Revista GGN

Assine

Que nem jiló, com a graça de Lucy Alves

Uma de minhas músicas prediletas, um clássico que levanta qualquer ambiente.

Recomendamos para você

1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Um Clássico

De amargar, de arder.
Saudade.

Que Nem Jiló
Luiz Gonzaga

Se a gente lembra só por lembrar
O amor que a gente um dia perdeu
Saudade inté que assim é bom
Pro cabra se convencer
Que é feliz sem saber
Pois não sofreu
Porém se a gente vive a sonhar
Com alguém que se deseja rever
Saudade, entonce, aí é ruim
Eu tiro isso por mim
Que vivo doido a sofrer
Ai quem me dera voltar
Pros braços do meu xodó
Saudade assim faz roer
E amarga qui nem jiló
Mas ninguém pode dizer
Que me viu triste a chorar
Saudade, o meu remédio é cantar

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Anna

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.