Revista GGN

Assine

Pirâmide: o caso da Mister Colibri

Do O Tempo

Site promete dinheiro fácil, mas há suspeitas de fraude

Mister Colibri é investigado na Índia e seus endereços não conferem no Brasil

PEDRO GROSSI

"Ganhe dinheiro assistindo a vídeos na internet". A frase é a isca do site Mister Colibri para atrair associados. A promessa é que cada um receba US$ 20 por semana apenas por assistir a um minuto e meio de propaganda. Para isso, basta pagar uma taxa anual de US$ 299 (cerca de R$ 600) para começar a receber os rendimentos. O próprio site faz a conta: A remuneração é de US$ 960 (R$ 1.920) - rendimento de 220% ao ano, ou mais de 18% ao mês.

O porém é que esse lucro vem numa moeda própria, chamada LP, e não em dinheiro. Cada LP vale US$ 1, e é assim que os participantes conseguem pôr a mão em dinheiro de verdade: vendem seus LPs uns para os outros. 

O esquema dá certo. Pelo menos até que a pirâmide caia, ou seja, que os pequenos pagamentos parem de ser feitos e os investidores fiquem a ver navios. Embora milhares de pessoas estejam se declarando felizes e "ricas" com o sistema, a suspeita é que o Mister Colibri faça parte de um esquema internacional de fraudadores e estelionatários investigado na Índia por golpes financeiros, e que também estaria atuando em outros países da América Latina. 

A empresa está no Brasil há pouco mais de um ano, e há controvérsias sobre o número de associados. Segundo uma participante, nas palestras que divulgam o modelo de negócios, os organizadores falam em 30 mil. Mas o diretor comercial do Mister Colibri no Brasil, Gian Piero di Cillo, afirma em sua página no Facebook que são quase 120 mil associados.

De acordo com o material de divulgação da Mister Colibri, a empresa veio para "resolver o problema das grandes corporações". Multinacionais estariam dispostas a pagar enormes quantias de dinheiro em troca de um "público fiel" para suas propagandas. Esse dinheiro da publicidade seria o responsável pela "alta remuneração" dos associados. 

Segundo uma das associadas ao site, as propagandas que eles têm de assistir são de empresas como Coca-Cola, Samsung, LG e BMW. Coca-Cola e BMW, que, porém, já negaram parceria com o site, segundo o jornal "El País", da Colômbia, em reportagem sobre o assunto.

A representação da Mister Colibri no Brasil é da Omnia Serviços Publicitários e Representações Ltda. Segundo a Receita Federal, a empresa funciona na avenida Dom Luís, 20, em Fortaleza, no Ceará. Já no site da Omnia, a empresa é descrita como fornecedora de equipamentos para tratamento de lixo urbano. O endereço de instalação é outro: avenida Historiador Raimundo Girão, 630, também em Fortaleza. Dos quatro telefones de contato divulgados, nenhum atende, e o e-mail informado é devolvido como inexistente.

Gian Piero di Cillo é citado no site como diretor de marketing da Omnia, mas a página que traria seu perfil não tem conteúdo, assim como o link que mostraria os serviços da empresa.

Di Cillo também aparece no material de divulgação da Mister Colibri como diretor comercial e braço direito do italiano Elia de Prisco, que seria responsável pelo site na América Latina. Prisco é apontado pelo jornal indiano "The Times of India" como um dos diretores da Seven Rings International, que está sendo investigada por crimes financeiros. A polícia indiana está levantando possíveis ligações entre a Seven Rings e os sites SpeakAsia e AdMatrix, que foram fechados por praticarem "pirâmide financeira", o que é crime. A reportagem de O TEMPO tentou falar com a Mister Colibri diversas vezes na última semana, por telefone, e-mail e pelo Facebook, mas não obteve resposta.

 

RISCOS
Moeda virtual não tem lastro

A dona de casa Ivonete Mendes, de Itatiba, interior de São Paulo, é associada do Mister Colibri há quatro meses. Além dela, a irmã, a mãe e dois sobrinhos também aderiram ao site. Ivonete investiu R$ 5.000 e recebe cerca de R$ 1.300 por mês. Sua irmã já investiu R$ 15 mil e ganha mais de R$ 2.000 por mês. "É uma empresa maravilhosa, só preciso assistir a um minuto e meio de propaganda", comemora.

Para conseguir esse lucro, ela precisa vender seu dinheiro virtual, os LPs, a outros associados, geralmente os que são mais novos no esquema. "Quando preciso de dinheiro rápido, vendo cada LP por R$ 1,70, mas já cheguei a vender por R$ 2".

O problema é que quando houver mais vendedores que compradores, o LP vai se desvalorizar, até que os associados percebam que ele não tem valor nenhum. "É uma temeridade pessoas darem dinheiro para algo que não tem nenhuma regulamentação e nem garantia legal", diz o professor de gestão empresarial da faculdade IBS/FGV, Pedro Leão Bispo.

"Captar dinheiro sem oferecer nenhum produto ou serviço é crime contra a economia popular", esclarece o advogado especialista em direito criminal Fernando Khaddour. "Não conheço a Mister Colibri e não posso falar sobre a empresa, mas cabem investigações do Ministério Público ou da Polícia Federal para que sejam esclarecidas as formas de operação da empresa". (PG)

Sem votos
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de valeria rios
valeria rios

mister colibri fraude

São 

Ladrões cuidado eu entrei nessegolpe e vários amigos e conhecidos l

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.