La Repubblica menciona rumores de golpe no Brasil

Os líderes das três Forças Armadas, de acordo com indiscrições relatadas - esses sim de sites e jornais internacionais - se reuniram várias vezes com o vice-presidente Hamilton Mourão, propondo diferentes cenários, incluindo o afastamento de Bolsonaro. Eles também garantiram seu apoio. 

Coronavírus, confronto institucional no Brasil sobre gestão de Bolsonaro: rumores de golpe

O presidente quer reabrir tudo, mas a Suprema Corte o impede. Os governadores de São Paulo e Rio de Janeiro confirmam a quarentena e ameaçam apelos ao judiciário com queixas por um ataque à saúde pública. Nesse clima, as notícias do suposto golpe de estado se espalham com a entrega ao Ministro da Casa Civil

“Existem rumores persistentes de um golpe de Estado no Brasil”. O Twitter e outras redes sociais começam a retomar as notícias. Eles o elevam entre comentários de alegria e outros de raiva.

É tarde da noite na Itália, tarde da noite no Brasil. Um carro é posto em movimento que dispara outros detalhes. Ele fala de reuniões secretas e depois públicas, estendidas a todo o governo. Os militares estão preocupados, o coronavírus está atingindo com força em São Paulo e no Rio de Janeiro e o confronto que já dura semanas entre Jair Bolsonaro e seu ministro da Saúde preocupa todo o país.

O presidente quer reabrir tudo e empurra para voltar ao trabalho. Os governadores confirmam a quarentena e ameaçam apelos ao judiciário com queixas de ataque à saúde pública. Até a Suprema Corte rejeita um decreto pelo qual o presidente gostaria de impor sua linhagem para lidar com a pandemia .

Nesse clima de tensão e medo, as notícias do suposto golpe “institucional”, com a passagem de entregas operacionais ao ministro da Casa Civil, uma espécie de primeiro ministro, se ampliam. Jornais e sites brasileiros não mencionam isso. Nem uma palavra sobre as internacionais que acompanham de perto a América Latina e o Brasil.

Leia também:  Rivaldo Venâncio: Nosso gargalo está mais no acesso à rede de assistência do que na falta de testes

Ao digitar o nome de Bolsonaro no Google, você também acessa o portal  Defesa.net , vinculado ao Ministério da Defesa, que relata essa estranha história com um serviço exclusivo. Ele conta em detalhes o que aconteceu nos últimos dias dentro e fora do Planalto, o palácio presidencial.

O general Walter Souza Braga Netto , segundo o site, recebeu o papel de “presidente operacional”. Ele terá em suas mãos a direção e centralização de toda a administração do governo enquanto durar a crise do coronavírus. Seu título é “Chefe do Estado Maior do Planalto”.

O mesmo artigo explica que “a nova missão informal foi o resultado de um acordo principal que envolveu ministros e comandantes militares e o próprio Presidente da República”. Para muitos, relata o artigo, “a missão de Braga Netto nada mais é do que uma intervenção ou uma junta militar que coordena o governo”.

Isso é falso? Provavelmente. Ou pior: é uma almôndega envenenada lançada no caos do Brasil lutando contra o coronavírus para ver como a população reage a uma espécie de golpe branco. Existem todas as premissas para torná-lo credível. Possível, pelo menos. Mas não é assim. Nada disso.

Os ingredientes permanecem. A operação pode funcionar. No Brasil, as mídias sociais são seguidas e usadas por 200 milhões de pessoas. É preciso muito pouco para mudar as orientações. A própria vitória de Jair Bolsonaro foi baseada em montagens falsas e em vídeo. O coronavírus tornou todos mais suscetíveis.

Desde o início da pandemia, o ex-capitão rebelde do exército tentou minimizar a extensão da infecção falando de “gripe”, “gripe banal”. Ele pediu para manter o país aberto e continuar trabalhando para evitar uma crise econômica que frustraria o crescimento tímido dos últimos meses.

Leia também:  Do acesso aberto à ciência à caixa de Pandora, por Peter Schulz

Mas o mundo científico e médico, apoiado pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta , deu o alarme e convidou o presidente a aplicar a quarentena obrigatória, pedindo a todos que fiquem fechados em casa.

Bolsonaro se opôs e iniciou uma batalha contra o que considerava os “inimigos” do Brasil. Um choque sorri para o que Donald Trump fazele inicialmente contratou o principal especialista em virologia dos EUA, Anthony Fauci, a quem nomeou consultor científico para o Covid-19. A batalha se estendeu aos governadores do Rio e San Paolo, que lançaram a quarentena obrigando os brasileiros a deixar as ruas e se refugiar em casa.

Bolsonaro não desistiu. Ele permaneceu o único chefe de estado no mundo a argumentar que isso é um exagero. Apesar do aumento de infecções e mortes. Ele apareceu por aí sem proteção junto com vendedores ambulantes que pediram para voltar ao trabalho. Mas parte do Congresso e muitos soldados começaram a discordar e pressionar.

Os líderes das três Forças Armadas, de acordo com indiscrições relatadas – esses sim de sites e jornais internacionais – se reuniram várias vezes com o vice-presidente Hamilton Mourão, propondo diferentes cenários, incluindo o afastamento de Bolsonaro. Eles também garantiram seu apoio.

A coisa permaneceu suspensa sem outras consequências. Como um aviso para iniciar na batalha entre o presidente e o resto do Brasil e ver as reações. As pesquisas fizeram o ministro Mandetta conquistar Bolsonaro. É a primeira vez que o presidente sai da primeira etapa. A máquina social dos legalistas produz avalanches de postos que apóiam a ação do ex-capitão. Eles o convidam a voltar ao trabalho, a reabrir fábricas e escolas. Mas é uma ofensiva com armas contundentes.

Leia também:  A lição de Minneapolis, por Doney Stinguel

O Covid-19 se expande e os contágios aumentam exponencialmente: 9.056 O número de mortes cresceu 290% em uma semana: são 359, de acordo com o último boletim. Embora as autoridades calculem que existem muito mais. As notícias do suposto “golpe” ajudam a criar novas tensões e confusão. E talvez chegue a um verdadeiro “golpe”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. Quem governa são os bancos!
    Quem dá os golpes são os bancos!
    Quem lucra são os bancos!
    Quem faz as leis são os bancos!
    Só vão trocar os quadros do palácio do planalto…
    Sai bolsonaro e entra um outro qualquer que vai despejar bilhões para jornais e tvs para conseguir governar!
    Vão dar explicações de todos o tipos e fins!
    Vão dormir exaustos de tanta explicação!
    Nem pão e circo teremos mais nesse dias de corona vírus!
    Se virem com a internet que sobrar, por que internet incomoda quem faz maracutaia!
    Imagine que você exista num universo / multiverso com trilhões de galáxias e em cada galáxia há bilhões de sistemas solares, com outros tantos bilhões de planetas e muitos bilhões de cometas, asteroides outras coisas!
    E eles acham que isso tudo foi criado para que espertalhões lucrem com a miséria e desgraça dos outros!
    Se o universo / multiverso fosse totalmente aleatório, injusto e sem inteligência poderia até ser…

    12
    1
  2. Seria até uma ironia para os que pedem golpe militar :
    -Você viu , deram um golpe militar !
    -Eba !!
    -Derrubaram seu Jair!
    ….. Silêncio ….

    17
    1
  3. Que diferença faz se é esse sujeito ou outro qualquer?
    Temos que fazer igual a futebol: marcar a bola e não o adversário.
    Essa gente sem escrúpulos pode muito bem trocar de jogador a cada minuto sem mudar uma vírgula na forma de jogar.

    12
  4. Caros, defesa.net não dá. Quando li que eram eles a fonte nem terminei de ler.
    Eles não são o portal do ministério da defesa. São é um tipo de Datena dos militares.
    Procurem um militar sério e pergunte sobre o Defesa.net…

  5. Comentar o quê? Governo Federal não sabe se está com fome! STF, Congresso e forças armadas figem do pau! Resta-nos dar vivas ao “ presidente Mandetta”! e vivas aos governadores e prefeitos! VivaS também ao desamparado cidadão brasileiro, melhor “ Contribuinte” como dizia Jô Soares em triste era!

