Bolsonaro ameaça que sem voto impresso, “vamos ter problema pior que os EUA”

"Foi uma festa lá. A falta desta confiança levou a este problema que está acontecendo lá. E aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 22, vai ser a mesma coisa"

Trump elogia Bolsonaro nos bastidores da Assembleia Geral da ONU - Foto: Alan Santos/PR

Jornal GGN – “Se nós não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”, disse o presidente Jair Bolsonaro, aos seus apoiadores, nesta quinta (07).

A declaração ocorre um dia após o movimento de apoiadores de Donald Trump, que invadiram o Capitólio, gerando a morte de 4 pessoas, e tentaram anular o resultado da vitória de Joe Biden na eleição norte-americana.

Desde o episódio desta quarta (06) nos Estados Unidos, o mandatário brasileiro vem se posicionando favorável à Trump no intuito de modificar o resultado eleitoral e não aceitar a vitória de Biden.

Segundo Bolsonaro, a crise atual nos EUA ocorre pela “falta de confiança no voto”. E, sem nenhuma prova e incitando a desinformação, afirmou que houve pessoas que votaram “três, quatro vezes, mortos que votaram”.

“Foi uma festa lá. Ninguém pode negar isso daí”, disse o presidente brasileiro, na mesma tese defendida por Trump.

“Então, a falta desta confiança levou a este problema que está acontecendo lá. E aqui no Brasil, se tivermos o voto eletrônico em 22, vai ser a mesma coisa”, disse.

Ainda, dirigiu ataques aos jornalistas, chamando de “canalhas” e criticou o bloqueio das redes sociais de Donald Trump por Fake News. “”A fraude existe. Daí a imprensa vai falar ‘sem prova, ele diz que a fraude existe’. Eu não vou responder esses canalhas da imprensa mais. (…) Pode ver: ontem, nos Estados Unidos, bloquearam o Trump nas mídias sociais. Um presidente eleito, ainda presidente, tem suas mídias bloqueadas.”

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora