newsletter

Assinar

Mutirão HSBC: o primeiro nome pode ser o de Robson Tuma

Com a colaboração do leitor A.F.F.

Na lista do HSBC aparece o endereço Avenida Cauaxi 189, ap 203, Alphaville, Barueri.

Nas ferramentas disponibilizadas pela ICIJ é possível relacionar o endereço com o nome Barkat Sorathia que, por sua vez, remete a um Barso Global Management and Advisory, Inc. Barso, por sua vez, está relacionada com Portcullis TrustNet (BV). Na página do Portcullis (http://offshoreleaks.icij.org/nodes/54662), por sua vez, estão relacionados inúmeros escritórios.

O leitor foi atrás do endereço mencionado. É o Edifício Everest Tower, em Alphaville. E acabou batendo na declaração de bens pública do deputado Robson Tuma (http://migre.me/oF7UI). Ele tem um imóvel no mesmo edifício, ap. 1203. A lista do HSBC fala em 203.

A próxima etapa de pesquisa será buscar outros brasileiros que podem ter recorrido aos trabalhos do mesmo escritório: http://offshoreleaks.icij.org/nodes/54662

Média: 4.6 (22 votos)

Recomendamos para você

112 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Paulão
Paulão

É isso aí

 

Publicado em 20/02/2015 no Conversa Afiada

HSBC: Azenha quer saber
por que só a Fel-lha ?

Como é que a Fel-lha sabe quem são os “laranjas” ?


Sugestão do amigo navegante Paulo Galvão no Twitter

 

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de joão adalberto
joão adalberto

Bluetooth

Todo mundo doidinho para emparear os escândalos.Os dispositivos esquerda e direita possuem bluetooth

Seu voto: Nenhum

Fatos anormais

Nestas andanças procurando o rastro de Robson Tuma cheguei a este post mas os links misteriosamente não funcionam mais...vale uma boa caçada para muitos...

http://minhapolitica.blogspot.com.br/2006/05/memria-ex-scio-de-serra-vla...

 

Memória: Ex-sócio de Serra, Vladimir Rioli foi responsável por operações fraudulentas em parceria com Ricardo Sérgio Integrantes da tropa de choque que investiga irregularidades no Banespa, os deputados Robson Tuma (PFL-SP), Luiz Antônio Fleury (PTB-SP) e Ricardo Berzoini (PT-SP) ficaram revoltados com a operação abafa montada pela base governista para evitar o depoimento do economista Ricardo Sérgio de Oliveira na CPI que investiga operações podres nos tempos em que o banco era estatal. “Levamos um gol de mão aos 46 minutos do segundo tempo”, comparou Fleury. Os deputados passaram a última semana intrigados com o nervosismo demonstrado pelo Palácio do Planalto e pela cúpula do PSDB com a convocação. Caixa de campanha dos tucanos, Ricardo Sérgio estava intimado a comparecer à Assembléia Legislativa de São Paulo na quarta-feira 22, onde seria realizada a reunião da CPI. Diante das câmeras de televisão, o ex-diretor da área internacional do Banco do Brasil deveria explicar uma operação montada por ele em parceria com o Banespa em 1992, que trouxe de volta ao País US$ 3 milhões sem procedência justificada investidos nas Ilhas Cayman, um conhecido paraíso fiscal no Caribe. 

A Operação Banespa que ajudou Ricardo Sérgio a internar dinheiro de paraísos fiscais foi aprovada pelo então vice-presidente de operações do Banespa Vladimir Antônio Rioli. Na época, o senador José Serra (PSDB-SP) era sócio de Rioli. De acordo com o contrato social, Serra tinha 10% das cotas da empresa Consultoria Econômica e Financeira Ltda. Rioli foi companheiro de militância de Serra e do falecido ministro das Comunicações Sérgio Motta na Ação Popular (AP), movimento de esquerda da década de 60 – e arrecadador de recursos para campanhas do PSDB juntamente com Ricardo Sérgio. Era Rioli quem comandava todas as reuniões do comitê de crédito do banco estadual. Além de aprovar a operação que permitiu o ingresso dos US$ 3 milhões, ele autorizou outras transações envolvendo Ricardo Sérgio e a Calfat, uma indústria têxtil com sede em São Paulo, na qual o próprio Ricardo Sérgio atuava como presidente do seu conselho deliberativo. Em setembro de 1992, Rioli liberou para a tecelagem, sem nenhuma garantia, um empréstimo do Banespa no valor de CR$ 3,7 bilhões (correspondente hoje a R$ 1,7 milhão). Um ano depois, Rioli autorizou o Banespa a tocar várias operações de câmbio que permitiram ao ex-diretor do BB e à Calfat trazer outros recursos do Exterior, provocando um rombo nas contas do ex-banco estatal. O valor do prejuízo é desconhecido. O processo de cobrança dessa operação foi retirado da 5ª Vara Civil do Fórum de Santo Amaro, em São Paulo, pelos advogados do banco e sumiu misteriosamente em 1995.

A sociedade entre Rioli e Serra começou em 10 de março de 1986, quando o hoje candidato à Presidência estava deixando a Secretaria de Planejamento do governo Franco Montoro para disputar sua primeira eleição a deputado federal. A consultoria funcionou até 17 de março de 1995. Investidor da Bolsa de Valores de São Paulo, Rioli também é conhecido por sua ficha suja. Em 1999, foi condenado pela Justiça Federal a quatro anos de prisão – convertidos em prestação de serviços e pagamento de indenização – por liberar um empréstimo do Banespa equivalente a US$ 326,7 mil à Companhia Brasileira de Tratores, empresa da família Pereira Lopes, de São Carlos (SP), que estava em dificuldades e colecionava títulos protestados na praça. Em 1993, Rioli se envolveu em outro escândalo. Foi acusado pelo Tribunal de Contas da União de arquitetar uma operação que deu à Cosipa, na época estatal, um prejuízo equivalente a US$ 14 milhões. A operação, um fantástico contrato sem correção monetária numa época de inflação galopante, foi fechada em 1986, quando Rioli presidia uma outra consultoria, a Partbank S.A., e já era conhecido por dar passes de mágica no mercado financeiro. Na lista dos envolvidos, o Tribunal de Contas da União (TCU) chegou a incluir um outro amigo de Rioli: André Franco Montoro Filho, que na época era diretor do BNDES e apoiou o negócio. Rioli e Montoro Filho também trabalharam juntos no programa de desestatização do governo federal.

Leia reportagem completa aqui

Leia a íntegra da ação sobre o caso (Processo 2002.34.00.029731-6)

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"O processo de jumentalização da classe BBB no Brasil é algo estarrecedor."

Investigações sobre Robson Tuma

O Ministério Público Federal pediu nesta sexta à Receita Federal a abertura de auditoria fiscal para investigar o "crescimento patrimonial sem justificativa aparente" do deputado Robson Tuma (PFL-SP), um dos parlamentares mais atuantes da CPI do Narcotráfico e filho do senador Romeu Tuma (PFL-SP), ex-diretor da Polícia Federal. O principal motivo da auditoria é o fato de o deputado ter comprado imóveis de luxo em Sao Paulo e Brasília, avaliados em R$ 1,5 milhao.

Se for constatada sonegaçao nas declaraçoes de renda do deputado, ele poderá ser alvo de pedido de cassaçao de mandato por parte de seus adversários políticos, como o deputado Augusto Farias (PPB-AL), irmao do empresário Paulo César Farias, ex-tesoureiro do ex-presidente Fernando Collor.

As suspeitas contra o deputado envolvem a aquisiçao por R$ 700 mil de uma casa de 1.062 metros quadrados no Lago Sul, bairro nobre de Brasília. Segundo os procuradores, há suspeitas de tentativa de sonegaçao nessa transaçao, concretizada em junho passado. Isso porque o imóvel foi vendido um dia após ter sido relacionado pela própria Receita como garantia de uma dívida tributária de R$ 16 milhoes.

A dívida é atribuída ao ex-proprietário do imóvel, o empresário Ricardo Amaro Gonçalves. Ele é ainda acusado de vender certidoes negativas de débito tributário para empresas inadimplentes interessadas em participar de licitaçoes públicas.

O deputado também é proprietário de um tríplex, com quatro suítes, cinco vagas de garagem, piscina e terraço no Parque Real, no bairro do Morumbi, considerado uma das áreas imobiliárias mais caras de Sao Paulo.

Tuminha, como é conhecido, nao foi localizado nesta sexta. Quando foram publicadas as reportagens sobre os imóveis, ele disse que tudo estava em suas declaraçoes ao Imposto de Renda. As notícias foram divulgadas após a revelaçao de fitas em que o juiz foragido Nicolau dos Santos Neto, acusado de desviar R$ 169,5 milhoes, afirmou que recebeu de Tuminha e seu pai pedidos para nomear amigos e parentes no Tribunal Regional do Trabalho. ( Diário do Grande ABC - 04/08/2000)

- Abaixo uma reportagem da Época de 30/07/2006 volta a falar de Robson Tuma e outros mais próximos vinculados à CPI do Banestado. Estas aproximações entre Banestado-Exterior-remessas irregulares-HSBC podem começar a fazer nexo.

Devassa na lavanderia dos figurões

Em depoimento sigiloso, delegado do caso Banestado apresenta a deputados lista de políticos que enviaram dinheiro ao Exterior

ANDREI MEIRELES E GERSON CAMAROTTI

 

O Palácio do Planalto trabalhou dois meses para evitar que o Congresso Nacional investigasse as remessas de divisas para o Exterior, estimadas em pelo menos US$ 30 bilhões, que entre 1996 e 1998 transitaram pela agência do Banestado em Nova York. Na segunda-feira, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, chamou os coordenadores da bancada do PT ao Palácio do Planalto e comunicou que o governo havia desistido de combater a CPI do Banestado. Dirceu impôs como condição, no entanto, que os senadores também participassem da comissão. Tanto receio tem uma explicação: a CPI do Banestado é nitroglicerina pura e pode jogar pelos ares a votação das reformas. Na semana passada, o delegado federal José Castilho Neto, que comanda a investigação, acendeu o pavio. Em reunião sigilosa da Comissão de Segurança da Câmara dos Deputados, ele disse que a evasão, via Banestado, pode chegar à quantia de US$ 60 bilhões. O delegado repetiu que dispõe de comprovantes de depósitos em nome de políticos e citou, entre outros, o ex-ministro José Serra, os ex-prefeitos Paulo Maluf e Celso Pitta, os deputados Luiz Antônio Fleury e Robson Tuma e o senador Jorge Bornhausen. Mas boa parte de quem enviou dinheiro ao Exterior, através do Banestado, o fez de forma legal.

Apareceram contas correntes com nomes estranhos, como Bolo, Beija-Flor e Vênus. Bornhausen diz que tem como provar que a conta encontrada pelo delegado não é dele

O nome de Jorge Bornhausen e o de seu irmão Paulo Konder Bornhausen estão no laudo 675/02 do Instituto Nacional de Criminalística sobre o megaesquema de evasão de divisas. Em meio aos 480 mil registros de operações apreendidos por autoridades financeiras americanas na agência do Banestado em Nova York, aparecem em nome dos Bornhausens seis transações no valor total de US$ 58 mil. Após um passeio por offshores em paraísos fiscais, o dinheiro foi depositado na conta 148390118 da agência do Banco do Brasil em Nova York. O senador Jorge Bornhausen nega que tenha feito a remessa de US$ 16 mil registrada na papelada apreendida no Banestado. De acordo com o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, houve um equívoco no registro e a conta no Banco do Brasil em que foi parar o dinheiro tem como titular Paulo Bornhausen, e não o senador. O procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, arquivou por ato administrativo a investigação sobre o senador Bornhausen ao considerar que não havia provas de que ele tivesse remetido o dinheiro para fora do país. Mas os documentos registram que, por uma empresa chamada Sunfox, o depósito em nome do senador foi feito no dia 1o de abril de 1996. Almeida Castro afirmou que vai processar o delegado Castilho.

Os nomes de Maluf, Pitta e Fleury apareceram na investigação

No anexo 406 do laudo da Polícia Federal é descrita a movimentação financeira da conta número 1444-9, da Sunfox, sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, conhecido paraíso fiscal. Por ali transitaram US$ 93,4 milhões que saíram e voltaram ao Banestado, sendo depositados em dez contas correntes apontadas pelo Ministério Público como grandes lavanderias. A partir delas foram emitidas dezenas de ordens de pagamento eletrônicas para contas com nomes estranhos, como Bolo, Beija-Flor, Vênus, e de pessoas físicas. Um dos políticos que apareceram, o ex-deputado federal Wigberto Tartuce, confirma ter remetido US$ 252 mil ao Exterior para custear despesas de sua família, que estava morando em Miami.

No depoimento sigiloso aos deputados, o delegado Castilho disse que Maluf teria recebido uma fortuna das empreiteiras OAS e Mendes Junior por conta do superfaturamento na construção da Avenida Águas Espraiadas, em São Paulo. Segundo Castilho, o doleiro que operou nessa transação seria Rodolfo Castro Filho, que teria remetido US$ 40 milhões ao Exterior. O delegado contou que só foi possível identificar Maluf como beneficiário da dinheirama porque ele tentou repatriar os recursos utilizando debêntures da Eucatex, empresa da família do ex-prefeito. De acordo com Castilho, o ex-prefeito Celso Pitta e Wagner Ramos - criador na prefeitura de São Paulo do esquema de fraudes com dívidas judiciais vencidas - teriam remetido dinheiro ao Exterior procedente do escândalo dos precatórios. Outro nome citado pelo delegado foi o do deputado Robson Tuma, integrante da CPI do Banestado, em que também é titular o senador Romeu Tuma, seu pai. O delegado, porém, não disse como o deputado entra na história.

Segundo os documentos, foram feitas três transações em nome dos Bornhausens, totalizando US$ 58 mil

Quem também foi envolvido pelo delegado Castilho de forma no mínimo controvertida é o ex-ministro José Serra. Na papelada do Banestado foi encontrada uma remessa no valor de US$ 15.600 para "José Serra", feita por um doleiro de Campinas. O delegado disse aos deputados que se trata do ex-ministro da Saúde. Mas outros investigadores da própria PF asseguram que o beneficiário é um homônimo do ex-ministro, que tem um irmão, Antônio Serra, dono de uma empresa de remédios em Campinas. "Foi um depoimento delirante e irresponsável", comentou um dos deputados que ouviram Castilho e está escalado como titular na CPI do Banestado.

As suspeitas levantadas pelo delegado Castilho serão apuradas pela CPI. Até aqui, elas têm feito barulho menos pelo que revelam e mais pelo que o delegado diz estar guardando. Há também o risco de generalização. Como se sabe, nem todo dinheiro enviado ao Exterior é ilegal. No cruzamento da papelada do Banestado com as apurações do Ministério Público em vários Estados, os investigadores precisam separar o joio do trigo. Eles já identificaram algumas das principais lavanderias de dinheiro no país. Dono da Casa Cruzeiro, em Belém, o doleiro Samuel Benzecry é acusado pelos procuradores de lavar tanto o dinheiro desviado no bilionário escândalo na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) como também o do megatraficante de droga Leonardo Mendonça. Gravações telefônicas feitas pela PF mostram que o doleiro de fato operava para o traficante. Em ação que está no Supremo Tribunal Federal, o Ministério Público relata que cópias de cheques emitidos para pagar propina ao atual deputado Jader Barbalho foram encontradas na Casa Cruzeiro.

A polícia não descarta a possibilidade de que o José Serra que aparece no Banestado seja homônimo do ex-ministro da Saúde

No Ceará, os procuradores investigam os clientes do doleiro Alexander Diógenes Ferreira Gomes. O empresário, conhecido como Alex, é dono da ACCTur, grupo que controla 12 empresas na área de serviços. Pela conta aberta por ele na agência de Nova York com o codinome Blue Carbo, passaram pelo Banestado US$ 503,3 milhões entre 1996 e 1997. Documentos analisados pelo Ministério Público apontam indícios de envolvimento de Alex com políticos e grandes grupos empresariais do Ceará. Alex é alvo também de investigações do Banco Central e da Polícia Federal há pelo menos dois anos. A ACCTur foi indiciada pela CPI do Narcotráfico e responde a quatro processos por remessa ilegal de divisas. A Justiça chegou a decretar a prisão preventiva de Alex em fevereiro do ano passado em um processo de sonegação fiscal, evasão de divisas e formação de quadrilha. Mas ele não foi preso. Conseguiu escapar da cadeia alegando problemas de saúde. Em outra ação, Alex é acusado de levar US$ 615 mil em espécie do Rio de Janeiro para o Ceará sem explicar a origem de recursos. Na terça-feira, o delegado da Polícia Federal Paulo Cauby Batista foi preso em Fortaleza acusado de passar informações sigilosas ao doleiro Alexander Diógenes. Segundo a denúncia, mensagens eletrônicas do delegado foram encontradas numa perícia nos computadores do doleiro.

Os investigadores acreditam que as lavanderias de dinheiro sujo no país atuam como empresas que pertencem a uma mesma holding. A Blue Carbo, de Alexander Diógenes, por exemplo, trocava recursos regularmente com a conta do empresário José Samuel Benzecry na mesma agência do Banestado. A relação entre Benzecry e Alex foi confirmada pelas informações obtidas nas investigações do MP sobre lavagem de dinheiro na agência do Banestado em Nova York. Da conta de Nova York, de número 1414-7, Benzecry mandava dinheiro para contas de Alex, abertas em nome da empresa Blue Carbo. O senador Antero Barros (MT), um parlamentar com destacada atuação, tem pela frente uma difícil missão: presidir a CPI e realizar uma responsável faxina ética.

Seu voto: Nenhum

"O processo de jumentalização da classe BBB no Brasil é algo estarrecedor."

imagem de Antonio Barros
Antonio Barros

Saul Sabba Joao Ferreira Neto e Pedro Paulo sao socios

MÁXIMA SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. CIA ABERTA CNPJ/MF nº 07.385.191/0001-04 - NIRE nº 33.3.0027588-6 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO . Data, Horário e Local : 21/01/2009, às 16h, na sede da sociedade, na Av. N. Sra de Copacabana, 73, 7º andar (pte), Rio de Janeiro, RJ. Mesa : Saul Dutra Sabbá, Presidente, e Pedro Paulo Nunes Ferreira, Secretário. Presença : A totalidade dos membros do Conselho de Administração (Srs. Saul Dutra Sabbá, João Nunes Ferreira Neto e Pedro Paulo Nunes Ferreira) e os componentes da Mesa. Ordem do Dia e Deliberações aprovadas, por unanimidade, sem qualquer ressalva: : (i) a destituição do Sr. Paulo Henrique Barrozo Fabriani, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG 06.066.801-9 IFP, CPF 750.666.027-04, residente e domiciliado na Av. Visconde de Albuquerque, 581, Leblon, Rio de Janeiro, RJ, como Diretor de Relações com Investidores. (ii) a eleição do Sr. Eduardo Arroxellas Villela, brasileiro, casado, economista, RG 09.905.421-5 IFP-RJ, CPF 075.269.237-21, residente e domiciliado na Rua Barão da Torre, 645/401, Ipanema, Rio de Janeiro, RJ, para o cargo de Diretor de Relações com Investidores, para completar o mandato do diretor ora destituído Paulo Henrique Barrozo Fabriani, até 03/03/2011. O Diretor eleito declarara, para os fins do art. 147 da Lei 6.404/76, que: a) não está impedido por lei especial, ou condenado por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade, ou a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, como previsto no § 1º do Art. 147 da Lei 6.404/76; b) não está condenado a pena de suspensão ou inabilitação temporária aplicada pela CVM, que o torne inelegível para cargo de administração de Cia aberta, como estabelecido no § 2º do Art. 147 da Lei 6.404/76; c) atende ao requisito de reputação ilibada estabelecido pelo § 3º do Art. 147 da Lei 6.404/76; d) não ocupa cargo em sociedade que possa ser considerada concorrente da Cia, e não tem, nem representa, interesse conflitante com o da Cia, na forma dos incisos I e IIdo § 3º do Art. 147 da Lei 6.404/76. O Diretor tomará posse do cargo para o qual foi eleito mediante a assinatura do respectivo termo de posse no livro de ARD nos termos do Art. 149 da Lei 6.404/76. (iii) O mandato do Diretor eleito será para completar o mandato do Diretor ora destituído, ou seja, até 03/03/2011, cabendo a reeleição conforme o disposto no Art.188 do Estatuto Social. (iv) Fica mantida a remuneração global anual da diretoria estabelecida na AGO realizada em 27/04/2007, de R$35.000,00, como limite de remuneração anual dos administradores, que, individualmente, perceberão remuneração mensal não inferior a salário mínimo vigente, ficando a distribuição a cargo do Conselho de Administração. (v) Em conseqüência, a Diretoria da Cia fica composta da seguinte forma: Eduardo Arroxellas Villela, como Diretor de Relações com Investidores, e Ana Carolina Moraes Padilha, RG 09625393-5 IFP e CPF 028.238.817-60, como Diretora sem designação específica. Encerramento : Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos, lavrando-se esta ata que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes. Rio de Janeiro, 21/01/2009. Saul Dutra Sabbá; João Nunes Ferreira Neto; Pedro Paulo Nunes Ferreira; Diretor Eleito: Eduardo Arroxellas Villela. Jucerja nº 1881072, em 06/02/2009. Valéria G.M. Serra - Secretária Geral. ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA. Data, Hora e Local : 13/03/2009, às 13h, na sede social, na Av. N. Sra de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Rio de Janeiro, RJ. Convocação e Presença . Dispensada, nos termos do art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76, face à presença dos acionistas detentores da totalidade das ações de emissão do capital social da Cia, conforme registros e assinaturas constantes do Livro Presença de Acionistas. Mesa : Presidente: Saul Dutra Sabbá; Secretário: Pedro Paulo Nunes Ferreira. Deliberações : Tomadas por unanimidade. Sumário dos Fatos : Foram aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, as seguintes deliberações: (i) Aumento do capital social da Cia em R$10.000,00, passando de : R$311.502,50 para : R$321.502,50, mediante a capitalização do Adiantamento para Futuro Aumento de Capital ("AFAC") realizado em 17/02/2009, de titularidade da acionista Máxima Participações Ltda. Em função de tal deliberação proceder-se-á à emissão de 10.000 novas ações ON, sem valor nominal, a serem totalmente subscritas e integralizadas pelo acionista Máxima Participações Ltda. (conforme boletim de subscrição constante no ANEXO II). (ii) Os demais acionistas da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A., Saul Dutra Sabbá, João Nunes Ferreira Neto e Pedro Paulo Nunes Ferreira, aprovam e concordam expressamente com o aumento do capital social e com a emissão de novas ações a serem subscritas e integralizadas pela Máxima Participações Ltda., renunciando a quaisquer direitos que poderiam vir a ter na aquisição das novas ações emitidas. (iii) Em razão das deliberações acima a participação dos acionistas na sociedade passará a ser a seguinte: Acionistas / nº de Ações / Espécie : Máxima Participações Ltda.: 341.499 Ordinárias; Saul Dutra Sabbá: 1 Ordinária; Pedro Paulo Nunes Ferreira: 1 Ordinária; João Nunes Ferreira Neto: 1 Ordinária; (iv) Em razão das deliberações acima, foi aprovada a alteração do Art.5ºº do Estatuto Social da Cia que passará a vigorar com a seguinte redação: "Art.5ºº . O capital social é de R$321.502,50, representado por 321.502 ações ON, sem valor nominal e sem emissão de certificados". (v) Alteração do endereço da sociedade que passa a ser Av. N. Sra de Copacabana, 73,5ºº andar (pte), Copacabana, CEP 22.020-002, Rio de Janeiro, RJ. (vi) Em razão das deliberações acima, foi aprovada a alteração do Art2º2º do Estatuto Social da Cia que passará a vigorar com a seguinte redação: "Art2º2º . A Cia tem sede e foro na Cidade e Estado do Rio de Janeiro, na Av. N. Sra de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Copacabana, CEP 22020-002." (vii) Em função das deliberações acima, foi aprovada a consolidação do Estatuto Social da Cia no ANEXO III a presente AGE. Encerramento : Nada mais havendo a ser tratado, oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, foram suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi esta ata lida, aprovada e assinada. Local e Data: 13.03.2009. Presente os acionistas representando a totalidade do capital social. Certifico que a presente é cópia do original lavrado no livro próprio da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Rio de Janeiro, 13/03/2009. Saul Dutra Sabbá - Presidente; Pedro Paulo Nunes Ferreira - Secretário. Jucerja nº 1913977, em 29/05/2009. Valéria G.M. Serra - Secretária Geral. ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA E EXTRAORDINÁRIA . Data, Hora e Local : 30/04/2009, às 9h, na sede social, na Av. N. Sra. de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Rio de Janeiro, RJ. Convocação e Presença : Dispensada, nos termos do art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76, face à presença dos acionistas detentores da totalidade das ações de emissão do capital social da Cia, conforme registros e assinaturas constantes do Livro Presença de Acionistas. Mesa : Presidente: Pedro Paulo Nunes Ferreira; Secretário: Saul Dutra Sabbá. Ordem do Dia e Deliberações aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas : Em AGE : (i) aprovado aumento do capital social da Cia, mediante a capitalização do Adiantamento para Futuro Aumento de Capital ("AFAC") realizado em 09/04/2009, no valor total de R$20.000,00 de titularidade da acionista Máxima Participações Ltda. (ii) o valor do aumento de capital será de R$20.000,00 passando de R$321.502,50 para R$341.502,50, emissão de 20.000 novas ações ON, sem valor nominal, a serem totalmente subscritas e integralizadas pelo acionista Máxima Participações Ltda. (conforme boletim de subscrição constante no ANEXO II). (iii) os demais acionistas da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A., Saul Dutra Sabbá, João Nunes Ferreira Neto e Pedro Paulo Nunes Ferreira, aprovam e concordam expressamente com a capitalização do AFAC, com o aumento do capital social e com a emissão de novas ações a serem subscritas e integralizadas pela Máxima Participações Ltda., renunciando a quaisquer direitos que poderiam vir a ter na aquisição das novas ações emitidas. (iv) em razão das deliberações anteriores a participação dos acionistas na sociedade passará a ser a seguinte: Acionistas / nº de Ações / Espécie : Máxima Participações Ltda.: 341.499 Ordinárias; Saul Dutra Sabbá: 1 Ordinária; Pedro Paulo Nunes Ferreira: 1 Ordinária; João Nunes Ferreira Neto: 1 Ordinária; (v) Em razão das deliberações acima, foi aprovada a alteração do Art. 5º do Estatuto Social da Cia que passará a vigorar com a seguinte redação: "Art. 5º . O capital social é de R$341.502,50, representado por 341.502 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal e sem emissão de certificados". (vi) Em função das deliberações acima, foi aprovada a consolidação do Estatuto Social da Cia no ANEXO III a presente AGO/E. Em AGO : (i) aprovação do Relatório Anual da Diretoria, do Balanço Patrimonial e das demais Demonstrações Financeiras da Cia, relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2008, publicados no Jornal Monitor Mercantil e no DORJ do dia 30 de março de 2009; e (ii) foi dispensada a instalação do Conselho Fiscal e a eleição dos seus membros, conforme facultado pelo art. 160, da Lei 6.404/76. Encerramento : Nada mais havendo a ser tratado, oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, foram suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi esta ata lida aprovada e assinada. Local e Data: 30.04.2009. Presente os acionistas representando a totalidade do capital social. Certifico que a presente é cópia do original lavrado no livro próprio da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Rio de Janeiro, 30/04/2009. Saul Dutra Sabbá. Secretário. Jucerja nº 1927306, em 07/07/2009. Valéria G.M. Serra - Secretária Geral. ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA. Data, Hora e Local: 07/12/2009, às 13h, na sede social, na Av. N. Sra. de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Rio de Janeiro/RJ. Convocação e Presença: Dispensada, nos termos do art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76, face à presença da totalidade dos acionistas da Cia., Banco Máxima S.A. por seu Diretor Presidente, Sr. Saul Dutra Sabbá e por seu Diretor Sr. Alberto Maurício Caló; Srs. Saul Dutra Sabbá, Ricardo Menezes de Mello e Saulo Sapir Sabbá, conforme registros e assinaturas constantes do Livro Presença de Acionistas. Mesa : Presidente: Saul Dutra Sabbá; Secretário: Ricardo Menezes de Mello. Deliberações: Toma das por unanimidade. Sumário dos Fatos: Foram aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, as seguintes deliberações: (i) Os acionistas tomaram conhecimento da renúncia dos Srs. João Nunes Ferreira Neto brasileiro, casado, economista, RG 2574120 IFP/RJ, CPF 387.945.787-53, residente e domiciliado no Rio de Janeiro, RJ, na Av. Prefeito Mendes de Moraes, 1.500/601, bl. 01, São Conrado, e Pedro Paulo Nunes Ferreira, brasileiro, solteiro, economista, RG 04769452-6 IFP/RJ, CPF 606.531.247-91, residente e domiciliado no Rio de Janeiro, RJ, na Rua Prudente de Morais, 1253/1201, Ipanema, como conselheiros sem designação específica. (ii) Os acionistas resolvem por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, para composição do Conselho de Administração em razão das renúncias acima aprovadas, reeleger o Sr. Saul Dutra Sabbá, brasileiro, casado, administrador de empresas, RG 02533276-9 IFP, CPF 238.779.527-04, residente e domiciliado, no Rio de Janeiro, RJ, na Rua Prefeito Mendes de Moraes, 1500, bl. 01, apto. 801, São Conrado, como Presidente do Conselho de Administração, bem como eleger os Srs. Saulo Sapir Sabbá, já qualificado anteriormente, como conselheiro sem designação específica e Ricardo Menezes de Mello, brasileiro, casado, economista, RG 07376156-1 IFP, CPF 954.359.997-15, residente e domiciliado no Rio de Janeiro, RJ, na Av. Alexandre Ferreira, 444/504, Lagoa, como conselheiro sem designação específica. O prazo de mandato de todos os Conselheiros será coincidente ao da Diretoria, ou seja, até a AGO de 2011. Fica mantida a remuneração global anual estabelecida na AGO realizada em 24/04/2007. Todos os conselheiros declaram, para os fins do art. 147 da Lei 6.404/76 e da Instrução CVM 367/2002, que: (a) não estão impedidos por lei especial ou condenados por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade, ou a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, como previsto no § 1º do art. 147 da Lei 6.404/76; (b) não estão condenados a pena de suspensão ou inabilitação temporária aplicada pela CVM, que os tornem inelegíveis para os cargos de administração de Cia. aberta, como estabelecido no § 2º do art. 147 da Lei 6.404/76; (c) atendem os requisitos de reputação ilibada estabelecidos pelo § 3º do art. 147 da Lei 6.404/76; (d) não ocupam cargo em sociedade que possa ser considerada concorrente da Cia., e não têm, nem representam interesse conflitante com o da Cia., na forma dos incisos I e IIdo § 3º do art. 147 da Lei 6.404/76. Os Conselheiros tomarão posse dos cargos para os quais foram eleitos mediante a assinatura dos respectivos termos de posse no livro de atas do Conselho de Administração, nos termos do art. 149 da Lei 6.404/76. (iii) Os acionistas resolvem por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, aumentar o capital social da Cia. em R$158.497,50, passando de: R$341.502,50 para: R$500.000,00. Em função de tal deliberação proceder-se-á à emissão de 158.497 novas ações ON, sem valor nominal, a serem totalmente subscritas e integralizadas pelo acionista Banco Máxima S.A. (conforme boletim de subscrição constante no Anexo II). (iv) os demais acionistas da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A., Saul Dutra Sabbá, Ricardo Menezes de Mello e Saulo Sapir Sabbá, aprovam e concordam expressamente com o aumento do capital social e com a emissão de novas ações a serem subscritas e integralizadas pelo Banco Máxima S.A., renunciando a quaisquer direitos que poderiam vir a ter na aquisição das novas ações emitidas. (v) em razão das deliberações anteriores a participação dos acionistas na sociedade passará a ser a seguinte: Acionistas / nº de Ações / Espécie : Banco Máxima S.A.: 499.997 ações Ordinárias; Saul Dutra Sabbá: 1 ação ordinária; Ricardo Menezes de Mello: 1 ação ordinária; Saulo Sapir Sabbá: 1 ação ordinária. (vi) Em razão das deliberações acima, foi aprovada a alteração do Art. 5º do Estatuto Social da Cia. que passará a vigorar com a seguinte redação: "Art. 5º. O capital social é de R$500.000,00, representado por 500.000 ações ON, sem valor nominal e sem emissão de certificados". (vii) Em função das deliberações acima, foi aprovada a consolidação do Estatuto Social da Cia. no Anexo III à presente AGE. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, foram suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi esta ata lida, aprovada e assinada. Rio de Janeiro, 07/12/2009. Saul Dutra Sabbá, Presidente; Ricardo Menezes de Mello, Secretário. Jucerja nº 1987734, em 30/12/2009. Valéria G.M. Serra -Secretária Geral. ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Data, Horário e Local: 15/01/2010, às 10h, na sede da sociedade, na Av. N. Sra. de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Rio de Janeiro/RJ. Mesa: Saul Dutra Sabbá, Presidente, e Ricardo Menezes de Mello, Secretário. Presença: A totalidade dos membros do Conselho de Administração da Cia. (Srs. Saul Dutra Sabbá, Ricardo Menezes de Mello e Saulo Sapir Sabbá) e os componentes da Mesa. Ordem do Dia e Deliberações aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas: (i) a destituição do Sr. Eduardo Arroxellas Villela, brasileiro, casado, economista, RG 09.905.421-5 IFP-RJ, CPF 075.269.237-21, residente e domiciliado na Rua Barão da Torre, 645 / Apt. 401, Ipanema, Rio de Janeiro, RJ, como Diretor de Relações com Investidores. (ii) a eleição do Sr. Walter Srour Oaquim, brasileiro, casado, economista, RG 08497512-7 IFP-RJ, CPF 008.434.977-85, residente e domiciliado na Rua Humberto de Campos, 520/ Apto. 1302, Leblon, Rio de Janeiro, RJ, para o cargo de Diretor de Relações com Investidores, para completar o mandato do diretor ora destituído Sr. Eduardo Arroxellas Villela, até a AGO de 2011. O Diretor eleito declara, para os fins do art. 147 da Lei 6.404/76, que: a) não está impedido por lei especial, ou condenado por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato, contra a economia popular, a fé pública ou a propriedade, ou a pena criminal que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos, como previsto no § 1º do art. 147 da Lei 6.404/76; b) não está condenado a pena de suspensão ou inabilitação temporária aplicada pela CVM, que o torne inelegível para o cargo de administração de Cia. aberta, como estabelecido no § 2º do art. 147 da Lei nº 6.404/76; c) atende ao requisito de reputação ilibada estabelecido pelo § 3º do art. 147 da Lei 6.404/76; d) não ocupa cargo em sociedade que possa ser considerada concorrente da Cia., e não tem, nem representa, interesse conflitante com o da Cia., na forma dos incisos I e IIdo § 3º do art. 147 da Lei 6.404/76. O Diretor tomará posse do cargo para o qual foi eleito mediante a assinatura do respectivo termo de posse no livro de atas de Reunião da Diretoria nos termos do art. 149 da Lei 6.404/76. (iii) O mandato do Diretor eleito será para completar o mandato do Diretor ora destituído, ou seja, até a AGO de 2011, cabendo a reeleição conforme o disposto no Art. 15 do Estatuto Social. (iv) Fica mantida a remuneração global anual da diretoria estabelecida na AGO realizada em 27/04/07, de R$35.000,00, como limite de remuneração anual dos administradores, que, individualmente, perceberão remuneração mensal não inferior ao salário mínimo vigente, ficando a distribuição a cargo do Conselho de Administração. (v) Em consequência, a Diretoria da Cia. fica composta da seguinte forma: Walter Srour Oaquim, retro qualificado, como Diretor de Relações com Investidores, e Ana Carolina Moraes Padilha, RG 09625393-5 IFP e CPF 028.238.817-60, como Diretora sem designação específica. Encerramento e Lavratura: Nada mais havendo a tratar, foram encerrados os trabalhos, lavrando-se esta ata que foi lida, aprovada e assinada pelos presentes. Rio de Janeiro, 15/01/2010. Saul Dutra Sabbá; Cardo Menezes de Mello; Saulo Sapir Sabbá; Diretor Eleito: Walter Srour Oaquim. Jucerja nº 1994101, em 25/01/2010. Valéria G.M. Serra - Secretária Geral. ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA . Data, hora e local : 30/04/2010, às 12h, na sede da Cia., na Av. Atlântica, 1.130, 9º andar (pte), Rio de Janeiro/RJ. Convocação e Presença : Convocação dispensada, nos termos do art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76, face à presença do acionista detentor da totalidade das ações de emissão do capital social da Cia., conforme registros e assinaturas constantes do Livro de Presença de Acionistas. Mesa: Presidente: Saul Dutra Sabbá; Secretário: Alberto Maurício Calo. Ordem do Dia e Deliberações aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas : (i) a) O Relatório Anual da Diretoria, do Balanço Patrimonial e das demais Demonstrações Financeiras da Cia., relativas ao exercício social encerrado em 31/12/2009, publicados no DORJ e no Jornal Monitor Mercantil, em 26/03/2010; e b) Dispensadas a instalação do Conselho Fiscal e a eleição dos seus membros, conforme facultado em Lei. (iii) Consignar a destinação do valor de R$ 351.971,80 para a conta de Prejuízos Acumulados. Encerramento : Nada mais havendo a ser tratado, oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, foram suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata que foi lida, aprovada e assinada. Rio de Janeiro, 30/04/10. Saul Dutra Sabbá, Presidente; Alberto Maurício Calo, Secretário. Jucerja nº 2030102, em 21/05/2010. Valéria G.M. Serra - Secretária Geral. ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA. Data, Hora e Local: Às 25/06/2010, 10h, na sede social, na Av. N. Sra. de Copacabana, 73, 5º andar (pte), Rio de Janeiro, RJ. Convocação e Presença: Dispensada, nos termos do art. 124, § 4º, da Lei 6.404/76, face à presença da totalidade dos acionistas da Cia, Banco Máxima S.A. por seu Diretor Presidente, Sr. Saul Dutra Sabbá e por seu Diretor Sr. Alberto Maurício Caló; Srs. Saul Dutra Sabbá, Ricardo Menezes de Mello e Saulo Sapir Sabbá, conforme registros e assinaturas constantes do Livro Presença de Acionistas. Mesa: Presidente: Saul Dutra Sabbá; Secretário: Alberto Maurício Caló. Deliberações: Tomadas por unanimidade. Sumário dos Fatos: Foram aprovadas, por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, as seguintes deliberações: i) Os acionistas resolvem por unanimidade, sem quaisquer ressalvas, aumentar o capital social da Cia em R$200.000,00, passando de: R$500.000,00 para: R$700.000,00. Em função de tal deliberação proceder-se-á à emissão de 200.000 novas ações ON, sem valor nominal, a serem totalmente subscritas e integralizadas pelo acionista Banco Máxima S.A. (conforme boletim de subscrição constante no Anexo II). ii) os demais acionistas da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A., Saul Dutra Sabbá, Ricardo Menezes de Mello e Saulo Sapir Sabbá, aprovam e concordam expressamente com o aumento do capital social e com a emissão de novas ações a serem subscritas e integralizadas pelo Banco Máxima S.A., renunciando a quaisquer direitos que poderiam vir a ter na aquisição das novas ações emitidas. iii) em razão das deliberações anteriores a participação dos acionistas na sociedade passará a ser a seguinte: Acionistas / Nº de Ações / Espécie: Banco Máxima S.A.: 699.997 Ordinárias; Saul Dutra Sabbá: 1 Ordinária; Ricardo Menezes de Mello: 1 Ordinária; Saulo Sapir Sabbá: 1 Ordinária. iv) Em razão das deliberações acima, foi aprovada a alteração do Artigo 5º do Estatuto Social da Cia que passará a vigorar com a seguinte redação: "Art. 5º. O capital social é de R$700.000,00, representado por 700.000 ações ordinárias nominativas, sem valor nominal e sem emissão de certificados". v) Em função das deliberações acima, foi aprovada a consolidação do Estatuto Social da Cia no Anexo III a presente AGE. Encerramento: Nada mais havendo a ser tratado, oferecida a palavra a quem dela quisesse fazer uso e, como ninguém a pedisse, foram suspensos os trabalhos pelo tempo necessário à lavratura desta ata. Reaberta a sessão, foi esta ata lida, aprovada e assinada. Rio de Janeiro, 25/06/2010. Saul Dutra Sabbá, Presidente; Alberto Maurício Caló, Secretário. Boletim de Subscrição. Pelo presente o Banco Máxima S.A., CNPJ 33.923.798/0001-00, com sede na Av. Atlântica, 1.130, 9º andar (pte), Rio de Janeiro, RJ, subscreve 200.000 novas ações ON, sem valor nominal, do Capital Social da Máxima Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A., emitidas conforme AGE de 25/06/2010, devendo o respectivo preço de subscrição de R$200.000,00 ser integralizado em dinheiro nesta data. Rio de Janeiro, 25/06/2010. Jucerja nº 2060792, em 06/07/2010. Valéria G. M. Serra, Secretária Geral. Id: 989944 Like ·

Seu voto: Nenhum
imagem de Julio Silveira
Julio Silveira

Ah! se fosse nos States, com

Ah! se fosse nos States, com  sua receita federal implacavel que botou até mafioso na cadeia.  Mas a nossa parece um queijo suisso.  E pior, guardava até ratazana em seu interior, se é que não guarda mais.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Hugo João Frantz
Hugo João Frantz

Tuma?

Tem um telefone no apartamento

united coaching

 avenida Cauaxi 189 sala 203 - Alphaville (barueri) - Barueri - São Paulo

4382-5138

Treinamentos

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de John Dois
John Dois

REPUTAÇÃO DO POLICIAL POLÍTICO.

Esse cara escreveu um livreto para desqualificar o PT, LULA e DILMA,

será que alguem lembra qual era o nome do livrinho?

 

Mas se alguem quiser realmente conhecer quem eram os TUMA,

é só dar um pulinho ali na rua 25 de Março, Rua Pagé, e Mercadão e

perguntar O QUE QUE OS TUMA FAZIAM POR ALI NOS SEUS BONS

TEMPOS DE POLICIAIS COM "ÓTIMA "REPUTAÇÃO"" E MUITO  ""HONESTOS"".

  (?????????????????????????????????????????????????????????????)

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Jose Roberto Lima
Jose Roberto Lima

Contrabando

O filho não sei mas o Senador Romeu Tuma, quando ainda nem sonhava com esse cargo, era conhecido como o "cara" que liberava muanba apreendida.

Seu voto: Nenhum
imagem de Heitor Brasil
Heitor Brasil

Tribuna do Congresso, já!

Será que não há nesta república, um deputado sequer com peito de subir à tribuna do congreso para cobrar da justiça uma investigação limpa sobre este caso e exigir, sim exigir a retirada desta lista das mãos deste jornalista mal intencionado?

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Heitor Brasil
Heitor Brasil

Monopólio da informação

É um absurdo esta lista ficar às mãos de uma pessoa.

Como pode? 

Será que uma lista, um abaixo assinado, não poderia fazer que esta investigação fosse aberta?

Eu não me conformo. Estou indignado com este monopólio da informação.

Um absurdo.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

CAIXA PRETA

Com a morte recente do ex- dono do BAMERINDUS, que tempos atrás tinha sido apunhalado pelas costas nessa transação, por seu amigo FHC.

Será que a família não liberaria essa caixa-preta???

Não custa tentar!!! 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

SILOÉ-RJ

imagem de André ST
André ST

Quem pode ajudar?

Alguém pode confirmar se Pedro Paulo Nunes Ferreira ou João Nunes Ferreira Neto é parente próximo daquele candidato a vice, que em sua declaração de bens,afirma ter uma fração em uma propriedade rural no valor de R$ 1.00.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Yacov
Yacov

Bem que as nossas eliteas

Bem que as nossas eliteas FHSBCeanas gostariam de uma nova ANISTIA, não!?!

 

"O BRASIL PARA TODOS não passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÂO & GOLPES - O que passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÃO & GOLPES é um braZil-Zil-Zil para TOLOS"

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de VIANNA
VIANNA

hsbc

Como diria o grande Millor: o livre pensar é so pensar....

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Israel Just da Rocha Pita
Israel Just da Rocha Pita

HSBC.

A confimar o nome de Tuma Jr. è suicidio de Reputação.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de jvicente
jvicente

Argentina suspende o direito do HSBC Argentina para transferir d

Argentina suspende o direito do HSBC Argentina para transferir dinheiro por 30 diasPUBLICADO: terça-feira, 13 de janeiro, 2015, 10:14ATUALIZADO: terça-feira 13 de janeiro, 2015, 05:40

Benjamin Robertson e Reuters


 

Pedestres andam após um agência do HSBC em Londres, como Argentina agências do banco foi suspenso de transferência de dinheiro por 30 dias a partir do país para o exterior devido a irregularidades. Foto: Bloomberg

Argentina anunciou a suspensão de direito do HSBC Bank Argentina para transferir dinheiro para o exterior por 30 dias devido a "irregularidades", dois meses depois acusando-a de ajudar os clientes a sonegar impostos por sifão seus fundos para a Suíça.

HSBC Bank Argentina não cumpriu a promessa de corrigir as irregularidades nas transferências de crédito, o banco central argentino disse em um comunicado enviado por email.

"O banco central da Argentina decidiu suspender temporariamente as operações do HSBC Bank Argentina de transferência de dinheiro e ativos no exterior por um período de 30 dias, o que poderia ser reduzido se a entidade adota as medidas correctivas necessárias", disse.

HSBC Bank Argentina se recusou a comentar.

"Estamos trabalhando para resolver este novo pedido do Banco Central, a fim de resolver este problema o mais rápido possível. Isso não está afetando as outras operações do banco. HSBC está trabalhando com e vai continuar a trabalhar com a Justiça e os reguladores na Argentina ", disse o HSBC em um comunicado de seu escritório de Hong Kong para o South China Morning Post.

Argentina, em novembro passado cobrada HSBC com auxiliando mais de 4.000 clientes para sonegar impostos por stashing seu dinheiro em contas bancárias suíças secretas.

HSBC Argentina rejeitou essas acusações, dizendo que respeitava a lei argentina.
O movimento de Argentina veio como parte de uma ofensiva global sobre fundos não declarados mantidos em paraísos fiscais, após a crise tensas orçamentos globais do governo financeiros e fez a necessidade de maximizar as receitas fiscais mais premente.

Suíça se tornou o maior centro financeiro offshore graças do mundo a rigorosas leis de sigilo bancário no país alpino.

Além disso, o governo esquerdista da Argentina favorece intervenção forte no sector privado e acusou publicamente uma série de grandes empresas estrangeiras, como grãos globais exportadores Bunge e Cargill de sonegação de impostos ao longo dos últimos anos.

 

Seu voto: Nenhum
imagem de jvicente
jvicente

HSBC Tradução google

Os jornalistas do Le Monde reagiu às ataque dos  proprietários pelos vazamentos HSBC

Anger as críticas sobre os nomes de publicação de ricos clientes do HSBC com contas na Suíça

PUBLICADO: sexta-feira 13 de fevereiro, 2015, 08:22ATUALIZADO: sexta-feira, 13 fevereiro, 2015, 08:22

Agence France-Presse em Paris

 

Le Monde é criticado por sua decisão de publicar os nomes dos ricos clientes do HSBC que esquivou imposto pela abertura de contas suíças.

Jornalistas em jornal francês Le Monde reagiu com irritação às críticas de dois dos empresários proprietários do jornal sobre a sua decisão de publicar os nomes dos ricos clientes do HSBC que esquivou imposto pela abertura de contas suíças.

Pierre Berge, presidente do conselho de supervisão do Le Monde, liderou o ataque sobre o papel, acusando-a de "informar" sobre os empresários, políticos, criminosos e celebridades citadas nos chamados arquivos Swissleaks.

"É o papel de um jornal para lançar os nomes das pessoas lá fora? ... Eu não quero compará-lo aos tempos passados, mas tudo a mesma coisa, informando se informar", Berge, um co-fundador da Yves Saint Laurent casa de alta costura, disse à rádio RTL.

"Não foi para isso que eu lhes permitiu adquirir a sua independência", a 84-year-old, que faz parte de um trio de magnatas que puxaram o papel de volta da beira da falência em 2010, acrescentou.

Após a primeira descartando a crítica do Sindicato dos Jornalistas Le Monde reagiu às Berge.

"Nós condenamos energicamente, como em tais ocasiões anteriores, esta intrusão no conteúdo editorial. O papel dos acionistas é definir a estratégia da empresa e não para tentar inclinar-se sobre o sentido notícia", disse o sindicato em um comunicado.

Gestão editorial do Le Monde também criticou os "ataques por Pierre Berge contra jornalistas Le Monde". "Nós assumimos as escolhas editoriais feitas durante a investigação e durante a publicação", disseram os editores, prometendo "fazer cumprir escrupulosamente" a independência editorial.

Berge não foi, no entanto, o único dos três principais acionistas do Le Monde de tergiversar com o relatório.

Banker Matthieu Pigasse, que tem interesses em vários meios de comunicação franceses, também expressou preocupações, embora em termos mais comedida. "É verdade que há um equilíbrio a ser alcançado entre a divulgação de informações que é de interesse público" e "cair em uma forma de macartismo fiscal e informar", o chefe da Lazard banco de investimento em Paris, disse, sublinhando que estava "orgulhoso "da obra de Le Monde.

Terceiro co-proprietário do jornal, o magnata das telecomunicações Xavier Niel, não fez nenhum comentário. O trio assinou um acordo com o jornal, em 2010, garantindo a sua independência editorial.

Le Monde desempenhou um papel de liderança na revelando como Swiss braço de private banking do HSBC ajudou clientes sonegar impostos em contas contendo US $ 119 bilhões. O jornal francês, que obteve arquivos vazados por um informante, compartilhá-las com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos.

Este artigo foi publicado no jornal South China Morning Post edição impressa como jornalistas do Le Monde revidar ataque atowner

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

HSBC - Mais do mesmo

Já deve ter sido publicado por aqui, mas creio que valha relembrar que não é a primeia vez.

O HSBC já fez acordo com o governo dos EUA para encerrar investigações sobre lavagem de dinheio.

Na época (final de 2012), foram pagos pelo banco U$1,9 bilhoes para que o processo fosse encerrado.

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2012/12/hsbc-pagara-multa-...

 

"

 

 

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Luís Henrique Donadio
Luís Henrique Donadio

Postei as informações abaixo

Postei as informações abaixo num comentário no post da Lista do HSBC. Como talvez este post aqui passe a centralizar as atenções no que se refere ao HSBC, reposto aqui, incluindo algumas linhas que ficaram faltando.

O importante, no caso, não são as contas bancárias nem os endereços.

São as empresas offshore.

Vamos lá.

Paulo Chiele é ligado à Altamira International Services, Ltd.

Os Blank, Aline, Sérgio e Stephan, à Ancient Cedars Ltd.

Guntolf Van Kaick, à Appolinari Industries LLC e Swisser AG.

Barkat Sorathia (ou Sorarthia) é dono da Barso Global Management & Advisory, Inc.

Nardi Davidsohn, BBE.SG PTE. LTD.

Israel Miedzigorski, Beauty Images Inc.

Alfredo Casarsa Netto, BOA INTERNATIONAL INC. e ELLARD TRADING LIMITED

Os Lerners, Bernard Paul, Paulo Alfredo e Ricardo Paulo, Bougival Corporation

Ursula Kossman, Carpe Diem Management Ltd.

Marcio Duarte Lopes e Sergio Augusto Fernandes Teixeira, DB Precious International Group Ltd.

Flavio Augusto Cicivizzo, Ensure Limited

Eyal Brandes e os Gilad, Guy e Chen, Galveston Commercial Ltd.

Edson Chang, Giant Holding Limited

Marcelo Dias dos Santos, Global Telecom Services PTE, Ltd.

Wong Bi Chegn, International Goal Group Limited

Chiang Fong Nien, INTERNATIONAL IP/EC LAW COMPANY LTD.

Anna Hantower, Jessnick Limited

Os Trentini, Hardy, Ovídio e William, Loyalty Marketing International Inc.

O bicho maior, aparentemente, é o Maximizer International Bank S.A. Cinco pessoas, Chaim Zalcberg, os Ferreira Nunes, Pedro Paulo e João Neto, José Arley Lima Costa e Saul Dutra Sabbá (também proprietário do Banco Máxima), e uma empresa, Zalcberg Advogados Associados, aparecem ligados a essa empresa.

Valmir Ramos Braun, Precision NDT Ltd.

Per Reidar Haugen, SATERI INTERNATIONAL CO. LTD

Ulysses Silva, The Martin Funding Trust

Os Ribeiro de Mendonça, todos, Augusto, Gisele (de nome artístico Fraga), Karin e Caroline, The Memphis Trust.

Richard Hantower, Wellington Trust

Os Shih, Hong Dao, Hong Din, Hong The, e Yen Yu Yuan, são donos da YDDT Holding Company.

A maior parte dessas companhias tem sede nas Ilhas Virgens Britânicas. As outras tem sede no Panamá (Ancient Cedars, Beauty Images e Galveston Commercial), Moscou (Boa International e Ellard Trading) e Ilhas Cayman (Giant Holding e International IP/EC Law Company)

Não se trata, portanto, apenas de contas bancárias num paraíso fiscal, a Suíça; mas também de empresas (aparentemente de fachada, que não produzem nem prestam nenhum serviço ou produto real) em outros paraísos fiscais, as Ilhas Virgens Britânicas e Cayman.

Aguardando o Free Walker contar aqui que a filha da empregada dele também tem uma empresa fictícia nas Ilhas Virgens Britânicas, normal... orkutizaram a evasão de divisas, malditos petralhas.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de jony
jony

Cadê?

Tá  tudo  muito bem, ta tudo  muito  bom, mas  cadê  as  ligações  com os tucanos gordos e magros  para que o povo  possa  entender??? no final, como sempre,não vai dar em nada.Sempre a direita  dando um nó na  gente.....

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Denunciar o Fernando Rodrigues

Deveríamos denunciar o Fernando Rodrigues por não revelar o conteúdo do material que ele recebeu para revelar os brasileiros envolvidos. Se ele faz parte do consórcio que esta divulgando o escândalo, com certeza ele é obrigado a divulgar também.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Luciano Herlon

imagem de Severino Januário
Severino Januário

O Fernando Rodrigues está

O Fernando Rodrigues está falando grosso como se a lista estivesse em seu poder e ele fosse o único que pode revelar (ou ocultar) nomes presentes na mesma. Foi eleito curador especial da lista pelo Instituto Millenium? Já deu a entender até que vai ocultar os nomes de muita gente, a seu julgamento pessoal por serem ou não irrelevantes (para ele). A s pergunta são: Porque ele pensa assim? Foi-lhe dado mesmo tal poder?

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Joao Maria
Joao Maria

Paulo Alfredo Lerner, Ricardo

Paulo Alfredo Lerner, Ricardo Alfredo Lerner. Algo a ver com Jaime Lerner ex governador do Parana?

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Zanchetta
Zanchetta

Sergio Augusto Fernandes

Sergio Augusto Fernandes Teixeira.. tem algo a ver com Roberto Teixeira, advogado e laranjão do Lula?

Seu voto: Nenhum (10 votos)

Tuma, velho conhecido de Nassif.

 

http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/minhas-historias-com-o-delegado-...

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Alan Carvalho

imagem de José Carlos Damaceno
José Carlos Damaceno

corrupção

Estou ancioso para ver esta lista a verdadeira é claro.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

As ironias (lições) da vida:

As ironias (lições) da vida: o camarada ajuda, diligentemente, a destruir reputações, em nome sabe-se lá do que... De repente, é displecente e impiedosamente chutado! Mesmo assim, continua fazendo os servicinhos de interesse dos antigos patrões. E, se prestando a isto, está agora prestes a perder, de vez, a sua já frágil reputação. E a sabedoria da vida tornará esta derradeira queda ainda mais dolorosa: foi engendrada pelo próprio. Não há a mão de um adversário, ou de um dos atingidos por sua pena; a sua própria incúria e servilismo o colocaram nesta saia justíssima.

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Anna

imagem de Zanchetta
Zanchetta

Não era mais fácil ir até o

Não era mais fácil ir até o endereço e perguntar se existe algum Barkat Sorarthia morando lá?

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Estou curiosa quanto ao

Estou curiosa quanto ao batismo da operação que, certamente, a PF vai instituir para desbaratar estas "irregularidades"; afinal o objetivo é o combate à corrupção e o resguardo dos interesses do Brasil! A PF costuma ser criativa. Lava jato, Castelo de Areia, ... E agora? Qual será o papo que vai rolar no FB? Fico imaginando os comentários indignados contra esta Malta! Eu aqui pagando meus impostos: em folha e embutidos... Mas confio na dedicação da PF e do Judiciário para que sejam varridos do Brasil estes sonegadores incautos. A ver...

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Anna

imagem de Museu SP batista neto
Museu SP batista neto

Se não tiver jeito de segurar

Se não tiver jeito de segurar e, ao final, os INTOCÁVEIS da moralidade forem compelidos a agir (contra as suas natureza e vontade), eu sugeriria o seguinte nome para a operação:

 

"Lava Enxuga e (mas Consola e) Afaga"

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de sbernardelli
sbernardelli

Operação Al Capone

 Operação Al Capone talvez esse nome seria legal, tá bem a cara do mesmo 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Glaura flavia R Daoud
Glaura flavia R Daoud

Permita-me uma

Permita-me uma sugestao:Faraos Envergonhados

Seu voto: Nenhum

Um simples questionamento

Um simples questionamento...se empresas envolvidas em cartel podem ser proibidas de contratar com o poder público...o que dizer então da situação que envolve instituições bancárias - no caso o HSBC???..estas podem captar bilhões de reais de brasileiros, enviar para a Suíça, sonegando alguns BILHÕES e ainda seguirem atuando na captação de dinheiro junto ao sistema monetário brasileiro???

Conforme publicado na imprensa nacional e internacional, o Banco HSBC teria intermediado a remessa de mais de 7 bilhões de dólares de brasileiros para bancos na Suiça... em parte destes valores poderiam estar quantias referentes a operações de lavagem de dinheiro e sonegação...

Consta que a direção do banco, ou ao menos parte de seus dirigentes sabia da irregularidade e ilicitude de muitas destas operações - o que se explica pela dimensão mundial do esquema.

A se confirmarem tais denúncias estar-se-ia à frente de delitos de gestão fraudulenta...art. 4º, caput, da Lei 7.492/86 (gestão fraudulenta de instituição financeira..

Acerca desta questão, pode-se obter farta literatura penal e processual penal, apenas se dispondo e ler a parte da Ação Penal AP 470 (Mensalão ou mentirão), no que se refere ao Banco Rural e aos empréstimos ao PT. (em termos bem sintéticos, pode-se, a partir dos dados constantes do Informativo do STF nº 678, obter mais informações - http://www.stf.jus.br/arquivo/informativo/documento/informativo678.htm

Ainda que a situação do HSBC (empresa sediada na Inglaterra) seja um pouco diferente, no que se refere a bancos com capital nacional...temos os seguintes exemplos

Banco Rural... pouco tempo depois, em 2013, por determinação do BACEN - foi liquidado...

O BVA, igualmente.., como pode ser visto em reportagem do G1.. 

"Em junho, o Banco Central já havia liquidado o BVA, também em decorrência do "comprometimento da sua situação econômico-financeira e do descumprimento de normas que disciplinam a atividade da instituição"."

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2013/08/bc-decreta-liquida...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Essa internet ...

Essa internet ...

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Consagre os seus sonhos e projetos ao Senhor, e eles serão bem sucedidos, creia.

gAS

O ideal  explodir a "net" com

O ideal  explodir a "net" com informação segura!

Esta pintando um " auê" monumental, quando a

globo perceber que não segura a casa cai de vez..

A coisa não é fraca não...passaportes saindo da gaveta!

Seu voto: Nenhum (10 votos)

Mais um:

http://www.ocafezinho.com/2015/02/18/suicalao-aparecem-os-primeiros-tuca...

acompanhem os links e vão colar em fhc..... a coisa deve estar feia no ninho tucano

Seu voto: Nenhum (10 votos)

Impítiman é meuzovo!

Arte é Luz - União e Olho Vivo

Acho que o Fernando Rodrigues

Acho que o Fernando Rodrigues estava esperando

uma oportunidade para  promover o Tuma lá dá cá.

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de Luís Henrique Donadio
Luís Henrique Donadio

Não me convenceu. O

Não me convenceu. O apartamento 203 normalmente fica no segundo andar; o 1203, no décimo-segundo.

Provavelmente quer dizer que se cumprimentam de vez em quando no elevador - além, obviamente, de pertencerem à mesma classe social. Mas é muito pouco para afirmar que temos um nome.

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Lembra do Law Kin Chong?

Sabe Law Kin Chong, o maior contrandista do Brasil e um dos maiores do mundo? Lembra da enorme, imensa amizade que unia Robson Tuma e o chinês? Lembra que a casa caiu em 2011? Se vc tivesse auferido muito dinheiro de forma ilícita, sem origem, frio, vc faria: a) guardaria embaixo do colchão; b) depositaria no Banco do Brasil; c) procuraria um doleiro para transformar isso em US$ e remeter para um banco confiável, com expertise em lavagem de dinheiro, daqueles que não pergunta pro cliente a origem do dinheiro, logicamente no exterior? 

Seu voto: Nenhum (15 votos)
imagem de Luís Henrique Donadio
Luís Henrique Donadio

Bom. O Tuma era amigo do Law

Bom.

O Tuma era amigo do Law Kin Chong, que é um contrabandista. O Tuma tem um apartamento no mesmo prédio que o Barkat Sorathia, que é dono de uma empresa de fachada num paraíso fiscal.

Tanto o Sorathia quanto o Law Kin Chong têm, ou tiveram, dinheiro de origem ilícita, que eles colocaram no exterior, na forma de contas bancárias ou de empresas frias. Com certeza o doleiro que eles consultaram para fazer isso - se é que precisaram fazer essa consulta - não era o Tuma.

Agora, o Tuma tem dinheiro de origem ilícita, que ele precisou esconder no exterior? E, nesse caso, teria consultado o Sorathia para saber o que fazer com a bufunfa? Não duvido, mas o nome dele não aparece na lista a que tivemos acesso (que é, claro, apenas um pequeno pedaço - 48 nomes de um total de quase 9 mil, ou pouco mais de 0,5% do iceberg). Nem, por falar nisso, o nome do Law Kin Chong. O que aparece é o nome do Barkat Sorathia, que tem, ou tinha, quando abriu uma conta no HSBC, um apartamento no mesmo prédio em que o Tuma também é condômino.

Eu não escreveria que o Tuma pode ser o primeiro nome concreto de político da oposição vinculado a esse escândalo, baseado apenas nisso. Acho que é uma porta aberta a uma interpelação judicial.

Seu voto: Nenhum
imagem de Lauri Guerra
Lauri Guerra

Veja o link

Veja o link https://www.ic.gc.ca/app/scr/cc/CorporationsCanada/fdrlCrpDtls.html?corp...

Tudo indica que o endereço em Barueri é do verdadeiro titular da conta, cujo nome não aparece. Ao invés de utilizar o próprio nome toma emprestado aquele do agente (Barkat Sorathia), cuja empresa é canadense e onde o endereço que aparece no llink citado acima é:

  • BARKAT SORATHIA 
    86 GERRARD STREET EAST
    SUITE 4D
    TORONTO ON M5B 2J1
    Canada

Já neste outro link (http://411.ca/business/profile/12841093) o endereço da Barso Global Management Ltd é apresentado como:

Toronto, ONM3H 6A7 Phone: 416-910-5820   Ou seja, tem cara de trambique evidente quando se ve que o endereço de contato é:Care of: HADI JAVADI
120 EGLINTON AVE EAST
SUITE 1000
TORONTO ON M4P 1E2
Canada Admitindo a possibilidade de que a hipótese ventilada acima não seja correta, então sugere um crime adicional, ou seja o do uso de nome de Barkat Sorathia e daquele de sua empresa sem seu conhecimento. Francamente não acredito. Um pedido de colaboração com  a polícia canadense pode comprovar ou não a suspeita.

Seu voto: Nenhum
imagem de Fabio Soares
Fabio Soares

Concordo...

...e acho que flerta com o tal assassinato de reputações de que tanto se fala aqui. É preciso levantar e publicar aquilo de concreto.

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Dimas Jayme Trindade
Dimas Jayme Trindade

Por outro lado, pela teoria

Por outro lado, pela teoria do dominio do fato, ela já é culpado. Afinal como isto acontece embaixo das barbas do filho do delegado da PF e ele não sabe?

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Dimas Jayme Trindade
Dimas Jayme Trindade

Por outro lado, pela teoria

Por outro lado, pela teoria do dominio do fato, ela já é culpado. Afinal como isto acontece embaixo das barbas do filho do delegado da PF e ele não sabe?

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Luís Henrique Donadio
Luís Henrique Donadio

Você quer que a malsinada

Você quer que a malsinada "teoria do domínio do fato" valha ou não valha?

Por que, se é para valer para o Tuma, também é para valer para J. Dirceu & Cia.

Por outro lado, a teoria do "domínio do fato" exige algum tipo de subordinação hierárquica. O que não é o caso da relação entre condôminos.

Em vez de especular sobre o Tuma, seria mais prático responder duas perguntas bem mais simples:

1. Há alguma relação de parentesco entre os Lerners da lista e o Lerner político paranaense?

2. Há alguma relação de parentesco entre os Ferreira Nunes da lista e o Ferreira Nunes que queria ser vice-presidente?

Ou então embarcar na investigação sobre o que, de fato, faziam as trinta e tantas empresas off-shore citadas ali.

Seu voto: Nenhum
imagem de Lista Secreta é Meuzovo
Lista Secreta é Meuzovo

Os blogs "sujos" assumiram a

Os blogs "sujos" assumiram a linha de frente da investigação. Espero ansioso pelos desdobramentos do Mutirão HSBC. 

Seu voto: Nenhum (13 votos)
imagem de juridico
juridico

na verdade ele está com medo

na verdade ele está com medo que acabem com a GUATANAMO do PARANA por isso pediu ajuda ao JOAQUIM

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de Delegado
Delegado

O Suiçalão que a Globo esconde

Fonte: http://br29.com.br/suica-surgem-os-primeiros-nomes-ligados-ao-psdb-com-c...

 

Os internautas acharam um nome genial para popularizar o escândalo de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal das contas de 8 mil brasileiros achadas no HSBC da Suíça.

Suiçalão!

Quem sabe se, com esse nome atraente ao público, o UOL não divulga os nomes que estão sendo mantidos em segredo, à diferença do que vem acontecendo no resto do mundo, onde as listas dos beneficiários estão vazando?

Os brasileiros tinham aproximadamente R$ 20 bilhões em contas no HSBC da Suíça.

Enquanto a mídia não se interessa, a blogosfera está indo atrás.

Alguns nomes, de brasileiros com contas no HSBC da Ásia, já vazaram, conforme se pode ver neste link.

A divulgação dos nomes ajudaria o Brasil a fazer uma campanha contra a sonegação, o maior problema do Brasil, bem maior, em escala, do que a corrupção, apesar da nossa mídia nunca abordar o tema.

Fernando Rodrigues, do UOL, disse que só iria divulgar os nomes que apresentassem “interesse público”.

Pois bem, o blog Megacidadania encontrou um nome de correntista do Suiçalão que apresenta “interesse público”.

Saul Sabbá.

Hoje dono do banco Máxima, Saul Sabbá está no banco de dados do site Off Shore Leaks, de responsabilidade do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).

A sua conta secreta está ligada à offshore Maximizer International Bank S.A.

Máxima, Maximizer, sacou?

O banco de dados do Off Shore Leaks mostra o Maximizer, por sua vez, ligado a vários outros nomes.

ScreenHunter_5521 Feb. 18 17.14

Seu voto: Nenhum
imagem de Jamile Fadul
Jamile Fadul

A filha de Guilherme Afiff

A filha de Guilherme Afiff tem apartamento no mesmo prédio. É só checar.

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.