Revista GGN

Assine

Participe do mutirão sobre a TV Cultura

Movimento Salve a TV Cultura

Alguns pontos importantes para o movimento ser bem sucedido.

Não é questão partidária, é questão de Estado.

Para que o movimento ganhe consistência, o ponto mais importante será levantar estudos, trabalhos, opiniões que permitam mostrar uma estratégia economicamente viável de manter a Fundação Padre Anchieta. É preciso mostrar que o desmonte é alternativa de quem não tem ideias.

Por outro lado, é fundamental uma análise da estrutura da TV Cultura hoje. Há excesso de funcionários? Talvez. Há superdimensionamento de algumas áreas? É provável.

Mas só se poderá falar em reestruturação a partir do desenho da alternativa viável. O que seria a TV Cultura ideal? Que tipos de produtos elas poderia gerar para se sustentar? Qual o leque de programas que poderia fazer, integrando-se à vida cultural da cidade? Onde falta gente e onde há excesso?

A partir daí é que se pode falar na estrutura adequada. Não essa loucura de não definir nada e sair falando em corte de 1.400 pessoas.

Para a discussão ser profícua, fizemos o seguinte:

1.     Abrimos no Brasilianas.org um Bloco Temático para discutir TV Pública. Vale para todas as emissoras, incluindo a TV Brasil (Empresa Brasil de Comunicação). Clique aqui para acessar a Temática.

2.     Dentro do Bloco, abrimos um Mutirão específico para a TV Cultura (Fundação Padre Anchieta). Clique aqui para participar do mutirão. 

Temas que precisarão ser levantados.

No campo geral.

1.     Fontes de receita para as TVs públicas.

  • Hoje em dia o tema educação à distância ganhou mercado. As TVs públicas podem ser ferramentas fundamentais de Secretarias da Cultura, da Educação, da Gestão, do Planejamento. Vamos tentar levantar dados sobre esses mercados, sobre contratos que já são estabelecidos com setor privado para esse tipo de trabalho.
  • Outra coisa: haverá tendência cada vez maior da área pública passar a ser geradora de vídeos. O Supremo já faz isso, assim como o Senado, o Planalto. As TVs públicas são a estrutura adequada para prestar esse serviço, de forma remunerada, a todos os poderes de seu estado, mais as diversas secretarias estaduais. Vamos levantar dados sobre contratos já feitos entre setor público e TVs públicas.
  • Lei Rouanet e outros instrumentos de financiamento da produção pública.
  • Aproveitamento do acervo cultural. Na gestão Mendonça tenou-se repassar a Cultura Marcas para pessoas ligadas ao partido. A Telefonica apresentado uma proposta de digitalização e exploração comercial conjunta de todo acervo da Cultura, mas foi abortada por Mendonça, que tentou montar um esquema paralelo (com pessoas do partido) para explorar a Cultura Macas. A manobra foi abortada com sua saída. Markun nada fez de errado e nada fez de certo. Na verdade, nada fez. Mas qual o potencial de exploração desse acervo riquíssimo?
  • Experiência internacional: levantamento da experiência em outros países, com PDFs, docs e outros tipos de documentos para enriquecer o debate.
  • Outras sugestões de produtos a serem desenvolvidos pelas TVs públicas.

2.   Governança nas TVs públicas

  • Hoje em dia, as TVs públicas em geral padecem de dois problemas cruciais: interferência dos governos-financiadores ou controle por grupos corporativistas. Em muitos casos os Conselhos não funcionam adequadamente, por restrições à sua atuação ou devido ao papel meramente figurativo. Precisamos de um bom levantamento sobre os principais problemas e sobre quais deveriam ser as atribuições dos Conselhos.
  • Não há preocupação com a profissionalização de muitas emissoras. Isto é, entregar a gestão a profissionais do ramo, sem vínculos corporativos ou políticos. Há uma tendência de «esse espaço é meu e ninguém tasca a mão» incompatível com o desafio de consolidar uma rede pública.
  • Precisamos de um bom levantamento das experiências internacionais de governança das TVs públicas e das experiências bem (e mal) sucedidas de não-profissionalização das TVs públicas brasileiras.

