Revista GGN

Assine

Jornal mineiro Hoje em Dia avança detalhes do dossiê

Nassif, enquanto o povo se preocupa em descobrir se foi "bolinha ou fita crepe" que atingiu o Serra, o jornal Hoje em Dia, publica 2 reportagens que desnudam completamente a briga entre os tucanatos paulistas e mineiros. Vale a pena abrir post para as duas reportagens pois elas desmentem completamente o jornal Estado de Minas e a Globo!!!

http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/noticias/politica/briga-e...

http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/noticias/politica/pf-desc...

Dossiê contra Serra foi tramado no Estado de Minas

Pasta começou a ser montada depois que o deputado Marcelo Itagiba inicia suposta investigação sobre Aécio Neves

Alexandre Simões e Alex Capella - Coordenadores - 21/10/2010 - 08:45

CARLOS RHIENCK

serra e aecio CARLOS RHIENCK

Origem do documento está na disputa entre Serra e Aécio no PSDB

Relatório da Polícia Federal (PF), divulgado na quarta-feira (20), sinaliza que a montagem do chamado “dossiê tucano” foi acertada em 2009, em Brasília, quando o jornalista Amaury Ribeiro Júnior descobriu que o deputado Marcelo Itagiba (RJ) reuniu um grupo de espionagem, a serviço de José Serra, para devassar a vida do ex-governador de Minas Aécio Neves. Mas a documentação começou a ser reunida bem antes, no início de 2008, em Belo Horizonte.

No primeiro trimestre de 2008, muito antes de se decidir sobre os possíveis candidatos à Presidência, o dossiê já era montado na capital mineira. A investigação do jornalista mirava as movimentações financeiras das empresas ‘Decidir.com’, com sede nas Ilhas Virgens, e Patagon, na Argentina.

Repórter especial do jornal “Estado de Minas”, Amaury Ribeiro Júnior foi o responsável pelo levantamento, com base nos dados produzidos durante as investigações da CPI do Banestado, iniciada em 2003, sobre a evasão de divisas do Brasil para paraísos fiscais entre 1996 e 2002 – cerca de US$ 84 bilhões.

Ainda no início de 2008, durante a produção do dossiê, Amaury Ribeiro Júnior manteve contato com José Serra, em São Paulo, depois de fazer todas as apurações das movimentações das duas empresas suspeitas de lavagem de dinheiro, e que pertenciam a Verônica Serra, filha de Serra, e Verônica Dantas, irmã de Daniel Dantas, dono do Banco Opportunity. Com o conhecimento do dossiê, Serra viajou para Belo Horizonte, onde participou das comemorações dos 80 anos do jornal “Estado de Minas”, em festa no Palácio das Artes para 2 mil convidados.

Além dele, outro governador presente foi José Roberto Arruda, do Distrito Federal, cotado para ser o vice de Serra, indicado pelo DEM, numa chapa com o PSDB. Arruda acabou perdendo o seu mandato no ano passado, após série de denúncias contra seu Governo. Estava presente ainda seu vice, Paulo Octávio, que também caiu.

O assunto dominante na noite foi o recado a José Serra dado, indiretamente, em discurso pelo diretor do jornal, Álvaro Teixeira da Costa: “Não mexa com Minas, que Minas reage” – referência à possível espionagem de Itagiba contra Aécio Neves.
No final do ano passado, quando os nomes da corrida presidencial estavam praticamente definidos, o jornalista deixou o jornal. A notícia do dossiê chegou à cúpula tucana. O caso foi abafado.

Com a documentação em mãos, Amaury Ribeiro Júnior se encontrou com Luiz Lanzetta, responsável, até então, pela coordenação de comunicação da campanha de Dilma Rousseff à Presidência. O encontro aconteceu em abril, em Brasília.  Amaury confirmou que, durante o período em que ficou em Brasília, negociou com a equipe da pré-campanha de Dilma Rousseff. O jornalista ficou hospedado num flat e as despesas teriam sido pagas por “uma pessoa do PT” ligada à candidatura governista.

A notícia de que Lanzetta participava da montagem do dossiê fez com que a direção do PT o afastasse. Ele deixou a campanha em junho, após a revelação do caso, negando participação na reunião dos documentos, que havia começado em 2008. Até o final de 2009, o levantamento em torno da movimentação de recursos feita pelas empresas da filha de Serra e da irmã de Dantas já estava concluído. Em nota, a PF afirma que ficou constatado que os dados do dossiê foram utilizados para elaboração de relatórios, “mas não foi comprovada sua utilização na campanha política”.

Por meio de sua assessoria, o senador eleito Aécio Neves rechaçou, ontem, qualquer ligação com o episódio, e disse que a prática de quebra de sigilo nunca fez parte de sua trajetória política, “em mais de 20 anos de vida pública”. Itagiba também negou ter participado de um grupo de espionagem a serviço de Serra. O jornal “Estado de Minas” “entende que isso (denúncias) é normal e recorrente às vésperas da eleição”.

Conforme a PF, Amaury confirmou que pagou R$ 12 mil ao despachante paulista Dirceu Garcia para obter as informações sobre os tucanos entre setembro e outubro de 2009. O jornalista não revelou de onde teria saído o dinheiro.  A PF ouviu 37 pessoas. Amaury Júnior pode ser indiciado por violação de sigilo funcional e corrupção.

Dutra nega ligação com quebra de sigilo

BRASÍLIA – Presidente do PT, José Eduardo Dutra voltou a negar nesta quarta-feira qualquer envolvimento do partido e da presidenciável Dilma Rousseff na elaboração de dossiês relacionados ao caso Eduardo Jorge, vice-presidente do PSDB. Ele disse que o jornalista Amaury Ribeiro Júnior, apontado pela Polícia Federal como mandante da quebra de sigilo fiscal de Eduardo Jorge, nunca trabalhou na campanha.

“O único contrato dele era com o (Luiz) Lanzetta (dono da Lanza Comunicação), que era contratado pela campanha. Mas eu nem conheço o Amaury. A nossa afirmação é a mesma desde o início. Nunca encomendamos ou mandamos elaborar um dossiê”, disse Dutra, aproveitando para acusar o próprio PSDB. “Parece mais uma briga instalada dentro do tucanato que quiseram colocar no nosso colo”.

A investigação da Polícia Federal, praticamente concluída, informa que o jornalista levantou as informações para o jornal “Estado de Minas”. Na época, outubro do ano passado, ele trabalhava para o jornal. Amaury pagou R$ 12 mil ao despachante Dirceu Rodrigues Garcia que, a partir de uma rede de auxiliares, obteve os dados de Eduardo Jorge na Receita Federal.

Em depoimento de oito horas à Polícia Federal, Amaury disse que ano passado, quando estava no “Estado de Minas”, foi escalado para investigar um suposto esquema de espionagem, contra o ex-governador Aécio Neves (PSDB), que teria sido montado por um suposto grupo do deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), ligado a Serra. Ele e Aécio eram potenciais candidatos do PSDB à presidência da República. O jornalista disse que, ainda em outubro do ano passado, entregou um relatório do caso ao “Estado de Minas” e deixou o jornal. As informações não foram publicadas.

No início deste ano, Amaury, que mantinha cópia do relatório em seu computador pessoal, foi chamado pelo empresário Luiz Lanzetta para montar uma equipe de inteligência da campanha de Dilma Rousseff. A tarefa seria conter vazamentos de informações do comitê central da campanha da ex-ministra.

A formação da equipe de inteligência – que contaria com a participação do sargento da reserva da Aeronáutica Idalberto Mathias, o Dadá, e o delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo Souza – foi abortada antes da criação do grupo. Lanzetta se desentendeu com Onézimo sobre valores e o tipo de serviço que seria prestado.

Depois da briga, o caso foi tornado público e se transformou num dos grandes escândalos da campanha eleitoral. A partir daí, os deputados José Eduardo Cardozo (PT-SP) e Marcelo Itagiba pediram à PF para investigar a denúncia. Sete pessoas já foram indiciadas.

Serra atribui autoria a petistas

RIO DE JANEIRO – O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, afirmou que a quebra de sigilo de tucanos e seus familiares foi “uma ação direta ou terceirizada da campanha do PT”. “Esse cidadão (o jornalista Amaury Ribeiro Júnior) foi imediatamente contratado pelo PT para levar o seu know how, fruto das suas espionagens. Seja a que ele fez ou a que ele iria fazer”.

Por meio de nota, o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), disse que o PT, “na sua enorme arrogância, acha que o Brasil é feito de tolos”. O senador alega que, a poucos dias das eleições, “justamente no momento em que José Serra e Aécio Neves percorrem juntos o Brasil na defesa de um país mais ético e mais justo, o PT tenta ressuscitar mais um factoide que tem como único objetivo provocar a divisão das forças que se unem pela vitória de José Serra”.

Ainda na nota, o tucano afirma que a denúncia é uma “nova tentativa do PT demonstrar, na verdade, a gravidade dos fatos ocorridos no âmbito da coordenação da campanha da candidata Dilma Rousseff e, agora devidamente comprovados, merecem o repúdio das forças democráticas brasileiras”.

O presidente do PSDB garantiu que a criação de grupos de espionagem “não é prática das campanhas do PSDB em Minas, São Paulo ou de qualquer outro Estado”. Conforme Guerra, o “PT dá mais uma mostra de uso político das instituições do Estado, de como usa o Governo para atender a seus objetivos políticos”. O tucano afirmou também que, embora o depoimento não tenha sequer sido divulgado, “o PT se apressa em espalhar versões”.

 

 Dossiê tucano

 

Origem em BH

2008
- Antes de se decidir os possíveis candidatos à Presidência, um dossiê começou a ser montado em Belo Horizonte. A intenção era de levantar a movimentação financeira das empresas Decidir.com., com sede nas Ilhas Virgens, e Patagon, na Argentina.

- Jornalista com vínculo profissional com o jornal “Estado de Minas”, Amaury Ribeiro Júnior foi o responsável pelo levantamento do material, com base na CPI do Banestado, em 2003. A CPI investigou a evasão de divisas do Brasil para paraísos fiscais entre 1996 e 2002, num total de cerca de US$ 84 bilhões.

- Durante a produção do dossiê, o jornalista manteve o contato com José Serra, em São Paulo, depois de fazer todas as apurações das movimentações das duas empresas. A Decidir.com e Patagon eram das sócias Verônica Serra, filha de Serra, e de Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, dono do Banco Opportunity.

- Com o conhecimento do dossiê, Serra viajou para Belo Horizonte para participar das comemorações dos 80 anos do jornal “Estado de Minas”. Além dele, outro governador presente foi José Roberto Arruda, do Distrito Federal, cotado para ser o vice indicado pelo DEM numa chapa com o PSDB. Arruda acabou perdendo mandato. 
O assunto dominante na noite era o recado claro a José Serra, dado inclusive, indiretamente, no discurso de um dos diretores do jornal, que garantiu: “Não mexa com Minas, que Minas reage”.

Conclusões da PF 

2009
- Os dados dos tucanos foram encomendados pelo jornalista Amaury Ribeiro Júnior.  jornalista não só fazia a encomenda dos dados obtidos ilegalmente em agências da Receita em São Paulo, mas ia a capital paulista buscar os documentos. As viagens eram pagas pelo jornal.

- Amaury confirmou que pagou R$ 12 mil ao despachante Dirceu Rodrigues Garcia, que trabalha em São Paulo. A PF não sabe de onde saiu o dinheiro.

- Garcia confirmou que Amaury pagou pelos dados do genro de José Serra, Alexandre Bourgeois, do dirigente tucano Eduardo Jorge, das sócias Verônica Dantas e Verônica Serra, além de outros integrantes do PSDB.

- O jornalista decidiu fazer a investigação depois de descobrir que o deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ) estaria comandando um grupo de espionagem a serviço de José Serra para devassar a vida do ex-governador Aécio Neves que tinha a intenção de disputar a Presidência.

- Depois de deixar o emprego no jornal, no final de 2009, o jornalista participou de uma reunião, em abril passado, com integrantes da pré-campanha de Dilma Rousseff, em Brasília.No encontro, estava presente o delegado Onésimo de Souza.

PF descobre que Estado de Minas pagou passagens do jornalista do dossiê

 

Jornal arcou com despesas até julho de 2009, e as demais foram quitadas pelo funcionário Marcelo Augusto de Oliveira

 

Da Redação - 21/10/2010 - 23:43

 

CARLOS RHIENCK

serra e aecio CARLOS RHIENCK

Origem do documento está na disputa entre Serra e Aécio no PSDB

O Jornal Estado de Minas pagou as passagens aéreas do jornalista Amaury Ribeiro Jr., que encomendou a violação dos sigilos fiscais dos tucanos. Em depoimento à Polícia Federal, Amaury afirmou que deixou oficialmente o jornal em 16 de outubro, tendo gozado férias de 30 dias antes disso. A quebra dos sigilos fiscais dos tucanos ocorreu entre 29 de setembro e 8 de outubro. As passagens foram faturadas pela agência de viagens Primus, que presta serviços ao jornal.

 

De acordo com o inquérito da Polícia Federal, uma declaração da agência de turismo confirma que o Estado de Minas só pagou, em nome da empresa, viagens para Amaury até julho do ano passado. A partir de setembro, os bilhetes, inclusive os adquiridos no período da quebra do sigilo fiscal, foram faturados em nome de Marcelo Augusto de Oliveira, funcionário do jornal até hoje. Dezoito passagens emitidas em favor de Amaury, a última delas datada de 22 de dezembro de 2009, foram pagas em dinheiro ou faturada em nome do funcionário.

 

A direção do jornal negou, em nota divulgada nesta quinta-feira (21), que tenha pago viagens de Amaury durante as férias. "Amaury Ribeiro Júnior trabalhou como repórter do Estado de Minas de 25 de setembro de 2006 a 15 de outubro de 2009. No dia 25 de setembro de 2009, o jornalista entrou em férias e as gozou até o dia 14 de outubro do mesmo ano. No dia 15 de outubro, o repórter pediu demissão. Nenhuma viagem do jornalista no período em questão foi custeada pelo jornal", diz a nota.

 

Em depoimento à PF, o despachante paulista Dirceu Garcia admitiu que recebeu R$ 12 mil em dinheiro de Amaury para comprar as declarações de renda das pessoas próximas a Serra. Por sua vez, o jornalista confirmou que conhecia o despachante e que encomendou buscas em juntas comerciais, mas negou a compra de documentos sigilosos e desconversou sobre a forma de pagamento. Ele afirmou que levantou informações do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, e de outros tucanos e familiares de Serra, entre eles a filha Verônica, como parte de uma investigação de “mais de dez anos”, que foi concluída antes de ele pedir demissão do jornal “Estado de Minas”, em 15 de outubro de 2009.

 

A PF informou que Amaury Ribeiro Jr. disse que estava levantando as informações contra José Serra porque havia indícios de que um grupo de arapongagem ligado ao ex-governador de São Paulo estaria investigando Aécio Neves, à época cotado para ser o candidato tucano à Presidência. No entanto, no depoimento prestado à PF em 15 de outubro, Amaury diz que existe um grupo de inteligência tucano, comandado pelo deputado federal Marcelo Itagiba (PSDB-SP), mas não cita o nome nem faz menção ao ex-governador de Minas Gerais. Afirma que ouviu relatos de que o grupo tucano “estaria adiantado” em relação aos petistas e que, por isso, seria importante que a campanha de Dilma também tivesse seu próprio núcleo de inteligência.

 

 

 

- O delegado afirmou à polícia que foi chamado para cuidar da segurança do escritório do jornalista Luiz Lanzetta, responsável, até então, pela coordenação de comunicação da campanha de Dilma. Lanzetta deixou a campanha em junho, após a revelação do caso, negando que teria participado da criação do dossiê.

Média: 4.8 (36 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+87 comentários

Falam da fôrma, mas não do bolo....

 

Se alguém seguir o conselho dado pelo velho Deep Throat aos jornalistas do Washington Post lá no caso Watergate. Ele disse: Follow the money. Pois que sigam o dinheiro lá em Minas.

 

Pra mim escândalo maior do que este do sigilo e da guerra do José Bush contra Aécio Reagan é a do metrô paulista, menina dos olhos do José Bush; Jorge Fagali, secretário de transportes de SP responsável pelo metrô apanhado pelo MP com US$10 milhões na Suíça, justo numa pasta investigada por um mega-esquema de propina com capitaneado pela Alston, e já com 19 pessoas com contas no exterior bloqueadas. Por isso que o metrô vai para o buraco.

Pergunta: de onde sairam estes milhões de todos eles?
Por que tiveram que esconder na Suíça?

 

"Sou brasileira, cidadã responsável, obediente às leis, mãe de família, e com idade suficiente para entender um pouco de como não deveria funcionar o jogo político partidário aqui no país: uma verdadeira prostituição partidária, onde partidos vão com quem paga mais e exige menos!"

Estamos de acordo. Então o problema não se limita ao PT-Geni, certo? Estou do seu lado pela reforma política. Qual partido dará o primeiro passo? O seu ou o meu?

Por essas e outras que o ficha limpa foi um engodo que veio iludir ainda mais, na hora errada. Não adianta trocar os nomes dos corruptos, é preciso eliminar a corrupção das regras do jogo. Corrupção é como falta na grande área: é punida com pênalti e não com a substituição de quem fez a falta.

 

Sra. Miriam G. Mendes concordo com vosso posicionamento qto ao fisiologismo partidário que impera em nosso modelo democrático, onde partidos se assemelham à bordéis e políticos às prostitutas. Isto é fato, tanto nos governos do PSDB, qto nos do PT, talvez a única diferença seja no momento de se apontar tais condutas, pois qdo FHC governou este país, nenhum meio de comunicação expresssivo questionou a conduta dos sres, Sarney, Renam Calheiros, ACM, Jader Barbalho e tantos outras aves de rapina. E não adianta torcer o nariz, pois enqto estes sres. estiverem na política, quem quiser governar o país terá que dar benção a eles.

Resido em SP e a quase DUAS décadas somos governados por um único partido, estranho que ninguém questione o mal que isto faz a democracia. Aqui parece neverland, um mundo de faz de conta, pois o governador finge que governa, a imprensa finge que informa, o ministério público estadual finge que investiga e por aí vai.

Acredito que se almejamos uma sociedade mais dígna e justa, devemos começar a nos despir de preconceitos tipo "lulopetismo", usado em vosso texto. Tenho vários amigos que votarão no Serra, e nem por isto deixarão de ser meus amigos, pois todos temos a liberdade de escolhermos quem quisermos. Penso que devemos também respeitar a soberania popular, pois não se pode simplesmente ignorar que mais de 82% da população avalia como ótimo ou bom o atual presidente.

Ainda que eu não concorde com a administração paulista feita pelo PSDB, a qual , na minha ótica deixará sequelas terríveis às futuras gerações, aceito, pois é o ônus de viver em uma sociedade democrática. Parafraseando a sra. "Não há mal que sempre dure".

Quanto ao texto do Nassif, discordo da sra., pois acho-o extremamente moderado e equilibrado, o desequilíbrio há nas mídias tradicionais(FSP, OESP, Globo,Veja,etc.). Fora isto, o resto é trololó - como diz o Serra.

 

Importante considerar a pesquisa do SENSUS que está destoando das demais.  Quem está errando? Alguém aqui poderia explicar esta discrepância. É importante para dirimir dúvidas quando os instituitos estão com suas credibilidades questionadas nestas eleiçoes.

 

Eu, nem comento masi pesquisas, mas gostaria de ler uma análise mais apurada da SENSUS que também vem das Minas Gerais.

Abraços.

Luís Moreira

 

Eis a frase do dia, especial para os coleguinhas jornalistas:

QUEM NUNCA JOGOU BOLINHA DE PAPEL

QUE ATIRE A PRIMEIRA PEDRA!

 

 

Da Carta Capital:

Ribeiro Júnior pediu demissão, mas não de forma misteriosa como insinua a imprensa. O pedido ocorreu por causa da morte de seu pai, dono de uma pizzaria e uma fazenda em Mato Grosso. Sem outros parentes que pudessem cuidar do negócio, o jornalista decidiu trocar a carreira pela vida de pequeno empresário. Neste ano, decidiu regressar ao jornalismo. Hoje ele trabalha na TV Record.

 

Mas mas mas mas mas mas mas...

O centro de espionagem de Itagiba continua legalizado.

 

:) É o dossiê  "PÃO DE QUEIJO VOADOR"

Pão de queijo = nasceu em Minas.

Voador = VOA COMO TUCANO.

Tucanos: "toma que o filho é teu" :)

 

O jornalista Paulo Beringhs, que se demitiu ontem em transmissão ao vivo da TV Brasil Central alegando ter sido impedido de entrevistar o candidato tucano ao governo de Goiás, é filiado ao PSDB desde 2003.

Na transmissão, Beringhs diz que a emissora, que pertence ao governo do Estado, foi censurada pelo governador Alcides Rodrigues (PP), que apoia Iris Rezende (PMDB). O peemedebista disputa o segundo turno com o tucano Marconi Perillo.

paulo_beringhs_filiacao.jpg

Certidão do TSE confirma filiação de Paulo Beringhs. Foto: Reprodução

Segundo a explicação do jornalista, estava marcado para hoje uma entrevista com Perillo. Ainda de acordo com ele, Iris Rezende também havia sido convidado, mas não compareceu na data combinada.

“Como Iris não veio, Marconi Perillo viria amanhã (hoje), só que eu recebi ordens de não trazer Marconi Perillo amanhã”, disse ele. “Eu lamento demais essa postura que está acontecendo, essa postura do senhor Jorcelino Braga (ex-secretário da Fazenda) e do grupo de Iris Rezende, que tem tradição em censurar a imprensa.”

Após o vídeo com as declarações de Beringhs correr a rede, passou a circular a informação de que o jornalista é filiado ao PSDB. Além do registro partidário, foto em que o jornalista aparece ao lado de Perillo também foi divulgada na internet.

 

http://blogs.estadao.com.br/radar-politico/2010/10/21/jornalista-que-se-...

 

Na roça "pros lado das Mina Gerais", divisa com interior do Estado do Rio, na minha juventude corria uma cantiga assim nas rodas de "caxambú" em torna da fogueira:  "o santo oco tá no altar oi mete o pau pra derrubar... oi santo oco no altar oi mete o pau pra derrubar... santo oco no altar oi mete o pau pra derrubar..."   -  Cancioneiro popular, sabedoria do povo.

 

Essa sim é a verdadeira bala de prata destas eleições.

Vamos twitar ad infinitum....

 

Aqui em Minas não se fala em Serra da Mantiqueira, Serra do Caparaó, Serra da Canastra, etc... é só Mantiqueira, Caparaó, Canastra...

 

 Grande jornal o Hoje em dia. não se esqueçam que aquela reportagem memorável do Bob Fernandes sobre a satiagraha foi baseada numa reportagem do hoje em dia.

 Recomendo as duas ùltimas colunas do Lindenberg . E considero essa ,a melhor e mais honesta reportagem sobre essa bomba do EJ.

 Muitas reportagens do HD são meras transcrições da Agência Folha e Agencia Estadão. e são golpistas,em cada linha. Mas as reportagens próprias refletem o melhor jornalismo possível.

 Recentemente ventilou-se que a Andreia Neves tinha pedido a cabeça de um editor,o Orion Teixeira. mas ele pode ter sido demitido por outro motivo. Esses subterrãneos das redações raramente ganham a superfície. mesmo em tempos de internet.

 

Deixa-me ver bem:

1) Amaury investiga os PODRES da família Serra, por "mais de 10 anos" (São informações EXCELENTES PARA O BRASIL, de falcatruas, roubos, desvios, crimes da família Serra).

2) Em 2008/2009 a pedido do Jornal Estado de Minas (ligado a Aécio), Amaury como funcionário do jornal, intensifica essas investigações, para defender Aécio do grupo de Serra (PSDB paulista), já que Serra através de Itagiba está montando um Dossie contra Aécio (PSDB mineiro). Para isso pede a quebra do sigilo fiscal da Família Serra, ainda funcionário e custeado pelo jornal de Minas.

3) O PSDB mineiro intensifica esse dossie já que tem sinais claros e ameaças do PSDB paulista ("PÓ PÁRA, AÉCIO' do jornal O Estado de S. Paulo e "Aécio bate em mulher" do Juca Kfoury).

4) Então, de posse dessas informações contabilizadas por Amaury das falcatruas da Família Serra, o PSDB mineiro reage a Serra no Jornal O Estado de MInas "Não mexa com Minas, que MInas REAGE", ou seja estamos bem documentados contra você.

Esses 4 ítens, respondem quem quebrou o sigilo da família e Serra e por que???????

R.: o Jornal O Estado de Minas, para se defender de SERRA.

NÃO ERA ESTA A QUESTÃO QUE SERRA QUERIA VER RESPONDIDA????????????

QUEM QUEBROU O SIGILO DA FAMÍLIA SERRA NÃO FOI O PT. E PONTO FINAL.

O resto é para querer desviar o foco e tentar jogar a culpa no PT.

 

Senhora Mirian,

Também sou brasileiro, cidadão responsável, obediente às leis, pai e avô de família, portanto, com idade suficiente para dar o meu testemunho.

Já vi e não vou esquecer quando trilhões de reais eram enviados ao exterior por meio do Banestado e, no país, ninguém sabia de nada. Veja as datas (1998 a 2002). Quem era mesmo que estava no governo? Era silêncio total na imprensa e inação dos órgãos de investigação.

Lembro ainda do PROER - a senhora lembra? quando os bancos quebravam e eram socorridos com dinheiro público. Só um banco - público - o Bemge, em MG, foi socorrido com mais de um bilhão e meio de reais http://www.prmg.mpf.gov.br/noticias/noti_result.php?id=723&dados=). Tudo dinheiro público, minha senhora.

Por acaso, houve qualquer coisa semelhante no atual governo? Nem o tal mensalão sequer chegou perto.

Também não esqueço que todos esses crimes só começaram a ser desvendados quando o "lulopetismo" assumiu o governo. A Força-Tarefa Banestado, que começou a investigar o milionário sistema de remessas de divisas para paraísos fiscais, só começou a atuar quando o senhor Claudio Fonteles assumiu o MPF.

É engraçado como o trabalho de desqualificação do lulopetismo sempre tenta impingir a esse governo o que teria de mais corrupto na história. Isso não é verdade. É verdade, sim, que a corrpução é uma sangria de dinheiro público e, ao contrário do que imaginávamos, nem o PT conseguiu ficar sem sujar as mãos. Triste e infelizmente, isso é verdade. Mas é uma mentira deslavada e uma distorção tentar fazer as pessoas acreditarem que ele faz isso mais do que todos os outros. Os fatos desmentem objetivamente sob qualquer ângulo. Veja no site Congresso em Foco os parlamentares que possuem mais investigações e processos contra si. Veja quais são os partidos com mais ocorrências.

Portanto, minha cara senhora, relações políticas civilizadas implicam em fatos reais e não distorcidos pela imprensa fanática (o que a mídia tem feito nessas eleições é o acirramento do que já haviam feito em anos anteriores). E seguramente não em destilar palavras e sentimentos cheios de ódio e preconceito.

Portanto, acredito que só vamos crescer como cidadãos se não ignorarmos a verdade. Até as pedras sabem que a difamação pessoal foi uma marca da campanha adversária e, agora, os discursos tucanos são de que é o PT quem mente. Sempre tive respeito pelo senhor José Serra. Agora, ele acabou por provar o que sempre falaram dele: um ser humano desprovido de ética e decência.

A única coisa que espero é respeito. E que a meninada devolva em riso o que temos de trágico nessas eleições. Viva o twitter!

 

Só um analfabeto funcional não percebe que se trata de duas matérias do próprio jornal mineiro "O Dia" e não palavras do Nassif.

Só alguém fora da realidade não sabe que foi o próprio Zé Puxadinho que transformou a campanha num jogo de vale-tudo, a começar pela própria esposa (que fez aborto) acusando a outra candidata de ser a favor de matar criancinhas...

 

Senhora Miriam G Mendes, por favor, vá aos blogs Conversa afiada, Vi o Mundo, e Nassif, e veja alí todo o resumo do livro de Amaury; depois rememore as inúmeras fontes existentes para  saber como se detonou a candidatura de Roseana Sarney, mediante do diligente trabalho do pessoal do Sr. Serra, com auxilio da Globo; em seguida rememore de onde sairam as acusações de que Aécio bate em mulher , finalmente lembre  os  casos Arruda, Roriz e Paulo Preto, além do assunto do detran paulista e do detran gaucho, que teve até mortes misteriosas, e então, depois de tudo isso a senhora terá uma idéia melhor de onde procurar comportamentos notáveis, para não dizer fascistas, se é nas hostes tucanas ou nas hostes petistas. Faça o estudo, reflita, e volte por favor, para nos convencer. Não deixe de verificar quem pagou os 20 milhoes de panfleto antri Dilma encomendados com o nome da diocese de Guarulhos.

 

Miriam

Não dá para pedir nivel de campanha, quando o candidato da oposição faz a campanha suja que esta fazendo.

Tenho acompanhado tudo, também sou mãe de familia, trabalho e me informo.

Também não gosto do nível desta campanha.

Mas o Sr. Serra não quer debate, quer diz que me diz que.

Quer convencer com chavões e bordões, não responde nada do que perguntam, persegue jornalistas.

Meu trabalho exige que eu viaje bastante. E felizmente  ninguem me conta eu vejo como este país mudou para melhor.

Portanto dossies a parte meu voto é Dilma.

 

Miriam, ainda que nas administrações do Psdb não acontece nada disso, não é?

E neste caso, lamentavelmente e como sempre, a midia brasileira ficou nos devendo uma resposta: o que fizeram membros da família e amigos de Serra para comportar um dossiê por parte do Aécio? Aliás, eu queria saber também o que tem no dossiê do Serra contra o Aécio.

 

Esse pseudo-dossie só vem a sepultar essa terrível prática de escandalização pseudo-ética  e denuncismo trazida para nosso país pela UDN na década de 50. Esse é um caso de um pseudo-dossiê de uma facção de direita contra outra facção do mesmo partido , no caso a nova UDN, que é o PSDB.

Tudo isso com uma cobertura parcial e partidarizada de nossa medíocre grande midia. A missão desse pessoal era converter essa luta de facções de direita em material contra o PT. Parece que pfracassaram.......

 

Mirian MENDES? Parente do Gilmar?

 

   Estes tucanos e sua mídia golpista são assim mesmo. Chamam para o pau e,na hora H,correm.

Hoje,o panfleto da Barão de Limeira,que vem chamando para o pau desde sempre,faz um editorial contra o presidente da república,vejam só,justamente porque ele não aceitou a encenação do candidato golpista de oposição à presidência da república.

Descontrole

Em episódios lamentáveis, ativistas elevam o grau de exacerbação da campanha, enquanto Lula faz ironias e acusações impróprias

Os incidentes ocorridos nesta quarta-feira, durante caminhada do candidato José Serra (PSDB) no Rio de Janeiro, e com a candidata Dilma Rousseff, do PT, ao desfilar ontem em carro aberto em Curitiba, constituem sinais de que a campanha eleitoral ameaça atingir um novo grau de exacerbação.
Não houve maiores consequências, felizmente, nos dois episódios. Serra foi atingido, sem ferir-se, por um objeto na cabeça, ao passo que um balão de água foi jogado sobre o capô do automóvel que transportava Dilma. É todavia preocupante uma situação na qual candidatos se vejam ameaçados em sua integridade física ao circularem pelas ruas e buscarem contato com o eleitor.
Antes mesmo que um arremesso alcançasse o candidato do PSDB, militantes de seu partido e ativistas do PT entraram em conflito. Um candidato derrotado a deputado estadual pelo PT, ao lado de um sindicalista da área de saúde, chamava Serra de "assassino", supostamente por discordar de sua política de combate a endemias; cabos eleitorais tucanos rasgaram cartazes; petistas avançaram; o tumulto terminou envolvendo cerca de cem pessoas.
Ganha configuração real, assim, um processo que, no mundo virtual e midiático, já ocorria de forma desenfreada. A violência simbólica -organizada em máquinas de rumores, insultos, panfletos e imagens a serviço dos dois candidatos- atingiu na atual campanha presidencial um nível de exaltação poucas vezes registrado no país.
O mais curioso, nesse fenômeno, é que as paixões políticas não parecem encontrar, no perfil das duas candidaturas à Presidência da República, razões suficientes para se desencadearem com tal vigor. Entre Dilma e Serra, há provavelmente mais áreas de concordância do que pontos de genuíno conflito programático.
Adeptos de uma e outra candidatura projetam, sobre ambas, um conteúdo ideológico que, no plano das alianças e compromissos reais, nenhuma delas se dispõe a explicitar, nem dá mostras de possuir. Descolados da realidade, ou movidos pela conveniência pessoal mais mesquinha, militantes e cabos eleitorais se entregam a uma cruzada de intimidação e truculência.
A esse tipo de comportamento, o presidente Lula deu um indireto estímulo. Enquanto a candidata Dilma Rousseff repudiou formalmente a agressão cometida contra José Serra, o presidente da República saiu-se, bem a seu estilo, com acusações e tiradas de humor primitivo, que mais caberiam a um arruaceiro presente no episódio do que a alguém imbuído das responsabilidades de seu cargo.
Não é novidade esse tipo de comportamento; a novidade é que, com esse gênero de exemplo, seus correligionários dão mostras de se sentirem autorizados para superar, em grosseria e descontrole, as lições do mestre.

 

Muito boa esta.

O prstituto que azedou esta eleição chama-se zé chirico Serra.

tico e teco não estão batendo legal ....maaaas dia 31 é 13

 

Sra. Miriam Mendes,

Incrível a sua desfaçatez. Desde o começo da campanha, Serra não fez outra coisa senão partir para o vale-tudo, na tentativa de ganhar a eleição. Não aprofundou um único ponto de programa, em nenhum momento discutiu o avanço do país, apenas denunciou e caluniou sua adversária, através de emails e spans apócrifos, com a ajuda substancial da velha mídia que o apóia (é bom lembrar, que o apóia desde que ganhou polpudos contratos com a Prefeitura e o Governo de São Paulo, em certames sem licitação).

Inicialmente, martelou durante semanas a quebra de sigilo de sua filha Verônica, sócia da Verônica Dantas em Miami. Assim que veio à tona as histórias da quebra de sigilo que as duas patrocinaram em 2001 (milhões de sigilos expostos), mudou de assunto. Para completar, começa a aparecer na mídia algo que há meses se discute nos blogs "sujos": que a quebra de sigilos fez parte de fogo amigo dentro do PSDB, com Aécio se defendendo do dossiê contra ele montado pelo Marcelo Lunus Itagiba (sempre ele).

Partiu então para a radicalização religiosa, com destaque para o tema aborto. Sobre isto, aproveito para fazer as seguintes considerações:

1. O Estado brasileiro é laico. De novo, é fundamental lembrar que a posição pessoal dos governantes deve ser pautada por essa regra constitucional.

2. O Poder Executivo pode propor formas de tratar assuntos como o aborto e outros. Apenas propor. No governo Lula, isso foi feito a partir de várias discussões com vários segmentos da sociedade civil, processo que gerou uma proposta de Plano Nacional de Direitos Humanos. Caberá ao Poder Legislativo analisá-lo e aperfeiçoá-lo, antes que se transforme em lei. Assim funciona o regime democrático, independentemente das posições pessoais dos governantes de plantão.

3. Para descriminalizar o aborto, seria necessário alterar o Código Penal. A Constituição, no art. 62, §1o, inciso I, alínea "b", proíbe que o Presidente da República edite Medidas Provisórias sobre matéria penal.

4. A única forma de alterar a legislação referente ao aborto seria a aprovação de um projeto de lei pelo Congresso (ou um plebiscito, que igualmente teria que ser convocado pelo Congresso). Portanto, quem pode decidir alguma coisa numa matéria como essa, de acordo com a própria Constituição, são os Deputados e Senadores, não o Presidente da República. O Congresso já está eleito desde 3 de outubro de 2010. Discutir aborto agora é, pura e simplesmente, inútil.

5. Ao introduzir na campanha essa discussão, e pior, da forma como o fez (com farta distribuição de panfletos e spans apócrifos), a campanha Serra movimentou forças da extrema direita religiosa. Até a TFP e a Opus Dei andam pondo as manguinhas de fora. Pelo menos aqui em São Paulo, há pistas de impressão de pelo menos  20 milhões de panfletos que tentam espalhar terror relogioso contra Dilma, e que partiram da Regional 1 da CNBB (Luiz Gonzaga Bergonzini, de Guarulhos) e de Kelmon Luis Souza, que tem notórias relações com integralistas e monarquistas. Se tiverem paciência, entrem no site da Associação Theotokos, cujo presidente é o Kelmon. Além disto, pessoas ligadas ao Kelmon têm relação com o Índio da Costa, do DEM, candidato a vice na chapa do Serra. E vale lembrar que a impressão de parte dos panfletos deu-se em gráfica onde uma das sócias é Arlety Kobayashi, filiada desde 1991 ao PSDB e parente de coordenador de campanhas do partido.

6. O vice do Kelmon é Victor Emanuel Vilela Barbuy, e o secretario geral é Lucas P. de Carvalho. Victor e Lucas militam também na Frente Integralista Brasileira. Victor é presidente dos sucessores dos “galinhas verdes” (), e Lucas é apontado pelo site registro.br como responsável pelos domínios (integralismo.org.br; pliniosalgado.org.br; theotokianos.org.br),();http://www.megaupload.com/?d=MG4IO08I). Sergio Vasconcellos, secretário Nacional de Doutrina e Estudos dos integralistas, aparece como doador da campanha de Índio da Costa a deputado federal.http://integralismo.org.br/?ont=876&vis=http://integralismo.org.br/?cont=876&vis=

7. Essas evidências parecem indicar que o contato com o submundo da extrema direita religiosa deu-se através do Índio da Costa. Ações e contatos como estes, que mostram claramente a irresponsabilidade de Serra e do vale-tudo a que está disposto, está provocando divisões na Igreja Católica e entre os Evangélicos. Esse tema é evidentemente explosivo, e já se constatam desavenças entre as pessoas nas ruas. É sempre bom lembrar que essa gente certamente cobraria a fatura, numa eventual vitória do Serra.

Junte-se todos estes ingredientes (estado laico, difamações religiosas, participação de setores extremistas da direita religiosa, etc) e está criado um cenário de radicalização obscurantista, na minha opinião. Explicando melhor: o obscurantismo está em trazer a religião para o centro do debate e, pior, tratar a questão como se a opinião pessoal do candidato realmente importasse. Ora, não importa. Isso que é importante frisar.

E Serra, que protagoniza uma campanha movida a ódio como esta, com essas ligações com o submundo da extrema direita religiosa e a exploração eleitoreira de temas como esses, pretende ser Presidente da República. Até onde um sujeito sem caráter pode chegar para tentar realizar uma obsessão, não é mesmo?

Ontem, mais um capítulo ridículo: a bolinha de papel e o teatro protagonizado pelo "mais preparado". Sobre isso, nem há muito o que falar.

Com tudo isto, a senhora ainda tem a coragem de afirmar que o ódio destilado na campanha foi patrocinado pelo PT? 



 

 "A política, ainda que defeituosa, precisa seguir caminhos mais dignos." Lindo, lindo...mas convenhamos, com Serra/PSDB???????? Parece-me que você ainda não entende bem as coisas não...

 

O momento do discurso de  Álvaro Teixeira da Costa e o semblante de paz de Serra...

Re: Jornal mineiro Hoje em Dia avança detalhes do dossiê
 

Região Serrana Fluminense:Vergonha!Vergonha!Vergonha!

Dona Miriam,

não fique nervosa. Quem teve acesso ao depoimento, na íntegra, foi só a advogada do Eduardo Jorge; o que temos, é a nota da Policia Federal, e a versão (falsa) do Eduardo Jorge, publicada na Folha.

Por que voce não fala da encomenda do Aécio? O fato comprovado é esse.

 

Tudo que tem a participação de demos e tucanalhas tem maracutaia no meio. Eles fazem tudo para voltar ao poder e assim acabar o que começaram; vender os BENS PUBLICOS e sumir com o dinheiro. Este filma nós já assistimos . Cade o dinheiro da vendas das estatais? Algum tucano pode responder.

 

Quem sabe no mercado livre ou na decidir.com. 

 

Surrealismo tomou conta da política brasileira: cada jornal tem seu candidato e trabalha incessantemente para elegê-lo, o povo é só um detalhe.

 

Vai ser engraçado o desenrolar desse "escândalo" após as eleições caso o Serra saia derrotado. Porque é o tipo de encândalo que quanto mais se investigar mais nomes tucanos irão aparecer. E dado o tanto que o Serra está investindo na estória, vai ser difícil apaga-la do dia pra noite dos noticiários. Como analogia, o interesse e a publicidade no mensalão "desapareceram" quando nomes do tucanato surgiram. Mesmo sendo a maioria "investigada" da base governista. Agora é o oposto. O link com a base governista é uma falácia, e há ligações umbilicais com o PSDB. Vai ser interessante ver como vão evitar que isso se torne um épico tiro no pé.

 

 

Isso a Globo, Folha de S.Paulo e Veja não detalham....., pois parte da imprensa brasieira é partidária e são sempre de Direita. Apenas o Estadão teve coragem de declarar em Editorial do Jornal,  que seu candidato é o Serra, os demais ficam em cima do muro achando que ainda estamos na época dos Srs. de Engenho. A mídia brasileira é muito pouco progressistas. É só verificar as manifestações da maioria dos intelectuais  e artistas brasileiros em relação aos dois candidatos agora no 2º turno.

 

acredito que houve algum problema quando do envio da minha mensagem, por isso, re-envio:

Basta ler o final do post...o resto 'tergiversa'  pró PT (não fora este um blog dedicado a esse fim).

Estranho, entretanto, que o Sr. não demonstre ter lido o depoimento completo do tal jornalista Amaury Junior e tenha apenas mostrado a versão dos policiais federais que, aparentemente, fizeram um 'briefing' capenga do mesmo conteúdo...será que não leu mesmo?

Fato é que, esta campanha, a essa altura, e eu atribuo ao próprio presidente Lula grande parte da responsabilidade por tal quadro, tornou-se uma guerra selvagem, uma luta pelo poder que assusta as pessoas que aguardavam a possibilidade do debate dos temas nacionais que realmente farão a diferença em suas vidas, como as reformas da previdência, a político partidária, etc., uma vez que o pano de fundo, aquele que demonstra quem provavelmente vai assumir o governo (a julgar pelos atuais resultados de pesquisas) não trará nenhuma novidade, para nosso dissabor; Dilma não será investigada, nem Erenice, nem o PT, nem...

Vencerá a continuidade, sim, e  tudo ficará como d'antes, a não ser a volúpia com que assaltarão os recursos públicos, cientes de que não serão punidos; se não funcionou no passado, depois de tantos escândalos, por quê funcionaria agora, com a máquina governamental mais poderosa ainda? Nesse caso, eu diviso um enorme risco à Democracia.

Mas, não desisto; acredito também na máxima: não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe. Um dia, o 'lulopetismo' terminará.

Sou brasileira, cidadã responsável, obediente às leis, mãe de família, e com idade suficiente para entender um pouco de como não deveria funcionar o jogo político partidário aqui no país: uma verdadeira prostituição partidária, onde partidos vão com quem paga mais e exige menos!

Eu exijo sempre mais e melhor, sou pela elevação do nível de civilização da sociedade como única saída para nosso desenvolvimento real. Acredito que a prostituição tenha seu espaço na história da humanidade e seu campo de atuação, limitado pelos costumes sociais.  A política, ainda que defeituosa, precisa seguir caminhos mais dignos.

 

Basta ler o final do post...o resto 'tergiversa'  pró PT (não fora este um blog dedicado a esse fim).

Estranho, entretanto, que o Sr. não demonstre ter lido o depoimento completo do tal jornalista Amaury Junior e tenha apenas mostrado a versão dos policiais federais que, aparentemente, fizeram um 'briefing' capenga do mesmo conteúdo...será que não leu mesmo?

Fato é que, esta campanha, a essa altura, e eu atribuo ao próprio presidente Lula grande parte da responsabilidade por tal quadro, tornou-se uma guerra selvagem, uma luta pelo poder que assusta as pessoas que aguardavam a possibilidade do debate dos temas nacionais que realmente farão a diferença em suas vidas, como as reformas da previdência, a político partidária, etc., uma vez que o pano de fundo, aquele que demonstra quem provavelmente vai assumir o governo (a julgar pelos atuais resultados de pesquisas) não trará nenhuma novidade, para nosso dissabor; Dilma não será investigada, nem Erenice, nem o PT, nem...

Vencerá a continuidade, sim, e  tudo ficará como d'antes, a não ser a volúpia com que assaltarão os recursos públicos, cientes de que não serão punidos; se não funcionou no passado, depois de tantos escândalos, por quê funcionaria agora, com a máquina governamental mais poderosa ainda? Nesse caso, eu diviso um enorme risco à Democracia.

Mas, não desisto; acredito também na máxima: não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe. Um dia, o 'lulopetismo' terminará.

Sou brasileira, cidadã responsável, obediente às leis, mãe de família, e com idade suficiente para entender um pouco de como não deveria funcionar o jogo político partidário aqui no país: uma verdadeira prostituição partidária, onde partidos vão com quem paga mais e exige menos!

Eu exijo sempre mais e melhor, sou pela elevação do nível de civilização da sociedade como única saída para nosso desenvolvimento real. Acredito que a prostituição tenha seu espaço na história da humanidade e seu campo de atuação, limitado pelos costumes sociais.  A política, ainda que defeituosa, precisa seguir caminhos mais dignos.

 

Miriam,

Parabéns pelo post. A parte formal demonstra seu apego às normas da boa escrita. Quanto ao conteúdo, é outra história. Peço licença para divergir.

Inicio realçando uma contradição que salta aos olhos: se o blog é dedicado ao PT, como você afirma de forma peremptória , como e por que sua mensagem - anti-petista - foi liberada? Queria eu ter o espaço ora lhe concedido para expor minhas opiniões em blogs pró-Serra, de direita, ou correlatos. 

Não destrate assim nossas instituições: não foi uma "versão dos federais" o comunicado à imprensa acerca desse afair dossiê. Trata-se do resumo das conclusões - inquérito - da polícia judiciária da União, conhecida como Polícia Federal. Não se trata de "versão" portanto. São, até prova em contrário, dados colhidos após dois meses de investigação. 

Se é a "versão dos federais" qual´é a sua? 

Concordo com você: essa campanha marcará nossa história política como uma das mais pobres em termos de debates de temas realmente relevantes, eclipsados pelos escândalos que só apareceram, ou aparecem, vésperas de campanhas, dossiês disso e daquilo, malandragens tipo exploração da fé religiosa das pessoas, farsas de "atentados" com bolinhas de papel (ou fita crepe? oh dúvida cruel!) e mentiras, muitas mentiras e mistificações.

Você só cita o presidente Lula como um dos responsáveis. Discordo, mas respeito sua opinião. Mas por que a desonestidade intelectual ao não fazer o mesmo quanto ao "outro lado"? Muito conveniente, não é mesmo?

Dilma ser investigada? Sobre o que mesmo? A auto-suficiência e a arrogância dos vocês choca. Quer dizer que, a priori, você já desqualifica os brasileiros que a elegerão? Pois saiba que "o maior risco à democracia" é exatamente esse: desconhecer a soberania popular. Desdenhar da força popular. Enfim, achar que existe uma elite ou os "eleitos" com maior discernimento que a maioria da população. Fascismo, nazismo, comunismo, e tantos outros "ismos, começaram com essa concepção.

 Certo: um dia o lulapetismo acabará; afinal, nada é eterno. Assim como um dia se encerrará o "reinado" dos tucanos em São Paulo. 

A diferença residirá no legado. Dá para comparar?

Como brasileiro, cidadão, seguidor das leis do meu país, também concordo que muitos passos temos para andar até chegarmos a um nível pelo menos aceitável de dignidade na atividade política. Até esse tempo chegar, entretanto, analisarei as propostas e posturas para mim menos indignas. E, em contrapartida, excluirei as que, com base na mentira, no engodo, na mistificação, numa auto-proclamada ascendência moral, procuram chegar ao poder pelo poder.

Assim, fico com o Lula e a Dilma. Você, com os tucanos e o Serra. Simples. Sem traumas nem chiliques.

E que prevaleça a vontade popular.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vixi, a TFP baixou no blog! Ou sera a Opus Day????

Sai coisa ruim, rigida, besta e tola.

 

O "lulopetismo" só vai vencido quando a oposição largar desse ranço "paulistopsdbista" que é o Serra.

O PSDB perdeu a grande chance de eleger seu presidente quanto escolheu o Serra, ou melhor, nem escolheu, o Serra se empurrou guela abaixo. Aécio era sua grande chance. Eu teria votado nele, agora vou de Dilma, que até posso não conhecer muito bem, mas o Serra eu conheço de longa data e rejeito 100%!!

 

 

Miriam, vamos esquecer os oito anos de Lulla e nos voltemos ao país "fundado" em 1500 pelos portugueses. Esse Brasil era um país progressista e justo não era? Deve ter sido, pois do jeito que os tucanos e seus seguidores falam do Brasil, me parece estamos a viver os piores oito anos de nossa história. Os desmandos que vemos hoje, inclusive com a participação do PT, não são nada se comparado ao que a nossa "elite" e seus valores pregam. Há muito pouco tempo ainda achávamos que a escravidão era um bom negócio e apoiava a produção do setor agro-exportador. Será que superamos a escravidão, pois o seu ideário ainda habita a cabeça de muitos empresários, não todos, há muitos que são bons. O PT aparce no cenário político a partir de 1980. Como você explica o país atrasado, injusto e inexpressivo, no cenário mundial, antes disso? Um pouquinhoi de história ajuada a entender, saia da superfície...

 

Sra Mírian,sua indignação soa falsa,como uma nota de 30 Reais. Seu conhecimento político,parece tão rudimentar,pois admitir que a continuidade do atual processo de crescimento do país,jamais alcançado em toda a República,significaria a sequencia de uma série de irregularidades na área do governo,é querer acreditar,que a retomada do poder central,por esta "quadrilha"PSDB/DEMoníaca,e voltar a pensar a nação,como apenas um balcão de negócios,como está querendo fazer o ex-presidente FHC,que ainda pensa que manda no Brasil,quando tenta vender as nossas Estatais,mesmo antes de qualquer possibilidade de vitória do seu afilhado político,como o fêz,neste encontro com investidores extrangeiros,em Fóz do Iguaçú,na semana passada.

Por favor,saia da sua atrazada cultura política,veja as mudanças benéficas que este governo conseguiu,aceite a modernidade,e afaste-se da mediocridade que é a cantilena da atual oposoção brasileira,ou então recolha-se à sua insignificancia,e não fique trazendo comentários cheios de energia negativa,a este blog,aonde predomina o alto astral.   

 

O preço da liberdade, é a eterna vigilancia.

Desculpe, mas a senhora me faz ter dúvidas sobre o seu juízo. Então a senhora põe no Presidente Lula grande parte da culpa pelo baixo nível que esta campanha tem, e ignora tudo que tem sido feito contra a Dilma, robós, piadas contra ela e contra o presidente (a senhora aprova isso? gostaria que fosse feito contra uma filha ou filho seu?), difamações em que a Igreja paulista toma parte e desonestamente põe na boca da Dilma o que ela não disse. Vídeos produzidos com toda tecnologia e junção de palavras para que se demonstrasse que ela disse o que na verdade não falou. Tudo isso são os tucanos que fazem. E a senhora não quer ver. O pior cego é aquele que não quer ver.

 

Miriam, veja quanta incoerência no que você disse. Não foi o PT que trouxe de novo a tona a história do dossiê, mas as mentiras da Folha de São Paulo, que tentou desmoralizar a PF na quarta-feira tentando colocar a culpa na Dilma.  O Lula não tem nada haver com isso. Havia até um acordo para revelar essa história depois da eleição. Mas o Sr. Eduardo Jorge antecipou dando o tiro no pé. Ele com a sua advogada entregaram parte da história a Folha que criou a sua versão anti Dilma. A PF, para não sujar a sua imagem, portanto, foi obrigada a revelar alguns dados para desmentir a Folha. E deu no que deu. Tiro cruzado, PSDB X PSDB. O Serra e o Guerra tenta a qualquer custo desvirtuar, para que pessoas como você acreditassem em outra versão. Pra quê? Salvar o que resta de apoio do Aécio que está envolvido até o pescoço. O problema é que as mentiras do Serra estão sendo revelados por ele mesmo cotidianamente, veja: Normatização do Aborto, Casamento Homossexual, Panfleto da CNBB-sul, Dossiê Receita Federal. Fora bolinha de papel  que é uma tristeza e tudo com a cobetura da mídia. E por aí vai... 

 

Da Miriam,

Não precisava escrever tantas linhas, para nos dizer que Jose Serra não tem nada a ver com o trabalho do jornalista Amaury, nem que Aecio Neves não tem nenhum relacionamento com o jornal "Estado de Minas".

Mas a coisa ficou feia quanto esreveu "lulopetismo", aí me lembrei do Dr Goebels.

Sugiro a Sra voltar a ler a veja e deixar de nos incomodar aqui, que é um espaço de informação e reflexão, não um convite a imprecações dignas do beato Salú.

Grato.

Lionel

 

O Míriam, toma vergonha na cara; será que ela não fica vermelha? Fala sério, " Bolinha de papel"

 

Fica não. Só azul ou amarela. Vermelha (PT), jamais!

 

Só faltou voce dizer: "EU VOTO NO ANJO JOSÉ SERRA". Abraços a todos os reacionários....

 

Primeiramente gostaria de exaltar  a clareza com que você expõe seu inteligente e isento raciocínio.

 

Gostaria, também, de agradecê-la por ter me alertado sobre as verdades factuais que giram em torno desse execrável dossiê.

 

Por fim, quero lhe informar que, graças à luz que você jogou sobre os fatos, resolvi mudar meu voto.

 

Ía votar no Serra, mas vou votar na DILMA!

 

Rá, rá, rá, ré, ré, ri, ri, ró, ró, rua, Serra!

 

Como se dz em Cuba:

-ARRASO CON LA QUINTA Y CON LOS MANGOS!!!

 

 

Estranho, cidadã tão indignada e sedizente ética possa votar no candidato Serra que não apresentou uma proposta para vencer a eleição e brindou o país com a campanha eleitoral mais suja da história do país.

 

O ministério do juízo alerta: ler a veja confunde as idéias. A senhora está repetindo o discurso do psdb. Atribuir a Lula a culpa pela baixaria e agressividade da campanha só demonstra que a senhora não tem uma noção exata de quem é o candidato da extrema direita e nem dos métodos habituais que ele e sua facção utilizam em campanhas políticas. serra e sua comitiva meteram-se em reduto petista e de descontentes com o serra ministro da saúde como se fossem flamenguistas metendo-se em meio da torcida do vasco vestindo camisas rubro-negras e desfraldando bandeiras. Eles esperavam por confusão para gerar imagens para a campanha, é óbvio. Aí alguém teve a idéia de jogar uma bolinha de papel com o nome "Paulo Preto" escrito nela e o serra passou mal, mas só após receber telefonema de alguém. Compare as imagens do serra "agredido" depois da confusão com a imagem de um militante petista agredido de verdade.

Reflita, minha senhora: que aconteceria com uma pessoa que tivesse a cabeça atingida por um objeto de meio quilo atirado à distância? Será que esta pessoa "baquearia" na hora ou iria esperar por um telefonema para só então levar a mão à cabeça? A senhora não achou estranho que não houvesse marcas? A senhora acha mesmo que uma pessoa que houvesse sido atingida na cabeça por um petardo de meio quilo não necessitaria de cuidados imediatos?

Em relação ao  tema do post, até as montanhas de Minas e as enchentes de Sampa sabem exatamente da verdade que estrá por trás do tal dossiê e do vazamento da filha do serra. Felizmente o comando de campanha de Dilma "abortou" a tentativa de Amaury de entrar "para o time". Todos os caminhos levam a Minas, não a Roma, minha senhora. Dois bicudos não se beijam, diz o ditado, ainda mais quando tem as mesmas ambições.

Eu me lembro quantas vezes ouvi gente pouco esclarecida dizendo que "na época dos militares não tinha nada disso" ao falarem em corrupção, mas ignoram que o que havia era censura para impedir a divulgação do que não interessava. Quem mora em SP e não foi amestrado pelo PIG sabe bem que neste negócio de corrupção o psdb não tem nada de santo, mas conta com os favores da mídia para encobrir os maus feitos.

Como diria Ciro Gomes, serra na campanha é certeza de baixaria.