Greve geral na Argentina desgasta governo Macri e favorece Cristina Kirchner

Centrais sindicais argentinas fazem, nesta quarta (29), a quinta greve geral contra a política econômica de Macri, mas a primeira abertamente a favor do retorno de Kirchner ao poder

Multidão comparece a comício do candidato a presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente, Cristina Kirchner, em Buenos Aires, 25 de maio de 2019.REUTERS/Agustin Marcarian

da RFI

Greve geral na Argentina desgasta governo Macri e favorece Cristina Kirchner

A greve geral que paralisa a Argentina desde a meia-noite desta quarta-feira conseguiu a adesão de todos os sindicatos importantes, principalmente os responsáveis pelo transporte público e pelos bancos. Além dos sindicatos, organizações sociais e partidos de esquerda bloqueiam avenidas e acessos à capital argentina.

O resultado é uma paisagem urbana desértica. Não há ônibus circulando, nem o metrô ou trens funcionam. Todos os voos foram cancelados. Não há aulas. Os hospitais funcionam em regime de plantão.

Também pararam os setores que dependem de transporte, como o da coleta de lixo ou os funcionários que abastecem os caixas eletrônicos com dinheiro.

Para aqueles que ousarem funcionar, uma advertência já foi dada, preventivamente: cinco ônibus foram incendiados nas horas prévias à greve. “As máfias já estão agindo”, acusou a ministra da Segurança, Patricia Bullrich.

Objetivos da greve

A paralisação visa atacar uma situação econômica angustiante: inflação de 50% ao ano, taxas de juros de referência em torno de 70%. Porém, mais do que a clássica reivindicação salarial, a greve é também político partidária: os líderes sindicais jogam abertamente a favor de alguma alternativa opositora ligada ao peronismo nas próximas eleições de outubro.

“Vamos trabalhar para consolidar o peronismo como alternativa política”, anuncia o secretário-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), Héctor Daer.

Historicamente, os sindicatos argentinos respondem ao peronismo com atitudes dóceis e bloqueiam o normal andamento dos governos não-peronistas com repetidas greves.

Leia também:  Coluna Econômica: Venda de energia elétrica para Argentina salva o saldo comercial

Enquanto gozou de popularidade durante os dois primeiros anos de governo, Mauricio Macri buscou recortar o poder dos líderes sindicais e ensaiou uma reforma trabalhista que não avançou. A Justiça, por outro lado, passou a investigar sindicalistas cujo patrimônio é incompatível com a atividade.

No último ano, com a queda vertiginosa da popularidade de Macri associada às dificuldades fiscais, que levaram o país a um acordo de déficit zero com o FMI, o sindicalismo reagrupou-se contra o governo, amparado na forte perda do poder aquisitivo a partir de reajustes salariais que não acompanharam a velocidade de uma inflação que duplicou.

Apesar da turbulência econômica, o sindicalismo não esconde outro objetivo da greve: o de desgastar o governo Macri rumo às eleições de outubro, nas quais o presidente tentará a sua reeleição enquanto a ex-presidente Cristina Kirchner tentará o seu regresso, agora como vice-presidente. Os sindicalistas já fizeram a sua opção e tentam, inclusive, ter influência na escolha dos candidatos a legisladores.

Sindicatos apoiam Alberto Fernández

Héctor Daer, da CGT, prevê que o sindicalismo reagrupe-se em torno da candidatura de Alberto Fernández para presidente e de Cristina Kirchner para vice.

“Esta greve é contra a política econômica do governo, decidida pelo FMI, que beneficia o setor financeiro”, atacou Daer, ressaltando a saída: “Tem de haver outro governo que discuta outro plano com o FMI. Eu e a imensa maioria dos trabalhadores vamos apoiar a chapa Fernández-Fernández (Alberto Fernández e Cristina Fernández de Kirchner)”.

A ex-presidente enfrenta dez processos, a maioria por corrupção. Há dois pedidos de prisão preventiva, confirmados pela Justiça em segunda instância, que só não são executados devido à imunidade parlamentar, privilégio do seu atual cargo como senadora.

“É preciso parar um pouco com essa coisa de julgar primeiro na imprensa e depois esse julgamento não tem correlato nos tribunais”, defendeu Héctor Daer.

Leia também:  Jeanine Áñez retira candidatura às eleições presidenciais da Bolívia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. acho que na argentina o esquema lavajateiro de lá e dos eua
    não vai conseguir inviabillizar o país e
    haverá mudança de governo mesmo….

  2. Só há duas formas de um governo neo liberal se manter na América Latina, pela repressão ou pela saida demagogico populista. Macri o herói de Willian Waack era segundo ele a demonstração de que os governos de esquerda, os quais chamava de populistas, estavam acabando. Falava sempre da concretude e realismo do ponto de vista liberal. Pois é, parece que a realidade Argentina não aceita esta idéia.
    Aqui um processo liderado por nossas grandes cabeças liberais levou Bolsonaro, que agora é chamado de populista, ao poder, e a cabeça de Guedes , declaradamente liberal, leva o país ao abismo economico para finaceirizar a previdência. O proximo objetivo de Guedes e a submissão quando voltaremos de cócoras ao FMI, e teremos que ouvir Waack e Sardenberg falando do tal dever de casa.

  3. Acompanho diariamente o noticiário argentino. A perseguição judicial a Cristina Kirchner é em tudo idêntica ao caso de Lula no Brasil. As acusações são baseadas em grosseiras acusações sem qualquer evidência. A diferença é que o povo argentino é infinitamente mais evoluído que o brasileiro e não cai nos golpes de “lawfare” disseminados pela mídia empresarial dominante.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome