A REVOLUÇÃO SE FARÁ DE GRÃO EM GRÃO

    O Retorno à Ágora: Imaginem mil trabalhadores de rua, legalizados, comerciando os mesmos produtos, LEGALMENTE, que uma loja Havan e próximos a uma loja Havan. O Veio enlouquece. Isso seria uma REVOLUÇÃO. Uma Revolução possível. Uma pequena Revolução. Um grão de Revolução. A Revolução se fará, no mundo moderno, de pequenos grãos. Os “Santos Puristas” falam balelas quando desdenham: tudo isso é “Reformismo”, “temos de acabar com o capitalismo, não apenas reformar”. Como, meu Santo? Com um povo (lembrem-se: Revolução não se faz sem povo) que acha que tudo de Esquerda é quadrilha, boquinha, defensora de bandido, defensora de marajá? Primeiro há que desarmar essas bombas. Depois… se eles ainda nos deixarem existir, plantamos grãos.

    Uma saída para a Esquerda é dar uma guinada em direção aos trabalhadores de rua que estão aí apanhando da polícia. Milhões. Ninguém tem emprego e ninguém pode ocupar o espaço público para trabalhar, senão apanha, é morto. Os partidos de Esquerda deveriam preparar lideranças, em todas as cidades, e coloca-las junto ao povo da rua (antigamente chamavam isso de “infiltrar”, mas virou uma palavra manjada). Se bem trabalhado, se souberem organizar os trabalhadores de rua, essas lideranças serão eleitas vereadores, deputados, etc. Se esses eleitos não se acomodarem, e se continuarem a se formar novas lideranças para evitar a acomodação, pode-se ter um belo rebuliço. A ação junto aos trabalhadores de rua pode inclusive levar à recuperação de boa parte dessa população das mãos dos pastores do mal, que se utilizam do desespero deles para arrancar o seu minguado dinheiro. É o desalento e a falta total de apoio que leva um cidadão a achar que dando dinheiro para um pastor do mal vai receber uma ajuda do alto. Veja mais sobre o apoio ao povo da rua (moradores e trabalhadores) aqui https://jornalggn.com.br/artigos/como-vencer-os-draculas-ii-ou-a-reconquista-da-agora-2/