. 

The tetrahedrons’ collective vertexes coincide with the eight vertexes of the B and D Cube:

                                      

3. The third regular solid is the octahedron. It consists of eight equal sized equilateral triangles, twelve edges of equal length and six vertexes. It is the dual-solid of the cube, that is its six vertexes which are intersected in pairs by the X, Y and Z Cartesian axes are also the center points of the six faces of the cube. The cube reciprocates with its eight vertexes as the center-points of the octohedron’s faces:

                                      

Consequently the octahedron’s faces also coincide with the B and D faces of the icosahedron:

                                     

The face-vertex relationship between the octahedron and its sibling cube can produce another useful and interesting three-dimensional solid called a cubeoctahedron. The cubeoctahedron consists of eight square faces and six equilateral triangle faces, twelve vertexes equi-distant from the center and twenty four edges of equal length.

                                        

Respective transparent and solid front views of the cubeoctahedron. The top and side views are identical to this front view as the perspective views below will show:

                                    

As its name implies the cubeoctahedron can really be understood as a synthesis between a cube’s six square faces and an octahedron’s eight   triangular faces. The octahedron has been enlarged to clarify:

                                           

The cubeoctahedron’s equi-distant twelve vertexes give it a close relationship with the icosahedron and the Windings. Its triangular faces overlap the B and D faces:                    

                                      

While the icosahedron has twenty faces and the cuboctahedron only has fourteen, the cubeoctahedron can be potentially changed to have twenty faces by subdividing the rectangular faces along their diagonals respective to the X,Y and Z axis to create new triangle faces. In the image below the only the three front rectangle faces of the cuboctahedron and their corresponding icosahedron faces are shown for simplicity and clarity.

                                                                          

The final Platonic solid is dodecahedron. It consists of twelve equal-sized pentagons for faces, twenty vertexes and thirty edges of equal length. In the both the Platonic dialogue it was given the distinction of being an image of the universe itself.  At Timaeus 55 C after just describing the other four solids as respective the fire, water, air and earth elements Plato writes:  “There was yet a fifth combination which God used in the delineation of the universe with figures of animals.” (B. Jowett translation found in Plato: The Collected Dialogues, edited by Edith Hamilton and Huntington Cairns, Bollingen Series LXXI, Princeton, 1989.  A truncated, but relevant version of that translation can be found by going here: Timaeus Dialogue and using the “Find” feature in your browser for the relevant quote.) The phrase “with figures of animals” is assumed to mean the twelve figures of the zodiac –one figure for each of the dodecahedron’s twelve pentagon sides.

At Phaedo 110 there is an extended description of a “true heaven and a “true earth” –a higher reality beyond our current state that is further described at 110 B:  “The tale, my friend, he said, is as follows:—In the first place, the earth, when looked at from above, is in appearance streaked like one of those balls which have leather coverings in twelve pieces, and is decked with various colours, of which the colours used by painters on earth are in a manner samples. But there the whole earth is made up of them, and they are brighter far and clearer than ours…”(B. Jowett translation that can be found here: Phaedo Dialogue and by using the “Find” feature in your browser for the relevant quote.)

Screen shots of the dodecahedron:

     

                 Dodecahedron Front View                                        See-Through Perspective                                         Dodecahedron Side View

It is in a dual relationship with the icosahedron, this means that the vertexes of one are the center-points of the faces of the other: twenty vertexes of the dodecahedron are the center points of the twenty faces of the icosahedron and reciprocally the twelve vertexes of the icosahedronare the center points of the twelve pentagons of the dodecahedron. The one solid describes the other. Below are six images showing this dual relationship in respective front, perspective and side views. The dodecahedron’s edges have been exaggerated for clarity.

    

The same views with the icosahedron as a frame only:

     

Because the icosahedron and dodecahedron have this dual relationship, the taijitu image can be duplicated in the dodecahedron. Twenty of the dodecahedron’s edges are used to connect its twenty vertexes to create a +Winding dodecahedron style:

        

                            Front View Angle                                                   Side View Angle                                                          Top View Angle

Since the vertexes of the dodecahedron Windings are the center points of the icosahedron faces these vertexes will be termed as “Center-vertex”.  The resulting Winding can be divided into Quarters with the five Center-vertexes of each Quarter labeled A-E accordingly. In the image below the Quarters are shown in shades of red.

                                                                             

Of course the dodecahedron +Winding has a reciprocal –Winding as well (shown in black and slightly offset):

                                                                             

Below the dodecahedron Windings are flattened-out, but are shown in the context of the icosahedron’s triangle faces. The respective Quarter I Center-vertexes have been labeled.

Ophite Gnostic sects produced cosmological depictions that drew off both the Bible and the cosmology of Plato. Known as “Ophite Diagrams”, these drawings revised the biblical sea monster Leviathan into an ouroborus that surrounded the cosmos. Since Plato wrote descriptions of the cosmos as the form of the dodecahedron, then with the Ophite diagrams in mind a dodecahedron Winding can be understood as Leviathan. The icosahedron version of the Winding was previously identified with the ouroborus in the alchemist’s flask based on both the return to its beginning and serpentine design. Since the dodecahedron and icosahedron are in a dual relationship then the Hermetic maxim “As above, so below” takes center stage here and the alchemical ouroborus undulating in the alchemical flask IS Leviathan. For more information on theOphite diagrams here are two helpful sites: Wikipedia and Gnosis.org.

An Ophite diagram:

                            

It takes a minimum of three Windings of the same polarity and respectively oriented on the X, Y and Z axis to rebuild a complete dodecahedron. “Complete” being defined as: “all edges crossed an equal number of times” with the minimal “equal number” being two.

     

The two Quarter I of the + and – Windings are shown flattened-out below with the three respective colors connecting the Center-vertexes. Again an icosahedron triangle-face context is used as a visual aid, but it should be remembered we are focusing on the Center-vertex of each face:

                                             

Similarly these Center-vertexes are disassembled and rotated to match the rotation of Center-vertex “D” so that the blue/green combination is perpendicular and on the bottom: 

                                                        

Again, a clock-wise rotation is used to study the color-order combinations of the above image. It can now be seen that the dodecahedron +Winding has a red/blue  -> green/red  -> blue/green  combinations sequence for its Center-vertex “B”, while the majority of Center-vertexes “A, C, D and E” have a sequence of green/red -> red/blue -> blue/green. Reciprocally, dodecahedron –Winding has a clock-wise edge color order sequence of red/blue -> green/red -> blue/green combinations for the majority of Center-vertexes “A, C, D and E” with a reversed  green/red -> red/blue ->blue/green for its Center-vertex “B” which returns to the majority combination sequence of the +Winding.

Compare below the clockwise color-order of dodecahedron +Winding Center-vertex C on the left with the clockwise color order of -Winding Center-vertex B on the right and visa-versa:

                                                              

The clockwise rotation of the color combinations for the +Winding majority Center-vertexes A, C, D and E   represents the taijitu’s white tear drop:

                                                                  

While the minority order of +Winding’s Center-vertex B is the taijitu’s black disk: 

That “black disk” minority becomes the majority color combination for the –Winding, which in turn represents the black teardrop:

                                                                    

-Winding’s Center-vertex B then is the white disk for the new minority color combination order:

Which in turn is the return to the original majority color combination order of the +Winding and the white teardrop.

Thus the taijitu as a far eastern symbol of the cosmos finds itself at home in a western cosmological symbol of Platonic descent and visa-versa! 


  
  
  
  

 

Follow the money, follow the power.

"A REVOLTA DAS SOCIALITES"

Só vendo pra crer - no Blog do Paulinho - http://migre.me/8TsUC

Minha velha mãe, sempre pronunciava um adágio popular que dizia: "quem ama o feio, bonito lhe parece" - o vídeo acima, e o texto logo abaixo, sintetiza como nunca a frase.

Como pode, um grupo de meia dúzia de mulheres, que sequer sabem o que estão dizendo (observem as trocas constantes de nomes), acreditar que têm um poder de fogo daquele calibre? E tudo isso, pautado segundo as próprias, pelas opiniões de suas "empregadas domésticas", cuja carteira de trabalho, essas socialites, infladas de Botox, moralistas, quase sempre, não registram e assim sonegam impostos.

Tudo isso me fez lembrar o frase do Movimento Ocupe Wall Street, que era: "99% contra 1%" - só que nesse caso, é uma "paródia ao contrário" - pois lá a intenção da frase, é traduzir o imaginário do país em relação momento em que, em que o governo deu uma ajuda aos bancos de US$ 17 trilhões, enquanto a renda dos trabalhadores despencou 60%.

Abaixo, o texto publicado na Folha de S. Paulo, dando conta da reunião das socialites, mas no histórico que motiva a reunião, a Folha, habilmente, omite a participação da revista Veja, no esquema de Cachoeira.

Em reunião, mulheres da elite de SP se dizem traídas por Demóstenes

Traídas. É assim que se sentem as integrantes do grupo Ação em Cidadania --composto por mulheres da alta roda de São Paulo-- em relação ao senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO, hoje sem partido).

Investigações da Polícia Federal sobre jogos de azar indicam envolvimento de Demóstenes com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Há suspeitas de que empresários e políticos receberam dinheiro de Cachoeira para aprovar propostas que beneficiassem o contraventor.

"Me sinto traída com a figura do Demóstenes que, para nós, era um símbolo", disse a ex-presidente do clube Paineiras Sileni Rolla, na reunião promovida na última quarta (25), no Jardim Paulista (bairro nobre da zona oeste).

As integrantes do grupo Ação em Cidadania também ligaram para gabinetes do STF (Supremo Tribunal Federal). A ideia era fazer pressão para que o mensalão seja julgado neste semestre.

Lideradas pela psicanalista lacaniana Maria Cecília Parasmo, as mulheres tentaram falar com o atual presidente da corte, Carlos Ayres Britto, e com ministro Joaquim Barbosa --chamado eventualmente de Ruy Barbosa por Maria Cecília. Nenhum deles atendeu.

"Temos que ficar em cima porque a população esquece", lamentou a advogada Raquel Alessandri, sobre a falta de acompanhamento dos casos de corrupção. "É só perguntar para as empregadas que a gente já sabe que [a população] tem outras preocupações", exemplificou.

Parte das integrantes da "reunião política" (como foi denominada na convocação por e-mail) já havia participado de encontro semelhante em novembro do ano passado, quando debateram os conflitos na USP.

Na definição da líder dos encontros, as participantes são amigas e formadoras de opinião que buscam transformar sua influência social em participação política.

 

 

 

"CHANCELER" CACHOEIRA MEDIOU PARA BERLUSCONI RECEBER DEMÓSTENES NA ITÁLIA


Demóstenes Torres deveria  pedir desculpas "em nome do povo brasileiro", no encontro, pela não extradição de Cesare Battisti.




O bicheiro Carlinhos Cachoeira também atuou como uma espécie de "Chanceler" informal do DEM (ministro informal das relações exteriores para o senador Demóstenes Torres).

Em junho de 2011, através de uma conhecida, o bicheiro articulou um convite do então primeiro-ministro Silvio Berlusconi para receber Demóstenes Torres (ex-DEM) na Itália

O deferência teria uma contrapartida imprópria para a soberania nacional: Demóstenes se abaixaria" diante de Berlusconi para pedir desculpas "em nome do povo brasileiro", pela não extradição de Cesare Battisti. O senador concordou e disse: "Faço isso com o maior prazer".

O plano de Cachoeira previa avisar a velha imprensa brasileira, para ampla cobertura:

Poucos dias antes deste telefonema, Demóstenes havia feito um discurso na tribuna do Senado bajulando Berlusconi:  Pediu desculpas à nação italiana pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de não extraditar Cesare Battisti.


http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/


 


 

 

"Só merece a liberdade e a vida quem luta por elas cada dia." Goethe

Não há sinal de recuperação no mercado de trabalho mundial-OIT

 

 

 

 

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA, 30 Abr (Reuters) - A austeridade fiscal e as reformas trabalhistas severas não conseguiram criar empregos, levando a uma "situação alarmante" no mercado mundial do trabalho, que não mostra sinais de recuperação, disse a Organização Internacional do Trabalho (OIT), no domingo.

Em países avançados, especialmente na Europa, o emprego não deve voltar aos níveis pré-crise de 2008 até o final de 2016 - dois anos mais tarde do que se havia previsto - , em consonância com a desaceleração da produção.

A América Latina está mais saudável, marcada por melhorias no Brasil, na Argentina e no México.

De acordo com o Relatório do Mundo do Trabalho 2012, divulgado pela OIT - agência das Nações Unidas -, cerca de 196 milhões de pessoas estavam desempregadas em todo o mundo no final do ano passado, número que a entidade prevê que passará a 202 milhões de pessoas em 2012, ou a uma taxa de 6,1 por cento.

"A austeridade não produziu mais crescimento econômico", disse Raymond Torres, diretor do Instituto de Estudos Internacionais do Trabalho da OIT, em coletiva de imprensa.

"Nem as reformas mal concebidas do mercado de trabalho podem funcionar no curto prazo. Estas reformas, em situações de crise, tendem a levar a mais destruição de empregos e muito pouca criação de vagas, pelo menos no curto prazo", declarou Torres, principal autor do relatório.

Aqueles que buscam trabalho há bastante tempo estão desmoralizados, e uma média de 40 por cento dos que estão em seu auge produtivo (25-49 anos) nos países avançados estão desempregados há mais de um ano, revelou o estudo.

A taxa de desemprego entre os jovens disparou, aumentando o risco de distúrbios sociais, especialmente em partes da África e do Oriente Médio.

O mercado de trabalho em geral se deteriorou nos últimos seis meses, com uma desaceleração significativa no caso dos países europeus, afirmou Torres. O desemprego está crescendo em um número relevante de países, incluindo mais de dois terços de nações europeias no último ano.

"O foco estreito de muitos países da zona do euro na austeridade fiscal está aprofundando a crise de empregos e pode até levar a outra recessão na Europa", disse ele. "Ademais, há menos progresso em outras partes do mundo, por exemplo, nos Estados Unidos, onde o avanço na redução do desemprego parece estar diminuindo, e isso parece uma tendência".

A recuperação do mercado de trabalho também estagnou no Japão, afirma o estudo. A taxa de emprego estacionou ou deu um "duplo mergulho" na China, Índia e Arábia Saudita.

Somente seis economias avançadas viram aumento na taxa de emprego desde 2007: Áustria, Alemanha, Israel, Luxemburgo, Malta e Polônia.

O relatório afirma que os países fariam melhor promovendo a qualidade dos empregos e reforçando suas instituições, ao invés de desregular o mercado de trabalho.

Também sugere um melhor uso dos Fundos Estruturais Europeus e um aumento do salário mínimo nos países europeus como forma de "colocar um piso na recessão europeia".

 

 

"Leiam meus lábios: Não vou privatizar"

(D. Rousseff)

Portos do país terão investimentos de R$ 31 bilhões com privatizações

 

BRASÍLIA — O governo federal está prestes a promover uma nova abertura de portos brasileiros à iniciativa privada. Já está pronto o marco regulatório para o setor que abrirá espaço para concessões e licitações de terminais, que receberão R$ 31 bilhões em investimentos privados, segundo previsão da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O objetivo é aumentar a eficiência e a rentabilidade das operações portuárias no litoral brasileiro, resolvendo um dos principais gargalos ao crescimento. Do total, o Rio receberá uma fatia substancial nos próximos cinco anos: R$ 7,5 bilhões em recursos de empresas.

O Plano Nacional de Política Portuária (PNLP), cuja preparação foi revelada pelo GLOBO em março, depende apenas de aprovação do Palácio do Planalto para ser anunciado. O foco dessa mudança estrutural é o comércio exterior, uma vez que mais de 95% das exportações brasileiras em volume utilizam navios como meio de transporte. A via marítima foi a escolhida como porta de saída para 521 mil toneladas de produtos e US$ 215 bilhões em 2011.

Governo investirá R$ 6 bilhões

No plano, está prevista também a aplicação de R$ 6 bilhões em investimentos federais até 2014. A esse valor, serão somadas as quantias de outorga para renovar concessões de 98 terminais em operação desde antes de 1993, cujos contratos já começaram a vencer neste ano. Por esses terminais, passam 32% da carga brasileira. A expectativa é de que os leilões ocorram ainda este ano.

O governo entende que os 36 portos públicos estão próximos da saturação, sendo que alguns estão já saturados. Na visão do Palácio do Planalto, os mais de R$ 3,5 bilhões do Plano Nacional de Dragagem previsto no PAC e no PAC2 não têm sido acompanhados de melhorias necessárias na infraestrutura nos portos.

Assim como ocorreu com aeroportos, o PNLP prevê, a curto prazo, pelo menos três concessões de portos à iniciativa privada, com regras já definidas, além de outras no longo prazo.

— Temos uma minuta de resolução pronta com um novo marco regulatório de concessões, que está sob avaliação da Casa Civil. Na hora em que o governo decidir que vai fazer concessões, estaremos prontos para isso — diz Pedro Brito, que é diretor da Antaq e ex-ministro da Secretaria Especial dos Portos (SEP).

Terminais de Rio e Santos fora da lista

A escolha das primeiras concessões depende dessa decisão do Planalto. O mais provável é que o novo porto de Manaus, que desperta o interesse de potenciais investidores, entre nessa lista. A Antaq já tem o edital do leilão pronto. Outros portos novos a serem concedidos seriam no Espírito Santo e no sul da Bahia, atendendo pedidos dos governos desses estados. Também deve entrar nesse primeiro grupo o porto de Imbituba (SC), único já administrado por iniciativa privada no país, mas cuja concessão vence este ano, segundo a Antaq. Os maiores portos, como Rio e Santos, estão fora da lista dos que podem ir a leilão no futuro.

— Temos de ser práticos. Por que fazer a concessão do Porto de Santos ou do Rio, se eu tenho uma necessidade hoje de ter um terminal maior de contêineres em Manaus, que posso licitar e tenho interessados? — disse uma fonte do governo.

Além das concessões, os portos administrados pelo governo federal devem passar por um choque de gestão para se tornarem autossustentáveis financeiramente. O PNLP vai impor metas rígidas de retorno para os 18 portos de médio e grande portes administrados pelas sete Companhias de Docas regionais, que são empresas estatais.

Mudança mais drástica, porém, será determinada aos 16 portos cuja gestão é delegada a estados e municípios. Os administradores desses portos são indicados pelos governos regionais e, por isso, costumam atuar com independência em relação ao governo federal, o que estimula uma concorrência prejudicial para o projeto de desenvolvimento nacional.

Na semana passada, o ministro Leônidas Cristino, da SEP, convocou os presidentes desses portos delegados e anunciou um acompanhamento mais próximo no planejamento e uma cobrança periódica de resultados. Entre os portos delegados, há alguns estratégicos para a logística do país, como Paranaguá (PR), Rio Grande (RS) e Itajaí (SC). Nesses 16 portos, a gestão agora será compartilhada entre os governos regionais e o federal.

No Rio, do total de R$ 7,5 bilhões previstos, quase R$ 2,9 bilhões referem-se a investimentos da empresa LLX, controlada por Eike Batista, no porto de Açu, em São João da Barra. Em Itaguaí, são R$ 3,2 bilhões previstos, sendo R$ 1,5 bilhão para o arrendamento de um terminal de granéis sólidos especializado em minério de ferro na chamada Área do Meio. Já está em construção em Itaguaí o terminal Porto Sudeste, orçado em R$ 1,2 bilhão. O restante refere-se a uma instalação para escoar minério de ferro da CSN, com investimentos estimados em R$ 460 milhões.

Petrobras terá terminal exclusivo

Para o porto do Rio está previsto quase R$ 1 bilhão, principalmente na expansão de dois terminais de contêineres e um de veículos. Nos próximos dias, o Tribunal de Contas da União (TCU) deve aprovar a licitação de um novo terminal de uso exclusivo da Petrobras, no valor de R$ 115 milhões.

Fora da conta dos R$ 7,5 bilhões ainda existem os projetos de novos terminais da Gerdau e da Ferrous Resources, empresa australiana que extrairá minério de Minas Gerais e deverá usar o porto de Itaguaí para escoar a sua produção.

Além desses investimentos em cargas, há o terminal de passageiros que deverá ser ampliado no Píer Mauá. A estimativa é de que serão gastos R$ 45,6 milhões pela Antaq apenas no arrendamento para melhorar a recepção de turistas na Copa do Mundo de 2014 e na Olimpíada de 2016. A gestão do Píer prevê investimento total de R$ 450 milhões.

 

O Policarpo Jr., aliás PJ, aliás Poli, aliás Caneta, está na geladeira.   Será que a Veja já está agindo para o "day after"?   Será ele o boi de piranha do semanário? Será que os vazamentos ( que logo, logo surgirão)  comprometendo o braço impresso da quadrilha, atingirá apenas ele?   Eu acho que não...

 

A CPI do Cachoeira e a credibilidade do Legislativo

A instalação pelo Congresso Nacional da CPI para investigar os negócios do contraventor Carlinhos Cachoeira com o sistema político e também outros atores privados é bem-vinda e pode significar um papel ativo do Legislativo no processo de combate à corrupção no Brasil. No entanto, dado o histórico das CPIs é interessante tomar alguns cuidados para que, ao final, ela não signifique mais um episódio de desgaste do Legislativo. Nas duas pesquisas sobre corrupção feitas pelo Centro de Referência do Interesse Público da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o CRIP, apareceram dois dados preocupantes em relação ao papel do Congresso Nacional no combate ao problema.

Quando perguntamos aos entrevistados se conheciam as iniciativas de combate à corrupção do Congresso, 61% responderam positivamente. Elas eram mais conhecidas, por exemplo, que as ações do Judiciário e de órgãos de controle como a Controladoria Geral da União (CGU). Mas quando perguntamos sobre a efetividade das ações do Legislativo no combate à corrupção, elas ocupavam o último lugar, atrás da Polícia Federal, Judiciário e da CGU. A percepção da opinião pública sobre as investigações de corrupção do Congresso Nacional é que as CPIs não são efetivas.

Quando nos perguntamos qual é o motivo desta disparidade entre conhecimento das CPIs e a baixa credibilidade da opinião pública quanto à sua efetividade, a resposta que parece expressar melhor esta atitude seria a da parcialidade das CPIs, constituídas pelo Congresso Nacional com base na representação dos partidos na Câmara e no Senado. Até aí nada de errado, na medida em que o princípio da soberania e do voto da maioria constitui o Legislativo e não se poderia esperar que não houvesse maiorias e minorias nas CPIs. No entanto, o problema das CPIs é que, em vez de investigar escândalos relevantes e apresentar relatórios bem fundamentados à opinião pública para propiciar a punição de malfeitos, elas rapidamente se transformam em espaços de disputas de poder entre governo e oposição. O governo quer investigar a oposição e a oposição quer investigar o governo. Além disso, há um insuportável processo de vazamento de informações que, frequentemente, atrapalha as investigações ainda em curso. No final, o Congresso tem a sua credibilidade manchada por estes comportamentos.

Este é o risco da CPI do Cachoeira. O que a opinião pública espera, é que ela utilize os instrumentos da legislação, a convocação, a quebra de sigilo bancário e até mesmo o uso de dados coletados pela Policia Federal, para explicar duas coisas: a influência do crime organizado no Congresso Nacional e a triangulação entre escutas telefônicas, imprensa e tráfico de influência em Brasília. Estes são os dois objetos que se espera sejam apurados em todas a sua extensão pela CPI. É verdade que a grande imprensa já apontou um outro foco para a comissão, a relação específica entre alguns políticos do governo e da oposição e o contraventor Carlinhos Cachoeira. Limitar a CPI a este foco certamente terá consequências bastante deletérias para a reputação do Congresso Nacional.

A primeira delas é despertar um movimento de defesa e ataque entre governo e a oposição no momento em que forem examinadas as situações de políticos como Demóstenes Torres (ex-DEM, agora sem partido), de um lado, e Agnelo Queiroz (PT) de outro. Essa é a falsa polarização que a grande imprensa gostaria que ocorresse. De um lado, essa polarização dará visibilidade à CPI, mas às custas da perda ainda maior de credibilidade do Congresso. De outro lado, há em parte da grande imprensa a tentativa de retirar as relações entre a revista Veja e Carlinhos Cachoeira do foco da CPI. Acho extremamente importante evitarmos a polarização entre governo e oposição para não perdermos o foco da CPI. A verdadeira questão desta comissão de inquérito é como o crime organizado se articula, em especial, quais são os seus tentáculos no Congresso Nacional. Sabemos muito pouco sobre a relação entre o crime organizado e sistema político no Brasil, ainda que seja bastante comentada a informação de que o crime organizado é um dos grandes financiadores de campanhas pelo sistema político. É preciso investigar a veracidade destas informações e tornar o Legislativo menos vulnerável às incursões do crime organizado.

Em segundo lugar, interessa à opinião pública e à democracia no Brasil saber quais eram (ou são) as relações entre a revista semanal Veja e o esquema de escutas ilegais em Brasília. Interessa à opinião pública saber se esse era um lobby, se o lobby era apenas político ou também econômico. Interessa saber se escutas que foram publicadas pelo semanário paulista e que derrubaram administradores públicos que cobravam da construtora Delta revisões em obras mal feitas foram ou não remuneradas pela mesma construtora. E, se foram remuneradas, quem foi pago. A resposta a esta questão irá determinar a maneira como se entenderá a relação entre imprensa, transparência e democracia no Brasil. Se o Legislativo for capaz de responder a essas perguntas com coerência e transparência, ele tem toda a condição de recuperar parte da sua credibilidade e da credibilidade das CPIs.

http://www.cartacapital.com.br/politica/a-cpi-do-cachoeira-e-a-credibili...

 

Europa se inclina ao nacionalismo

WSJ

A situação política europeia agitou brevemente os mercados financeiros na segunda-feira, mas parece que os investidores já estão ignorando o problema na terça.

Eles não deveriam. A inclinação do eleitorado europeu para partidos radicais, especialmente de direita, representa um desvio colossal do ideal de uma Europa unificada, e um retorno aos interesses nacionais exclusivos — que estão fadados a continuar até despedaçar tanto o euro como a União Europeia.

A Europa funcionou enquanto cada um ganhava alguma coisa em troca de nada. Na maior parte dos primeiros dez anos do euro, a Alemanha e outros países do núcleo da UE, sobretudo do norte do continente, ganharam mercados de exportação insaciáveis na periferia do bloco, o que lhes permitiu crescer através de um boom do comércio exterior.

Pelo seu lado, os países da periferia ganharam dinheiro grátis: juros ao estilo alemão que lhes permitiram entrar em farras de empréstimos, com a consequente sensação agradável da subida rápida dos salários reais. Graças a estes, o público passou a comprar produtos alemães de alta qualidade que a geração anterior só podia sonhar em possuir.

Para a zona do euro funcionar da maneira como foi concebida, seria necessário haver enormes transferências fiscais. É uma ideia amplamente aceita, pelo menos entre os economistas, que uma união monetária não pode funcionar sem vínculos fiscais muito mais estreitos.

Mas os países do núcleo não estão felizes com isso. O governo holandês não caiu só porque os parceiros da coalizão discordaram sobre como, ou mesmo se, deveriam implementar um programa de austeridade. Eles também questionaram porque os contribuintes holandeses deveriam subsidiar os gregos, espanhóis e portugueses, quando seu próprio padrão de vida está sendo atingido.

Claro que há uma minoria substancial que espera que o Banco Central Europeu imponha uma transferência fiscal camuflada. Ele faria isso cobrindo os déficits de toda a periferia através da compra de títulos de dívida desses governos, quer diretamente ou através de intermináveis injeções de liquidez no setor bancário.

Isso, no final, seria inflacionário para a Alemanha. O país já apresenta seu menor índice de desemprego dos últimos 20 anos. Se ainda não estiver com pleno emprego, está bem perto. E seus trabalhadores sabem disso. A IG Metall, grande sindicato dos metalúrgicos, recentemente rejeitou uma oferta de aumento salarial de 3% e está insistindo em 6,5%.

Um aumento da inflação alemã tenderia a aumentar a competitividade relativa da periferia. Mas a inflação na Alemanha seria tão destrutiva para a poupança do país como fazer transferências fiscais para esses países, ou mesmo perdoar suas dívidas.

Mas essa solução não deve ser popular por muito tempo. De fato, o pior resultado possível parece o mais provável: a Alemanha fica com uma taxa de inflação que provoca uma rebelião interna entre seus poupadores, mas não alta o suficiente para aumentar rapidamente a competitividade da periferia.

Não se sabe quanto tempo tem que durar a fase difícil até que os eleitores esqueçam por completo os benefícios passados do euro, mas uma recessão sem fim vai acabar provocando esse resultado. A política vai se radicalizar não só contra a moeda única, mas também contra a conspiração tecnocrática que forçou o euro goela abaixo do público sofredor.

Mas os eleitores não vão se voltar apenas contra Bruxelas. Os políticos vão insuflar o nacionalismo culpando outros países europeus. Os gregos já se voltaram contra os alemães e os espanhóis também estão se inclinando nessa direção. Os italianos têm posto a culpa do último capítulo da crise da zona do euro nos espanhóis. Os holandeses, finlandeses e alemães estão se perguntando, publicamente, que vantagem lhes trazem esses irresponsáveis países mediterrâneos.

Por fim, as pessoas passarão a ver a União Europeia como uma Babel moderna, onde, por algum tempo, o dinheiro foi a língua unificadora. E ela entrará em colapso com a mesma acrimônia da torre bíblica.

http://www.zwelangola.com/index-lr.php?id=8753

 

Retirado de:http://oglobo.globo.com/economia/concessao-de-portos-iniciativa-privada-sera-anunciada-em-breve-4771523

BRASÍLIA — O governo federal está prestes a promover uma nova abertura de portos brasileiros à iniciativa privada. Já está pronto o marco regulatório para o setor que abrirá espaço para concessões e licitações de terminais, que receberão R$ 31 bilhões em investimentos privados, segundo previsão da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O objetivo é aumentar a eficiência e a rentabilidade das operações portuárias no litoral brasileiro, resolvendo um dos principais gargalos ao crescimento. Do total, o Rio receberá uma fatia substancial nos próximos cinco anos: R$ 7,5 bilhões em recursos de empresas.

O Plano Nacional de Política Portuária (PNLP), cuja preparação foi revelada pelo GLOBO em março, depende apenas de aprovação do Palácio do Planalto para ser anunciado. O foco dessa mudança estrutural é o comércio exterior, uma vez que mais de 95% das exportações brasileiras em volume utilizam navios como meio de transporte. A via marítima foi a escolhida como porta de saída para 521 mil toneladas de produtos e US$ 215 bilhões em 2011.

Governo investirá R$ 6 bilhões

No plano, está prevista também a aplicação de R$ 6 bilhões em investimentos federais até 2014. A esse valor, serão somadas as quantias de outorga para renovar concessões de 98 terminais em operação desde antes de 1993, cujos contratos já começaram a vencer neste ano. Por esses terminais, passam 32% da carga brasileira. A expectativa é de que os leilões ocorram ainda este ano.

O governo entende que os 36 portos públicos estão próximos da saturação, sendo que alguns estão já saturados. Na visão do Palácio do Planalto, os mais de R$ 3,5 bilhões do Plano Nacional de Dragagem previsto no PAC e no PAC2 não têm sido acompanhados de melhorias necessárias na infraestrutura nos portos.

Assim como ocorreu com aeroportos, o PNLP prevê, a curto prazo, pelo menos três concessões de portos à iniciativa privada, com regras já definidas, além de outras no longo prazo.

— Temos uma minuta de resolução pronta com um novo marco regulatório de concessões, que está sob avaliação da Casa Civil. Na hora em que o governo decidir que vai fazer concessões, estaremos prontos para isso — diz Pedro Brito, que é diretor da Antaq e ex-ministro da Secretaria Especial dos Portos (SEP).

Terminais de Rio e Santos fora da lista

A escolha das primeiras concessões depende dessa decisão do Planalto. O mais provável é que o novo porto de Manaus, que desperta o interesse de potenciais investidores, entre nessa lista. A Antaq já tem o edital do leilão pronto. Outros portos novos a serem concedidos seriam no Espírito Santo e no sul da Bahia, atendendo pedidos dos governos desses estados. Também deve entrar nesse primeiro grupo o porto de Imbituba (SC), único já administrado por iniciativa privada no país, mas cuja concessão vence este ano, segundo a Antaq. Os maiores portos, como Rio e Santos, estão fora da lista dos que podem ir a leilão no futuro.

— Temos de ser práticos. Por que fazer a concessão do Porto de Santos ou do Rio, se eu tenho uma necessidade hoje de ter um terminal maior de contêineres em Manaus, que posso licitar e tenho interessados? — disse uma fonte do governo.

Além das concessões, os portos administrados pelo governo federal devem passar por um choque de gestão para se tornarem autossustentáveis financeiramente. O PNLP vai impor metas rígidas de retorno para os 18 portos de médio e grande portes administrados pelas sete Companhias de Docas regionais, que são empresas estatais.

Mudança mais drástica, porém, será determinada aos 16 portos cuja gestão é delegada a estados e municípios. Os administradores desses portos são indicados pelos governos regionais e, por isso, costumam atuar com independência em relação ao governo federal, o que estimula uma concorrência prejudicial para o projeto de desenvolvimento nacional.

Na semana passada, o ministro Leônidas Cristino, da SEP, convocou os presidentes desses portos delegados e anunciou um acompanhamento mais próximo no planejamento e uma cobrança periódica de resultados. Entre os portos delegados, há alguns estratégicos para a logística do país, como Paranaguá (PR), Rio Grande (RS) e Itajaí (SC). Nesses 16 portos, a gestão agora será compartilhada entre os governos regionais e o federal.

No Rio, do total de R$ 7,5 bilhões previstos, quase R$ 2,9 bilhões referem-se a investimentos da empresa LLX, controlada por Eike Batista, no porto de Açu, em São João da Barra. Em Itaguaí, são R$ 3,2 bilhões previstos, sendo R$ 1,5 bilhão para o arrendamento de um terminal de granéis sólidos especializado em minério de ferro na chamada Área do Meio. Já está em construção em Itaguaí o terminal Porto Sudeste, orçado em R$ 1,2 bilhão. O restante refere-se a uma instalação para escoar minério de ferro da CSN, com investimentos estimados em R$ 460 milhões.

Petrobras terá terminal exclusivo

Para o porto do Rio está previsto quase R$ 1 bilhão, principalmente na expansão de dois terminais de contêineres e um de veículos. Nos próximos dias, o Tribunal de Contas da União (TCU) deve aprovar a licitação de um novo terminal de uso exclusivo da Petrobras, no valor de R$ 115 milhões.

Fora da conta dos R$ 7,5 bilhões ainda existem os projetos de novos terminais da Gerdau e da Ferrous Resources, empresa australiana que extrairá minério de Minas Gerais e deverá usar o porto de Itaguaí para escoar a sua produção.

Além desses investimentos em cargas, há o terminal de passageiros que deverá ser ampliado no Píer Mauá. A estimativa é de que serão gastos R$ 45,6 milhões pela Antaq apenas no arrendamento para melhorar a recepção de turistas na Copa do Mundo de 2014 e na Olimpíada de 2016. A gestão do Píer prevê investimento total de R$ 450 milhões.

 

Deu no R7 ( nada de que já não sabíamos ):

http://noticias.r7.com/brasil/noticias/serra-deu-r-34-milhoes-a-revista-veja-quando-era-governador-de-sp-20120429.html

Serra deu R$ 34 milhões à editora que publica 
a revista Veja quando era governador de SP

Tucano escolheu um ex-jornalista da revista para assumir sua campanha à Prefeitura de SP

Do R7

 

José SerraValter Campanato/ABr

Compra das assinaturas representava cerca de 25% da tiragem da Nova Escola


Publicidade

Um levantamento feito junto ao Diário Oficial do Estado de São Paulo mostra que o ex-governador José Serra, quando ocupava o cargo, pagou cerca de R$ 34 milhões ao longo de um ano ao Grupo Abril, responsável pela publicação da revista Veja. 

A pesquisa feita pelo jornalista Altamiro Borges em 2010, do jornal Correio do Brasil, revela que o dinheiro era transferido do governo paulista para o grupo por causa da assinaturas de revistas. 

Parte do dinheiro foi destinado para a compra de cerca de 25% da tiragem da Nova Escola e injetou alguns milhões nos cofres de Roberto Civita, o empresário que controla a Editora Abril. 

Leia mais notícias no R7

Além disso, na época, o tucano também apresentou proposta curricular que obrigava a inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições do Guia do Estudante, outra publicação do grupo. 

Depois de vários contatos, o  R7 aguardava o retorno prometido pelos assessores do ex-governador.

Caso Cachoeira e a Veja 

Nesta semana, gravações feitas pela Polícia Federal, à qual o R7 teve acesso, mostraram que Cláudio Abreu , ex-diretor da Delta Construções, deu orientações a um dos redatores-chefes da revista Veja, Policarpo Júnior, para produção de uma reportagem sobre Agnelo Queiroz (PT-DF).

Dias antes, foi publicada uma denúncia sobre a atuação do governador na operação Caixa de Pandora, que derrubou o antecessor e rival José Arruda (ex-DEM). 
Aparentemente, o grupo de Cachoeira tentava abastecer a revista com informações que interessavam a seus negócios. 

Entre o dia 29 e 30 de janeiro, membros do grupo discutiram a repercussão da matéria e usaram a história para pressionar o governo pelo cumprimento de uma promessa não identificada pelo inquérito da PF. 

Recentemente, Serra, atual pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, anunciou o jornalista Fábio Portela, ex-editor de Brasil da revista Veja, como coordenador de imprensa de sua campanha.

 

do IHU

 

Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

NOTÍCIAS » Notícias

 Fotos do dia. Espanhois vão às ruas contra o ajuste fiscal 

Vista geral dos concentrados em Barcelona, no domingo, 29-04-2012, em protesto contra o ajuste fiscal.

Foto: CARLES RIBAS  - El País

Um dos cartazes exibidos na manifestação de Madri contra os cortes orçamentários na Educação e na Saúde.

Foto: SANTI BURGOS  - El País

Um detalhe do protesto contra as reformas na Saúde e Educação, em Madri.

Foto: ÁLVARO GARCÍA  - El País

Um imigrante participa em Almeria na manifestação.

Foto: Carlos Barba - EFE

Dois manifestantes conversam, tendo uma foto de Karl Marx ao fundo, momentos antes de começar, em Bilbao, a manifestação contra o corte orçamentário na Saúde e na Educação.

Foto: Miguel Toña - EFE

 

do IHU

 

Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

 "Os sindicatos terminam defendendo mais o passado do que sendo protagonistas do futuro". Entrevista especial com Marcio Pochmann 

Para o economista é um equívoco usar o termo “pleno emprego” para a realidade brasileira, visto que essa ideia pressupõe a capacidade da economia em contratar a todos, o que não é uma verdade no Brasil de hoje.

“No país, hoje o centro do mercado de trabalho é a terceirização da economia, em que são os serviços os responsáveis por cerca de 70% das ocupações geradas. E aí temos uma nova configuração do mercado de trabalho que implica inclusive no surgimento de outra classe trabalhadora, submetida a graus de exploração mais sofisticados do que aqueles que vigoravam quando a indústria era o centro da geração dos postos de trabalho. Ao mesmo tempo, há o reconhecimento também de que o rigor dessa estruturação do mercado de trabalho ganhou peso recentemente pela formalização e expansão dos postos de trabalho na base da pirâmide social. O que estrutura o mercado de trabalho recente são os postos de trabalho com remuneração de até dois salários mínimos mensais”. A análise é do economista e professor da Unicamp Márcio Pochmann, atualmente presidnete do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, em entrevista concedida por telefone para a IHU On-Line. Ao apontar as mudanças estruturais que se delineiam no mercado de trabalho atual, Pochmann percebe um crescimento da individualização do trabalho. “Os novos métodos de gestão empresarial aprofundam o individualismo, a competição entre os trabalhadores. Isso afasta crescentemente a compreensão da classe trabalhadora em si”.

Marcio Pochmann é doutor em Economia e professor do Instituto de Economia da Unicamp. Desde 2007 é presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Entre seus livros, destacamos E-trabalho (São Paulo: Publisher Brasil, 2002) e Desenvolvimento, trabalho e solidariedade (São Paulo: Cortez, 2002).

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Considerando uma queda no desemprego e o aumento da chamada classe C e do consumo, a que conclusão podemos chegar em relação ao mundo do trabalho no Brasil?

Márcio Pochmann – Estamos retomando uma trajetória que iniciou ainda na década de 1930, quando o Brasil, abandonando a antiga sociedade agrária, enveredou para uma sociedade urbana industrial, que tinha como centro a organização do trabalho e a estruturação do mercado de trabalho com o assalariamento. No entanto, não completamos essa estruturação e não alcançamos nem 90% do total de ocupação dos trabalhadores do Brasil como assalariados (apenas 2/3 dos trabalhadores ocupados estavam nessa condição). E destes, algo em torno de 70% tinha carteira assinada. Isso ocorreu no final dos anos 1970. A partir daí, tivemos duas décadas de regressão desse assalariamento, em um movimento de desestruturação do mercado de trabalho. Especialmente pela expansão do desemprego, tínhamos, em 1980, menos de dois milhões de pessoas desempregadas e chegamos ao ano 2000 com quase 12 milhões de pessoas sem emprego. Simultaneamente tivemos a precarização dos postos de trabalho e o crescimento da informalidade na contratação de trabalhadores assalariados e não assalariados, o que resultou numa perda de participação dos salários na renda nacional. Em 1980, os salários respondiam por 50% da renda nacional. E em 2000 os salários começaram a responder por 38% da renda nacional. Essa trajetória de desestruturação no mercado de trabalho sofreu, a partir dessa primeira década do século XXI, uma inflexão. Nós voltamos à trajetória de estruturação do mercado de trabalho pela forte ampliação do emprego assalariado com carteira assinada. Atualmente, de cada dez postos de trabalho abertos, nove são assalariados e oito são com carteira assinada. Ao mesmo tempo, tivemos um aumento, uma recuperação da participação dos salários na renda nacional. Hoje estimamos que em torno de 46% da renda nacional seja formada por salários.

Então esse é um primeiro elemento: o Brasil voltou à trajetória de estruturação do mercado de trabalho, mais ela ainda está incompleta. E tal incompletude se dá por novos fenômenos que ganham dimensão no mundo do trabalho brasileiro, como a expansão das ocupações terciárias, que é o que predomina nos dias de hoje, ao contrário daquele movimento da década de 1930 à década de 1960, que tinha como eixo estruturador o emprego industrial. No país, hoje o centro do mercado de trabalho é a terceirização da economia, em que são os serviços os responsáveis por cerca de 70% das ocupações geradas. E aí temos uma nova configuração do mercado de trabalho que implica no surgimento de uma outra classe trabalhadora, submetida a graus de exploração mais sofisticados do que aqueles que vigoravam quando a indústria era o centro da geração dos postos de trabalho. Ao mesmo tempo, há o reconhecimento também de que o rigor dessa estruturação do mercado de trabalho ganhou peso recentemente pela formalização e expansão dos postos de trabalho na base da pirâmide social. O que estrutura o mercado de trabalho recente são os postos de trabalho com remuneração de até dois salários mínimos mensais.

IHU On-Line – Como avalia o mercado de trabalho de forma geral no país atualmente? Que mudanças estruturais envolvendo o trabalho e o emprego estão em curso no Brasil hoje?

Márcio Pochmann – Em primeiro lugar, temos o reconhecimento de que as teses neoliberais dos anos 1990 estavam equivocadas. O Brasil não estava condenado a não gerar mais empregos assalariados. As teses diziam que a CLT era um anacronismo, um obstáculo para as gerações de postos de trabalho e que a indústria não geraria mais emprego no Brasil. Sem falar que os direitos sociais trabalhistas eram considerados um impeditivo ao avanço da ocupação no Brasil. No entanto, o país voltou a gerar empregos assalariados. Hoje ele é o terceiro país que mais gera empregos no mundo. Em segundo lugar, os empregos assalariados, sem ter havido mudança na CLT, têm ganhado maior dimensão. Os direitos sociais trabalhistas têm sido igualmente importantes para o apoio aos postos de trabalho que estão sendo gerados. Além disso, a indústria voltou a gerar emprego.

O trabalho imaterial

A questão nova do ponto de vista estrutural é a formação de uma nova classe trabalhadora assentada no trabalho imaterial. É justamente aquele trabalho cujo resultado não é algo concreto, palpável, como o que predominou na antiga classe trabalhadora material, que envolvia a indústria, a agricultura e a construção civil. Essa expansão da classe trabalhadora está submetida a um grau de alienação muito grande, alienação esta que decorre do esvaziamento e da fragmentação das ciências humanas no Brasil, da incapacidade da pesquisa social em identificar essa situação nova do ponto de vista da exposição do trabalho imaterial. Além disso, temos a baixa capacidade de articular problemas em relação à dimensão da jornada de trabalho, que é decorrente da introdução de novas tecnologias de comunicação e informação (telefonia celular, internet, Ipod, tábletes), que fazem com que a pessoa continue conectada ao trabalho 24 horas por dia. O trabalho imaterial é reportável, ou seja, a pessoa o realiza em qualquer lugar, em qualquer horário.

Em segundo lugar, temos a dificuldade da estrutura sindical em capturar e compreender essa transformação profunda no mundo do trabalho atual. Os sindicatos terminam defendendo mais o passado do que sendo protagonistas do futuro.

Em terceiro lugar, está a desconexão entre a regulação pública do trabalho com a realidade do trabalho imaterial. O direito do trabalho, tal como o conhecemos, leva em conta o local específico da atuação do trabalhador. Os direitos trabalhistas (jornada de trabalho, descanso semanal, férias, acidentes de trabalho, etc.) valem somente quando a pessoa está exercendo seu trabalho no local designado para isso. Quando ela não está nesse local, os direitos não estão conectados com ela. Como o trabalho imaterial vem sendo realizado de forma cada vez mais distante do espaço em questão, há um descolamento da regulação pública.

Em quarto lugar, há um esvaziamento das políticas públicas, a baixa efetividade da atuação do Estado através de políticas de emprego, de qualificação, de coesão e convergência coletiva. O que vemos é um crescimento da individualização do trabalho. Os novos métodos de gestão empresarial aprofundam o individualismo, a competição entre os trabalhadores. Isso afasta crescentemente a compreensão da classe trabalhadora em si.

IHU On-Line – Em que medida as políticas públicas de caráter pós-neoliberal impactaram diretamente a estrutura produtiva e o funcionamento do mercado de trabalho?

Márcio Pochmann – Esse ciclo de políticas de caráter pós-neoliberal procuraram, num primeiro momento, reconectar a trajetória que vinha anteriormente à emergência neoliberal. Esse é um reposicionamento importante, mas insuficiente. Não se trata de reconectar o passado, mas sobretudo estabelecer uma ponte com o futuro. Essa reconexão implica, em primeiro lugar, identificar que não há mais razão técnica para alguém começar a trabalhar antes de ter completado o ensino superior. Estamos tratando agora da postergação do ingresso no mercado de trabalho. Assim como na virada do século XIX nós entendíamos que era necessário todos postergarem o ingresso no mercado de trabalho dos 5 anos para os 14 anos de idade, após ter concluído o ensino fundamental, estamos diante da emergência de reconhecer que o ensino superior passa a ser agora o piso da nova sociedade do conhecimento e do trabalho imaterial, e não mais o teto. Isso se dá também pelo fato de que estamos entrando em uma fase em que se vai viver mais. Temos uma expectativa de vida que se aproxima cada vez mais dos 100 anos de idade. Nos dias de hoje, quem chega aos 60 anos tem uma expectativa média de mais 22 anos de vida no Brasil. Então, entrar mais tardiamente e mais bem preparado no mercado de trabalho é uma exigência desse novo mundo do trabalho.

Capacitação permanente

A segunda consideração é em relação ao entendimento de que agora estamos no mundo do trabalho que exige a qualificação e a capacitação permanentes ao longo da vida útil. No mundo do trabalho anterior, a educação e a capacitação era algo que vinha antes de entrar no mercado. A educação era para o trabalho e, quando dentro do mercado de trabalho, já como adulto, não se estudava mais, porque seu primeiro emprego era uma trajetória de longa duração. O que vemos hoje é um mundo do trabalho mais instável do ponto de vista de carreiras ocupacionais. Ao mesmo tempo, é recorrente de mais conhecimento. Isso introduz uma questão nova, que é a educação para a vida toda. 

IHU On-Line – Em que sentido a forma como a classe trabalhadora brasileira é inserida no mercado de trabalho faz com que o país ainda seja considerado subdesenvolvido?

Márcio Pochmann – Aqui temos dois elementos fundamentais. O primeiro diz respeito aos diferenciais de produtividade no trabalho. Temos uma desigualdade muito acentuada em relação a ganhos de produtividade. E esse é um indicador inegável do subdesenvolvimento brasileiro. O segundo elemento é a desigualdade do ponto de vista da remuneração e das condições de trabalho. A ausência de uma homogeneidade, de uma convergência na produtividade e na remuneração e condições de trabalho ainda nos apontam para um país subdesenvolvido.

IHU On-Line – Podemos falar em pleno emprego considerando a alta taxa de informalidade em nosso país?

Márcio Pochmann – É um equívoco usar esse termo para a realidade brasileira. A ideia do pleno emprego desenvolvida por Keynes sustenta que não significa que não haveria pessoas desempregadas, mas que a capacidade de produção da economia seria suficiente para absorver a todos os trabalhadores. Nem todos seriam empregados por várias razões: problemas de intermediação de mão de obra, por incompatibilidade de capacitação e qualificação, etc. Então, a ideia do pleno emprego pressupõe a capacidade da economia em contratar a todos, o que não é uma verdade no Brasil de hoje. Além disso, essa ideia pressupõe um mercado de trabalho estruturado, com todos assalariados. E realmente ainda temos uma parte importante dos nossos ocupados ainda informais, à margem da legislação social e trabalhista. Ainda temos o problema de desemprego aberto; em torno de 5 a 6 milhões de pessoas estão vivendo na condição de desempregados. Por outro lado, temos pessoas que estão ocupadas, mas em condições precárias e à margem da legislação. Então, o pleno emprego, nesse momento, não seria o termo adequado. Embora tenhamos setores com grande escassez de mão de obra qualificada, o que nos coloca diante de um paradoxo.

 

 

Do Brasil 247

Cachoeiras e icebergs

O que se está conhecendo a respeito do submundo em que transitam empresários, políticos, juízes, policiais e jornalistas é apenas uma amostragem

 

28 de Abril de 2012 às 16:57

Hélio Doyle


Colunista

Pra não deixar de falar em Obama
Hélio Doyle



Cada crime tem suas circunstâncias e seus culpados. Cada julgamento é específico, na justiça não há julgamento pelo conjunto da obra, mas por fatos determinados e individualizados. Na política é diferente, não há tanta preocupação com as provas e sua legitimidade, nem com filigranas e chicanas que substituem a essência pelo acessório. A diferença é que no julgamento pelos tribunais os acusados podem ser presos, perder direitos e ter de ressarcir o Estado. Nos julgamentos políticos, podem perder mandatos eletivos e empregos, mas de modo geral o mal maior é a imagem negativa que fica após o processo.

Antes mesmo dos julgamentos jurídicos e políticos, a CPI do Cachoeira já provoca situações nada confortáveis para vários personagens. O julgamento informal, pela chamada opinião pública, já começou. Entre os suspeitos de, no mínimo, malfeitos, já estão empresários, executivos, parlamentares, governadores, juízes, procuradores, assessores, policiais e jornalistas, entre outros. A lista é muito grande, mas nem todos serão processados e julgados, ou por serem mesmo inocentes ou por serem poderosos demais. A CPI vai julgá-los politicamente, nos limites de uma investigação parlamentar ditada por conveniências políticas e pela correlação de forças no Congresso. A Justiça vai julgá-los sabe lá quando, se é que vai, dependendo também de interesses do Ministério Público e da disposição de juízes.

As consequências da operação da Polícia Federal que tem seu centro no empresário Carlos Cachoeira, dono de negócios lícitos e ilícitos, são os temas do momento. Mas o que a opinião pública está conhecendo a respeito do submundo em que transitam empresários, políticos, juízes, policiais e jornalistas, entre outros, é apenas uma pequena parte do que realmente acontece. Ou melhor, uma amostragem.

Cachoeira não é o único empresário dono de negócios ilegais, nem que tem políticos e juízes nas mãos. A Delta não é a única empresa que ganha contratos e cresceu à custa da corrupção de homens públicos. Demóstenes Torres não é o único congressista que faz lobby para empresários e recebe dinheiro deles. Gilmar Mendes não é o único juiz cujas decisões em benefício de empresários são consideradas suspeitas. Roberto Gurgel não é o único procurador que engaveta investigações. Sérgio Cabral não é o único governador que confraterniza – ridiculamente, diga-se -- com empresários que seu estado contrata em situações duvidosas. O Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, não é o único em que chegam envelopes recheados de dólares ou reais. Policarpo Júnior não é o único jornalista que circula em meio a criminosos e a Veja não é o único veículo que subordina a ética do jornalismo a seus interesses político-ideológicos e empresariais – embora seja o que há de mais aperfeiçoado nesse sentido.

O fato de serem os fatos e personagens apenas uma amostra do que acontece no país não isenta ninguém da culpa, se comprovada. O desvendamento desta amplíssima rede de corrupção é positivo para o Brasil e tem mesmo a função pedagógica de mostrar aos brasileiros como funciona o mundo real que nem sempre aparece na imprensa. As pessoas estão, aos poucos, tomando consciência de que as coisas não são como parecem ser, que o que vemos a olho nu é apenas a ponta do iceberg.

A opinião pública já está julgando, mas nem todo aparente culpado é culpado e nem todo aparente inocente é inocente. O ideal é que tivéssemos instituições políticas e judiciais que fizessem o julgamento com imparcialidade, seriedade e livres de pressões – inclusive da opinião pública --, não tão rapidamente que leve a injustiças nem tão lentamente que leve à impunidade. Infelizmente, não temos. Olhando para trás, vemos isso com clareza: quantos culpados sem punição, quantos inocentes condenados apenas pela opinião pública. E a corrução seguindo impávida.

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/56860/Cachoeiras-e-icebergs.htm

 

webster franklin

da Rede Brasil Atual

 

Procuradora vê bons motivos para Justiça manter ação contra Ustra

Eugênia Gonzaga, do Ministério Público Federal em São Paulo, acredita que precedentes garantem sequência de julgamento penal contra coronel da ditadura

Por: João Peres, Rede Brasil Atual

Publicado em 29/04/2012, 14:58

Última atualização às 15:02

  

São Paulo – A procuradora da República em São Paulo Eugênia Gonzaga não vê motivo para que o Judiciário rejeite a ação apresentada esta semana contra o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra e o delegado da Polícia Civil paulista Dirceu Gravina. “Vai ser muito difícil o Judiciário entender que não trata de sequestro ou que esse crime já estaria encerrado há muitos anos”, diz, em referência ao desaparecimento forçado de Aluízio Palhano Ferreira Pedreira, ocorrido em maio de 1971 no DOI-Codi, órgão da ditadura (1964-85) comandado por Ustra. 

Exatos 41 anos após o último contato com a família, o Grupo de Justiça de Transição do Ministério Público Federal pediu a condenação de Ustra e de Gravina a uma pena que vai de dois a oito anos de prisão. Os procuradores se baseiam em duas decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre casos de extradição de colaboradores da ditadura argentina. Os ministros avaliaram nas duas ocasiões que o sequestro é um crime permanente, ou seja, não cessa enquanto os corpos não aparecerem. 

Leia mais sobre o caso:

Além deste precedente, recentemente o Judiciário reconheceu pela primeira vez a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos como argumentação de uma ação sobre a ditadura. Em 2010, o Brasil foi condenado pela entidade da Organização dos Estados Americanos (OEA) por não investigar os crimes cometidos pela ditadura e por se valer da Lei de Anistia para evitar os direitos à verdade e à Justiça, dois passos básicos na transição à democracia. O juiz Guilherme Madeira Dezem, do Tribunal de Justiça de São Paulo, usou a decisão regional para conceder à família do militante João Batista Drumond o direito a alterar a certidão de óbito, apontando como local da morte o DOI-Codi e, como motivo, a tortura.

Confira a seguir a entrevista com Eugênia Gonzaga. 

Qual é a expectativa da senhora para a acolhida na Justiça Federal em São Paulo dessa ação?

A minha expectativa é muito positiva porque essa ação está seguindo integralmente o precedente do Supremo Tribunal Federal, então vai ser muito difícil o Judiciário entender que não trata de sequestro ou que esse crime já estaria encerrado há muitos anos. A nossa expectativa é bastante positiva.

O caso de Drumond, ao citar pela primeira vez a decisão da Corte Interamericana, mostra um amadurecimento do Judiciário?

Mostra, é um excelente precedente. É muito importante essa medida determinada  de retificação do atestado de óbito e mostra que estamos amadurecendo um pouquinho e caminhando alguns passos no sentido de justiça no Brasil.

A participação da sociedade veio aumentando nos últimos anos?

Eu acho que a gente devia colocar esse marco inicial lá atrás, quando a vala de Perus foi aberta. Eu acho que esse é o principal marco divisório nessa história e essa abertura se deu graças ao envolvimento das famílias que nunca desistiram de procurar pelos corpos e por Justiça. A partir de lá caminhou muito pouco nos primeiros 15 anos. Mas, depois de 2005, nós tivemos as primeiras identificações, a Corte Interamericana teve precedentes relacionados ao Chile, nós avançamos um pouco mais.

De que maneira o Ministério Publico pode continuar atuando na localização dos corpos? Quais as dificuldades em outros órgãos?

As dificuldades são muito grandes porque não é fácil em meio de centenas de ossadas encontrar dez, doze pessoas, com poucos dados sobre essas pessoas. São ossos em condições muito difíceis de se extrair exame de DNA. O Ministério Público vem acompanhando o tema desde o ano de 1999 e está sentindo as dificuldades, mas também vem constatando muita omissão por parte daqueles que deveriam tomar as medidas necessárias. Nós já processamos, processamos a União, o Estado de São Paulo, nós processamos o médicos, os legistas, as pessoas que já deveriam ter oferecido outro tipo de trabalho a sociedade. E o momento atual é que a Comissão Especial sobre Desaparecidos Políticos está tentando assumir o seu papel, fez um convênio com a Polícia Federal e está retomando esses trabalhos e o Ministério Público Federal vem acompanhando para garantir que esse trabalho seja concluído. 

 

do Vermelho.org

 

29 DE ABRIL DE 2012 - 10H13 

Gêneros, relações tão delicadas

 

Como a pesquisa de universidades paulistas contribui para os estudos de gênero no país 

Por Fabrício Marques, para a Fapesp


O espaço conquistado pelas mulheres e a consequente teia de relações que elas se habilitaram a estabelecer foram abordados por pesquisadores do estado de São Paulo cujo trabalho recebeu financiamento da FAPESP ao longo dos 50 anos de trajetória da Fundação. Se a preocupação dos estudos feitos nos anos 1960 e 1970 referiu-se principalmente à condição feminina, materializada nos efeitos da violência doméstica e nas assimetrias do mercado de trabalho, o referencial expandiu-se nas décadas seguintes para abarcar as relações de gênero, os vínculos estabelecidos entre homens e mulheres (e também no interior das duas categorias) em camadas diversas da condição humana.

Em 1963, a socióloga Eva Alterman Blay, pioneira em estudos sobre a mulher no Brasil e referência do movimento feminista, recebeu uma bolsa da FAPESP para fazer seu mestrado sobre a condição da mulher no trabalho doméstico, domiciliar e na indústria. Ela havia se graduado e fora convidada para trabalhar como instrutora voluntária, sem remuneração, no departamento de ciências sociais da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP. “Eu tinha sido uma boa aluna e os professores me convidaram para trabalhar como professora e pesquisadora. Mas como não havia vaga, o trabalho era sem remuneração”, relembra. Azis Simão e Ruy Coelho, dois de seus professores, sentiam-se desconfortáveis com a situação e sugeriram que ela pedisse uma bolsa para a recém-criada Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Eva apresentou seu projeto, para realizar estudos sobre a mulher trabalhadora, e foi chamada para conversar com o então diretor científico da FAPESP, o geneticista Warwick Kerr.

“Ele me tratou muito bem, e deve ter gostado do projeto, porque a bolsa foi concedida. Mas parecia ter dificuldade em compreender por que eu queria estudar a condição da mulher. Expliquei que faltavam dados sobre a mulher, que a sociedade era dividida entre homens e mulheres, entre adultos e crianças, e que cada categoria desperta o interesse da sociologia. Ele fazia perguntas de forma muito bem-humorada e em nenhum momento me senti constrangida. Mas como ninguém fazia esses estudos naquela época, ele, assim como muita gente, tinha dificuldade de compreender a importância desse tema”, recorda-se Eva Blay, que cita a colega Heleieth Saffioti (1934-2010) como outro exemplo de pesquisadora interessada no tema naquela mesma época. “O livro da Simone de Beauvoir havia circulado no Brasil nos anos 1950, mas não teve a repercussão que hoje se diz”, recorda-se a professora, que sentiu um forte impacto sobre o tema depois de ler uma versão em francês do livro da feminista Betty Friedan (1921-2006), La femme mystifiée. “Me lembro de ler o livro enquanto amamentava meu filho em 1964 e concluir que era aquilo que eu queria estudar”, afirma.

A bolsa de mestrado rendeu uma dissertação sobre o Ginásio Industrial Feminino em São Paulo, apresentada em 1969. Mesmo antes de concluí-la, já orientava na pós-graduação. Nessa época, ofereceu uma disciplina na pós-graduação da sociologia sobre a questão da mulher. “Ninguém se inscreveu”, diz. Ela recebeu outra bolsa da FAPESP para fazer o doutorado, concluído em 1973, sobre o espaço das mulheres na indústria paulista. “Foi uma dificuldade tremenda obter os dados, porque até aquela época o IBGE não distinguia homens e mulheres nos censos industriais. Só queria saber quem era o chefe da família, deduzindo a priori que era o homem, mesmo que não fosse. O tema era ignorado.” Um dos achados de sua pesquisa foi mostrar que as mulheres com trabalho qualificado na indústria paulista eram claramente subaproveitadas. “O salário era pouco maior do que a metade do dos homens. Mesmo sendo formadas em medicina ou em química, recebiam tarefas subalternas na indústria, como traduzir manuais, ou trabalhar em funções de secretariado”, lembra.

O ineditismo de sua pesquisa e o avanço do feminismo nos Estados Unidos e na Europa chamaram atenção para o tema e geraram uma série de convites para palestras. “A princípio, alguns sindicatos reagiram mal aos resultados de minha pesquisa. Recebi uma carta do sindicato dos químicos dizendo que eu estava ferindo a imagem da categoria. Outros reclamavam da crítica ao salário mais baixo das mulheres. Eu dava exemplos: se a mulher ganha 50 e o homem 70, alguém está ficando com os 20 de diferença. Aí eles entendiam e a resistência diminuiu”, diz Eva Blay, que criou, nos anos 1980, o Núcleo de Estudos da Mulher e das Relações Sociais de Gênero (Nemge) da USP e se tornou uma referência do feminismo – inclusive como senadora da República, entre 1992 e 1994, quando assumiu a vaga de Fernando Henrique Cardoso, nomeado ministro das Relações Exteriores e da Fazenda. Logo depois de Eva Blay, outros pesquisadores envolveram-se com a questão da mulher no mercado de trabalho, caso, por exemplo, da socióloga Cristina Bruschini (1943-2012), que em 1977 concluiu mestrado na USP sobre mulheres em profissões de nível superior, com bolsa da FAPESP, e aprofundaria o tema em diversos artigos e livros, e ao longo de sua carreira de pesquisadora da Fundação Carlos Chagas.

Se os estudos brasileiros sobre a condição feminina sofreram influência da produção acadêmica norte-americana e europeia, uma de suas vertentes, a pesquisa sobre a violência contra a mulher, desenvolveu-se de forma particular no Brasil – impulsionada por uma realidade trágica. Um dos marcos foi o livro Morte em família (Grall, 1983), da antropóloga Mariza Corrêa, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), sobre homicídios e tentativas de homicídios cometidos em Campinas entre 1952 e 1972 e as representações jurídicas dos papéis sexuais: a Justiça avaliava mais o papel do homem e da mulher do que o crime em si. “No fundo, o que se julgava era se a vítima era boa esposa ou não ou se o marido assassino era um bom provedor do lar”, diz a antropóloga Guita Grin Debert, professora da Unicamp. Até os anos 1970 era corriqueiro na Justiça brasileira o argumento da “legítima defesa da honra” para absolver maridos que matavam esposas. “Quando cheguei a Campinas, em 1970, ocorria o julgamento de um rumoroso caso do promotor que matou a esposa adúltera e acabou absolvido. ‘Campinas lavou a sua honra’, foi a manchete do jornal”, disse Mariza Corrêa em entrevista ao Jornal da Unicamp, em 2004, referindo-se ao assassinato da mãe da atriz Maitê Proença, morta pelo marido. O assassinato da socialite Ângela Diniz em 1976 pelo namorado Doca Street foi um ponto de inflexão – o assassino foi absolvido num primeiro julgamento, que acabou anulado, mas condenado no segundo. O advento das delegacias da mulher foi uma resposta à mobilização do movimento feminista, mas também pode ser visto como um dos efeitos da pesquisa sobre a violência contra a mulher aplicada a políticas públicas.

Já na segunda metade dos anos 1970, tomou corpo uma mudança no enfoque teórico dos estudos sobre a condição feminina, marcado por uma nova nomenclatura: a pesquisa sobre as relações de gênero. “A partir de certo momento, ficou claro que a condição da mulher não existe de forma isolada como tema de pesquisa: o que existe é uma relação social, uma relação entre homens e mulheres”, explica Eva Blay. “Constatou-se que a ideia de mulher focalizada pela pesquisa até então era restrita. Dizia respeito a mulheres brancas, heterossexuais e em idade reprodutiva. Crianças e mulheres idosas, mulheres negras e homossexuais não se enxergavam nos estudos da mulher”, diz Guita Debert. “A ideia se centra mais em como as diferenças são produzidas, colocando em xeque a universalidade da dominação masculina”, afirma.

A produção do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, criado na Unicamp em 1986, é exemplar da complexidade desse novo enfoque teórico. Os estudos feitos pelo núcleo abrangem preocupações como a relação entre as características masculinas e femininas e as convenções sobre o corpo, as intervenções médicas como cirurgias plásticas rejuvenescedoras ou operações de mudança de sexo, a produção artística e científica de homens e mulheres, a sociabilidade dos homossexuais que envelhecem, o mercado sexual e a pornografia, entre outros. Um projeto temático financiado pela FAPESP entre 2004 e 2009 ajudou a consolidar vários eixos de pesquisa do grupo. “O projeto foi o mais importante do núcleo, no sentido de costurar e aglutinar interesses e objetos de pesquisa que vinham sendo desenvolvidos desde sua formação”, diz Maria Conceição da Costa, professora do departamento de política científica e tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp, atual coordenadora do Núcleo Pagu – seu campo de estudos é a interface entre gênero e ciência.

Guita Debert, que já coordenou o Núcleo Pagu, dedica-se, entre outros tópicos, ao estudo da sexualidade na velhice, com foco nas cirurgias estéticas utilizadas para camuflar os efeitos do envelhecimento. Uma de suas contribuições consistiu em mostrar que as cirurgias estéticas não ampliam as potencialidades do corpo, como imagina o senso comum. “Ao contrário, restringem tais potencialidades porque representam uma aversão às diferenças. As pessoas sabem que não vão se transformar numa Gisele Bündchen, o que querem é apagar características que fogem à normalidade e serem aceitas”, afirma a professora, que é membro da Coordenação de Ciências Humanas e Sociais da FAPESP. No caso das cirurgias usadas para remover marcas da passagem do tempo, a situação é ainda mais complexa. “A gerontologia enfatiza a ideia de que é preciso envelhecer com qualidade de vida, de que sexo não tem idade, mas o que as cirurgias fazem é tentar driblar a natureza. Não existe uma estética da velhice para norteá-la”, afirma a pesquisadora, que atualmente se debruça também sobre um projeto de políticas públicas para idosos envolvendo sexualidade, gênero e violência.

Adriana Piscitelli, pesquisadora e também ex-coordenadora do Núcleo Pagu, estudou a transnacionalização dos mercados do sexo, mergulhando no universo do turismo sexual em Fortaleza. Ela acompanhou as trajetórias de brasileiras que migraram para a Itália, convidadas por turistas estrangeiros, e deixaram o mercado do sexo ao casar com eles, e também de brasileiras que se dirigiram à Espanha para trabalhar, oferecendo serviços sexuais. Os resultados de sua pesquisa questionam as leituras que consideram todos esses deslocamentos como tráfico de mulheres com fins de exploração sexual. A migração de brasileiras para trabalhar na indústria do sexo europeia tem a ver com a busca de oportunidades econômicas e sociais, como é comum em fluxos migratórios. Segundo Adriana, o trabalho na indústria do sexo é, muitas vezes, uma estratégia temporária para viabilizar o projeto migratório, que pode envolver a intenção de casar e formar família. “Encontrei numerosos casos de mulheres que saíram da indústria do sexo para se casar, permanecendo na Europa. E não são casamentos de fachada”, afirmou. Na Espanha, observou que as brasileiras encaixavam-se num ranking de procura dos empresários da indústria do sexo, que privilegiava as profissionais vindas do Leste Europeu, e diluía as brasileiras na categoria de prostitutas latino-americanas – ainda que fossem mais valorizadas no mercado sexual que outra categoria, as africanas.

Os estudos de gênero no Brasil sofisticaram-se nos últimos anos. Para ter uma ideia da diversidade, entre os projetos atualmente apoiados pela FAPESP há pesquisas sobre os cuidados com a saúde com homens e mulheres residentes na capital paulista (Faculdade de Saúde Pública da USP), o papel social das arquitetas (Universidade Mackenzie), a divisão de tarefas entre homens e mulheres numa cooperativa de catadores de papel (Faculdade de Educação da Unicamp) ou dificuldades de acesso à Justiça para as mulheres (Faculdade de Direito da USP em Ribeirão Preto). “As principais universidades do país têm grupos dedicados às pesquisas de gênero”, diz Eva Blay. “O avanço foi extraordinário: não há legislação sobre saúde, educação, violência que não leve em consideração as relações de gênero. Há um intercâmbio entre o que a universidade produz e a formulação de políticas públicas”, afirma a professora.

Fonte: Revista da Fapesp - Abril 2012

 

da Agência Brasil

 

Brasil participa de pesquisa mundial sobre melhor momento de iniciar tratamento contra o HIV29/04/2012 - 10h32

Bruno Bocchini
Repórter da Agência Brasil

 

São Paulo – Sete centros de pesquisa brasileiros vão participar de um dos maiores estudos internacionais para o tratamento contra o vírus HIV. Chamado Start, o projeto tem como principal objetivo descobrir o melhor momento para começar o tratamento com drogas antirretrovirais. No Brasil, a indicação para o início da terapia anti-HIV é feita quando o CD4 (células de defesa no sangue) está abaixo de 350 células por milímetro cúbico. Acima disso, considerada imunidade normal, os médicos não recomendam o início do tratamento, já que os medicamentos podem trazer efeitos colaterais.

“O paciente, quando não está tratando o HIV, convive com um processo de atividade inflamatória. E foi se descobrindo que essa inflamação é deletéria. Conviver com o vírus com atividade inflamatória leva a danos teciduais no pulmão, no cérebro, por exemplo. O que se tem agora em evidência é que viver com o vírus HIV pode estar associado a um envelhecimento precoce”, disse o médico Luiz Carlos Pereira Junior, coordenador da pesquisa no Brasil.

De acordo com Pereira, a pesquisa pretende encontrar o melhor momento para iniciar o tratamento, nem cedo demais, quando o paciente pode sofrer com os efeitos colaterais dos medicamentos, nem tarde demais, quando a atividade inflamatória do vírus pode prejudicar algum órgão. Serão dois grupos de pacientes. Metade farão o tratamento como é executado hoje, com a imunidade baixa. A outra metade tratará o vírus com a imunidade normal.

Os resultados deverão ser apresentados em cinco anos. No total, participam 226 centros de pesquisa de 35 países, sendo sete no Brasil, coordenados pelo Instituo Emílio Ribas, em São Paulo, e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

No Brasil, a pesquisa deverá ter a participação de cerca de 500 pacientes. Interessados em participar devem ter o diagnóstico do HIV, e imunidade normal. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (11) 3085-7059 do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo.

 

Edição: Aécio Amado

 

Após eleições, Demóstenes quadruplicou patrimônioSenador declarava ter patrimônio de R$ 374 mil, mas após as eleições de 2010 comprou um imóvel no valor de R$ 1,2 milhão

 

Quatro meses depois das eleições de 2010, o patrimônio do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) praticamente quadruplicou. O parlamentar comprou do seu suplente, o empresário Wilder Morais, um apartamento em um dos prédios mais luxuosos de Goiânia (GO), no valor de R$ 1,2 milhão. A transação imobiliária ocorreu três meses após a Construtora Orca, de propriedade de Wilder, comprar o imóvel de outra empresa

 Foto: Agência Senado

O senador Demóstenes Torres

Em 2010, quando se reelegeu senador, Demóstenes declarou à Justiça Eleitoral um patrimônio de R$ 374 mil. Na relação de bens apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não havia nenhum imóvel. O parlamentar listou um carro de R$ 102,4 mil e R$ 63,3 mil em contas bancárias. Informou ainda ter duas aplicações financeiras que não chegavam a R$ 10 mil. 

Os valores apresentam uma pequena redução quando comparados aos que o parlamentar declarou ter em 2006, quando ele concorreu ao governo de Goiás. Naquela época, Demóstenes informou que morava em uma casa no Jardim América, bairro classe média de Goiânia, com a ex-mulher, Leda Torres. O valor estimado do imóvel era de R$ 70 mil e, a área de lazer vizinha ao sobrado, R$ 65 mil. A certidão do Cartório de Registro de Imóveis de Goiânia mostra que o senador pagou R$ 400 mil à vista pelo apartamento de luxo. O restante teria sido financiado pelo Banco do Brasil. No entanto, o contrato de compra e venda não foi registrado. 

Ocupando todo o 15º andar do Edifício Parque Imperial, o apartamento tem 701 metros quadrados, com living, sacadas, biblioteca, sala de jantar, lavabo, sala de estar, saleta, quatro áreas de serviços, dois quartos de empregada, suítes com closet, rouparia, louceiro, copa, cozinha e depósito. O imóvel fica no Setor Oeste, um dos mais nobres de Goiânia. 

Corretores imobiliários ouvidos pelo Estado afirmaram que o apartamento estaria estimado em R$ 2 milhões. O Parque Imperial seria o antecessor do Edifício Excalibur no mercado de prédios de luxo na capital goiana. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

 

 

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/04/120329_igrejas_tolerancia_gays_lgb.shtml

Desafiando preconceito, cresce número de igrejas inclusivas no Brasil

Luís Guilherme Barrucho

Da BBC Brasil em São Paulo

 

Atualizado em  27 de abril, 2012 - 06:30 (Brasília) 09:30 GMT

 Missa na Igreja Cristã Metropolitana  Foto BBC Brasil

Igrejas voltadas predominantemente para público gay somam hoje cerca de 10 mil fiéis

Encaradas pelas minorias como um refúgio para a livre prática da fé, as igrejas "inclusivas" - voltadas predominantemente para o público gay - vêm crescendo a um ritmo acelerado no Brasil, à revelia da oposição de alas religiosas mais conservadoras.

Estimativas feitas por especialistas a pedido da BBC Brasil indicam que já existem pelo menos dez diferentes congregações de igrejas "gay-friendly" no Brasil, com mais de 40 missões e delegações espalhadas pelo país.



Concentradas, principalmente, no eixo Rio de Janeiro-São Paulo, elas somam em torno de 10 mil fiéis, ou 0,005% da população brasileira. A maioria dos membros (70%) é composta por homens, incluindo solteiros e casais, de diferentes níveis sociais.

O número ainda é baixo se comparado à quantidade de católicos e evangélicos, as duas principais religiões do país, que, em 2009, respondiam por 68,43% e 20,23% da população brasileira, respectivamente, segundo um estudo publicado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.

O crescimento das igrejas inclusivas ganhou força com o surgimento de políticas de combate à homofobia, ao passo que o preconceito também diminuiu, alegam especialistas.

Hoje, segundo o IBGE, há 60 mil casais homossexuais no Brasil. Para grupos militantes, o número de gays é estimado entre 6 a 10 milhões de pessoas.

Segundo a pesquisadora Fátima Weiss, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que mapeia o setor desde 2008, havia apenas uma única igreja inclusiva com sede fixa no Brasil dez anos atrás.

"Com um discurso que prega a tolerância, essas igrejas permitem a manifestação da fé na tradição cristã independente da orientação sexual", disse Weiss à BBC Brasil.

O número de frequentadores dessas igrejas - que são abertas a fiéis de qualquer orientação sexual - acompanhou também a emancipação das congregações. Se, há dez anos, os fiéis totalizavam menos de 500 pessoas; hoje, já são quase 10 mil - número que, segundo os fundadores dessas igrejas, deve dobrar nos próximos cinco anos.

Resistência

As igrejas inclusivas ainda enfrentam forte resistência das comunidades católicas e evangélicas. Embora a maior parte delas siga a tradição cristã - pregando, inclusive, o celibato antes do casamento e a monogamia após o matrimônio - ainda não são reconhecidas oficialmente por nenhum desses dois grupos.

Não raro, em igrejas tradicionais, os homossexuais são obrigados a esconder sua opção sexual. Descobertos, acabam sendo expulsos - ou, eventualmente, submetidos a tratamentos de "conversão" para se tornarem heterossexuais.

"Segundo a Bíblia, homossexualidade é pecado. Na igreja evangélica, gay só entra caso queira se converter e, para isso, tem de se tornar heterossexual. É uma regra de Deus", disse à BBC Brasil Silas Malafaia, fundador de uma das principais igrejas evangélicas do Brasil, a Assembleia de Deus - Vitória em Cristo.

"Tenho vários casos de ex-gays na minha igreja. Trata-se de um desvio de comportamento; afinal, gays têm a mesma ordem cromossômica que nós, heterossexuais. Depende deles, portanto, mudar sua opção sexual para serem aceitos na nossa comunidade", acrescenta.

A pernambucana Lanna Holder, de 37 anos, acreditava poder "curar" a atração que sentia por mulheres que, segundo ela, vinha "desde a infância". Usuária de drogas e alcoólatra, Lanna converteu-se a uma igreja evangélica aos 21 anos, passando a fazer pregações no interior do Brasil.

 Lanna Holder (de joelhos) celebra culto junto com sua companheira, Rosania Rocha (de pé) / Foto: Divulgação

Após ser expulsa de igreja, Lanna Holder decidiu criar nova congregação

"Enquanto todas as meninas brincavam de boneca, eu soltava pipa e jogava futebol", lembra ela à BBC Brasil.

Lanna tornou-se uma das principais pregadoras da igreja Assembleia de Deus, a mais importante do ramo pentecostal no Brasil. Casou-se aos 24 anos e, dois anos depois, teve um filho.

Mas durante uma viagem aos Estados Unidos em 2002, conheceu outra pregadora, Rosania Rocha, brasileira que cantava no coral de uma filial da igreja em Boston. Um ano depois, elas tiveram um caso amoroso às escondidas e acabaram expulsas da comunidade.

De volta ao Brasil em 2007, Lanna teve a ideia de criar uma igreja voltada predominantemente para homossexuais que, como ela, não ganharam acolhida em outra vertente religiosa. Ela montou a "Comunidade Cidade Refúgio", no centro de São Paulo.

De reuniões pequenas, com apenas 15 pessoas, a igreja possui hoje 300 fiéis e planeja abrir uma filial em Londrina, no Paraná, até o fim deste ano.

Origem

O embrião das igrejas inclusivas começou a surgir no Brasil na década de 90, em pequenas reuniões feitas normalmente sob sigilo.

Nos Estados Unidos, entretanto, elas já existem há pelo menos quatro décadas, praticando o que chamam de "teologia inclusiva", com um discurso aberto à diversidade.

Um das pioneiras foi a Igreja da Comunidade Metropolitana (ou Metropolitan Church), a primeira a ter sede própria no Brasil, em 2002.

 

Naji Nahas ganha de volta o terreno. Prefeitura e estado gastaram até agora 18 milhões. Nahas deve 14 milhões em IPTU.
http://www.viomundo.com.br/denuncias/operacao-pinheirinho-faturando-com-desgraca-de-familias-despejadas.html

[Resumi o texto da repórter Conceição Lemes com as passagens mais importanes e acrescentei alguns comentários meus]

Assim como Eldorado dos Carajás (PA) terá seu nome definitivamente associado ao maior massacre do Brasil rural – o Massacre de Carajás –, São José dos Campos (SP) será sempre lembrado pelo maior massacre do Brasil urbano – a desocupação do Pinheirinho.

No último domingo, 22 de abril, fez três meses que, por ordem da juíza Márcia Loureiro, do governador Geraldo Alckmin e do prefeito Eduardo Cury, 1.600 famílias (cerca de 8 mil pessoas) foram expulsas cruel e violentamente de suas casas com a roupa do corpo.

Uma barbárie perpetrada pela tropa de choque de 2 mil policiais (Guarda Civil Metropolitana e PM), debaixo do nariz do representante do Tribunal de Justiça de São Paulo. Trabalhadores espancados, um baleado nas costas, dois óbitos de alguma forma relacionados à reintegração de posse, pais barbarizados (tiveram armas apontadas para a cabeça) na frente dos filhos, animais mortos a tiros. Tudo o que tinham – de moradia, móveis, geladeiras, computadores, TV a brinquedos, livros, fotos, filmes, documentos – foi destruído.  Gente (a maioria) que ficou sem passado, vive um presente miserável (há pessoas morando na rua) e não sabe qual será o futuro.

“Além de danos físicos, psíquicos e patrimoniais aos ex-moradores, a operação Pinheirinho já custou aos cofres municipais R$ 10,3 milhões e há indícios de irregularidades”, denuncia o vereador do PT Wagner Balieiro. “Suspeita-se que se aproveitaram da desgraça das famílias despejadas para gastos irregulares.

 

[Comida ruim, desperdício e falta de licitação]

Levantamento feito por vereadores do PT de São José dos Campos, com base em dados oficiais, revela desmandos. Chamam a atenção, por exemplo, os R$2,2 milhões gastos com 300 mil marmitex e 150 mil cafés.

Nao bastasse a qualidade [ruim], o número de refeições contratadas não bate com o número de abrigados. Seriam 188 mil marmitex (almoço e jantar) e 94 mil cafés.

Mesmo que TODOS os abrigados tivessem tomado café da manhã, almoçado e jantado, “sobrariam”, por baixo, 112 mil marmitex e 56 mil cafés. Afinal, tinha gente que saía cedo para trabalhar cedo e não almoçava lá. O que “aconteceu” com eles?

Para aumentar essa salada conflitante, outra curiosidade: os abrigados receberam a famigerada pulseirinha de identificação (de plástico, azul) para que pudessem pegar refeições e outros suprimentos. Consta que a Prefeitura comprou mil por R$ 5.800. Preço da unidade: R$ 5,80!!!


PREFEITURA GASTOU R$ 1473,11 POR ANIMAL; 114 MORRERAM [O resgate de cada animal custou o tripolo do auxílio dado por família!]

[A empresa contratada pela prefeitura] recebeu 239 animais de estimação: 212 cachorros, 22 gatos e 5 coelhos. Porém, visita ao local feita pela ONG Cão Sem Dono, em 13 de março, constatou que 114 haviam morrido em menos de um mês após serem recolhidos. Ou seja, quase 50% foram a óbito!

Em função ação da ONG Cão Sem Dono, a Prefeitura acabou informando os gastos. Para o resgate e acolhimento dos 239, a prefeitura pagou R$ 352.072,82. Ou seja, R$ 1.473,11 por animal — três vezes o valor do auxílio-moradia [que é dado para a família, não por indivíduo].


[Fazendo as contas]

Considerando que 1.600 famílias estão recebendo o auxílio-moradia (dado mais recente do site da Prefeitura), o Estado vai desembolsar R$ 7,68 milhões. Isso sem contar, por exemplo, todas as despesas referentes ao deslocamento da tropa de choque e às horas extras para os policiais.

Resultado: R$ 7,68 milhões + R$10,3 milhões (já incluído o auxílio-moradia até o final de 2012 ) = R$ 17,98 milhões.

Acontece que só de IPTU a Selecta deve aos cofres municipais R$ 14,6 milhões (valores até março de 2012).  A Selecta – leia-se Naji Nahas — é a dona do terreno do Pinheirinho, cujo valor venal é R$ 85 milhões.

Portanto os gastos passíveis de contabilização de Município e Estado:

  1. superam a dívida do especulador Naji Nahas com São José dos Campos;
  2. representam 21% do valor venal do terreno;
  3. se considerarmos apenas gastos do município, eles equivalem 17% do valor venal do Pinheirinho.
  4. [As famílias ocupavam menos de 1/3 do terreno, ou seja, numa hipótese de demembramento o custo da ocupação é ainda mais desproporcional ao tamanho da dívida e seu valor venal.] 


[Casas populares só daqui a 3 anos! Até lá talvez o auxílio-moradia seja mantido

Em 27 de janeiro, o governador Geraldo Alckmin anunciou a construção de 5 mil casas em São José dos Campos. Desse total, as primeiras 1.100 moradias estariam prontas em 18 meses.

Porém, só saiu agora o edital da licitação para a escolha da empresa que vai construir essas casas. As empresas interessadas devem enviar os envelopes com as propostas até maio. De acordo com o documento, as moradias serão construídas em 3 anos (36 meses). 

Isso significa que:

  1. se não houver nenhum  problema na licitação (por exemplo, recurso da empresa não escolhida), as obras devem ter início depois de junho, julho.
  2. a quantidade inicial de 1.100 moradias não contempla todos os ex-moradores de Pinheirinho recebendo auxílio-moradia, até porque parte delas será para pessoas vivendo em área de risco;
  3. as casas provavelmente só estarão prontas no segundo semestre de 2015, se não houver atraso nas obras. Portanto, o dobro do tempo prometido pelo governador.
  4. até a entrega definitiva da moradia, os ex-Pinheirinho continuarão recebendo o auxílio 500 reais,  garantido por lei municipal.
  5. A Prefeitura terá de desembolsar sozinha pelo menos mais R$ 24 milhões, caso não consiga renovar o convênio com o governo do Estado para dividir as despesas. Os R$ 24 milhões referem-se ao auxílio aluguel de 2013, 2014 e primeiro semestre de 2015.

 Custo estimado (por baixo) da operação Pinheirinho: 17,98 milhões [até agora] + R$ 24 milhões [aluguéis até 2015] = R$ 41,98 milhões. Portanto, quase 50% do valor venal do Pinheirinho [R$ 85 milhões].

 

[Gastando muito mais para desabrigar do que para desapropriar o terreno de Nahas]

Isso sem contar a  construção das 1.100 casas (lembrem-se, só parte irá para o pessoal do Pinheirinho!) que custará cerca de R$ 101 milhões.  Portanto, esses valores somados já superam – e muito! – o que seria usado numa eventual regularização do terreno [cujo valor venal é R$ 85 milhões].

[O leilão do terreno garantirá muito mais dinheiro para Nahas que a desapropriação com indenização pelo valor venal]

“Existe agora pressa da Justiça estadual, principalmente ligada à massa falida,  para fazer o leilão do terreno”,  revela ainda Balieiro. “Eles estão escondendo da sociedade que se preparam para fazer o leilão. Como o terreno está sendo trabalhado para especulação imobiliária, se fizerem o leilão, Naji Nahas vai sair com dinheiro no bolso.”

[ESSA É A POLÍTICA VOLTADA PARA OS PODEROSOS!]

 

 

 

 

 

 

 

E quem ainda nao sabia?

http://noticias.r7.com/brasil/noticias/serra-deu-r-34-milhoes-a-revista-veja-quando-era-governador-de-sp-20120429.html

 

Do Operamundi.

Chile perde prazo para tirar 200 mil minas explosivas e expõe drama silencioso na América LatinaPeru, Colômbia, Argentina, Equador, Bolívia, El Salvador e Honduras também possuem minas plantadas no território.O Estado chileno fracassou em cumprir a meta de retirar minas explosivas até 2012, estabelecida pelo Tratado de Ottawa, e pediu prazo de mais oito anos para limpar 183 campos minados no extremo norte, extremo sul e na região central do país. O esforço para extrair quase 200 mil destas munições letais, que espreitam silenciosamente por novas vítimas, terá de esperar até 2020. E o trabalho não será marcado pela cooperação com antigos rivais, como o Peru, cujo pedido de ajuda feito para limpar uma área de fronteira, onde as minas se moveram com as chuvas, foi negado pelo chanceler chileno, Alfredo Moreno. 

 

Leia mais:
EUA fizeram do Laos país mais infestado por explosivos em todo o mundo

Arquivo pessoal/Elir Rojas Calderón

O geógrafo chileno Elir Rojas Calderón posa ao lado de aviso a caminho da cidade de Torres del Paine, na Patagônia chilena

"O que tínhamos de fazer já foi feito", disse Moreno em resposta ao questionamento feito pelo governo peruano sobre aproximadamente 150 minas colocadas na fronteira entre os dois países durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). É comum que tremores de terra, enxurradas e enchentes movam minas explosivas e munições não detonadas de um lugar para o outro, como na fronteira entre Chile e Peru.

Exemplo disso é o Laos, país mais minado do mundo, onde o Tufão Ketsana moveu, em outubro de 2009, 78 milhões de submunições do tipo cluster, lançadas pelos Estados Unidos sobre o país do sudeste asiático há mais de 50 anos, bagunçando todo o mapeamento de risco que existia até então.

Na América Latina, além do Chile e do Peru, também Colômbia, Argentina, Equador, Bolívia, El Salvador e Honduras possuem minas plantadas em maior ou menor quantidade e penam para livrar seus territórios de uma munição cujo custo de extração é alto e sua permanência, quase eterna. A Nicarágua, por exemplo, terminou oficialmente o trabalho de desminagem de todo seu território, mas um acidente registrado no ano passado mostrou o quanto o processo tem resultados incertos.

O governo do Chile se esforça para dar ares de empenho às operações de desminagem, apesar do atraso. Recentemente, o Ministério da Defesa lançou um hotsite sobre o tema e uniu personalidades e políticos para posar numa foto de gosto duvidoso, onde os retratados arregaçam a bainha das calças e mostram a perna, em alusão às vítimas que pisam em minas terrestres.

Parte do atraso chileno é justificado pela localização dos campos minados – normalmente locais de difícil acesso. Eles estão ou no deserto mais seco do mundo, há mais de quatro mil metros de altura, onde o calor e a incidência do sol tornam as operações quase impossíveis, ou em territórios isolados e gélidos, castigados por tempestades, fortes ventos e baixíssimas temperaturas, onde o trabalho só pode ser feito durante curtos períodos do ano.

Além de arriscado, o trabalho de desminagem é caro. "Trata-se de um dos trabalhos mais perigosos do mundo", disse o ministro da Defesa do Chile, Andrés Allamand. "Apesar das adversidades, estamos mantendo o avanço, em comparação com outros países da região."

Minas explosivas artesanais podem ser construídas com menos de um dólar. Elas são fáceis de se instalar e oferecem a vantagem militar de impedir o movimento de inimigos por uma grande extensão de terra. Apesar disso, são consideradas por Forças Armadas profissionais um artifício rudimentar e impreciso.

Frequentemente, campos minados impedem manobras das próprias forças que as instalaram, dependendo da própria dinâmica do conflito. Além disso, mesmo em caso de "vitória" militar, o país infestado terá de conviver com terrenos tomados por explosivos, que inviabilizam a exploração agrícola e comercial, além de encarecer os deslocamentos, obrigando a construção de rotas alternativas.

Mas as minas são proibidas antes de tudo porque são consideradas incapazes de distinguir seus alvos. Ou seja, provocam danos tanto a uma criança quanto a um combatente inimigo, indistintamente, sem fazer mira. Além disso, continuam matando civis mesmo muitos anos depois de terminado o conflito.

Landmine Action
A ONG Landmine Action estima que a cada dia 40 pessoas são feridas ou morrem por minas antipessoal ou resíduos explosivos de guerra no mundo.

Motivos para demora

O geógrafo chileno Elir Rojas Calderón - um dos maiores especialistas em minas e resíduos explosivos de guerra, convidado frequentemente para debater o assunto no Senado, na Presidência chilena - diz que as limitações climáticas impostas ao trabalho de desminagem no Chile justificam a demora e a perda do prazo inicial, como determinava o Tratado de Ottawa. 

Ele aponta, entretanto, outros problemas complexos, como o fato de as operações de desminagem serem 100% conduzidas pelos militares. "Aqui, não se incluíram ações civis e humanitárias, como a educação sobre o risco que as minas representam e a assistência integral às vítimas", disse Calderón, de Santiago do Chile, ao Opera Mundi.

"O Exército recebe cinco milhões de dólares para as operações de desminagem. Mas isso deve mudar. A desminagem pode ser feita por empresas e por ONGs. Venho dizendo isso há vários anos."

Outra fonte chilena, próxima aos militares, foi ainda mais incisiva, depois de pedir anonimato: "Recebendo tanto dinheiro para fazer uma operação como essa, quem vai querer ser rápido? Para os militares, esse assunto está longe de ser uma prioridade. Tudo tem sido feito com uma lentidão absoluta".

Além do dinheiro, as forças chilenas receberam recentemente o reforço de uma lista de equipamentos com tecnologia de ponta para usar na desminagem. A operação, de cunho absolutamente humanitário, também ajuda a limpar a imagem das Forças Armadas do Chile, evidentemente envolvidas nas operações de plantar minas pelo próprio território, seja durante a ditadura militar, liderada pelo general Augusto Pinochet (1973-1990), como forma de combater movimentos armados internos, seja durante as tensões no Canal de Beagle, na zona austral, que quase desembocou num conflito armado internacional com a Argentina, em 1978. 

 

zanuja

Do Operamundi.

Premiê de Israel deve antecipar eleições devido a atritos com base aliadaBenjamin Netanyahu teme fracasso na votação do orçamento de 2013 e foi vencido em seu projeto de universalização do serviço militar 

 

Desacordos na base aliada, polêmicas no sistema de alistamento militar, postura perante o Irã e enfraquecimento das negociações de paz com palestinos podem antecipar em seis meses as eleições gerais de Israel e encerrar três anos de governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Correligionário do conservador Likud, o premiê teme um fracasso na votação do orçamento geral de Israel e não deseja convocar o pleito após a possível revogação de seu plano econômico. Por outro lado, sabe que se demorar muito para adiantar a data das eleições, corre o risco de ser deposto pelas outras siglas que compõem sua coalizão.

Segundo o jornal israelense Haaretz, já houve uma série de reuniões entre Netanyahu e seus assessores políticos. Dentro do gabinete, é consensual o posicionamento de que ele deve adiantar a data. "De qualquer forma, este governo não chegará ao final do ano", declarou à publicação israelense uma alta fonte do Likud.

O orçamento de 2013, que segundo a lei israelense deve ser aprovado antes do próximo dia 31 de dezembro, se transformou em um grande empecilho. Partidos minoritários da coalizão governista querem mais verbas para seu eleitorado, algo que Netanyahu rejeita por medo de superar a previsão de déficit.

Agência Efe

 

 

 

Serviço militar

Outro ponto de tensão dentro da base aliada de Netanyahu diz respeito às normas de alistamento militar em Israel. No último mês de fevereiro, a Suprema Corte revogou a polêmica Lei Tal, que cumpria uma tentativa do primeiro-ministro de universalizar o serviço militar e incluir no exército do país um contingente anual de 50 mil jovens judeus ultra-ortodoxos.

Partidos religiosos da coalizão do próprio Likud, como Shas e UTJ (União do Judaísmo da Torá na sigla em inglês), encabeçaram a oposição à resolução do primeiro-ministro. Contudo, em entrevista à Rádio de Israel, o ministro da Cultura, Limor Livnat, disse que “o premiê não vai ceder à extorsão e que, se várias facções possuírem várias demandas, então haverá eleições ainda este ano”.

Árabes israelenses, cerca de 20% da população do país, são isentos do alistamento militar, pois autoridades de segurança do país desconfiam da “lealdade” do grupo. Como forma de reverter esse benefício, Netanyahu anunciou neste domingo (29/04), durante um encontro com oficiais reservistas, que vai propor ao parlamento uma legislação que obriga esse setor a prestar compulsoriamente serviços comunitários.

“A Lei Tal será substituída por uma legislação mais igualitária e justa, e eu vou submetê-la ao parlamento”, prometeu na ocasião aos veteranos.

Guerra contra o Irã

Na última sexta-feira (27/04) Yuval Diskin, ex-chefe do serviço de segurança interna Shin-Bet, criticou Netanyahu e seu ministro da Defesa, Ehud Barak, alegando que os dois estavam “cegos por sentimentos messiânicos” e exageraram ao considerar o poder de combate de Israel.

“Eu não confio na atual liderança de Israel para nos conduzir a um evento de tamanha magnitude como uma guerra contra o Irã”, disse Diskin em um discurso que foi gravado em vídeo e publicado no site YouTube. “Eu pude observá-los de perto e receio que essas não são as pessoas que queremos no comando”, ressaltou.

O gabinete de Netanyahu classificou a opinião do ex-chefe de segurança como “irresponsáveis” e disse em uma nota que suas considerações são o reflexo de “uma pessoa frustrada”.

Netanyahu sempre se mostrou cético com relação à política de sanções que pretendem interromper o enriquecimento de urânio no Irã. Porém, sempre teve como resposta do presidente dos EUA, Barack Obama, que é preciso dar mais tempo para procedimentos diplomáticos antes do decreto de uma ação militar. Enquanto isso, sempre que questionado, o Irã afirma que seu programa nuclear tem apenas fins energéticos e pacíficos.

 

 

zanuja

domingo, 29 de abril de 2012Reinaldo está com medo. E por isso, novamente, ataca  

 Bateu desespero na Editora Abril. Só isso explica o novo ataque de Reinaldo Azevedo ao 247; leia a resposta de Leonardo AttuchReinaldo Azevedo está com medo. Só isso é capaz de explicar o novo ataque que faz, neste domingo, ao 247. No texto de Reinaldo (leia mais aqui), ele resgata uma reportagem de Veja da qual a revista deveria se envergonhar. Afinal, os ataques que Veja desferiu contra mim renderam à Abril uma condenação judicial com direito a indenização financeira (leia mais aqui) e retratação formal, publicada nas suas páginas (leia mais aqui).Ou seja: quando brigou comigo nos tribunais, a Abril perdeu. E, no confronto de ideias, perderá novamente.Reinaldo nos acusa de sair em defesa do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Tudo porque decidimos publicar uma reportagem, com um diálogo extraído dos grampos da Operação Monte Carlo, publicados em primeira mão no 247.- “Será que agora ele cai?”, pergunta Carlos Cachoeira a Cláudio Abreu, diretor da Delta, referindo-se ao governador Agnelo Queiroz.- “Arrebentou, hein, o bicho arrebentou, hein”, responde Abreu.- “Foi bom demais”, prossegue Cachoeira.- “Mas eu já tinha falado pro PJ lá: PJ, vai nesse caminho”.“PJ” é Policarpo Júnior. E o tema da conversa é uma reportagem publicada na revista Veja, associando o governador Agnelo Queiroz à prática de grampos ilegais. “Será que agora ele cai?”Quando um veículo de comunicação se presta a ser usado por um bicheiro/empreiteiro, que tenta emparedar governos legitimamente eleitos na busca de seus interesses comerciais, isto é notícia. Pelo menos, no 247. Na Veja de outros tempos, também seria. Mas, hoje, a revista está acuada. Age nos bastidores para que seu publisher, Roberto Civita, não seja convocado a depor na CPI.Compreensível. Civita teme ser humilhado. Reinaldo, não. Dá a cara a tapa. E, nele, o medo provoca reações extremas. Até mesmo o delírio de que tinha em mim um fã.O que está ocorrendo no Brasil de hoje é muito simples. Antes, quatro famílias controlavam a informação no Brasil e ditavam a agenda pública. Hoje, com a democratização da internet e o avanço das redes sociais, todos participam do processo de elaboração e depuração das notícias. O modelo não é mais vertical. Na era do jornalismo 2.0, é horizontal. Com isso, antigos impérios se tornam vulneráveis.Neste novo mundo, as famiglias tradicionais perdem poder. E tendem também a perder anunciantes, uma vez que haverá cada vez mais fornecedores de conteúdo jornalístico num mundo plural, interativo e democrático. Se Veja tem seu público, há também aqueles que preferem defini-la como #VejaBandida ou #VejaGolpista, duas hashtags que se tornaram os assuntos mais comentados do mundo no Twitter.Reinaldo nos ataca dizendo que José Dirceu e Delúbio Soares publicam artigos aqui. Mas ele não menciona César Maia, Arthur Virgílio, Gabriel Chalita, Eduardo Braga, Manuela D´Ávila, Walter Feldman, Marcos Cintra, Xico Graziano, Luciano Siqueira e muitos outros, de variados perfis políticos. Até mesmo Demóstenes Torres e Reinaldo Azevedo poderiam publicar artigos na nossa página, porque, no 247, a opinião é livre – é isto que garante a pluralidade. Também nos condena dizendo que somos “livres como um táxi”. Mas os passageiros aqui são os leitores. E muitos continuam garimpando informações nos inquéritos da Operação Monte Carlo sobre a parceria editorial entre Cachoeira e Veja, que rendeu benefícios políticos e comerciais ao contraventor.É disso que Reinaldo tem medo.

Leonardo Attuch
No Brasil 247


 

domingo, 29 de abril de 2012

Agnelo (PT) não era o "número 1" nas conversas de Cachoeira, mas sim Perillo (PSDB) - por Simone de Moraes, no Câmara em Pauta

Perillo, do PSDB, é o nº1 do CachoeiraA tentativa de imputar ao governador Agnelo Queiroz a pecha de numero 1 no esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira, foram por água a baixo. Em um telefone gravado pela Policia Federal fica claro que o numero 1 é o governador Marconi Perillo. Agora resta saber se as sombras que ora pairam sobre o jornalismo de BSB, e que tentam a todo custo lhe botar no meio do escândalo, vão se retratar com o Governador?

Leia a transcrição dos diálogos:

TELEFONE NOME DO ALVO

31601002'7445095 CARLOS AUGUSTO DE ALMEIDA RAMOS· MONTE CARLO

INTERLOCUTORES/COMENTÁRIO

CARLINHOS X CLAUDIO(I'LX)

DATAlHORA INICIAL DATAIHORA FINAL DURAÇÃO

15/07/2011 19:32:21 15/07/2011 19:33:16 00:00:55

ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LIGAÇÃO TIPO

316010027445095 316010027459804 316010027459804 R

·RESUMO

CLAUDIO pergunta se não tem jeito de EDIVALDO ir para o lugar de JOÃO FURTADO e como foi a conversa com o NÚMERO I (MARCONI).

CARLINHOS diz que MARCONI quer falar com ele pessoalmente e marcou um encontro na quarta-feira à noite na casa de MARCONT.

SERÁ QUE O JANTAR FOI BOM GOVERNADOR?

CONTATO ENTRE MARCONI PERILLO E CARLINHOS CACHOEIRA:

TELEFONE NOME DO ALVO

6293391661 CARLOS AUGUSTO DE ALMEIDA RAMOS - MONTE CARLO .

INTERLOCUTORES/COMENTÁRIO

CARLINHOS X MARCONI(PLX)

DATAIHORA INICIAL DATA/HORA FINAL DURAÇÃO

03/05/201120:48:12 03/05/201120:49:05 00:00:53

ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LIGAÇÃO TIPO

ISEGREDO DE JUSTiÇA)

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

DEPARTAMENTO DE POLiCIA FEDERAL

SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO DISTRITO FEDERAL

SAIS - QUADRA 07 - LOTE 23 - SETOR POLICIAL SUL BRASfLIA-DF - CEP_ 70349-970

A

RESUMO

MARCONI parabeniza CARLINHOS por seu aniversário c confinnajantar entre eles.

DIÁLOGO

CARLINHOS: oi.

HNI: CARLOS?

CARLINHOS: é.

HNI: um momento. por favor, que o GOVERNADOR MARCONI vai falar.

MARCONI: liderança .

CARLINHOS: fala amigo, tudo bem?

MARCONI: rapaz, faz festa e não chama os amigos?

CARLINHOS: o que é que isso.

MARCONI: parabéns.

CARLINHOS: tudo bem? Obrigado pela lembrança, viu, GOVERNADOR.

MARCONI: ". que Deus continue te abençoando aí, te dando saúde, sorte.

CARLINHOS: amém, muito obrigado, viu?

MARCONI: um grande abraço pro você, viu?

CARLlNHOS; obrigado. aí, viu?

MARCONI: cu vou falar com o EDIVALDO pra gente marcar uma conversa, tá?

CARLINHOS: exatamente. Tô esperando, viu?

MARCONI: j á tá marcado. quinta-feira, não tem?

CARLINHOS: é, quinta-feira. O SENADOR me ligou, tá? Obrigado pela lembrança.

MARCONI: tá bom. Um abraço, tchau.

(encerrada) .

JANTAR ENTRE MARCONI PERILLO. DEMÓSTENES TORRES E CARLINHOS

CACHOEIRA:

TELEFONE NOME DO ALVO

316010027445095 CARLOS AUGUSTO DE ALMEiDA RAMOS - MONTE CARLO

INTERLOCUTORESICOMENTÁRIO

CARLINHOS X EDIV ALDO(PLX)(ECX)

DATAIHORA INICIAL DATNHORA FINAL DURAÇÃO

241031201 I 19:00:24 241031201 I 19:01:18 00:00:54

ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LIGAÇÃO TIPO

316010027445095 316010027450302 316010027450302 R

RESUMO

EDIVALDO fala que a GLORINHA da CASA CIVIL disse que o GOVERNADOR agendou um jantar na quarta feira.

Como o MARCONI vai explicar ou justificar agora sobre a casa dele que foi vendida e ele alega que não sabia que o Cachoeira era o comprador? Deixou cortar a água por falta de pagamento.

CASA COM CONTA DE ÁGUA NO NOME DE MARCONI PERILLO

TELEFONE NOMÉ DO ALVO

316010027445095 CARLOS AUGUSTO DE ALMEIDA RAMOS - MONTE CARLO

INTERLOCUTORES/COMENTÁRIO

CARLINHOS X WLADMIR(PLX)

DATAlHORA INICIAL DATA/HORA FINAL DURAÇÃO

23/0812011 21 :08:04 23/081201.1 21 :08:54 00:00:50

. ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LiGAÇÃO TIPO

316010027445095 316010027450381 316010027450381 R

RESUMO

CARLINHOS diz que foi emitido aviso de corte c foi co~do o fornecimento de água na casa onde ANDRESSA está morando, que pertencia ao GOVERNADOR (MARCONI PERILO) em sociedade com CARLINHOS, vendida ao PROF,VALTER PAULO. .

DIÁLOGO

WALDM[R: Ô chefe. Ele tá ligando lá pro menino pra mandar religar ar. Vai ligar pro gerente lá pra ver como é que faz.

Conversei. C.lm 0l rópi io JULlNHO. Mas deixa eu te falar, c ... não é só tirar o lacre lá não?

CARLINHOS: não, mexer com esse trem não. (incompreensivel). E outra coisa: R$ 40.00, rapaz,. casa do GOVERNADOR e emite um papel de corte ... pega um papel desse aqui,. demite todo mundo lá.

WALDMIR: Demite mesmo. Me pede isso aí que eu vou reforçar pra ele, concorda?

CARLINHOS: Ta aqui na minha mão. Agora (ininteligivel).

WALDMIR:É.

ENCERRADA Postado por às 19:52 0 comentários Links para esta postagem 

Do Blog TUDO EM CIMA.

Postado por


 

Do Operamundi.

Rede de supermercados britânica anuncia boicote a produtos de colônias israelenses

Desde 2009, itens israelenses que são vendidos no país trazem uma etiqueta informando o local de origem.

 

Uma das maiores redes de supermercados do Reino Unido, a cooperativa Co-op, anunciou anunciou neste final de semana que não importará mais os produtos agrícolas cultivados nas colônias judaicas da Cisjordânia.

Já há alguns anos que varejistas britânicos etiquetam os produtos com origem em assentamentos israelenses. Contudo, esse é o primeiro caso de ruptura com os fornecedores da região. A Agrexco, cujo principal cliente é a União Europeia, é a maior companhia de produtos agrícolas de Israel e está entre as mais afetadas.

A decisão resultou da forte pressão de grupos pró-palestina que atuam no Reino Unido. Entretanto, em anúncio à imprensa, o grupo Co-op faz questão de ressaltar que esse não é um boicote completo e que continuará a adquirir os produtos de Israel desde que sejam criteriosamente cultivados ou produzidos dentro da Linha Verde, a fronteira de Israel definida a partir do fim do conflito com árabes em 1949.    

Em 2009, o ex-primeiro-ministro britânico Gordon Brown determinou com as grandes redes varejistas do país que os produtos -- manufaturados ou não -- importados de Israel deveriam trazer uma etiqueta que deixasse claro se vinham de Gaza ou da Cisjordânia ou do território determinado pela Linha Verde. À época, Israel se recusou a seguir essas diretrizes e iniciou uma tensão comercial com o Reino Unido.

WikiCommons

 

Repercussão

Hilary Smith, uma das lideranças do Boycott Israel Network (Rede de Boicote a Israel em inglês), apoiou a decisão da Co-op's alegando que a rede varejista "assumiu uma liderança internacional ao bloquear companhias que são cúmplices das violações de Direitos Humanos por Israel”. Ela agora espera que outras companhias ajam de forma semelhante.

Em replica à decisão, o Ministério das Relações Exteriores de Israel argumentou que "é uma pena ver aqueles que buscam contribuir ostensivamente para a paz e para a reconciliação avançar em uma agenda negativa de boicotes”.

 

zanuja

Jornalismo e cumplicidade não são o mesmo - No TIJOLAÇO

 

Não está em pauta, na CPI do Cachoeira, o sigilo de fontes jornalísticas.

Ninguém se interessa em saber qual foi a fonte do senhor Policarpo Júnior, da Veja, para os oito anos de matérias bombásticas, com gravações de diálogos escusos e revelação de supostos negócios ilegais.

Não tem interesse, porque todos já sabem: Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, o “empresário de jogos”.

O que se quer saber é outra coisa: como foi o pacto de interesses políticos firmado entre a revista e o contraventor.

Carlos Cachoeira não forneceu uma ou duas informações à Veja. Teve, sim, uma longa convivência que, em termos biológicos, teria o nome de mutualismo: uma interação entre duas espécies que se beneficiam reciprocamente.

Cachoeira usava a Veja como instrumento de seu esquema de coação, chantagem, propinagem.

Veja usava Cachoeira como fonte de combustível para a fornalha de seu ódio político contra governos de esquerda, Lula e Dilma.

A maior prova é que as ligações de Cachoeira com Demóstenes Torres e Marcone Perillo, dois aliados de Veja no campo político, nunca foram objeto de apuração por parte da revista.

Ao contrário, o tal “grampo” do diálogo entre Demóstenes e o então presidente do STF, Gilmar Mendes, foi apresentado como resultado de arapongagem governista e fez estragos dentro da Polícia Federal.

Repíto: não se quer saber quem era a fonte de Veja, porque isso já se sabe, mas quais foram as relações entre a revista e a editora Abril no uso de gravações clandestinas, que eram as ferramentas de chantagem de Cachoeira.

Não existe “sigilo de fonte” na decisão interna de um órgão de imprensa em manter uma  longa sistemática relação com um bandido.

Qualquer jornalista sabe a diferença entre receber informações de um bicheiro sobre algum caso e a de, sistematicamente, receber dele material clandestino que incrimine os policiais que lhe criem problemas. Sobretudo, durante anos e sem qualquer menção à luta de submundo que se desenvolvia nestes casos.

No primeiro caso, é jornalismo. É busca da informação e sua apresentação no contexto em que ela se insere.

No segundo, é cumplicidade. É uma associação para delinquir, criminal e jornalisticamente.

No crime, porque viola, de forma deliberada, direitos e garantias constitucionais. No caso Murdoch, o escândalo foi seu jornal ter grampeado telefones por razões políticas. Neste, o de ter utilizado por anos gravações clandestinas fornecidas por um terceiro, umn contraventor.

Sob o ponto de vista jornalístico, a pergunta é: se o “grampeador” de Murdoch tivesse trabalhado de graça, o seu jornal, News of the World,  teria menos culpa?

Cachoeira trabalhou “de graça” para a revista, mas a revista sabia perfeitamente de seus lucrativos interesses em fornecer-lhe “o material”.

Seria o mesmo que o repórter de polícia, durante anos, saber que a fonte das informações que recebia as transmitia por estar interessado em “tomar” outros pontos de bicho e ampliar seu império zoológico.

É irrelevante se o repórter fazia isso por dinheiro ou por prestígio.

Repórter que agia assim, no meu tempo, chamava-se “cachorrinho”. E tinha o desprezo da redação.

Não se ofenda a profissão confundindo as duas coisas e nem se diga que o sr. Policarpo é mero repórter. É alguém, que pelo seu cargo, tem realções diretas com a administração empresarial da revista.

Não tem sentido falar em “preservação de fontes jornalísiticas” quando a fonte e o relacionamento entre ela e um editor – não um simples e inexperiente repórter – já são objeto de registro policial devidamente autorizado pela Justiça.

Sobre o que Veja e Cachoeira conversavam está no processo, não há sigilo a se quebrado aí.

O que se quer saber é como e porque Veja e Cachoeira viveram esta longa relação mútua e que benefícios para uma e outro advieram dela.

Por isso, o senhor Policarpo Júnior deve prestar, como testemunha, declarações à CPI.

Poderá alegar preservação de fontes quando for perguntado se a direção da editora sabia a origem do material que publicava?

Não parece que isso seja sigilo profissional, do contrário Murdoch escaparia ileso.

As gravações hoje pelo jornalista Luis Carlos Azenha,no Viomundo, reveladas a partir dos documentos publicados pelo Brasil 247, são uma pá de cal no tal segredo de justiça que, todos estão vendo, não existe mais.

Dois bandidos assumem que dirigiam as publicações de “escândalos” na Veja.

E isso é um escândalo, que não pode ficar oculto.

Ocultar fatos, sim, é que é um atentado à liberdade de imprensa.

Postado por Fernando Brito


 

domingo, 29 de abril de 2012 - No Democracia e Politica

LULA TEM APROVADOS 80 TÍTULOS DOUTOR HONORIS CAUSA NO BRASIL E NO EXTERIOR 

LULA RECEBERÁ ESTA SEMANA MAIS CINCO HONORIS CAUSA NO RIO DE JANEIRO

“O ex-presidente Lula receberá no Rio de Janeiro, na próxima sexta-feira, 4, mais cinco títulos de Honoris Causa de universidades.

Na cerimônia a ser realizada no Teatro João Caetano, às 10h, dia 4, na Praça Tiradentes, Lula receberá os títulos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

"Lula foi, seguramente, o presidente que mais fez pela educação do País, em especial pelo ensino superior. Na gestão do ex-presidente, foram criadas 14 universidades federais e 126 campus universitários. Programas como o “Fundo de Financiamento Estudantil” (FIES) e o Universidade para Todos (PROUNI), voltados para o acesso ao ensino superior, foram ampliados ou tiveram as regras reformuladas para ampliar as condições de ingresso".

Desde que deixou a presidência, ele recebeu o título de Doutor Honoris Causa de sete instituições. O primeiro deles, em janeiro de 2011, foi da Universidade de Viçosa (MG). Depois, da Universidade Federal da Bahia, de três universidades de Pernambuco, da Universidade de Coimbra, em Portugal, e, por último, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, a Sciences Po.

Com os cinco mais que receberá esta semana, Lula acumulará 12 títulos. O ex-presidente tem aprovados 80 Honoris Causa no Brasil e no exterior. (OBS: Honoris Causa é uma expressão latina que significa “por distinção honorífica”, “por motivo ou a título de honra).

FONTE: blog “Os amigos do Presidente Lula”  (http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2012/04/lula-recebera-mais-cinco-honoris-causa.html) [Título e imagem do google adicionados por este blog ‘democracia&política’].

 

Novo dono do iG é também suspeito de espionagem

 

 

 

 Novo dono do iG é também suspeito de espionagem Foto: Divulgação_Rueters TV_Folhapress Empresário português Nuno Vasconcellos, que acaba de comprar o iG, é acusado em Portugal de ter acesso a informações sigilosas de concorrentes; na Inglaterra, Murdoch já depôs sobre grampos do News of the World; no Brasil, Civita tenta a todo custo evitar ida à CPIPor Brasil 247 Na Inglaterra, berço da democracia moderna, os empresários de comunicação são obrigados a prestar contas à sociedade quando se envolvem em atividades ilegais, que colocam em risco a própria democracia. Foi o caso de Rupert Murdoch, que, na semana passada, teve de depor numa CPI relacionada aos grampos do jornal “News of the World”. Murdoch disse que não sabia de nada e que os jornalistas responsáveis por isso agiram sem o consentimento dos editores e patrões. Pediu desculpas publicamente. O Brasil, com menos tradição democrática do que a Inglaterra, naturalmente se assemelha mais a Portugal. Mas lá os barões da mídia também vêm sendo ouvidos pela Justiça e pelo parlamento. Foi o caso de Nuno Vasconcellos, dono do grupo Ongoing, que acaba de comprar o portal de internet iG. Nesta sexta-feira, Nuno depôs num escândalo de espionagem empresarial. Isso porque o grupo Ongoing contratou os serviços do espião Jorge Silva, que repassava à empresa dossiês relacionados a políticos e empresários – com dados muitas vezes obtidos também por meio de grampos ilegais.
A serviço do bicheiro
No Brasil, a grande expectativa diz respeito à convocação – ou não – de Roberto Civita pela CPI do caso Carlos Cachoeira. Trechos do inquérito da Operação Monte Carlo, vazado pelo 247, apontam estreita ligação entre a revista Veja e o contraventor Carlos Cachoeira. Diversas reportagens publicadas atendiam aos interesses políticos e empresariais do bicheiro.
Ontem, o 247 revelou que, de forma coordenada, pessoas ligadas a Cachoeira trabalharam pelo impeachment do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (leia mais aqui), porque interesses da construtora Delta em Brasília não vinham sendo atendidos. 

Postado por


 

Do Operamundi.

Jornalista que investigava narcotráfico é encontrada morta no México

Considerado o país mais perigoso para jornalistas, o México teve 10 profissionais assassinados em 2011

 

 

A violência no México fez mais uma vítima. A jornalista mexicana Regina Martínez, correspondente da revista Proceso no estado de Veracruz, foi encontrada morta neste sábado (28/04) em sua casa. Martínez tinha mais de 30 anos de experiência e estava acostumada a lidar com temas ligados ao narcotráfico e à corrupção.

Fontes policiais disseram que a jornalista foi encontrada no banheiro de sua casa, na cidade de Xalapa, capital de Veracruz, com sinais de estrangulamento. Ela também teria sido torturada pelos criminosos.

O corpo da jornalista foi encontrado por volta das 18h locais (20h de Brasília) graças a uma ligação anônima aos serviços de emergência. Após a notícia, o governador de Veracruz, Gabriel Duarte, lamentou o assassinato da jornalista e ordenou uma investigação exaustiva para a captura dos responsáveis pelo homicídio.

Risco

O México é considerado o país mais perigoso para jornalistas, de acordo com o Instituto Internacional de Imprensa (IPI). As constantes ameaças feitas pelo crime organizado, muitas vezes impregnado em órgãos do governo, fazem com que o trabalho desses profissionais seja um risco de morte constante.

Em 2011 foram 10 jornalistas mortos, ultrapassando a cifra carregada pelo Iraque, com nove. O primeiro jornalista assassinado em 2012 foi mexicano e o país já conta com quatro homicídios desses profissionais, contando com a repórter da revista Proceso

 

zanuja

Roteiro de Cinema grampeia o Senador Álvaro Dias, líder do PSDB

 

 

 

Por Roteiro de Cinema
TWITTER              NOME DO ALVO
@alvarodias_          ÁLVARO DIAS, LÍDER DO PSDB
INTERLOCUTORES
ÁLVARO x ROTEIRODECINEMA
DATA/HORA INICIAL   DATA/HORA FINAL  DURAÇÃO
26/08/2011 20:59         28/08/2011 17:04           44:05:00
RESUMO

Conduta de ÁLVARO DIAS, líder do PSDB no Senado, durante o episódio em que o contraventor CARLINHOS CACHOEIRA e o senador DEMÓSTENES TORRES conspiraram para "por fogo na República" usando o editor da Revista Veja POLICARPO JÚNIOR e o araponga Sargento PMDF JAIRO MARTINS DE SOUZA, vulgo ÍNDIO, "personal araponga" de GILMAR MENDES, para atacar o dirigente petista JOSÉ DIRCEU e rachar o PT ao meio visando desestabilizar o Governo DILMA ROUSSEFF:https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107240751431294976














26 de agosto de 2011 - 21:06
https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107242624053821440














27 de agosto de 2011 - 17:52
https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107556165050843136















27 de agosto de 2011 -  23:43
https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107644449202515968













[A nota no blog do Senador linkada por este tuíte antecipava a matéria da Revista Veja com imagens do Hotel Naoum, classificando como "detalhes saborosos" o que segundo a Polícia Federal foram imagens obtidas ilegalmente pelo Sargento Jairo, "personal araponga" do Ministro Gilmar Mendes, e passada ao editor da Veja Policarpo Junior por intermédio de Carlinhos Cachoeira, com a intenção de rachar o PT entre setores pró-Palocci e pró-Dirceu, e dar munição para Demóstenes (mas também Álvaro) atacarem de paladinos da moralidade contra o "Governo Paralelo" do Hotel Naoum:] http://topsy.com/www.alvarodias.blog.br/2011/08/o-governo-paralelo-de-ze-dirceu/28 de agosto de 2011 - 00:09
[Seis horas depois de publicar a nota antecipando a matéria da Revista Portuguesa Visão, "prima da Veja", a nota já se encontrava deletada no blog do Senador.]
https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107650998859870208


















28 de agosto de 2011 - 00:27
https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107655420008607744
 28 de agosto de 2011 - 17:04https://twitter.com/#!/alvarodias_/status/107906495810768897ENCERRADAHoje também a nota que antecipa a arapongagem da Revista Veja se encontra deletada no blog do Senador. Continuo perguntando ao Senador Álvaro Dias: o senhor não vê nenhum indício de ilegalidade - nos "detalhes saborosos" - nas imagens obtidas por Policarpo Júnior que ilustram a matéria da Revista Veja que o senhor antecipou? Mesmo depois que os "detalhes saborosos" de como foram obtidas se tornaram públicas?  ===== OS DETALHES SABOROSOS =====De como os "detalhes saborosos" foram obtidos.  
Excertos do Inquérito contra Carlinhos Cachoeira que corre (lulz) em Segredo de Justiça:


















RESUMO 02/08/2011-15/08/2011: CACHOEIRA diz para DEMÓSTENES que POLICARPO, Editor da Veja, está "para estourar aí" e que o JAIRO arrumou pra ele uma fita com imagens obtidas ilegalmente no Hotel Naoum que mostram o dirigente petista JOSÉ DIRCEU encontrando autoridades durante os dias da queda de do ministro ANTÔNIO PALOCCI, e combinando que dali duas semanas, eles (Policarpo, Demóstenes e Cachoeira) colocariam "fogo na República", porque teriam "as cenas" dos "nego procurando Dirceu no Hotel" o que "racharia o PT". Uma "bomba dentro do partido". 




















[Não é preciso lembrar que a reportagem foi um fiasco e deve ter contribuído muito para a saída de Mario Sabino da editoria da Revista Veja.]
Ontem o Blog do Senador Álvaro Dias noticiava o seguinte: "Fascismo explícito!"



















E a Veja noticiava: "Discurso anti-imprensa 'perde força', diz Alvaro Dias"

































Porém, segundo o inquérito vazado, um "suposto conluio entre a imprensa e a quadrilha" não é só "uma invenção". Pelo contrário. "Conluio" (no sentido de maquinação ou conspiração para prejudicar outrem, combinação, arranjo) entre o Editor da Veja e a quadrilha de Cachoeira me parece ser uma conclusão do inquérito da Polícia Federal:RESUMO:
CACHOEIRA utiliza de seu contato com POLICARPO e reportagens da Revista VEJA em favor de seus interesses políticos e negócios escusos:




































Quem demanda a convocação do editor da Revista Veja em Brasília POLICARPO JÚNIOR e do Sargento PMDF JAIRO MARTINS DE SOUZA - "representantes do melhor jornalismo investigativo" - para depor na CPI que investiga Carlinhos Cachoeira são os fatos apresentados pelo inquérito. É a Sociedade brasileira e o interesse público.
Não são "o PT e setores a eles aliados" os interessados na investigação da relação de Cachoeira com a imprensa como sustenta o Senador Álvaro Dias. Eu, interessado, não sou nem um nem outro, e eles, o PT e seus aliados, que deveriam pedir formalmente a convocação de Policarpo e Jairo, até agora não o fizeram, pois pode ser - e o que apresento a seguir é só uma ilação corroborada por encontros fortuitos - que Dilma e o PT estejam sofrendo pressão e ameaças de retaliação do conluio de outra organização criminosa. A Máfia dos barões da imprensa.
Investigar a imprensa e sua relação com criminosos não é "afronta à liberdade de expressão", é um direito a informação. É um dever investigar, mesmo que os resultados botem "fogo na República", ao revelar o "Governo Paralelo" de Carlinhos Cachoeira e sua quadrilha de criminosos com tentáculos nos quatro poderes.
Quem leu o inquérito (ou ao menos parte dele) vislumbrou a extensão dos tentáculos de Cachoeira. E quem leu mesmo o inquérito sabe quem é o personagem Álvaro Dias dentro dele e sua participação na história. Um aliado pronto para encampar as denúncias de Cachoeira plantadas na Veja, mas que não poderia ir longe demais nas investidas e investigações. Um Senador manipulado por Cachoeira através de uma revista sem que o Senador sequer soubesse disso. Agora sabe.
Fernando Marés de SouzaArtigo original do Roteiro de Cinema sobre o caso, datado de 29 de Agosto de 2011.
Enquanto isso, no Twitter do Senador Álvaro Dias:
28 de Abril de 2012 - 21:11














            Talvez não. Mas agora o senhor é o grampeadinho. Rsrs

Postado por

 

Excelente Marcos. É bom lembrar tb que o Cachoeira pediu ao Demóstenes para ir até o Paraná fazer sala para o tal Roberto (argentino) pq ele, Cachoeira, só ia embarcar no dia seguinte para uma reunião com Roberto e Beto Richa. Tá lá no inquerito. O Álvaro Dias sabia de antemão sobre a matéria da Veja? Pra mim isso ficou claro pelas mensagens trocadas entre ele e o Roteiro de cinema. O botox é fdp.

 

zanuja

Do Brasil247.

Bomba no DF: vice armava para derrubar governador


TRECHO DO RELATÓRIO DA OPERAÇÃO MONTE CARLO APONTA QUE O VICE-GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, TADEU FILIPELLI, DO PMDB, PAGAVA JORNALISTAS PARA TENTAR DERRUBAR O GOVERNADOR AGNELO QUEIROZ, DO PT, E CHEGAR AO COMANDO DO PALÁCIO DO BURITI; MINO PEDROSA, EX-ASSESSOR DE CARLOS CACHOEIRA, RECEBERIA R$ 100 MIL MENSAIS

29 de Abril de 2012 às 22:33

247 – A crise política deflagrada pela Operação Monte Carlo pode ganhar contornos incontroláveis no Distrito Federal. Um dos trechos do inquérito vazado pelo 247 aponta que o vice-governador Tadeu Filipelli, do PMDB, conspirava para derrubar o governador Agnelo Queiroz, do PT. O trecho aparece na página 202, do anexo 7 (leia mais aqui).

Trata-se do resumo de uma conversa entre o espião Idalberto Matias, o Dadá, e o policial Marcelão, que é também dono de uma agência de publicidade no Distrito Federal, a Plá. Nela, ambos comentam que o jornalista Mino Pedrosa, ex-assessor de Carlos Cachoeira, teria um contrato de R$ 100 mil mensais, que seriam pagos por Filipelli. Ambos comentam ainda que outro jornalista, chamado Edson Sombra, seria também remunerado pelo vice-governador. Há ainda uma anotação sobre um apartamento que teria sido dado por Cachoeira a Mino Pedrosa em Brasília. Além disso, Mino teria uma cunhada empregada no gabinete de Demóstenes Torres (sem partido/GO).

Nos últimos meses, o governador Agnelo Queiroz recebeu ataques em série. Denúncias, que antes eram publicadas em blogs de jornalistas do DF, como Edson Sombra e Mino Pedrosa, depois eram amplificadas em veículos de grande circulação nacional, como Veja e Época. Até agora, no entanto, o inquérito tem revelado que o esquema Delta-Cachoeira não conseguiu se infiltrar no governo do Distrito Federal da mesma maneira como dominava o estado de Goiás (sobre isso, leia o post de Ricardo Noblat).

CPI da Arapongagem

Como as ligações entre a Delta e o governo do Distrito Federal são frágeis, a tentativa de impeachment incorporou uma nova estratégia. Agnelo passou a ser acusado de montar uma rede de arapongas para grampear políticos, jornalistas e empresários. Entre eles, o vice-governador Tadeu Filipelli e o jornalista Edson Sombra. Sobre isso, já há até uma CPI instalada no Distrito Federal.

Nesta sexta, Filipelli representou ao Ministério Público Federal, solicitando a apuração de uma possível investigação ilegal, realizada contra ele, alegando a necessidade de defender as instituições. Ocorre que os grampos da Operação Monte Carlo revelam que o Watergate brasiliense pode ter sido montado justamente por aqueles que seriam beneficiados pela queda do governador.

Abaixo, o trecho do relatório da PF que menciona a doação do apartamento de Mino Pedrosa e o pagamento de jornalistas por Filipelli:

RESUMO

KID 9 (KlD NOVE).

FALAM SOBRE SUCESSÃO DO DIRETOR DA PCDF. ENCONTRO DE SANDRO AVELA E ERIC SEBA (FILMAGEM)

APARTAMENTO QUE CARLINHOS DEU PRA MINO PEDROSA.

======================================================================

TELEFONE NOME DO ALVO

6192800078 Idalberto Matias de Araujo - Monte Carlo

INTERLOCUTORES/COMENTÁRIO

DADA X MARCELÃO PLX

DATNHORA INICIAL DATNHORA FINAL DURAÇÃO

07/02/201213:32:54 07/02/201213:34:32 00:01:38

ALVO INTERLOCUTOR ORIGEM DA LIGAÇÃO TIPO

A

RESUMO

MINO PEDROSA TEM UM CONTRATO COM O FILlPELI R$ 100.000 POR MES. ENTÃO O SOMBRA DEVE ESTAR

SENDO F1NANDIADO PELO FILlPELI.

A CUNHADA DO MINO TRABALHO NO GABINETE DE DEMOSTENES (SENADOR)

 

zanuja

Fórum de Interesse PúblicoAnálise29.04.2012 11:08 - Na Carta CapitalA CPI do Cachoeira e a credibilidade do Legislativo

Por Leonardo Avritzer

A instalação pelo Congresso Nacional da CPI para investigar os negócios do contraventor Carlinhos Cachoeira com o sistema político e também outros atores privados é bem-vinda e pode significar um papel ativo do Legislativo no processo de combate à corrupção no Brasil. No entanto, dado o histórico das CPIs é interessante tomar alguns cuidados para que, ao final, ela não signifique mais um episódio de desgaste do Legislativo. Nas duas pesquisas sobre corrupção feitas pelo Centro de Referência do Interesse Público da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o CRIP, apareceram dois dados preocupantes em relação ao papel do Congresso Nacional no combate ao problema.

Quando perguntamos aos entrevistados se conheciam as iniciativas de combate à corrupção do Congresso, 61% responderam positivamente. Elas eram mais conhecidas, por exemplo, que as ações do Judiciário e de órgãos de controle como a Controladoria Geral da União (CGU). Mas quando perguntamos sobre a efetividade das ações do Legislativo no combate à corrupção, elas ocupavam o último lugar, atrás da Polícia Federal, Judiciário e da CGU. A percepção da opinião pública sobre as investigações de corrupção do Congresso Nacional é que as CPIs não são efetivas.

Quando nos perguntamos qual é o motivo desta disparidade entre conhecimento das CPIs e a baixa credibilidade da opinião pública quanto à sua efetividade, a resposta que parece expressar melhor esta atitude seria a da parcialidade das CPIs, constituídas pelo Congresso Nacional com base na representação dos partidos na Câmara e no Senado. Até aí nada de errado, na medida em que o princípio da soberania e do voto da maioria constitui o Legislativo e não se poderia esperar que não houvesse maiorias e minorias nas CPIs. No entanto, o problema das CPIs é que, em vez de investigar escândalos relevantes e apresentar relatórios bem fundamentados à opinião pública para propiciar a punição de malfeitos, elas rapidamente se transformam em espaços de disputas de poder entre governo e oposição. O governo quer investigar a oposição e a oposição quer investigar o governo. Além disso, há um insuportável processo de vazamento de informações que, frequentemente, atrapalha as investigações ainda em curso. No final, o Congresso tem a sua credibilidade manchada por estes comportamentos.

Este é o risco da CPI do Cachoeira. O que a opinião pública espera, é que ela utilize os instrumentos da legislação, a convocação, a quebra de sigilo bancário e até mesmo o uso de dados coletados pela Policia Federal, para explicar duas coisas: a influência do crime organizado no Congresso Nacional e a triangulação entre escutas telefônicas, imprensa e tráfico de influência em Brasília. Estes são os dois objetos que se espera sejam apurados em todas a sua extensão pela CPI. É verdade que a grande imprensa já apontou um outro foco para a comissão, a relação específica entre alguns políticos do governo e da oposição e o contraventor Carlinhos Cachoeira. Limitar a CPI a este foco certamente terá consequências bastante deletérias para a reputação do Congresso Nacional.

A primeira delas é despertar um movimento de defesa e ataque entre governo e a oposição no momento em que forem examinadas as situações de políticos como Demóstenes Torres (ex-DEM, agora sem partido), de um lado, e Agnelo Queiroz (PT) de outro. Essa é a falsa polarização que a grande imprensa gostaria que ocorresse. De um lado, essa polarização dará visibilidade à CPI, mas às custas da perda ainda maior de credibilidade do Congresso. De outro lado, há em parte da grande imprensa a tentativa de retirar as relações entre a revista Veja e Carlinhos Cachoeira do foco da CPI. Acho extremamente importante evitarmos a polarização entre governo e oposição para não perdermos o foco da CPI. A verdadeira questão desta comissão de inquérito é como o crime organizado se articula, em especial, quais são os seus tentáculos no Congresso Nacional. Sabemos muito pouco sobre a relação entre o crime organizado e sistema político no Brasil, ainda que seja bastante comentada a informação de que o crime organizado é um dos grandes financiadores de campanhas pelo sistema político. É preciso investigar a veracidade destas informações e tornar o Legislativo menos vulnerável às incursões do crime organizado.

Em segundo lugar, interessa à opinião pública e à democracia no Brasil saber quais eram (ou são) as relações entre a revista semanal Veja e o esquema de escutas ilegais em Brasília. Interessa à opinião pública saber se esse era um lobby, se o lobby era apenas político ou também econômico. Interessa saber se escutas que foram publicadas pelo semanário paulista e que derrubaram administradores públicos que cobravam da construtora Delta revisões em obras mal feitas foram ou não remuneradas pela mesma construtora. E, se foram remuneradas, quem foi pago. A resposta a esta questão irá determinar a maneira como se entenderá a relação entre imprensa, transparência e democracia no Brasil. Se o Legislativo for capaz de responder a essas perguntas com coerência e transparência, ele tem toda a condição de recuperar parte da sua credibilidade e da credibilidade das CPIs.

 

 

29/04/2012 | Copyleft

Envie para um amigo Versão para Impressão SDH firma parcerias para criar comissões da verdade em sindicatosDe acordo com o coordenador do projeto Direito à Memória e à Verdade, Gilney Viana, a efervescência social suscitada pela expectativa de instalação da Comissão da Verdade tem provocado o surgimento de novas denúncias, que reforçam a tese de que o impacto da ditadura militar na vida dos brasileiros é muito superior ao conhecido. Nesse contexto, as parcerias são fundamentais para resgatar a memória dos trabalhadores brasileiros no período.

Brasília - A Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência está firmando parcerias com sindicatos e entidades de classe para resgatar a memória dos trabalhadores brasileiros vítimas da ditadura militar. De acordo com Gilney Viana, coordenador do projeto Direito à Memória e à Verdade, a proposta é criar “comissões da verdade” em todas as entidades interessadas, à exemplo do que já vem sendo feito em assembleias legislativas, câmaras de vereadores e entidades de direitos humanos de todo o país. “Os sindicatos têm que assumir a responsabilidade pelo seu passado”, afirma.

Viana avalia que a efervescência social suscitada pela expectativa de instalação da Comissão da Verdade, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em outubro e que, agora, aguarda a indicação dos seus sete membros para começar a atuar, tem provocado o surgimento de novas denúncias sobre violações de direitos, que podem alterar drasticamente a forma com que o país e o mundo encaram o mais sangrento período da história recente brasileira. “Essas denúncias reforçam a tese de que o número de vítimas é muito superior do que o já reconhecido”, afirma.

Para o eterno militante que ficou preso nos porões da ditadura por quase 10 anos, nem a Comissão de Mortos e Desaparecidos, criada de 1995, e nem a Comissão de Anistia, de 2001, foram capazes de dar conta do grau de impacto da ditadura na vida dos brasileiros. “A Comissão de Mortos e Desaparecidos, por exemplo, reconhece apenas 17 camponeses vítimas do período. E os relatos já sistematizados indicam que pelo menos 450 vítimas. Além disso, há as perdas institucionais que também foram enormes. A Universidade de Brasília (UnB), para citar a mais prejudicada, perdeu cerca de 80% do quadro docente”, reforça.

Gilney acredita que, neste contexto, o apoio dos sindicatos e entidades de classe é fundamental para o resgate da história. Ele explica que a SDH oferecerá todo o suporte para a efetivação das parcerias, mas que cada entidade terá total autonomia para decidir como encaminhará seus trabalhos.

Já demonstraram interesse em participar do projeto a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Central Sindical e Popular – Conlutas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). O convite será estendido a todas as entidades representativas dos trabalhadores.

O coordenador relata, inclusive, que algumas ações já estão em curso. O Sindicato dos Químicos de São Paulo assumiu o resgate da história do químico Virgílio Gomes da Silva, ex-militante da ALN, que foi morto após comandar o sequestro do embaixador norte-americano no Brasil. O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo também já se responsabilizou por resgatar a memória de profissionais como o ex-diretor da TV Cultura, Vladimir Herzog, morto nos porões do DOI/CODI, após intensa seção de tortura.

Direito à Memória e à Verdade
Desde o início do governo Dilma Rousseff, o Projeto Direito à Memória e à Verdade trabalha com o propósito principal de estimular um ambiente político que favorece a criação da Comissão da Verdade. As frentes de trabalho são as mais diversas: edições de livros, exposições, memoriais. Do ano passado para cá, investiu no estímulo à criação de comissões da verdade regionais, no âmbito das Câmaras de Vereadores, Assembleias Legislativas e entidades de defesa dos direitos humanos.

Agora, serão os sindicatos e entidades de classe. “Hoje, já temos uma verdadeira rede que atua em todo o país e cresce a cada dia. Nossa expectativa é que o trabalho produzido por esta ajude a Comissão da Verdade a fechar um relatório final com o peso que todo nós esperamos”, acrescenta.

 

 

publicado em 29/04/2012 às 17h53: Serra deu R$ 34 milhões à revista
Veja quando era governador de SP

Tucano escolheu um ex-jornalista da revista para assumir sua campanha à Prefeitura de SP

Do R7

Compra das assinaturas representava cerca de 25% da tiragem da Nova Escola

Em levantamento feito junto ao Diário Oficial do Estado de São Paulo mostra que o ex-governador José Serra, quando ocupava o cargo, pagou cerca de R$ 34 milhões ao longo de um ano ao Grupo Abril, responsável pela publicação da revista Veja.


A pesquisa feita pelo jornalista Altamiro Borges em 2010, do jornal Correio do Brasil, revela que o dinheiro era transferido do governo paulista para o grupo por causa da assinaturas de revistas.

Parte do dinheiro foi destinado para a compra de cerca de 25% da tiragem da Nova Escola e injetou alguns milhões nos cofres de Roberto Civita, o empresário que controla a Editora Abril. 

Leia mais notícias no R7

Além disso, na época, o tucano também apresentou proposta curricular que obrigava a inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições do Guia do Estudante, outra publicação do grupo.

Caso Cachoeira e a Veja 

Nesta semana, gravações feitas pela Polícia Federal, à qual o R7 teve acesso, mostraram que Cláudio Abreu , ex-diretor da Delta Construções, deu orientações a um dos redatores-chefes da revista Veja, Policarpo Júnior, para produção de uma reportagem sobre Agnelo Queiroz (PT-DF).

Dias antes, foi publicada uma denúncia sobre a atuação do governador na operação Caixa de Pandora, que derrubou o antecessor e rival José Arruda (ex-DEM).
Aparentemente, o grupo de Cachoeira tentava abastecer a revista com informações que interessavam a seus negócios.

Entre o dia 29 e 30 de janeiro, membros do grupo discutiram a repercussão da matéria e usaram a história para pressionar o governo pelo cumprimento de uma promessa não identificada pelo inquérito da PF.

Recentemente, Serra, atual pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, anunciou o jornalista Fábio Portela, ex-editor de Brasil da revista Veja, como coordenador de imprensa de sua campanha.

 

Do blog Terror do nordeste

A Cachoeira da corrupção chega em Beto Richa

O PiG, que é tão diligente quando tem um petista envolvido em falcatrua, não age da mesma forma quando o envolvido é um tucano.Ninguém vê Fernando Rodrigues, Josias de Souza, Merval Pereira, Cláudio Humberto, Élio Gaspari, Guilherme Fiúza, José Neumâne Pinto, Dora Kramer e outros saubujos, escreverem uma linha sobre as falcatruas dos tucanos.Todos ficam caladinhos, com o rabo entre as pernas.

Pois bem.O Terror do Nordeste, que não é jornalista, só foi dar uma folheada no inquérito da Polícia Federal(Monte Carlos) para descobri que a ligação entre Cachoeira e os tucanos é muito mais do que se pensava.Até o momento, só vieram à tona os nomes de Perillo, Leréia, Vilela.Mas tem mais tucano envolvido.

O mais recente nome envolvido no esquema de Carlinhos Cachoeira é o governador do Paraná, o tucano Beto Richa.

Trechos de grampos da Polícia Federal, se não provam esse envolvimento, mostram que merece ser bem apurada, na CPI do Cachoeira, a ligação entre Beto Richa e Carlinhos Cachoeira.

Vejamos parte do grampo que mostra um tal de MARRULA(a gangue de Cachoeira é pródiga em ter apelido, é Poli, é Gordinho, é MARRULA, MITSU) tentando fazer a aproximação entre Carlinhos Cachoeira e Beto Richa.

MARRULA:(31")- Falei com o CARLINHOS agora, o pessoal quer marcar para ver se a gente vai aí em SALVADOR, para conversar com aquela TURMA, a minha DICA pro CARLINHOS foi a seguinte:ele entra com a gente no PARANÁ, pra gente abranger o ESTADO inteiro, entendeu Lenine? Porque MEU PRIMO é muito(cortada) VICE-GOVERNADOR do Estado de lá, sabe? E quer levar o CARLINHOS CACHOEIRA para conhecer o BETO RICHA lá, e a gente pode aproveitar alguma coisa nisso, você concorda?

LENINE:Certo.Inclusive o MITSU me ligou hoje, né? para mim marcar com ele, daí eu liguei pro pessoal lá em SALVADOR, né? E eles não confirmaram ainda se eles estão vindo essa semana aqui na semana que vem, um dos dois lá, são dois irmãos que são donos Iné? MARCOS E JOÃO tá no Rio, o MARCOS tá lá em Salvador, aí tô aguardando a resposta deles para saber se eles vem aqui em BRASÍLIA, porque geralmente uma vez por semana eles vem a Brasília, né? Se não vier profissional a única coisa que eles não baixam é aquele preço deles né?

MARRULA:Não, entendi, porque eles são pequenino sabe? Só que eles estão com a faca e o queijo na mão porque o pessoal de lá, oSECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA do Estado lá, NÓS QUE COLOCAMOS, o cara tem 37 anos, secretário da PF de lá e é GENTE DE MINHA CASA, GENTE DO MEU PRIMO.

Como se percebe, a ligação entre Carlinhos Cachoeira e Beto Richa é patente.Cachoeira não só manda no governo de Goiás, governado pelo tucano Marconi Perillo, como também manda no governo do Paraná, governado por Beto Richa, tanto é que nomeou o SECRETÁRIO DE SEGURANÇA PÚBLICA DE GOIÁS E DO PARANÁ.

Cabe a CPI do Cachoeira investigar essa denúncia a fundo.Vislumbra-se um final infeliz para o tucanato.

 

zanuja

"Como se percebe, a ligação entre Carlinhos Cachoeira e Beto Richa é patente." Meu amigo, esse texto só fala que o tal Carlinhos nem conhece o tal do Beto Richa. Esse tipo de ilação idiota eh que torna os comentaristas do PIG inconsistente. Não conseque interpretar o que le ou ouve. 

 

publicado em 28/04/2012 às 19h17: Em gravações da PF, Cachoeira diz que vitória da
Beija-Flor no Carnaval de 2011 teve “mutreta”

Segundo inquérito do STF, bicheiro tem “negócios” na escola de samba do Rio

Do R7

O inquérito do STF (Supremo Tribunal Federal) contra o senador Demóstenes Torres (Sem partido-GO), aberto para investigar as ligações do parlamentar com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, mostra que o resultado do Carnaval do Rio de Janeiro em 2011 pode ter sido manipulado.

De acordo com os grampos da PF, contidos no documento, Cachoeira disse que a vitória da escola de samba Beija-Flor no Carnaval de 2011 foi “mutreta”. Segundo anotações da polícia, o contraventor também assumiu ter algum tipo de “negócio” com a escola.

A integra do documento foi divulgado nesta sexta sexta-feira (27) pelo site Brasil 247 e traz parte das gravações feitas pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo, que começou em 2008 e investigou a quadrilha que explorava jogos ilegalmente. 

Leia mais notícias no R7

Procurador cita repasse de Cachoeira a Demóstenes de até R$ 3 milhões

Saiba quem é Carlinhos Cachoeira, a bomba-relógio do Planalto

 

Cachoeira afirmou haver manipulação do resultado em uma ligação que fez para uma pessoa identificada pela PF apenas como “Santana”, que seria o vereador de Goiânia Santana Gomes (PSD), suposto amigo do bicheiro.

A conversa aconteceu no dia 9 de março de 2011, às 18h29, cerca de 40 minutos depois da escola conquistar o título de campeão do Carnaval carioca daquele ano. O texto da PF não inclui a conversa na íntegra, apenas um resumo do conteúdo: 

“Eles falam sobre a vitória da Beija-Flor. A escola de samba na qual Carlinhos tem um tipo de negócio. Carlinhos confirma que teve mutreta para obterem a vitória”, diz o relatório. 

 

Na época, a vitória da Beija-Flor, com enredo sobre a vida de Roberto Carlos, foi muito contestada por diretores de escolas de samba concorrentes e por internautas. A hashtag “#marmelada” ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Outro lado

A reportagem procurou a Beijar-Flor para saber se as informações são verdadeiras. O jornalista e assessor de imprensa da escola Hilton Abi Rihan negou a suposta “mutreta” e também disse que ninguém da agremiação conhece o bicheiro. 

— Tem nada não. Isso é conversa fiada. Lá ninguém nem conhece esse cara [Carlinhos Cachoeira]. Não existe essa possibilidade. Mas, nem de longe. Você vai lá no barracão e apura isso lá. A Beijar-Flor precisa disso [para conquistar um título]? É a mais conhecida do Brasil. A primeira colocada do ranking. Ganhou com aplausos, com Roberto Carlos. Os títulos foram aplaudidos. Isso é perseguição.

O R7 também tentou ouvir o vereador Santana Gomes, mas ele não foi encontrado para comentar a conversa.

 

De CartaMaior.

Primeiro-ministro inglês nega que tenha feito acordo com MurdochEm entrevista a BBC, David Cameron admitiu que falou com James Murdoch, filho do magnata midiático Ruppert Murdoch, sobre a oferta da News Corp. para adquirir todo o pacote acionário do gigante televisivo BskyB. “Quero deixar que não houve nenhum tipo de acordo para dar algo em troca de outra coisa. Não existiu nenhum pacto”. A necessidade de Cameron de vir a público negar esse pacto aponta para seu flanco mais vulnerável.

Londres - O primeiro ministro David Cameron admitiu que falou com James Murdoch, filho do magnata midiático Ruppert Murdoch, sobre a oferta da News Corp. para adquirir todo o pacote acionário do gigante televisivo BskyB. Em uma entrevista a BBC, Cameron reconheceu que o encontro em uma festa pré-natalina com a executiva da News International, Rebekah Brooks, em 2010, foi um erro. Neste momento, o governo analisava se a proposta de Murdoch poderia afetar a liberdade de imprensa no Reino Unido. “Quero deixar que não houve nenhum tipo de acordo para dar algo em troca de outra coisa. Não existiu nenhum pacto”, assinalou Cameron.

A necessidade de Cameron de negar a existência de um pacto aponta para seu flanco mais vulnerável. O grupo Murdoch apoiou abertamente David Cameron nas eleições de maio de 2010 depois de ter apoiado o trabalhismo desde 1997. A suspeita de que essa mudança de posição pudesse estar vinculada com a oferta do grupo Murdoch pela BskyB se intensificou pela crescente proximidade dos conservadores com o grupo, o que incluiu a nomeação como chefe de imprensa do governo o ex-editor de “News of the World”, Andy Coulson, que foi obrigado a renunciar por causa do escândalo das escutas telefônicos da hoje falecida publicação.

Em sua entrevista a BBC, o primeiro ministro assinalou que não lembrava com exatidão o que havia dito a James Murdoch, mas que a conversa ocorreu pouco depois de o liberal democrata titular da pasta de Empresas, Vince Cable, ter “declarado guerra” a News Corporation. “O que lembro é que disse a ele que isso era totalmente inaceitável e embaraçoso para o governo e que este iria se comportar de maneira imparcial. Certamente que deixou claro que eu não teria nenhum vínculo com a decisão que fosse tomada a respeito”, assinalou o primeiro ministro a BBC.

Cameron defendeu seu ministro da Cultura, Jeremy Hunt, duramente questionado por sua investigação sobre a oferta da News Corp. “Pelo que vi até aqui, não creio que Jeremy Hunt tenha violado o código de conduta ministerial”, disse o primeiro ministro. Esta defesa de um de seus ministros favoritos, até bem pouco tempo, não foi nem um pouco entusiasmada. O ministro teve que comparecer quarta-feira diante do parlamento depois que a Comissão Leveson, que analisa a relação entre políticos e meios de comunicação, a partir do escândalo das escutas telefônicas, publicou mais de 160 páginas de email’s trocados entre Frederic Michel, lobista dos Murdoch, James Murdoch e o assessor especial de Hunt, Adam Smith. Nestas mensagens, que provocaram a imediata renúncia de Smith, Michel cita uma série de intervenções de Hunt para favorecer a aquisição da BskyB, garantindo que não se criaria um monopólio midiático capaz de afetar a liberdade de imprensa.

No parlamento, Hunt assinalou que não sabia de nada sobre esses email’s e que Adam Smith tinha se excedido em seus contatos com o lobista dos Murdoch, razão pela qual teria aceitado a renúncia. Não surpreende que a oposição trabalhista não tenha acreditado em uma palavra e exigido sua renúncia, mas chama a atenção que nenhum dos comentaristas políticos – e ninguém de seu próprio partido conservador, com a exceção de Cameron – tenha dado crédito a esse suposto desconhecimento do que fazia o seu assessor especial no caso mais importante em anos do Ministério da Cultura.

O caso Murdoch se soma à recessão que vive o país e a uma série de escândalos que atingiram a Coalizão e, em especial, os conservadores. Os trabalhistas levam uma vantagem de 11 pontos nas pesquisas e, pela primeira vez, o primeiro ministro David Cameron está sendo percebido como “incompetente” pela maioria dos entrevistados. A eleição nesta quinta-feira para a Prefeitura de Londres e de aproximadamente cinco mil vereadores em 181 municípios britânicos será uma prova de fogo para seu governo.

Tradução: Katarina Peixoto

 

zanuja

De CartaMaior.

 

Modelo de austeridade de Merkel está em crise na EuropaAs eleições na França e na Grécia, a queda do governo holandês e romeno, a recessão no Reino Unido, na Espanha e na Bélgica são sinais de um modelo econômico contra as cordas. Na reta final da campanha presidencial francesa, Angela Merkel se converteu na melhor aliada do candidato socialista François Hollande. A chanceler alemã rechaçou energicamente a proposta de Hollande de renegociar o pacto fiscal. "A Alemanha não decide o destino da Europa", respondeu Hollande. O artigo é de Marcelo Justo, direto de Londres.

Londres - A austeridade está em crise. As eleições na França e na Grécia, a queda do governo holandês e romeno, a recessão no Reino Unido, na Espanha e na Bélgica são sinais de um modelo econômico contra as cordas. Até o ultra-ortodoxo presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, assinalou que o ajuste necessita de um plano para o crescimento. Em uma tentativa de parar uma bola de neve política antes que ela se torne incontrolável, a chanceler alemã Angela Merkel, principal impulsionadora pan-europeia do ajuste, acaba de anunciar que está sendo preparada uma “agenda de crescimento” para a cúpula de chefes de Estado e de governo europeus que ocorre em junho.

A agenda pode ser mais um exercício de relações públicas do que uma mudança significativa do rumo adotado desde que estourou a crise grega em 2010. Na última semana da campanha presidencial francesa, Angela Merkel se converteu na melhor aliada do candidato socialista François Hollande. A chanceler alemã rechaçou energicamente a proposta de Hollande de renegociar o pacto fiscal assinado no final do ano passado por 25 dos 27 membros da União Europeia (UE). Em um país com forte orgulho nacional, a declaração de Merkel foi como um maná celestial para o candidato socialista. “A Alemanha não decide o destino da Europa”, disse Hollande à televisão francesa.

Com essa turbulência no eixo franco-alemão, pilar da eurozona, governos conservadores, mas com a corda no pescoço, como o de Mariano Rajoy na Espanha, ou o do tecnocrata Mario Monti, na Italia, começam a se inclinar mais na direção da Hollande do que da intransigência de Merkel. Com um desemprego recorde (24,4%, mais de 5 milhões e meio de pessoas) e uma nova crise bancária em gestação, o respaldo eleitoral que Rajoy obteve nas eleições de novembro está se evaporando a uma velocidade supersônica. A contínua mensagem de austeridade da União Europeia, que não esperou que terminassem as celebrações de sua vitória, é contraproducente. Além de colocar em dúvida a vontade política de levar adiante o ajuste, evapora a possibilidade de falar de crescimento.

No último trimestre do ano passado, a eurozona entrou tecnicamente em recessão e a projeção é que 2012 será um ano de crescimento econômico negativo. A camisa de força do euro não ajuda, mas estar fora da eurozona tampouco é uma garantia. O caso britânico é um exemplo. A economia começava a emergir da crise de 2008 graças ao programa de estímulo econômico trabalhista que a coalizão de Cameron reverteu ao tomar o poder em maio de 2010. O respirador keynesiano sustentou a frágil recuperação até princípios do ano passado, mas a partir de então, as demissões, o aumento de impostos e os congelamentos salariais começaram a erodir toda possibilidade de crescimento. 

Na última quarta-feira, os dados oficiais confirmaram que tecnicamente o Reino Unido entrou em recessão. O déficit fiscal baixou de 11% em 2010 para 8,3% no ano passado, mas em março, começou a se desenhar a tendência contrária: com a queda da arrecadação fiscal, o governo está começando a pedir emprestado mais do que havia planejado.

Enquanto isso, a Europa começa a fazer água politicamente por todas as partes. Na Romênia o governo caiu na sexta-feira quando a oposição capitalizou uma onda de protestos populares contra o ajuste. Na República Checa, o governo de centro-direita de Petr Necas está nas cordas pelo mesmo motivo. Na Grécia, há cada vez mais indicações de que as eleições do próximo fim de semana deixarão um parlamento fragmentado com crescente presença de um partido de ultradireita que propõe minar as fronteiras para evitar uma invasão e uma importante presença de forças de esquerda: o rechaço à austeridade será muito amplo. A eleição grega deveria preparar o caminho para os fundos da União Europeia: o parlamento grego não aprovar o plano seria como desconectar o respirador artificial que mantém a Grécia no euro.

Em todos os países está aparecendo essa tendência favorável à políticos fora do establishment à direita e à esquerda. A importante votação de Marie Le Pen (17,9%) e do ex-trotskista Jean-Luc Melenchon (11%) no primeiro turno francês é um exemplo disso. Nas eleições municipais da Itália de 6 e 7 de maio, uma recente pesquisa deu 7,5% das intenções de voto ao humorista Iuseppe “Beppe” Grillo. No Reino Unido, a última pesquisa mostra a pior perda de apoio do primeiro ministro David Cameron em oito anos e um importante aumento de apoio ao antieuropeísmo do Partido do Reino Unido. Na Áustria, o partido de extrema-direita Liberdade encontra-se na crista da onda da popularidade graças a sua política antiimigratória. Outro partido de direita que também se denomina Liberdade provocou a queda do governo na Holanda. Com as nuvens econômicas que dominam o horizonte, pode-se dizer que o baile apenas começou.

Tradução: Katarina Peixoto

 

zanuja

.... Os fundos de investimento detêm 29,72% dos títulos públicos em estoque, que somam R$ 1,73 trilhão, e representam 41,1% dos papéis em mercado. Mas parte relevante desses recursos em fundos, no entanto, são de investidores pessoas jurídicas como seguradoras e empresas, para os quais há cobrança de Imposto de Renda para as aplicações em poupança.
Esses investidores só sairiam dos fundos, portanto, em um segundo momento, quando a taxa Selic ficasse abaixo da remuneração da poupança de 6,17%, afirma Bernard Appy, ex-secretário do Ministério da Fazenda e atualmente diretor da consultoria LCA. ......

Dois milhões já perdem em fundos 'caros' (
Com Selic a 9%, grande investidor resiste em fundo de renda fixa
Autor(es): Por Antonio Perez, Silvia Rosa e Filipe Pacheco | De São Paulo....Valor Econômico - 20/04/2012(Portal clipping Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão )
 
A redução da taxa Selic para 9% colocou em desvantagem os pequenos investidores em fundos conservadores, mas ainda está longe de desencadear uma fuga maciça de recursos rumo à caderneta de poupança. Fundos DI e de renda fixa com taxa de administração de 0,75%, que ganham da poupança, detêm 94% do patrimônio total dos fundos
A redução da taxa Selic para 9% ainda não afeta o bolso do grande investidor que aplica em fundos conservadores e, por isso, está longe de desencadear uma migração maciça de recursos do setor de fundos DI e renda fixa em direção à caderneta de poupança. "Uma Selic de 9% ainda não assusta tanto o setor, porque a maior parte do patrimônio dos fundos DI está em carteiras com taxa de administração menor que 1% e ainda rendem mais que a caderneta", afirma Sinara Policarpo, superintendente de investimentos do Santander.

Com os juros em 9% ao ano, os fundos DI e de renda fixa com taxa de administração de 0,75% - onde estão aplicados 94% do patrimônio total dos fundos dessas duas categorias - ainda ganham da caderneta de poupança para aplicações em seis meses. Ou seja, não há motivo para a maior parte do dinheiro nos fundos DI e renda fixa migrar hoje para a poupança.
"Não faz sentido falar em fuga de recursos para a poupança, porque os grandes investidores, que conseguem taxas de administração menores, ainda preferem ficar nos fundos", afirma o economista Marcelo d"Agosto, especialista no setor de fundos e autor do blog "O Consutor Financeiro", no portal Valor.
O cenário pode mudar de figura se a Selic cair abaixo de 8,5%, alerta Sinara, do Santander. Com a Selic em 8,50%, os fundos que cobram taxa de 0,75% já perdem da poupança em seis meses. Se o BC cortar o juro para 8%, esses mesmos fundos só vão bater a caderneta se o dinheiro ficar aplicado por dois anos e meio.

Os fundos DI sempre foram sinônimo de rentabilidade gorda no curtíssimo prazo, ou seja, da possibilidade de sacar o dinheiro imediatamente ganhando mais que na poupança. Se deixam de bater a caderneta em prazos estreitos, os fundos DI não fazem mais sentido como estratégia de investimento nem mesmo para os grandes investidores, que conseguem taxas de administração abaixo de 0,75%.
Como os fundos DI carregam principalmente títulos públicos de curto prazo que seguem a Selic (LFTs), um movimento de saques das carteiras, por conta da queda da Selic, obrigaria os gestores a vender esses papéis. "Os fundos teriam que desová-las (LFTs) para poder entregar o dinheiro aos investidores", afirma.

A migração dos recursos em fundos de investimento pode criar um problema para o governo no financiamento da dívida pública. Os fundos de investimento detêm 29,72% dos títulos públicos em estoque, que somam R$ 1,73 trilhão, e representam 41,1% dos papéis em mercado. Mas parte relevante desses recursos em fundos, no entanto, são de investidores pessoas jurídicas como seguradoras e empresas, para os quais há cobrança de Imposto de Renda para as aplicações em poupança.

Esses investidores só sairiam dos fundos, portanto, em um segundo momento, quando a taxa Selic ficasse abaixo da remuneração da poupança de 6,17%, afirma Bernard Appy, ex-secretário do Ministério da Fazenda e atualmente diretor da consultoria LCA. Para ele, a remuneração da caderneta deveria ser atrelada à taxa Selic. "Se não mexer na remuneração da poupança, o Banco Central não consegue reduzir a taxa básica de juros, pois o Tesouro Nacional e os bancos continuarão tendo que captar a uma taxa acima do rendimento da caderneta."

Se do lado do patrimônio do setor de fundos uma Selic em 9% significa muito pouco, para o pequeno investidor a queda dos juros é fatal. Hoje, mais de 2 milhões de cotistas estão em fundos DI e de renda fixa que rendem menos que a poupança. Esses 2 milhões, contudo, representam apenas 6% do patrimônio total dessas duas categorias. "A grande maioria dos investidores em fundos aplica em carteiras caras, e teriam melhor remuneração se migrassem para a poupança, diz d"Agosto.

Mas nem a pessoa física que está em um fundo com taxa maior que 0,75% deve migrar imediatamente para a poupança caso a Selic caia abaixo de 9%, diz Sinara. "Leva certo tempo para o investidor se dar conta de que o rendimento mudou e sempre existe uma tendência de permanecer na aplicação antiga", afirma ela. "Mas os novos aportes tendem a ir para a poupança".

O presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, Octavio de Lazari Junior, ainda não nota um forte movimento de migração para a poupança. "Os números mais recentes, de março, mostram que o fluxo foi condizente com o histórico para essa época do ano, de valor entre R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões entre fevereiro e março", disse Lazari Jr. "Pelo que temos conversado com os bancos, não se reconheceu um efeito de manada ou nenhuma movimentação mais brusca ao longo do mês até agora", disse

Carlos Massaru Takahashi, presidente da BB DTVM, maior gestora de fundos do país, com R$ 438,9 bilhões, também não notou até agora uma saída de recursos dos fundos. "Até aqui, por enquanto, não houve nem na BB DTVM nem na indústria como um todo essa migração", afirma Takahashi.

 

2014---distribuição de renda