Revista GGN

Assine

voto

Admar Gonzaga: segundo voto em favor de Temer também traz polêmicas


Foto: Ascom/TSE
 
Jornal GGN - O segundo voto favorável a absolvição de Michel Temer da cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é de Admar Gonzaga. O ministro já advogou para a campanha de Fernando Henrique Cardoso em 1998, atuou na assessoria de partidos como o PPR, o PP e o DEM, e foi consultor da campanha de Dilma Rousseff, em 2010 - motivo pelo qual foi pedido o seu impedimento de votar pela Procuradoria-Geral Eleitoral, nesta sexta-feira (09).
 
O tema gerou um tumulto na sessão de hoje, quando o vice-procurador Eleitoral, Nicolao Dino, pediu que o ministro se julgasse impedido de atuar e votar no processo de cassação da chapa formada entre Michel Temer e Dilma Rousseff, em 2014.
 
Logo após a retomada de uma das pausas do julgamento, após o almoço, Dino afirmou que um dos argumentos para a cassação da chapa defendida pelo relator Herman Benjamin foi o "estoque" de recursos ilícitos feito pelos partidos, anos antes, para financiar a campanha de 2014. Ocorre que Gonzaga atuou como advogado da chapa em 2010, quando os recursos já estariam contaminados, segundo o relator.
Média: 5 (3 votos)

Julgamento do TSE indica balanço pário à cassação de Temer

Publicado às 09:07 e atualizado às 13:00

Jornal GGN - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retomou nesta quarta-feira (07) o julgamento da cassação da chapa presidencial de 2014 e que pode encurtar o mandato do atual mandatário Michel Temer. Mas após quatro horas, os ministros apenas discutiram questões preliminares. 

A sessão que iria ocorrer às 19h da noite de hoje foi cancelada e a continuidade do julgamento ficou marcada para esta quinta-feira (08), em sessão que pode durar o dia todo. Nesta quarta, o relator Herman Benjamin apresentou seu posicionamento sobre três temas pendentes.

Até o momento, Benjamin provou que não houve o cerceamento de defesa reclamado pelo advogado de Temer e entendeu que vazamentos das delações da Odebrecht à imprensa não anulam o seu uso como meio de prova. Todos os ministros concordaram com o relator, mas indicaram que a validade dos depoimentos como provas pode ser questionada em votos individuais.

A estratégia da defesa do mandatário é argumentar que novas provas foram produzidas desde a petição inicial contra a chapa, em 2015, e que os depoimentos de executivos da Odebrecht e dos marqueteiros Mônica Moura e João Santana, por exemplo, não poderiam entrar agora como indícios contra o presidente.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

O importante agora é defender a Constituição, por André Singer

Marcelo Odebrecht fala sobre doação de dinheiro para Michel Temer, Paulo Skaf e Duda Mendonça (Foto: Reprodução)

Marcelo Odebrecht fala sobre dinheiro para Temer, Skaf e Duda Mendonça

Jornal GGN - em sua coluna de hoje, na Folha, André Singer alerta para a necessidade de se defender a Constituição Cidadã, de 1988, contra os ataques que sofre após um golpe, ou impeachment sem crime. Atenta para o manifesto assinados pelos juristas Modesto Carvalhosa, Flávio Bierrenbach e José Carlos Dias que propõe a convocação de plebiscito para saber se o povo deseja eleger uma constituinte independnete, ou seja, composta de não políticos. Isso significaria uma Constituição inteiramente nova aproveitando-se de um momento anti-político que aflora por estes tempos.

André alerta que, se é preciso combater a corrupção, é preciso, mais ainda, proteger nossa Constituição, voz de 144 milhões de pessoas, a maior democracia do mundo. Só assim conseguiremos continuar trilhando o caminho da liberdade. Outro caminho significa retrocesso.

Leia a coluna a seguir.

Leia mais »

Média: 3.9 (15 votos)

Benjamin diz que jogo do poder não pode vencer processo de cassação de Temer

Foto-montagem: Brasil247
 
Jornal GGN - A expectativa é de que, em três semanas, o relatório final da cassação de Michel Temer seja finalizado pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Herman Benjamin. Até agora, enquanto aguarda as últimas alegações, o ministro do processo de cassação da chapa eleitoral de 2014 concluiu o relatório parcial, com mais de mil páginas.
 
Sem citar outros ministros da Corte que analisarão o processo que pode encurtar o mandato do peemedebista, Benjamin afirmou que é "inadmissível" que "o argumento poderoso dos fatos seja derrotado por fundamentos que não têm sustentação, exceto no jogo do poder".
 
A resposta foi concedida em entrevista à reportagem do Estado de S. Paulo. O relator do processo mencionou que não estava "nem um pouco" preocupado se o seu voto não for acompanhado pela maioria dos sete ministros do TSE, necessária para a cassação de Temer. Pediu apenas que "as regras do jogo sejam republicanas".
Média: 4 (5 votos)

Reforma Política incluirá lista fechada, fim de vice e mandato para STF

Charge: Ivan Cabral
 
Jornal GGN - O Congresso avança na articulação da Reforma Política. O texto, que pretende trazer "mudanças bastante significativas para uma nova cultura política brasileira", nas palavras do relator, deputado Vicente Cândido (PT-SP), por outro lado movimenta previsões que favorecem parlamentares alvos de investigações e da Lava Jato.
 
O relator da proposta afirmou que pretende apresentar o relatório já no dia 4 de abril. Segundo ele, pontos como por exemplo a instituição de mandatos de 10 anos para membros de tribunais federais, incluindo o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior do Trabalho (TST), e demais cortes que têm membros escolhidos por indicações políticas.
 
Outro dos trechos destacados é a extinção do cargo de vice nos três entes federados, realização de eleições para Executivo e Legislativo em anos diferentes, além do próprio financiamento público das campanhas e o voto em lista fechada para eleições parlamentares. Estes dois, os mais polêmicos.
Média: 5 (1 voto)

O risco de Bolsonaro se tornar a zebra de 2018

Candidato é o único, entre os nomes conhecidos à direita, a crescer na pesquisa de intenção de votos


Jornal GGN - As série das últimas pesquisas de intenção de voto espontânea apontam para o risco da uma possível vitória inusitada nas eleições presidenciais de 2018, com a ascensão do deputado de extrema direita, Jair Bolsonaro que saiu de 3,3% para 6,5% das intenções de voto.

O alerta é do jornalista Maurício Dias, no artigo à seguir, para a Carta Capital. Saindo dos extremos, ele aponta que as pesquisas de opinião também apontam para dificuldades dos candidatos da direita, com Aécio Neves caindo de 3,1% para 2,2%; Temer de 3% para 1,1%; Alckmin de 1,9% para 0,7% e Marina Silva de 2,4% para 1,8%.

"Somente Bolsonaro está fortalecido. Ele passa a ser a expressão da direita com a qual, no entanto, tem divergências. Uma delas é sobre a venda da Petrobras. É a boa herança da caserna. Em contrapartida, tem posições insuportáveis à luz da democracia", pondera, como o apoio a tortura.  

Por outro lado, à esquerda, o nome de Lula liderou pulando de 11,4%, em outubro de 2016, para 16,6% agora, nas pesquisas espontâneas de intenções de voto.
Leia mais »

Média: 3 (7 votos)

De santos e de juízes, por Mauro Santayana

De santos e de juízes

por Mauro Santayana

em seu blog

A estúpida invasão do Parlamento, com a tomada do plenário da Câmara dos Deputados por um bando de imbecis - que davam vivas ao Juiz Sérgio Moro  e pediam uma “intervenção” militar - não é um absurdo isolado no crescente cerco à Democracia e às instituições nacionais.

A cerrada pressão corporativa do Judiciário e do Ministério Público sobre deputados e senadores para consolidar o controle de um grupo de plutocratas sobre a República, o Legislativo e o Executivo, e, direta e indiretamente, sobre o eleitorado e os cidadãos comuns, representa uma outra face da ascensão de um fenômeno perverso, antidemocrático e fascista - a Antipolítica.

Não interessa se o legislativo que aí está aprovou,  majoritariamente, um golpe que tirou do poder um governo que, venhamos e convenhamos, havia se tornado de certa forma insustentável, por sua própria incapacidade em recusar uma agenda neoliberal recessiva - criada também para facilitar a sua derrocada - e de resistir a uma campanha tenaz, mentirosa e fascista que se desenvolvia claramente desde 2013 e que iria - só os imbecis e os ingênuos não acreditavam nisso - chegar, inexoravelmente, à derrubada da Presidente da República.

Leia mais »

Média: 4.7 (14 votos)

"Lenhador da Federal" não vê problemas em declarar voto em Aécio

 
Jornal GGN - Ao contrário de seus colegas, o agente Lucas Valença da Polícia Federal, que escoltou o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha à prisão, na última quarta-feira (19), não pretende evitar exposições. Depois de publicar um vídeo às fãs em seu instagram, agradecendo o carinho, nesta manhã chegou a participar do programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo.
 
No programa televisivo, mostrou que não vê problemas em um delegado da Polícia Federal, que atua nas investigações da Operação Lava Jato, revelar posicionamento político em redes sociais. Em 2014, o delegado defendeu o voto no tucano Aécio Neves para a Presidência. "Acho que todo cidadão pode ter a sua posição, e eu tenho a minha. Eu postei numa rede social fechada. Eu preferi retirar para evitar problema", disse.
Média: 1.5 (16 votos)

Na dúvida, vá pela esquerda, por Gustavo Noronha

A esquerda precisa apresentar uma agenda com pontos claros que a distinga do que defende a direita, mas, para isso, não será suficiente uma agenda de conciliação de classes. O povo precisa saber exatamente qual o programa que a esquerda apresenta ao país

do Brasil Debate

Na dúvida, vá pela esquerda

por Gustavo Noronha

Se você é capaz de tremer de indignação a cada vezque se comete

uma injustiça no mundo, então somos companheiros” . Ernesto Che Guevara

Por um mundo onde sejamos socialmente iguais,

humanamente diferentes e totalmente livres”.  Rosa de Luxemburgo

O grupo que assaltou o poder no Brasil apresenta uma agenda para o país com dois pontos bem claros: a flexibilização dos direitos da classe trabalhadora (direitos trabalhistas e previdenciários) e a diminuição do papel do Estado na economia. Uma proposta que jamais foi submetida ao escrutínio popular. No voto, ideias como estas quando explicitadas de maneira honesta são sistematicamente rejeitadas pelas urnas.

Em realidade, tanto os direitos de quem vive da venda de sua força de trabalho como a ideia de um Estado atuante na proteção social, no fornecimento de serviços de educação e saúde e, até mesmo, intervindo em setores considerados estratégicos da economia em nada tem a ver com uma discussão objetiva sobre o que eventualmente seria melhor para o bem-estar geral do povo brasileiro.

Leia mais »

Média: 3.5 (6 votos)

Balanço das prévias da votação final do impeachment

 
Jornal GGN - O julgamento final do impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff começa nesta quinta-feira (25), às 9h, pelo Senado. Até agora, 48 senadores já se declararam favoráveis ao afastamento definitivo, faltando seis votos para totalizar dois terços do Senado e confirmar esse resultado. Aliados de Dilma acreditam ser possível a queda de Michel Temer.
 
O número de senadores que já manifestaram o voto pelo impeachment ainda não soma os 54 necessários. Mas a tendência, hoje, é de que o processo seja aprovado. O governo interino de Temer já se considera vitorioso, calculando 61 votos do total de 81 senadores. Por outro lado, parlamentares do PT, PCdoB e aliados de Dilma não desistem de reverter o cenário.
 
No último placar realizado pela Folha de S. Paulo, nove senadores ainda não afirmaram o voto final. Entre eles, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que deve votar pela saída definitiva. Também não declararam o posicionamento José Maranhão (PB) e João Alberto Souza (MA), do PMDB.
 
E foi justamente pensando no voto de cada um dos parlamentares, que é decisivo, que a presidente afastada chegou a criar um desentendimento com os aliados do PCdoB. Dilma pediu ao presidente do PT, Rui Falcão, que a cúpula do partido atendesse a alianças com municípios do Maranhão para campanhas deste ano.
Média: 2.3 (6 votos)

Dilma diz que é "escândalo" Serra querer comprar voto do Uruguai

 
Jornal GGN - A presidente Dilma Rousseff disse que foi um "escândalo" a denúncia de que o chanceler brasileiro, José Serra, tentou comprar o voto do Uruguai no Mercosul para se posicionar contra a Presidência da Venezuela no bloco.
 
"É impossível um chanceler brasileiro tomar aquela atitude em relação a um chanceler uruguaio. O Brasil não pode ser dar ao luxo de achar que compra algum país. Nós não somos imperialistas, nunca fomos. Nós não podemos tratar países dessa forma", disse a presidente afastada, durante um encontro com movimentos de mulheres, no Palácio da Alvorada.
 
Durante o evento, Dilma também frisou que comparecerá ao Plenário do Senado, no dia 29, às 9h, para fazer a sua defesa pessoal do processo de impeachment. Afirmou que não teme ataque de senadores favoráveis à sua saída definitiva e que estará na defesa do projeto de governo que representa.
Média: 3.7 (9 votos)

Aliados de Dilma pedem fim do golpe em leitura de voto

 
Jornal GGN - Logo após a conclusão da leitura do parecer de Antonio Anastasia (PSDB-MG), pela pronúncia da presidente Dilma Rousseff e favorável ao seu afastamento definitivo por crime de responsabilidade, senadores aliados leram um voto em separado na Comissão. Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) tiveram um prazo de 20 minutos para a apresentação das 27 páginas.
 
"As razões alegadas como crime de responsabilidade são em sua totalidade inconsistentes, tendo os depoentes, em sua esmagadora maioria, atropelado os argumentos da acusação", afirmaram.
 
As parlamentares contestaram os argumentos apresentados por Anastasia, rebatendo, por exemplo, que Dilma não praticou as chamadas pedaladas fiscais, referentes aos atrasos nos repasses do Plano Safra para o Banco do Brasil.
 
Neste ponto, relembraram a manifestação do Ministério Público Federal (MPF) pelo arquivamento de uma investigação na Justiça que questionava as pedaladas. "O Ministério Público Federal [órgão competente para a denúncia de crimes], por meio de despacho de 14 de julho de 2016, determinando o arquivamento da investigação em relação às operações do Plano Safra, pela clarividente inexistência de condutas criminosas no âmbito da Operação do Plano Safra, haja vista a inexistência de operação de crédito", afirmaram.
 
 
Gleisi destacou que o próprio relator, Antonio Anastasia, deveria ser considerado impedido de relatar o processo, uma vez que pertence "ao mesmo partido que os denunciantes", ao se referir à advogada de acusação Janaína Paschoal, ligada ao PSDB.
Média: 4 (12 votos)

Indicação de Romário para SNPD é vista como moeda de troca para impeachment

 
Jornal GGN - A exoneração do Secretario Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda (27). Antonio José Ferreira, que vem de longa data na atuação pelo movimento de cegos e pessoas com deficiência, foi substituído por Roseane Cavalcante Freitas, por indicação de Romário (PSB-RJ), um ato apontado como moeda de troca para o senador manter o voto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff.
 
O parlamentar renunciou no dia 1º de junho à vaga na Comissão do Impeachment, após manifestar dúvidas sobre a decisão final do afastamento de Dilma. Quase uma semana depois, Romário encaminha ao então ministro da Justiça de Temer, Alexandre de Moraes, um ofício intitulado "Sugestão para assumir a Secretaria Nacional de Promoção das Pessoas com Deficiência".
 
No documento, o senador indica Rosinha da Adefal, como é conhecida a ex-Secretária da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas. "Além de ser uma pessoa com deficiência física, tem uma locução e interação extremamente positiva com o segmento das pessoas com deficiência", apontou o senador como características da postulante.
 
"Espero que Vossa Excelência considere meu pleito, pois além do olhar estratégico, sei que terás o foco mantido na análise das competências pessoais, especialmente, quando vivemos o momento da regulamentação e implementação do Estatuto da Pessoa com Deficiência, o qual fui relator no Senado Federal", disse Romário a Alexandre de Moraes.
 
Média: 1.8 (5 votos)

Coletivas e jatinhos desviam foco de votações para abertura de mercado

 
Jornal GGN - Enquanto o noticiário estava pautado, primeiro, pela operação da Polícia Federal sobre a aeronave que transportava Eduardo Campos, depois pelo pronunciamento do interino Michel Temer sobre negociação da dívida com os Estados e, em seguida, pela coletiva de imprensa de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), negando renúncia e defendendo inocência, Comissões da Câmara votam a abertura do mercado nacional ao investimento estrangeiro.
 
Entre as propostas mais impactantes, a Comissão Especial da Petrobras e Exploração do Pré-Sal já tinha agendado para às 11h, desta terça-feira (21), a análise sobre a exclusividade da estatal. A reunião, entretanto, foi suspensa às 11h45 para a análise de outro projeto de abertura de mercado: a Medida Provisória do Setor Aéreo (714/16). 
 
A intenção de parlamentares do PSOL e do PT era tentar adiar a MP que aumenta a participação de capital estrangeiro em companhias aéreas. Para isso, o PSOL propôs um requerimento de que a votação seguisse artigo por artigo, mas foi rejeitado, impedindo a prorrogação e dando início, de imediato, à votação do projeto que aumenta de 20% para 49% o máximo de investimento estrangeiro com direito a voto nas empresas aéreas brasileiras.
 
A urgência dessa votação paralisou a análise da comissão que retira do poder nacional brasileiro a exclusividade da exploração da Petrobras no pré-sal. Mas ela terá início logo após o fim da votação da MP do Setor Aéreo. Nessa segunda sessão, a Comissão Especial espera já votar o parecer do relator José Carlos Aleluia (DEM-BA), que remove a obrigatoriedade da Petrobras de participar da extração de petróleo da camada. 
Média: 5 (1 voto)

Tratativas invisíveis de Eduardo Cunha na Câmara

 
Jornal GGN - Eduardo Cunha (PMDB-RJ), mesmo afastado, atua na Câmara dos Deputados "em benefício próprio". Assim se pronunciou o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar José Carlos Araújo (PR-BA), antes da leitura do relatório contra Cunha no processo de cassação.
 
Horas antes de receber em seu gabinete o relatório que Marcos Rogério (DEM-RO) iria ler, pedindo a cassação do mandato de Cunha, na sessão desta quarta (01), Araújo recebeu um aviso, em mais uma tentativa de pressão do ex-presidente da Câmara, ainda que teoricamente afastado das atividades legislativas. 
 
Da mesma forma como atuou sobre o interino Waldir Maranhão (PP-MA), que se viu pressionado a favorecer o peemedebista, uma vez que seu nome poderia ser o próximo da lista de cassações por relações em esquemas de corrupção investigados na Lava Jato, ganhando assim um aliado, a pressão contra Araújo foi "recordada" hoje.
 
Justo antes da leitura do parecer, a Corregedoria da Câmara "avisou" José Carlos Araújo (PR-BA) que ele é alvo de três representações no órgão - por suposto uso de laranja na aquisição de terras na Bahia, por compra de votos na eleição de 2014 e por calúnia de adversário político em programa de rádio baiano.
 
Pelas regras internas da Casa, membros do conselho de ética não podem responder a processos. Caso contrário, são automaticamente afastados de suas funções até o fim das investigações. 
 
As apurações estavam na Corregedoria há mais de um mês, mas a notificação chegou apenas agora, na fase de leitura do relatório de cassação e votos contra Cunha. O aviso foi ordenado pelo corregedor Carlos Manato, deputado do Solidariedade (SD) do Espírito Santo. Manato é aliado de Eduardo Cunha. E Araújo foi um dos 11 votos a favor da abertura de processo contra o peemedebista. 
Média: 5 (3 votos)