3. Programação cultural.

  • Uma TV Cultura deve apresentar programação de cultura erudita, sim. Mas existe uma vida cultural nos estados, emergindo dos pontos de cultura, das lan houses, que necessitam de um veículo forte para sua disseminação.
  • Quais as sugestões para que a cultura de cada estado seja efetivamente representada na sua TV pública?

4. TV Cultura

  • Um levantamento de vídeos, reportagens, fotos dos principais momentos da TV Cultura.

Atenção: para participar do Brasilianas.org, além de se cadastrar, assim que entrar na página temática de TV PÚBLICA clique no comando INSCREVER, que está na margem esquerda da página.

Média: 5 (6 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+43 comentários

Meio fora de pauta....

A TV Cultura fazia concursos públicos para admissão de pessoal ou contratava ao sabor da vontade de seus gestores?

E qual o preço pago por a esses contratados? Eram preços de mercado !?

 

Sem concurso, salários em geral abaixo do mercado, que a maioria aceita pela possibilidade de desenvolver um bom projeto, uma vez que alguns projetos, por educativos e de baixo apelo comercial, não encontram espaço em outros canais. Isso, pelo menos na gestão Markun, que foi quando entrei e desde quando vejo.

Dizem que na gestão Marcos Mendonça é que residem os maiores absurdos, como um gasto de R$500mil em viagem da Osesp à Europa (hoje, 25% do orçamento anual das Rádios AM e FM)

 

Acho que a PBS (Public Broadcasting Station) aqui nos EUA é um grande exemplo de TV pública bem sucedida.

Aqui o link que descreve um pouco o que é a PBS:

http://www.pbs.org/aboutpbs/aboutpbs_corp.html

esse outro contém PDF's da parte financeira.É extremamente detalhado:

http://www.pbs.org/aboutpbs/aboutpbs_corp_financial.html

O site da PBS é excelente e tem muita informação em relação ao tipo de programação, custos, etc...

acho que é uma boa fonte de consulta para a discussão.

http://www.pbs.org/

 

ô Nassif compreendo a tua angústia e  a de todos aqui, mas e o pessoal da TV CULtura o que está fazendo para se mobilizar?

 

Região Serrana Fluminense:Vergonha!Vergonha!Vergonha!

Deixa ver se entendi: vocês estão propondo um multirão com base em informações fornecidas por uma notícia DESMESNTIDA PELO GOVERNO DO ESTADO?

 

Não seria interessante, visto que esse multirão pretende-se "apartidário e isento", ver qual o real plano do governo nesse sentido? Uma notícia de um repórter e todo mundo já pula para a ação? Uau, achei que estivesse em um site onde as pessoas quetionam tudo que aparece na "grande mídia".

 

Realmente esquisito. Tão perto da eleição fica mais esquisito ainda.

 

caro Leme, não perca a direção

Suba lá e leia (se quiser, claro) o meu comentário das 18:28  ..perceba que lá eu peço mais, e lamento a falta de informação

 

A TV Cultura acabou quando no dia seguinte ao Roda Viva com Roberto Jefferson, logo em seguida `as declaracoes dadas `a Folha (tudo muito bem concatenado), todas as livrarias de Sao Paulo exibiam o DVD com a entrevista para venda ao publico.

 

Ou seja, Serra apenas acelerou o processo, mas quem trasnformou a Cultura num braco politico tucano foi Geraldo Alckmin. Nao eh possivel que um traste desses volte ao governo de SP.

 

A TV Cultura acabou quando no dia seguinte ao Roda Viva com Roberto Jefferson, logo em seguida `as declaracoes dadas `a Folha (tudo muito bem contatenado), todas as livrarias de Sao Paulo exibiam o DVD com a entrevista para venda ao publico.

 

Ou seja, Serra apenas acelerou o processo, mas quem trasnformou a Cultura num braco politico tucano foi Geraldo Alckmin. Nao eh possivel que um traste desses volte ao governo de SP.

 

PS: alguém viu onde foi parar o link "Ombudsman" no site da TV Cultura?

Acho q já começaram o 'choque de jestão'

 

Choque de indijestão. A gestão deles está descendo rala perna abaixo.

 

Dá vontade de chorar ao ver a TV Cultura em crise!Eu que tenho 21 anos e cresci assistindo a TV Cultura fico indignado com esse momento que a emissora passa!

Já estou ouvindo falar em "fechar as portas",se isso acontecer vai ser o maior absurdo que eu vi na minha vida!Sem contar que seria uma vergonha o estado mais rico da nação deixar uma coisa dessas acontecer.

Lamentável!

 

É numa hora dessas que os tais gestores culturais, professores dos cursinhos de aplicação que o Sr. Ronaldo Bianchi espalha pelo país, prometendo criar encubadoras voltadas à economia criativa, mostram a sua careta.

Criar mecanismos de ações concretas deveria ser, para quem promete o céu da gestão cultural o mínimo, traçar estratégias para o desenvolvimento de outra realidade visando produzir recursos a serem repassados para a TV Cultura.

O financiamento governamental poderia ter sido articulado não fosse a politização eleitorialista que Sayad implantou em sua gestão como Secretário de Cultura e, agora, como dirigente da TV Cultura, aparelhando a seu modo de A a Z. Sua solução, para variar, segue a moda e os costumes do PSDB, de sustentar nossos patrimônios materiais e imateriais, rifá-los, privatizá-los e sucateá-los. Que isso sirva de referência dentro do pacote de patacoadas desse grupelho de gestores culturais integrados em São Paulo que se apropriaram de verdadeiras fortunas, via Lei Rouanet, para produzir catástofres culturais.

 

Nassif, mandei um comentário na discussão mas não sei se ele foi aprovado - ainda não me interei de todas as ferramentas do brasilianas.

 

 

Rafael Wüthrich Pepperland [http://www.advivo.com.br/blog/1376]

Nassif, a única coisa que nao pode acontecer é, para salvar a TV, fazer piorar ainda mais a Educação... Educação à distância é furada em 90% dos casos... Sobretudo que nao venham com a história de formar logo professores à distância...

 

Estão falando em entregar para os civitas. O Paulo Henrique Amorm já definiu: O Serra não precisa da TV cultura ele já tem o Globope !

 

A TV Cultura é para os amigos.

 

 

 

<!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:1; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:0 0 0 0 0 0;} @font-face {font-family:Calibri; panose-1:2 15 5 2 2 2 4 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:-1610611985 1073750139 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0cm; margin-right:0cm; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0cm; line-height:115%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} p.MsoNoSpacing, li.MsoNoSpacing, div.MsoNoSpacing {mso-style-priority:1; mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Calibri; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi; mso-fareast-language:EN-US;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-bottom:10.0pt; line-height:115%;} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} -->
/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:"Tabela normal";
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-qformat:yes;
mso-style-parent:"";
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:"Calibri","sans-serif";
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-font-family:"Times New Roman";
mso-fareast-theme-font:minor-fareast;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;}

Nassif é perfeitamente louvável essa sua atitude em propor um debate publico, pra se tentar buscar uma solução para quem sabe, tentar evitar que a mais importante TV pública do país fecham as suas portas. Sinceramente, não dá para acreditar que o estado mais rico da federação, não conseguiu administrar com eficiência uma emissora de televisão pública. Só pode ter acontecido uma ingerência política nessa emissora, para chegar a esse lamentável episódio. Se ficar comprovado que a verdadeira intenção da direção dessa emissora, seria mesmo de privatizar (terceirizar) o seu conteúdo televisivo, estejam certos de que nós jamais iremos perdoá-los por isso.      

 

Nassif,

Uma TV Publica tem que se sustentar? O estado não tem o dever ou o direito de arcar com as despesas ?

Não é interesse do estado sustentar um TV Publica?

 

É dever do estado sim. Imagine se uma tv privada irá dar atenção à cultura. De jeito nenhum. Quando uma privada cria programas culturais, o único interesse é a negociata com as gravadoras e coisas que tais, no caso de programas musicais. Lucro e mais lucro, apenas e tão somente.

 

Se for um Estado gerido pelo PSDB, não.

Segundo o PSDB, todo órgão público tem a obrigação de produzir suas próprias receitas, casos dos hospitais públicos, da universidades públicas, das tevês públicas, da escola pública, etc. E o que o pessoal do PSDB faz com as receitas do Estado? Repassa as mesmas para a iniciativa privada!

 

Vide o pedagiômetro.

 

Nassif, sei que igual a mim tem centenas ..porém, penso, nem todos tem disposição e disponibilidade  ..se precisar cumpadi, eu me coloco a disposição pra ver se dá pra ajudar em alguma coisa

..do que colhi no site do PHA transcrevo:

A cultura tem um orçamento de R$ 230 milhões  ..PRESUMO, de receita

Do que foi dito R$ 50 ela cobre com espaço publicitário, R$ 60 vendendo serviços  ..e o resto, R$  70 vem do  Estado  ..e cerca de R$ 50, da produção de conteúdo (acho que vendendo produto)

aqui eu pergunto? ..mas e o buraco, é de quanto?  ..e o resto dos passivos, existem?  ..e quais os planos da emissora pra novos produtos, investimentos etc?  ..e os investimentos em novas mídias, como por exemplo, fazê-la chegar via internet - e TV digital - ao país inteiro?

..enfim, falta muita informação pra sabermos aonde pega  ..e quanto precisa pra sair do "atoleiro"

Curiosidade: Por acaso os tais conselheiros  ..estes que a vem levando pro buraco  ..eles recebem? quanto? ..não era o caso na guilhotina começar a cortar os que tem a cabeça no alto 1o ?

Ainda , segundo PHA a idéia é cortar gastos gerais, vender patrimônio e detonar o quadro de  funcionários  ..inclusive fazê-la perder identidade (sem novas produções, sem contratos publicitários - que não entendi -  e sem serviços  ..enfim, fazê-la dispor das 2 primeiras receitas citadas acima (50+60) ..fazê-la ainda sobreviver com os R$ 70 de SP mais os R$ 50 de conteúdo  já produzido (minisséries, castelo ra-tin-bum, cocorico, mundo da lua etc) ...ou seja, sobrevivendo, se entendi, com metade do orçamento, mas com 20% do quadro (cerca de 400 pessoas)

http://www.conversaafiada.com.br/pig/2010/08/04/tucanos-fecham-tv-cultur...

 

melhor eleger o mercadante.

senão não vai adiantar nada.

..

 

Então vamos em frente, que atrás vem gente.

 

Não sei se 1.800 funcionários é um número grande ou um número ideal de funcionários de uma emissora de televisão pública. Quantos funcionários tem a TVBrasil? 

Se a TV Cultura tem 1.800 funcionários e a direção da mesma pretende reduzir esse número para 400, quem contratou tamanho número de funcionários? Foi uma contratação política? Por que no final deste governo do PSDB diz-se que a TV Cultura pode funcionar muito bem com somente 400 funcionários? Na época de Fleury, Quércia e Montoro qual era o número de funcionários da TV Cultura?

Parece que esse discurso de tirar dinheiro público da TV Cultura e que ela tem que andar com suas próprias pernas surgiu com o Covas (PSDB). A TV Cultura nos governos Fleury, Quércia e Montoro  (todos do PMDB) cumpria muito bem a sua finalidade, mas com os governos do PSDB, começando com Covas, parece que houve uma nova redefinição da finalidade da TV Cultura, que deixou de ser educativa, informativa e lúdica para ser apenas viável e sem os recursos do Estado.

A TVBrasil é viável economicamente? Talvez não seja, mas se ela cumprir a finalidade de ser o que foi a TV Cultura, uma emissora educativa, informativa e lúdica, o que importa se ela não é viável economicamente, se somos nós, a sociedade, que a mantemos? Por que a TV Cultura não poderia se manter uma emissora educativa, informativa e lúdica (e talvez inviável economicamente), mas sustentada pelo nosso dinheiro de contribuintes paulistas?

Da mesma forma que um hospital público não é viável economicamente, mas se cumpri a sua finalidade de atender a população, por que não mantê-lo público? Da mesma forma que uma TV educativa, informativa e lúdica (talvez nunca seja viável) se cumprir com a sua finalidade, por que não mantê-la pública?

A morte da TV Cultura começou a ser tramada com Covas? Pela minha impressão sim!

A salvação da TV Cultura passa, então, pela saída do PSDB do governo de São Paulo.

 

Perfeito. Penso assim também, Luis Prudente. Esse papo tucano de relegar a cultura para segundo plano já ficou claro. Dificilmente a TV Cultura conseguiria se auto-sustentar. Quando ocorre essa vil tentativa, a qualidade vai para o espaço e os interesses alienígenas predatórios aparecem. Assim como a saúde e educação, a cultura deve ser responsabilidade do Estado.

 

Talvez todos que acessem este documento tenham desejo de participar do mutirão,  me de mãos atadas e sem ação, a TV Cultura e mais um trabalhos Tucano de desmonte, para entregar a iniciativa privada a preço de banana, acho que no fim de um mandato de governo não seria propicio a eles fazerem este desmonte, esperar o resultado da eleição que o próximo governo conserte os erros feitos por este, fica ai minha sugestão de uma iniciativa popular,  para que este processo seja interrompido, ver junto aos candidatos ao Governo de SP seus planos para a TV

 

"TV Cultura e mais um trabalhos Tucano de desmonte, para entregar a iniciativa privada a preço de banana":

A Cultura eh o ultimo presente de Serra aa Editora Abril.  Marque essas palavras.

•••••••

@Luis Prudente:  1800 funcionarios para uma rede de tv somente quer dizer que ela esta morta de fome e mal tem dinheiro pra coxinha de almoco.  Se o golpe eh deixar la esqueletica para ser comprada pela "Africa do Sul", isso eh, pela Abril, a despedida em massa vai funcionar perfeitamente.

 

Você parece certo de que a Abril entrará na jogada, Ivan. Tá dando arrepios (no mau sentido, é claro).

 

Perdi a paciência com seu sistema de mutirão, Nassif. Deixo minha contribuição aqui mesmo, para o item 1, "Fontes de receita para as TVs públicas", subitem "Experiência internacional".

Da União Europeia ( http://europa.eu/legislation_summaries/audiovisual_and_media/l24224a_pt.htm ):

Além do aspecto cultural, o sector audiovisual europeu possui igualmente um forte potencial social e económico. Consequentemente, o apoio comunitário ao sector audiovisual insere-se também no contexto da Estratégia de Lisboa, a qual tem por objectivo tornar a economia da UE na economia mais competitiva e mais dinâmica do mundo. [grifo meu]

MEDIA 2007: PROGRAMA DE APOIO AO SECTOR AUDIOVISUAL EUROPEU

O programa MEDIA 2007 é o novo programa de apoio ao sector audiovisual europeu. O MEDIA 2007 é o sucessor dos programas MEDIA Plus e MEDIA Formação (). O MEDIA 2007 está concebido como um programa único, que agrupa as duas actuais vertentes (desenvolvimento, distribuição e promoção vs. formação). Dispõe de uma dotação financeira de cerca de 755 milhões de euros para o período de 2007-2013.

ACTO

Decisão n.º 1718/2006/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de Novembro de 2006, que institui um programa de apoio ao sector audiovisual europeu (MEDIA 2007).

SÍNTESE

O sector audiovisual é um vector essencial para a transmissão e o desenvolvimento dos valores culturais europeus. Desempenha um papel primordial na construção de uma identidade cultural europeia e na expressão da cidadania europeia. A circulação das obras audiovisuais europeias (filmes e programas de televisão) contribui para reforçar o diálogo intercultural e melhorar a compreensão e conhecimento mútuo das culturas europeias. O objectivo do apoio comunitário é, assim, permitir que o sector audiovisual contribua plenamente para a consolidação da cidadania e cultura europeias.

Além do aspecto cultural, o sector audiovisual europeu possui igualmente um forte potencial social e económico. Consequentemente, o apoio comunitário ao sector audiovisual insere-se também no contexto da Estratégia de Lisboa, a qual tem por objectivo tornar a economia da UE na economia mais competitiva e mais dinâmica do mundo.

Com esta proposta, a Comissão pretende dar continuidade, no quadro do programa MEDIA 2007, à acção comunitária desenvolvida no âmbito dos programas MEDIA I (), MEDIA II (), MEDIA Plus e MEDIA Formação (), que têm promovido o desenvolvimento da indústria audiovisual europeia desde 1991.

OBJECTIVOS GERAIS

O Programa MEDIA 2007 foi estabelecido para o período de 1 de Janeiro de 2007 a 31 de Dezembro de 2013. Os objectivos gerais do programa são os seguintes:

  • Preservar e valorizar a diversidade cultural e linguística europeia e o património cinematográfico e audiovisual europeus, garantir o seu acesso ao público e fomentar o diálogo intercultural.
  • Fomentar a circulação e o visionamento de obras audiovisuais europeias dentro e fora da União Europeia.
  • Reforçar a competitividade do sector audiovisual europeu no quadro de um mercado aberto e competitivo favorável ao emprego.

Para realizar estes objectivos, o Programa MEDIA 2007 intervém nos seguintes domínios:

  • A montante da produção audiovisual: aquisição e aperfeiçoamento de competências e criação de obras audiovisuais europeias (fases de pré-produção).
  • A jusante da produção audiovisual: distribuição e promoção de obras audiovisuais europeias (fases de pós-produção).
  • Apoio a projectos-piloto: estes apoios destinam-se a assegurar a adaptação do programa à evolução do mercado.

No que se refere aos domínios de intervenção, o programa assenta nas prioridades seguintes:

  • Incentivar o processo criativo no sector audiovisual europeu, bem como o conhecimento e a divulgação do património cinematográfico e audiovisual europeu.
  • Reforçar a estrutura do sector audiovisual europeu, em especial das pequenas e médias empresas (PME).
  • Reduzir os desequilíbrios existentes no mercado audiovisual europeu entre países com grande capacidade de produção audiovisual e países ou regiões com fraca capacidade de produção audiovisual e/ou de área geográfica e linguística restrita. Esta prioridade vem dar resposta à necessidade de preservar e reforçar a diversidade cultural e o diálogo intercultural a nível europeu.
  • Acompanhar a evolução do mercado em matéria de utilização da tecnologia digital.

DOTAÇÃO FINANCEIRA

O programa dispõe de uma dotação financeira de cerca de 755 milhões de euros.

ACÇÕES E OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

Pré-produção

Na fase de pré-produção, os objectivos do programa são os seguintes:

  • Aquisição e aperfeiçoamento de competências no domínio audiovisual: o programa permite apoiar projectos que visem desenvolver as competências criativas e de gestão dos profissionais do sector audiovisual europeu e adaptar as suas qualificações técnicas às tecnologias digitais. O objectivo é reforçar a dimensão europeia das acções de formação audiovisual, apoiando a colocação em rede e a mobilidade dos agentes envolvidos (escolas de cinema europeias, institutos de formação, parceiros do sector profissional). Serão criadas bolsas de estudo destinadas aos profissionais dos novos Estados-Membros, a fim de os ajudar a vencer os desafios do mercado audiovisual alargado.
  • Desenvolvimento: o programa visa apoiar a fase de desenvolvimento dos projectos de produção apresentados por empresas de produção independentes. O objectivo é ajudar estas empresas a elaborar planos de financiamento sólidos, incluindo a montagem financeira de co-produções.

Pós-produção

Na fase de pós-produção, os objectivos do programa são os seguintes:

  • Distribuição e difusão: o apoio na fase de distribuição e de difusão continua a ser primordial para a consolidação do mercado único europeu e a melhoria da competitividade da indústria audiovisual. A definição de uma estratégia de distribuição europeia é essencial para que as obras audiovisuais europeias possam enfrentar a concorrência mundial. A acção comunitária visa:

- reforçar o sector da distribuição europeia, incentivando os distribuidores a investir na co-produção, aquisição e promoção de filmes europeus não nacionais e a delinear estratégias coordenadas de comercialização;

- melhorar a circulação dos filmes europeus não nacionais, através de medidas de incentivo à sua exportação, distribuição e exibição nas salas de cinema;

- promover a difusão transnacional das obras audiovisuais europeias de produtoras independentes, incentivando a cooperação entre, por um lado, as empresas de radiodifusão e, por outro, os produtores e distribuidores independentes.

- fomentar a digitalização das obras audiovisuais europeias e incentivar as salas de cinema a explorar as possibilidades oferecidas pela distribuição em formato digital;

- Incentivar as salas de cinema a explorar as possibilidades oferecidas pela distribuição em formato digital.

  • Promoção: o programa visa reforçar a circulação das obras audiovisuais europeias, garantindo-lhes um acesso aos mercados profissionais europeus e internacionais. O objectivo é reforçar o acesso do público europeu e internacional às obras audiovisuais europeias. Incentiva a realização de iniciativas conjuntas entre organismos nacionais de promoção de filmes e programas audiovisuais, bem como as acções de promoção do património cinematográfico e audiovisual europeu.

Projectos-piloto:

O Programa incentiva a inovação através de projectos-piloto, nomeadamente no que se refere à utilização das tecnologias da informação e da comunicação. Os projectos-piloto permitem assegurar a adaptação do programa ao progresso tecnológico.

DISPOSIÇÕES DE EXECUÇÃO

Disposições relativas aos países terceiros

Sob reserva do preenchimento dos requisitos definidos e mediante o pagamento de dotações suplementares, o programa está aberto à participação dos seguintes países:

  • Estados da EFTA que sejam membros do Espaço Económico Europeu (EEE).
  • Países candidatos que beneficiem de uma estratégia de pré-adesão à UE.
  • Países dos Balcãs Ocidentais (segundo as modalidades definidas nos acordos-quadro relativos à sua participação nos programas comunitários).
  • Estados Partes na Convenção do Conselho da Europa sobre a Televisão Transfronteiras (EN) (FR)
  • Outros países terceiros que tenham celebrado acordos de associação ou de cooperação com a UE e que contenham cláusulas relativas ao domínio audiovisual.

Beneficiários e disposições financeiras

Os beneficiários do programa podem ser pessoas singulares. Consoante a natureza da acção, as ajudas financeiras poderão assumir a forma de subvenções ou de bolsas.

As ajudas financeiras concedidas ao abrigo do programa não podem ir além de 50 % dos custos das acções apoiadas. Em determinados casos específicos, as ajudas podem ascender a 75% dos custos.

Execução

A Comissão Europeia, assistida por um comité, é responsável pela execução do programa.

O organismo de execução é representado pela rede europeia dos MEDIA Desks (EN) (FR). Este é responsável pela difusão de informações sobre o programa a nível nacional, designadamente no que diz respeito aos projectos transfronteiriços.

 

Interessante companheiro..

 

"o corte não poderia encobrir uma manobra da TV Cultura para contratar parte dos demitidos como pessoas jurídicas e se livrar dos encargos trabalhistas?":

Nao, Sylvana, porque se assim fosse os proprios funcionarios seriam demonizados e nao foram, foi a propria tv que foi declarada ineficiente e sem audiencia e unprofitable.  Eh reconhecivel pela estrutura de acontecimentos, golpe velho, velhissimo.

A tv Cultura ja tem comprador em mente.  Eh a Editora Abril.

 

bem interessante, acho que a coisa é por aí mesmo...  já haviam feito o mesmo com as estradas de SP e com a Vale, só não deu tempo de afundar a Petrobras (conseguiram só a P-36) para depois vir com o discurso "é ineficiente, tem que vender".

 

 

Depois de 16 anos administrando a TV Cultura os tucanos reconhecem que são incompetentes http://ven.to/aPC

A TV Cultura "Perdeu audiência, qualidade e se tornou cara e ineficiente." Nota oficial da emissora. Tucanos são INCOMPETENTES

 

"Há excesso de funcionários? Talvez. Há superdimensionamento de algumas áreas? É provável."

O problema sempre é a gestão de recursos humanos. Excesso de funcionários depois de vinte anos de "choque de gestão" e "choque fiscal"? Haja fita isolante!

E quem contratou, como e por que? Quem foram os responsáveis, seja pelo excesso, pela falta ou pela incompetência dos funcionários?

Quem garante que o problema não se repetirá no novo projeto?

 

Uma coisa que me ocorreu: o corte não poderia encobrir uma manobra da TV Cultura para contratar parte dos demitidos como pessoas jurídicas e se livrar dos encargos trabalhistas? Sei de gente que já trabalha lá na Fundação (TV Ratimbum) como PJ. É caso pra se investigar.

 

Silvana, esse é o estilo PSDB de governar: demite, assim não tem que discutir reajuste e outros que tais; contrata consultoria (de amigos); contrata produtoras independentes (de amigos, é claro), contrata terceirizadas (as de sempre). E assim vai. Esse é o modus operandi em qualquer secretaria, autarquia ou empresa pública. Está no DNA do partido.

Depois ficam indignados e dizem ser terrorismo quando se fala que o PSDB é "privatizista".

 

O grupo que governa SP há décadas, que reza na cartilha do Estado mínimo para o povão e máximo para o ladrão (leia-se Daniel Dantas) é isso aí, e olhe lá que bradam por aí que o Estado tem cuidar apenas da saúde, segurança e educação. Como estas três áreas  são um caos total em SP, prá que serve o governo de SP. Pergunte a um paulista e ele não saberá responder.

Forte mesmo em SP somente o PIG, este sim, segura a barra para que estes picaretas se mantenha anos no poder, apesar de o povo, com medo, viver à mercê do PCC,,,,até rimou...rsss

 

várias coisas me ocorrem  ..inclusive imaginar que isto seria um blefe pra forçar uma tomada de posições dos candidatos ao governo do Estado

..embora  ..irônico  ..patético mesmo é vermos o PSDB-pmdb-demo, depois de mais de  25 anos (eu considero desde Montoro) governando SP  ..depois de chuparem a manga até o caroço ..virem agora, na maior cara de pau, diagnosticarem que a "coisa" ficou inviável

oras bolas  ..afinal, quem deixou as "coisas" chegarem aonde chegaram?

 

ACABO de colher isso no site da TV CULTURA  - provavelmente desatualizado - ..dá pra entender?

acesse..

http://www2.tvcultura.com.br/selecao/

 

Jestão Tucana, Silvana.

Se verificado for veremos que o enxugamento da máquina pública aplicada por José Serra no governo paulista nada mais foi que esta aplicação da "Lei do Gérson".

 

É, também é razoável imaginar que tal modalidade possa estar acontecendo. Se algum funcionário da TV Cultura estiver sabendo disso, que fale por aqui ou mande um e-mail para o Nassif, de maneira a ser mantida a preservação da identidade, não só para evitar perseguição de patrão contra o trabalhador, como também para evitar perseguição vinda daqueles que em tese defenderiam o trabalhador.

E se estiver mesmo havendo pejotização na Cultura, é um pééééééééssimo exemplo do poder público para a sociedade em geral (mais um deles, é claro, mas pior ainda por ser oriundo de lugar que ainda tem alguma credibilidade e simpatia da população). Daria até argumento para advogados espertinhos que estivessem defendendo empresas em processos trabalhistas. Pense em algo como "mas até a TV Cultura, que é pública, pratica isso também". E isso só acrescentaria desmoralização ao canal também nas esferas jurídicas, bem como abriria caminho para que também se esculachasse ainda mais a vida do trabalhador em geral, por causa de mau exemplo vindo de cima.

 

Rastreado 24 horas/dia via patrulha ideológica

"razoável imaginar que tal modalidade possa estar acontecendo":

Humiliacao dos funcionarios despedidos eh parte integral da estrutura de despedir/contratar-por-meio-salario, inclusive como autodefesa da compania perante a opiniao publica. e pelo shock psicologico.  Ela nao aconteceu aqui exceto com unzinho jornalista, ha poucas semanas, o que gerou um dos posts mais comentados do blog.