  6. Esqueceram de dizer aos jornalistas do La Repubblica que o Brasil desde 2016, foi palco do impeachment-golpe de extrema-direita vitorioso contra Dilma Rousseff, teve quebrada de fato sua ordem constitucional, por mais que façam malabarismos retóricos para dizer o contrário, lógico em apoio aos golpistas (Forças Armadas, Judiciário, Congresso e mídia) no poder desde então, através de presidentes fantasia, o primeiro e traidor, Michel Temer, que trouxe debaixo do braço um plano econômico do golpe fortemente neoliberal, a la chilena da época do ditador Pinochet, erigindo o mercado como a grande prioridade do país, tirando direitos trabalhistas dos brasileiros para possibilitar mão de obra ainda mais barata. Na sequência, já tendo afastado Dilma, prenderam Lula, em 2018, afastando-o da disputa eleitoral, que possibilitou, em pleito sabidamente fraudado, dar sequência ao golpe, seguido através do segundo presidente fantasia, Bolsonaro (no caso fantasia do palhaço Bozo), que aprofundou o neoliberalismo, agora com um economista pinochetista e chicago-boy, o rico banqueiro Paulo Guedes. Como golpe? Os golpistas, não tendo êxito no que fazem, levaram nossa economia ao bagaço, nada tendo a ver com coronavírus, estando completamente desestruturada e em queda. 2019 fechou com a maioria dos indicadores econômicos em queda e mais de 40 milhões de desempregados e subempregados, e aumento da miséria. Com o coronavírus, o governo de fato (os golpistas, exceto os ligados ao Bozo), tomaram as rédeas do poder, na prática afastaram Bolsonaro. Agora, estão na procura de um caminho para pacificar as coisas, afastando o Bolsonaro de forma pretensamente legal, fingindo seguir os ritos constitucionais. Nada mais errado, pérfido e burro: avaliam ser possível continuar servindo os interesses do grande capital e favorecer os os EUA, objetivo do golpe, após a razia do coronavírus e enganando meio mundo. Impossível, façam o que fizerem, vão dar com os burros n’água. E vão entregar a rapadura.

  7. “Um choque sorri para o que Donald Trump fazele inicialmente contratou o principal especialista em virologia dos EUA, Anthony Fauci, a quem nomeou consultor científico para o Covid-19.”
    Precisando de tradução e revisão, cobro o preço do mercado.

  8. “Um choque sorri para o que Donald Trump fazele inicialmente contratou o principal especialista em virologia dos EUA, Anthony Fauci, a quem nomeou consultor científico para o Covid-19.”

  9. O TRAGÉDIA que se anuncia tem o poder de afastar o risco de uma ditadura.

    Primeiro que a continuar o atual desgoverno, sobrará pouca coisa para se administrar e/ou governar.
    Estaremos diante uma terra complemente arrasada. com milhões de mortos e feridos, e as fileiras das forças não serão poupadas, muito pelo contrário, já que serão em algum momento nas primeiras fileiras de combate ao novo coronavírus, com ou sem o governo eleito em 2018,
    Não mutias vidas e empresas estão em risco, como o próprio capitalismo.
    O neoliberalismo já está derrotado, e espero que que permaneça nos trevas, por um prazo infinitamente maior do que ficou após a crise de 2008.

    Quanto mais tempo passar para membros das forças serem chamadas para dar sua contribuição, uma das sua principais funções, será o recolhimento dos corpos abatidos pelos coronavírus.

    O tempo urge!
    O quanto antes precisamos levantar os hospitais de campanha, a desinfecção dos lugares públicos, e os testes em massa.

    O mais provável é enorme dor da contagem dos mortos, unirá a população em torno do comum, que bem afastará o risco das tentações permanentes que estão presentes nos quartéis.

    Estamos todos em risco, e quanto mais demorar este desgoverno, maior será dor de perder um ente querido, a ser vivida por todos.

  10. Defesanet

    Leiam no site o inicio do “problema”, o editorial publicado dia 17/02 é interessante, versa sobre o General Santos Cruz

  11. O cenário que se anuncia parece ser infinitamente mais devastador do que enterrou a ditar militar nos anos 8o do século passado.

    Da mesma form que a atual tragédia que anuncia estará associada ao militares, dado ao desgoverno eleito em 2018.

    Além do inferno do desemprego, da fome e da depressão econômica, teremos a dor irreparável da perda de um ente querido, por todos os cantos deste Brasil.

    E certamente a figura do capitão encarnará, e com ele se arrastará a das forças armadas, ao de grande culpado, por tantas mortes e por tanta dor.

  12. Não está afastada a possibilidade, de volta do PT a Presidência da República, como última forma de restabelecer uma relação de confiança com o governo chinês, para no mínimo colocar em condições de igualdade o Brasil com as potências mundiais, e garantir o suprimento, de equipamentos e insumos hospitalares.

    Uma negociação bem feita, no mínimo poderia possibilitar a transferência de tecnologia para produção imediata no Brasil de insumos para testes diagnósticos para o novo coronavírus.

    A tragédia que se anuncia é enorme, e assusta a todos,

  13. Prezado Mouro

    Não precisa de golpe, os militares já governam, pois estão na maioria dos cargos estratégicos do governo.

    Bozo, Moro e Guedes são Marionetes na mão de nossas Elites e Oligarquias o qual os militares batem continência.

    Abração.

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome