Juntando as peças do dia 14/03/2018 na vida de Bolsonaro, por Luis Nassif

A elucidação do crime demandaria perícias e investigações isentas. Quem as fará? A cada dia que passa aparecem mais promotores bolsonaristas militantes em funções chave na investigação interminável. 

Em jornalismo, usamos uma técnica para coberturas complexas. Consiste em juntar todos os elementos concretos e, assim que possível, montar uma narrativa plausível que os encaixe. 

A partir daí, a cobertura vai filtrando as informações, para focar naquelas essenciais para comprovação ou correção da narrativa em curso.

Anos atrás o Ministério Público Federal descobriu essa técnica e a batizou de “teoria dos fatos” (não confundir com a teoria do domínio do fato), mas com algumas jabuticabas bem brasileiras, características típicas desses tempos de Lava Jato: desprezo a todos os fatos que desmentirem a narrativa original. 

Os burocratas esconderão os fatos que comprometam a narrativa porque cada operação demanda recursos e um tiro errado significaria desperdício. Os marqueteiros desprezarão porque a narrativa foi vazada para jornalistas amigos, e ficaria chato admitir o erro. A Lava Jato desprezará porque sua intenção é política.

A teoria do fato de Bolsonaro

Entendido isso, vamos a uma teoria do fato sobre como foi o dia 14 de março de 2018, dia do assassinato de Marielle, na vida de Jair Bolsonaro.

Primeiro, vamos aos fatos objetivos:

  1. Um twitter de uma jornalista respeitável, Thais Bilenky, no dia 14 de março, informando que Bolsonaro seguiria para o Rio por estar com problemas de intoxicação.
  2. O depoimento do porteiro do Condomínio Vivendas da Barra, dizendo ligou para Bolsonaro para obter autorização para a entrada de Elcio Queiroz no condomínio. E a anotação no papel indicando a casa de Bolsonaro como destino.
  3. A sessão da Câmara mostrando que, naquele dia, Bolsonaro estava lá, participando das sessões.
  4. O sistema de telefonia do condomínio, que permite transferir ligações para celulares.
  5. Posteriormente, vazamentos aos Bolsonaro de trechos da investigação de interesse deles, mais  a identificação de dois promotores como bolsonaristas ativos, mostrando acesso da família às investigações.

Teoria do fato

Em cima desses dados, vamos formular uma hipótese – repito, hipótese – sobre o que teria ocorrido naquele dia.

  1. Bolsonaro articulou uma reunião com Ronnie Lessa (do Escritório de Crime) e Elcio Queiroz para o dia 14, no Condomínio Vivendas da Barra.
  2. Preparou um álibi para faltar à sessão daquele dia na Câmara Federal. A jornalista Thais Belinski foi informada de que ele iria voltar para o Rio de Janeiro por um problema de intoxicação alimentar. Era um álibi curioso: viajar intoxicado, podendo descansar e ser tratado em Brasilia.
  3. Naquele dia, trocando ideias com assessores, Bolsonaro se deu conta de que a ida para o Rio de Janeiro poderia expô-lo. Assim, decidiu ficar na sessão da Câmara, onde apareceu sem nenhum sinal de quem estava intoxicado. A reunião no Condomínio foi mantida com os demais participantes.
  4. Ao chegar ao condomínio, Élcio deu o número da casa de Bolsonaro. O porteiro ligou para o celular anexado ao número, Bolsonaro atendeu em Brasília e autorizou a entrada. E Élcio rumou para a casa de Ronnie Lessa, que fica na mesma rua da casa de Bolsonaro, cerca de duas ou três casas depois.
  5. Quando a reunião foi identificada, após perícia no celular de Ronnie Lessa, os Bolsonaro foram informados por aliados infiltrados nas investigações, que atrasaram a perícia a fim de permitir que as provas fossem alteradas.

Repito: é uma hipótese de trabalho. 

Motivação

Conforme já divulgado, Bolsonaro era radicalmente contrário à intercvenção militar no Rio de Janeiro, que considerava uma maneira de fortalecer o governo Temer e preparar a chapa Temer-Rodrigo Maia para as eleições de 2018, reduzindo a possibilidade de uma intervenção militar ampla.

Um dos modos de operação dos porões, quando Silvio Frota foi alijado da disputa pelo poder, era planejar atentados e imputar à oposição.

Apurou-se que, dias antes do assassinato de Marielle, Ronnie Lessa pesquisou no Google figuras críticas à intervenção militar. E fixou-se no nome de Marielle, que havia sido indicada para uma comissão na Câmara de Vereadores, para fiscalizar a intervenção.

As investigações 

Desde o início, se afirmava que as investigações esbarravam em “gente poderosa” no Rio, por isso não avançavam. Até agora, oficialmente a “gente poderosa” que apareceu foi um conselheiro do Tribunal de Contas do Município, o tal Brazão. Isso em um estado em que ex-governadores, conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, deputados federais e estaduais foram presos. É factível supor que toda a manipulação da Polícia Civil e, especialmente do Ministério Público Estadual, foi por influência de Brazão. A cada dia fica mais nítida a influência do bolsonarismo sobre promotores estaduais.

A elucidação do crime demandaria perícias e investigações isentas. Quem as fará? A cada dia que passa aparecem mais promotores bolsonaristas militantes em funções chave na investigação interminável. 

Há duas maneiras dos promotores atuarem politicamente.

  1. Encontrando um suspeito concreto, que assuma o crime e libere Bolsonaro das suspeitas.
  2. Não encontrando, adiando a investigação indefinidamente.

Qual seria a alternativa? A Polícia Federal de Sérgio Moro.

O porteiro está sendo acusado de obstrução de justiça. Sérgio Moro encaminhou à denúncia à Procuradoria Geral da República. O caso caiu nas mãos do procurador Douglas Araújo, tido como “bolsonarista ferrenho”, segundo o Valor Econômico.

Insisto, é uma teoria do fato, uma narrativa que permite encaixar os principais elementos até agora divulgados. Quem tiver uma hipótese melhor, que as apresente, antes que calem-se para sempre as testemunhas.

 

39 comentários

  1. Troquemos o nome desse sujeito e,em seu lugar,coloquemos o do presidente Lula. No mesmo dia as apurações apontarao o culpado: O presidente Lula.
    Agora é só destrocar o nome e teremos o culpado.

    38
    3
  2. A quebra do sigilo da linha telefônica da guarita da portaria do Vivendas da Barra, mostrando os números chamados naquela data e hora é fundamental. Repito. Não vejo ninguém questionando isso na mídia! Peço novamente, caros jornalistas do GGN, por favor apurem isso!!!

    47
    1
    • principalmente se a troca de casas for a senha de confirmação (duas comunicações)…
      dificilmente 3 pessoas separadas levam a efeito um assassinato sem terem uma senha de confirmação e/ou permissão

      uma em A, outra em B, para poder chegar em C
      (sem A e B iguais, não poderia, sendo duas confirmações o sinal de permissão, talkey!?)

      mas, como já coloquei uma vez, é um mistério para ser resolvido com imagens

      mas, tente aí, você, chegar em C sem levar o que se adquiriu em A e B, mentalmente é divertido

      5
      1
  3. Que tal consultar a conta do telefone do condomínio e a do celular de Bolsonaro? Qualquer que tenha sido a ligação do porteiro para obter autorização de entrada para Élcio, a operadora tem os dados. O que há de mais elementar que isso?

    32
    2
  4. Quem matou Mariele? Respondida.
    Quem mandou matar? Quase respondida.
    Por que mandou? Freud explica, ou Flávio?

    15
    1
  5. Reafirmo: bolsonaro, seus filhos ou alguém muito próximos a eles está envolvido no assassinato de Marielle basta observar o tamanho da operação abafa para salvar o criminoso.

    36
  6. O Britto do Tijolaço insiste em uma informação a respeito de pasagens de avião com destino a RJ,dá os números,quem os usou e quando?
    ———-Insisto no ponto que pode esclarecer todas estas dúvidas: averiguar quando foi voado um dos dois bilhetes comprados por Jair Bolsonaro para o dia 14 de março de 2018, data do assassinato. Eles são da Gol e tem os códigos de identificação WQ2GUH, com destino ao Santos Dumont e YG3JQI, dirigindo-se ao Galeão.———do Tijolaço,hoje.

    20
    • É difícil imaginar que todas as sequências e o ajuntamento de informações não estejam prontas nas gavetas. Creio eu que só esperam o timming para ajustar o golpe dentro do golpe, ou seja, darem o chute final no Bolsonaro (já tão chamado por muitos de ex-presidente) para a entrada de Mourão. O problema é que o bolsonarismo pode ir a fim, mas vamos ver se o pior será permitido: se os militares irão permitir que o milicianismo ainda possa ficar liberado para se alastrar mais.

      8
      1
  7. O Blog do Lamparina publicou matéria informando que no dia 14/03/2018 o deputado Jair Bolsonaro foi ressarcido pela Câmara de Deputados nas despesas com 2 passagens aéreas no mesmo dia em nome de Jair Bolsonaro, uma entre BSB/SDU e outra BSB/GIG. Como é impossível o deputado estar nas duas passagens pagas, alguém viajou no 0800 com nosso dinheiro público. Para a imprensa e polícia saber exatamente a hora da chegada do voo que trouxe o Jair ao Rio, basta pedir a lista de passageiros dos voos desses bilhetes e ver em qual de fato veio o jair e a que horas chegou. https://www.facebook.com/bloglamparina

    24
    2
  8. Nassif adora fazer pouco caso da minha inteligência,as vezes não respeitando nem minha enfermidade de pequena monta.”Quem tiver uma hipótese melhor que as apresente”,provoca ele.Pois apresento-as.Bozo é um paquiderme,jamais sua cabeça de camarão engendraria um labirinto desta envergadura.Isso só pode ter sido arquitetado por Lula,mais ninguém.Uma ou um promotor bolsonarista deve encaminhar a denuncia a Moro,que imediatamente o enquadrará no AI 6 e mandará enjaula-lo no presidio de segurança máxima em Catanduvas no Paraná.

    7
    7
    • Também ouvi dizer que Marielle seria a candidata do PSOL ao governo do RJ como favoritíssima, o que seria uma situação crítica para os milicianos pois existe (pelo menos teoricamente) um sistema judical estadual.

  9. o conturbado período frota na era geisel
    é fundamental para entendermos a miséria
    miliciana da política dos porões da ditadura…
    a direita é especialista em atentados
    para incriminar os progressistas..

    12
  10. Fernando Brito levantou que o milciano assassino tinha duas passagesn compradas de BSB para o Rio no dia da execução. Então vale averiguar quando foi voado um dos dois bilhetes comprados pelo miliciano assassino para o dia 14 de março de 2018, data do assassinato. Eles são da Gol e tem os códigos de identificação WQ2GUH, com destino ao Santos Dumont e YG3JQI, dirigindo-se ao Galeão.

  11. Incrivel é a inação do congresso……….deveriam criar uma cpi para acompanhar as investigações, entretanto, estranhamente o congresso quer distancia desse caso…..

    12
  12. A jornalista disse às 12:28 h. que o coiso VOLTOU para Rio mais cedo. Os vôos BSB-GIG às quintas-feiras (14/03/18 foi numa quinta) de manhã chegam às 7:10 e às 11:20 no Rio. Ou seja, ele estava em casa naquele dia.

  13. Nassif, não estou te entendendo. Outro dia vc afirmou que teu informante garantiu que não havia interfone no Condomínio pq o sistema era muito caro e não havia reserva monetária para tal. Agora vc afirma que o sistema de interfone local tem a capacidade de transferir ligações para celular. ?????????

    6
    8
    • A própria linha telefônica pode ter esse recurso. Por exemplo, o telefone fixo da casa 58 poderia ter esse serviço ativado e transferir as ligações para o celular do morador. Bastaria ele ter ativado antes de ir pra Brasília. Ou seja, a linha da portaria poderia discar para o fixo da casa 58, e a ligação ser automaticamente transferida para o celular, pela própria linha da casa. É um serviço adicional das operadoras de telefonia, conhecido como Siga-me. Estão, não seria necessariamente um recurso do interfone.
      Mas, alguns sistemas de interfone podem fazer transferências também. Por exemplo, o interfone da guarita poderia discar para os interfones das casas e, se ninguém atender, ou caso não tenha interfone nas casas, poderia discar o telefone fixo da casa, ou o celular do morador automaticamente, usando uma linha telefônica da própria da guarita. Esse álibi de não poder ter atendido por estar em Brasília é ridículo. Ele poderia ter atendido na própria linha de seu celular, ou em um segundo chip com uma linha fria em seu celular, se for dual chip (o IMEI do celular dele seria identificado na linha fria, na quebra de sigilo), ou uma linha fria em um celular frio que poderia ter a localização por triangulação comparada com a do celular dele.
      Agora, imagine um perito bolsonarista da polícia, quebrando o sigilo da linha da guarita, identificando a chamada para o celular do “Mito”, repassando a informação para as procuradoras bolsonaristas, que teriam 2 alternativas: indiciar o “Mito” ou tentar ocultar e destruir as evidências a qualquer custo. O que você acha que elas fariam?

  14. Clero, baixo clero s sub-baixo clero

    No Congresso Nacional há o clero e o baixo clero. E há o sub-baixo clero. em 28 anos, Bolsonaro sempre integrou o sub-baixo clero, o pior, os mais abjeto entre 513 deputados. No entanto, a jornalista, conceituada segundo dizem, achou relevante tuitar a “indisposição” do Bolsonaro, como se este fosse um Ulisses Guimarães da vida. Incompreensível, ir ao Twitter para relatar algo absolutamente banal. É o fim da picada. Pior, cheira a trapaça.

    Aprendi aqui, com Luís Nassif, sobre o jornalismo-sela, isto é, jornalistas que são cavalgados pelas fontes. Não faz sentido, uma conceituada jornalista cobrir a agenda de um deputado do sub-baixo clero. É preciso verificar se isso não foi plantado pelo próprio Bolsonaro junto à jornalista, para construir um álibi.

    9
    1
  15. Afinal, em qual horário ele estava na câmara? nas quintas acho que não costuma ter sessão à tarde.
    Da esplanada pro aeroporto de BSB são menos de vinte minutos de carro. E tem voo o dia todo:

    12h25 chegando 14h10, da Gol, parece bom.

    pela Latam, tem um pouco mais tarde, 13h40, chegando 15h25, ou 14h10 chegando 15h55.

    Não é hipótese a se descartar.

  16. Quando as passagens foram compradas, nosso amigo ia viajar para reunir-se. Em algum momento – nessa manhã, provavelmente – soube que haveria uma oportunidade à noite. Afastou-se.

  17. AS INSTITUIÇÕES FALHAM EM DEFENDER O BRASIL(COLETIVO)DAS GANGUES Q SE INFILTRARAM NELAS (VIDE JUDICIÁRIO)HÁ SISTEMATICAMENTE O DESRESPEITO/DISTORÇÃO ÀS LEIS/PROCEDIMENTOS/NORMAS DO PAÍS,ACREDITO Q O POVÃO TERÁ Q APRENDER A COBRÁ-LOS,POR ISSO TODO O PROCESSO DE GOLPE/DESGRAÇA ESTÁ SENDO BEM DIDÁTICO AOS BRASILEIROS O EFEITO ESTÁ SENDO BENÉFICO COMO EDUCAÇÃO POLÍTICA,DAÍ O DESESPERO DE SEMPRE COLOCAREM “NA BOCA DO POVO”FUTILIDADES, ESTÃO FUGINDO DE ASSUNTOS IMPORTANTES DA NAÇÃO COMO O DIABO FOGE DA CRUZ,DAÍ PRECISAM SEMPRE FOMENTAREM UM INIMIGO PARA MANTER A MENTE DO GADO OCUPADO E ELES PODEREM FAZER O Q REALMENTE IMPORTA !!

  18. Hipótese: nosso amigo ia viajar ao Rio para reunir-se. Em algum momento, provavelmente na manhã desse dia, soube que haveria uma janela de oportunidade à noite. Afastou-se.

  19. Besteira. Tudo besteira. Os 99% que se phodham enquanto o 1% estiver feliz. E, me acreditem, o 1% está muito feliz….
    Pior ainda? Tem sim: os 99% ficarão muito felizes com a “TV a Gato” miliciana e pouco vão se importar se a Marielle levou 450 tiros…
    O bom do 1% é que são muito pragmáticos: sabem exatamente onde estão os seus interesses e sabem, ou procuram saber, como atendê-los…

  20. Tenho outra hipótese, e a minha descarta a sua, pois parte da premissa de que Bolsonaro não está ( ao menos não diretamente, como propõe sua hipótese) envolvido com os assassinatos de Marielle e Anderson. Também meu método de análise dos fatos difere do método do jornalismo que você apresenta, pois o meu leva em conta que os “fatos” que a imprensa divulga podem, de fato, não serem fatos, e, sim, informações falsa, plantadas, para “formar” a opinião do público a respeito do que se deseja que este mesmo público pense. É o que se denomina de manipulação da informação para alcance de objetivos, objetivos estes que podem ser de ordem política, econômica, social, mercadológica, ou qualquer outra. Pois bem, minha hipótese, parte do princípio de que a imprensa está tentando plantar essa ideia, que, certamente, é uma ideia genial e que deveria ser encampada, mas por alguma dessas mentes brilhantes de roteiristas de ficção política. “O mundo assiste estupefato a notícia de que presidente do Brasil mandou executar vereadora, quando ainda estava em pré-campanha para presidência”! Imagine essa manchete em todas as línguas existentes no planeta! Agora, imagine essa outra manchete: “Político de mesmo partido de vereadora assassinada e alto comando das FFAA planejaram e executaram Marielle e Anderson, a mando da CIA, para impulsionar a crise no país e favorecer as forças golpistas”. Mais escandalosa ainda, não? Por isto mesmo, suscetível a ser mais cinematográfica que sua hipótese, tamanha absurdidade. Mas, no país de Macunaíma tudo é possível, não é mesmo?
    Do ponto de vista interno, suponhamos que:
    1) Há infiltrados do golpe em todo o espectro que compõe as forças de esquerda, tais como, partidos, sindicatos, movimentos sociais, imprensa progressista, universidades, etc.
    2) Há vigilância de toda a sociedade brasileira por parte das forças golpistas, há mais de década, de forma que todos os atores com poder de liderança e de formação de opinião que “não andam ou não andaram na linha” nesses últimos dez, quinze anos, podem estar coagidos, daí a incapacidade de formar uma resistência ampla e coesa, já que as forças golpistas tem capacidade de vigilância e controle da vida de qualquer cidadão brasileiro
    3) Há políticos e há veículos de imprensa que estão na esquerda, produzindo narrativas de esquerda, mas, na verdade, estão atuando para que a esquerda se imobilize, se pacifique e não promova uma guerra civil e de enfrentamento popular ao golpe;
    4) O país está sobe ataque de guerra híbrida desde 2007.

    E do ponto de vista externo, suponhamos que:
    1)Há uma guerra mundial e invisível acontecendo no planeta e que, grosso modo, é a mesma demonstrada pelo velho barbudo há mais de duzentos anos e que é responsável pela matança de humanos e não-humanos desde que o capitalismo se desenvolveu, guerra entre basicamente duas forças, uma que tem o domínio do sistema econômico no seu modo de exploração da força de trabalho e da especulação financeira, e outra que compõe essa força de trabalho explorada e que é a força motriz do sistema econômico mundial.
    2) Há um interesse dos países ricos em explorar as riquezas naturais que o continente americano reserva e que os EUA e seus aliados querem ter o domínio, subjugando todas as nações que compõem este continente.
    3) há uma crise do capitalismo em curso, e o modo como o capitalismo resolve suas crises é: i) promovendo guerra, ii) desarticulando contra-projetos hegemônicos transnacionais, iii) desestabilizando politicamente países com democracias frágeis;
    4) Toda a América Latina, tal como o Brasil, está sob ataque híbrido.
    Com este cenário – muito mais complexo, ao que me parece – É possível pensar, então, na seguinte hipótese:
    Com o objetivo de agravar, ainda mais, a crise no maior país da AL, o Brasil, e enfraquecer as forças contrárias ao projeto neoliberal da elite do capitalismo, mataram a vereadora para, com este fato, o golpismo ter várias cartas na manga, e uma delas é implicar, via imprensa, a participação do clã Bolsonaro neste que já está consagrado como um dos mais covardes assassinatos políticos de que a história deste país coleciona. Desse modo, o golpismo (cuja força vem de fora) mantêm todos os atores coagidos e sob controle. Quem matou? Quem mandou matar? Foi o golpe e todas as forças que o compõe.

    2
    1
  21. LULA foi a ONU por um julgamento justo!
    Não teme as provas, por que elas não existem!
    Foi tudo um faz-de-conta…
    O intecept não mente e nem eles negam mais…
    Agora entramos na fase do cinismo sem fim…
    Isso vai destruir a república!
    O cinismo destrói estados – a história mostra isso!
    Já o outro se cerca de promotores “bolsonaristas ferrenhos”, do próprio filho mexendo nas “provas”, de uma policia federal que há muito tempo usa de dois pesos e duas medidas e delegados supostamente “subornados’…
    O crime está aprendendo muito com esse caso…
    E não precisa de muita inteligência para entender…
    Se ele não tivesse culpa, ele seria o maior patrocinador de uma justiça isenta!

  22. Essa história do Bozo envolvido no assassinato da Marielle e Anderson parece enredo de filme do Quentin Tarantino.
    Daria um ótimo filme para ele dirigir.
    Pena que é real… e acontece no Brasil.

  23. Grande, Nassif. Finalmente uma concordância. Desde o primeiro dia, disse que essa execução era para “emparedar” o interventor federal. Emparedar era a técnica usada pela tigrada linha dura da Ditadura de 64. Consiste em um delito acintoso contra inimigos do poder cometido pelas forças de repressão que exija punição pelo comando. Se o comando punir, coloca-se contra a tropa; se não punir, perde a autoridade.

  24. Eles já sabem quem mandou matar Maryelle. O próprio fato de se apossar das provas e alterar o áudio do dia do crime, já é a confissão. Nem precisa ver detetive pra chegar a esta conclusão.

  25. Tem como descobrir sim, o que aconteceu naquele dia 14/03/2018.

    Mas os promotores ao que parece, querem é esconder. Então fica dificil, é preciso
    que se faça uma investigação paralela.

    Aquela tela do computador da portaria que o Carlos Bolsonaro mostrou, detona muitas questões.
    A principal delas é que há arquivos, há registros, e eles devem ser periciados. Os arquivos na internet são como cadáveres, eles falam.

    E aí explica porque o Carlos Bolsonaro saiu das redes. A bronca foi muito grande.

  26. Fica óbvio que querem afastar o nome do Jair do assassinato. Seria muito fácil comprovar que horas o Jair viajou pro Rio. Se isso não foi feito, e porque é comprometedor. A conclusão mínima é que Jair saberia da trama do assassinato, tendo participado de várias reuniões a respeito, nem que fosse “de brincadeira elocubrativa”
    Esse tipo de humor negro de mal gosto combina com o personagem

  27. Os registros telefônicos e do whatsapps devem dar uma boa noção do que se passou no dia.
    Mas o processo corre em sigilo.
    O clã daquela época não deveria tomar os mesmos cuidados que tomam hoje.
    Qualquer investigação minimamente séria já teria os registros em mãos seja para descartar, seja para verificar e comprovar o encontro marcado/ desmarcar o encontro de Bozopai com lessa e Elcio.
    Como o Witzel conversou com Bolsonaro no dia 9, demonstrou ter acesso privilegiado aos dados do caso.
    Sabe mais do que foi dito.

  28. Ainda sobre milicias e conservadores,

    Parece que o que ocorreu na Bolívia é um ensaio do que pode ser passar no Brasil.
    Essa reportagem dá um norte sobre quais são os outros passos que o governo pode tomar: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/11/aliados-de-bolsonaro-vao-recorrer-a-movimentos-e-a-evangelicos-para-criar-sigla.shtml
    Nossa democracia é jovem porém um pouco mais densa do que a da Bolívia.
    O STF/TSE precisa interromper esse processo. É ação direta das igrejas evangélicas sob a política. Já deixaram fenômenos como Crivella livres demais.
    O que a universal faz não é diferente do que Jair faz.
    Estes são os projetos de poder em disputa.

  29. O problema, que ninguem está colocando, é que para se investigar o Presidente, que tem foro especial, se precisa de alteração do STF.
    É por isso que não podem sair investigando ele assim.

  30. Fazer perícia na central telefônica do condomínio é obrigação que deveria ter sido cumprida no início das investigações, mas que isto não seja concludente, visto que o próprio Lessa poderia ligar para Bolsonaro e passar o celular para o porteiro ouvir a ordem de liberação. Portanto, quebrar os sigilos telefônicos de todos os envolvidos já deveria ter sido feito.
    Outra coisa, o porteiro não pode ser entrevistado pela imprensa?

  31. A verdade é que se está replicando um novo Riocentro (que deu certo até agora). Com certeza a “famiglia” participou. Pode não ter sido iniciativa dela, possivelmente de milicianos, mas aloprados que são não poderiam ficar de fora e deram apoio.

  32. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome